Meu amor não me ar­re­pen­do do que fiz. Pa­ra ca­sar com vo­cê fa­ria coi­sa pi­or ain­da. Mas des­cul­pe por ter da­do er­ra­do, es­tou tris­te. Mui­to tris­te por ter de­sa­pon­ta­do vo­cê e tam­bém por­que ago­ra é im­pos­sí­vel de eu ver vo­cê. Só de pen­sar que po­de le­var mais de dez anos te­nho von­ta­de de me ma­tar.

Te­nho ora­do mui­to, pen­sa­do que sou no­va ain­da, vo­cê tam­bém amor. Por fa­vor, me es­pe­ra! Não me es­que­ce, das coi­sas que vo­cê me dis­se, das pro­mes­sas que me fez. Eu vou ser sem­pre sua, vo­cê sa­be dis­so. Po­de ter até ou­tras, não li­go mais. Só que­ro es­tar no seu co­ra­ção, ser sua mu­lher, mãe