Meu amor não me ar­re­pendo do que fiz. Para ca­sar com você fa­ria coisa pior ainda. Mas des­culpe por ter dado er­rado, es­tou triste. Muito triste por ter de­sa­pon­tado você e tam­bém por­que agora é im­pos­sí­vel de eu ver você. Só de pen­sar que pode le­var mais de dez anos te­nho von­tade de me ma­tar.

Te­nho orado muito, pen­sado que sou nova ainda, você tam­bém amor. Por fa­vor, me es­pera! Não me es­quece, das coi­sas que você me disse, das pro­mes­sas que me fez. Eu vou ser sem­pre sua, você sabe disso. Pode ter até ou­tras, não ligo mais. Só quero es­tar no seu co­ra­ção, ser sua mu­lher, mãe de seus fi­lhos.

Aqui tem muita gente ruim onde es­tou meu amor. Elas não gos­tam de quem é nova, fa­lam que é mais uma boca para co­mer e para to­mar es­paço. Te­nho dor­mido no chão umas três ho­ras por dia, se pas­sar disso dão por­rada na gente. Você e Je­sus são mi­nhas for­ças aqui den­tro. Até pa­rei de fu­mar amor, você vai ver. Sem­pre me xin­gava de im­pres­tá­vel por sem­pre es­tar doi­dona, agora mu­dei.

Quase não sinto mais dor tam­bém, só quando sento de mau jeito. O mé­dico da­qui é um ca­valo, mas pelo me­nos pas­sou um re­mé­dio que tá aju­dando. Ele é sem ver­go­nha, dis­se­ram tam­bém. Gosta de fi­car olhando a xota das pre­sas. Mas co­migo ele não fol­gou não, mal abri as per­nas já fe­chei e man­dei ele dar os re­mé­dios.

Te­nho fé que tudo vai dar certo amor, força aí tam­bém. Pensa em to­dos os mo­men­tos bons que ti­ve­mos. Eu lem­bro isso todo dia amor. Fica com Deus. Bei­jos.

Ed­nalva

– Você quer mesmo ca­sar co­migo, muié?

– Claro, meu lindo. Eu sem­pre fiz tudo que você pe­diu, não quero fi­car nunca longe de você!

– Eu não sou de en­ro­lar não, tem uma fila de mu­lher atrás de mim. Você é só mais uma. Mesmo eu pu­xando cana agora sem­pre te­nho vi­sita de muié aqui. Por que acha que te­nho que te dar aten­ção?

– Não lem­bra como era gos­toso a gente junto? Você sem­pre di­zia que era es­pe­cial co­migo.

– Era men­tira. Você é muito gos­tosa, mas só isso. Como to­das as ou­tras que já ca­tei.

– Para mim foi es­pe­cial, meu amor. Sem­pre me senti di­fe­rente do seu lado, um te­são muito grande. Por isso quero ca­sar com você.

– Faz u se­guinte en­tão. Você lem­bra do Ma­car­rão, não é? Pro­cura ele ama­nhã. Ele vai te fa­lar de uma pa­rada aí que pre­ciso muito. Se você fi­zer tudo di­rei­ti­nho aí penso no seu caso. 

-Obri­gado amor! Vou fa­zer tudo que você qui­ser!

– Tá, tá, pára de cho­rar. Tchau.

Aquela era uma das me­lho­res bo­cas da ci­dade. Ci­dão pla­ne­jou uma se­mana para to­mar ela. Não adi­an­tava che­gar ati­rando. É um lu­gar alto, sem­pre dá para ver quem vem che­gando. Tonto que che­gasse a fim de apron­tar le­vava tiro de fu­zil. Por isso Ci­dão pas­sou um mês com­prando e con­ven­cendo o bando de Meia Lua para fo­der o cara. Dos nove, cinco tro­ca­ram de lado. Os qua­tro que so­bra­ram Ci­dão nem foi atrás, eram os mais no­vi­nhos e sem cu­lhão para pas­sar a perna no chefe.

No dia mar­cado a bala co­meu solta. Todo mundo mor­reu com tiro pe­las cos­tas. Não tem essa de filme de gângs­ter com ti­ro­teio e fres­cu­ras. Se vai dar um tiro tem que ser rá­pido e para ma­tar. Nem Meia Lua deu para o gasto. Foi um dos pri­mei­ros a mor­rer.

Para che­gar che­gando, Ci­dão en­trou na casa logo em se­guida avi­sando que ele man­dava a par­tir de agora e que se al­guém ti­vesse algo para fa­lar que de­sem­bu­chasse logo. Um dos cinco ra­tos que traí­ram Meia Lua er­gueu a mão para fa­lar. Disse as pri­mei­ras sí­la­bas e le­vou um tiro de Ci­dão bem na testa. Nin­guém mais deu um pio.

Na­quele mesmo dia teve festa para co­me­mo­rar o êxito em­pre­sa­rial de Ci­dão. Ed­nalva era moça da co­mu­ni­dade e foi cha­mada pe­las ami­gas para be­ber e co­mer de graça. Ti­nha 17 anos, mas ti­nha pa­rado de es­tu­dar na 6ª sé­rie. De­sem­pre­gada, às ve­zes fa­zia uns bi­cos de ma­ni­cure aju­dando a tia ca­be­lei­reira. A mãe era fa­xi­neira e o pai ela nunca soube quem foi. Tem tam­bém mais três ir­mãos me­no­res.

Ci­dão gos­tava de dan­çar forró e exi­gia que to­dos dan­ças­sem nas fes­tas que pro­mo­via. Ele sem­pre gos­tou de dan­çar com vá­rias mu­lhe­res e fa­lava que to­dos de­viam fa­zer o mesmo. Até suas ne­gas ele dei­xava dan­çar com ou­tros ho­mens, claro que sem abu­sar.

Ed­nalva tam­bém gos­tava de um for­ro­zi­nho, mas era nova na fa­vela. Os ho­mens to­dos quando a vi­ram que­riam ser os pri­mei­ros a dan­çar com aquela cri­ança com corpo de mu­lher. Era de es­tra­nhar que ela ainda não ti­vesse fi­lhos, tal­vez não fosse tão burra as­sim. Mas in­te­li­gên­cia para es­co­lher o me­lhor ho­mem de lá para dan­çar ela não teve não. Como puxa saco que aguarda o dia de to­mar tudo do chefe, fui eu que apon­tei a gos­tosa para o Ci­dão. Ele não teve dú­vida, pela pri­meira vez pa­rou uma dança para pe­gar a mu­lher do otá­rio.

Eu o co­nheço há 12 anos, mu­lher nunca foi uma pre­o­cu­pa­ção para ele. O imã de xo­xota que o po­der car­rega o acom­pa­nha desde mo­le­que. Mas per­cebi que ele teve uma que­di­nha es­pe­cial pela Ed­nalva. Ele sem­pre di­zia que não, mas ela foi du­rante dois anos uma das na­mo­ra­di­nhas dele. Um re­corde, sem dú­vida. Me­lhor para o Ma­car­rão aqui, ele fi­cou grato por esse dia do forró e fi­quei ainda mais por den­tro dos ne­gó­cios do im­be­cil.

– É sim­ples. Esse saco plás­tico tem as pe­dras. Você en­fia lá, não dá ban­deira com os agen­tes lá den­tro do pre­sí­dio e quando o Ci­dão man­dar você puxa esse bar­bante e en­trega o ba­gu­lho para ele.

– Ai meu Deus. Não sei se con­sigo…

– A úl­tima mu­lher nossa le­vou dois ce­lu­la­res, um car­re­ga­dor e uma ba­te­ria. Fica tranqüila, como você acha que saiu de den­tro da sua mãe? Aí cabe muita coisa.

– Mas es­ses lan­ces de re­vista ín­tima que fa­lam na te­le­vi­são?

– Os guar­das que fa­zem isso es­tão com­pra­dos já. O Ci­dão é meu par­ceiro agora, pre­pa­rei tudo para você en­trar lá e en­tre­gar numa boa, sem crise.

– Sabe… quando ele me fa­lou para vir aqui sa­bia que de­via ser coisa barra pe­sada. Vai ser um des­gosto muito grande para mi­nha mãe se der merda. Meu ir­mão foi preso rou­bando mês pas­sado, ela fi­cou ner­vosa di­zendo que era culpa dela os fi­lhos es­ta­rem as­sim. Mas eu amo o Apa­re­cido e ele me pro­me­teu que ca­sa­ria de­pois disso. Eu vou até o fim.

– Aí isso é com vo­cês, mas posso di­zer que ele cum­pre o que pro­mete. Agora vai lá que as me­ni­nas vão te en­si­nar como co­lo­car o saco.

Mu­lher é presa com 42 pe­dras de crack na va­gina

Por volta das 13h30 de on­tem a ma­ni­cure Ed­nalva Ma­ria de Je­sus San­tos, 19 anos, foi presa com 42 pe­dras de crack den­tro da va­gina quando ten­tava en­trar na Pe­ni­ten­ciá­ria de Val­pa­raíso.

Se­gundo a re­por­ta­gem apu­rou, a droga se­ria en­tre­gue a um ex-namorado da tra­fi­cante, Apa­re­cido da Silva Fi­lho, 25. O en­tor­pe­cente foi des­co­berto após de­nún­cia anô­nima quando os dois con­ver­sa­vam du­rante o ho­rá­rio de vi­si­tas. A pri­são dis­põe de uma apa­re­lho de raio X para re­vis­tas mas a ad­mi­nis­tra­ção pe­ni­ten­ciá­ria afirma que ele está que­brado. Pelo crime de trá­fico de dro­gas Ed­nalva deve cum­prir uma pena de 5 a 15 anos.

Re­cebi sua carta, mas sei lá o que é isso que você está fa­lando, nunca te man­dei fa­zer nada. Você está louca.

So­bre ca­sar co­migo tam­bém me es­quece. Me apai­xo­nei aqui por uma mu­lher de ver­dade. Ca­sa­mos aqui den­tro já. 

Apa­re­cido

– Che­gou tua hora bo­ni­ti­nha. O Ma­car­rão man­dou te dar esse re­cado.

– O que que eu fiz? Por fa­vor, pára com isso!!

– Eles tam­bém não me ex­pli­ca­ram di­reito, mas dis­se­ram que tu só foi mula para fer­rar mais ainda um cara na pri­são que o Ma­car­rão tá de olho. Você vai mor­rer para não dar com a lín­gua nos den­tes.

– Es­pera, eu só pe­guei aque­las pe­dras para me ca­sar, não é certo fa­zer isso! Vira esse es­ti­lete para lá, por fa­vor!

– Chega de choro vaca! 

E-mail: reichaves@hotmail.com

Compartilhe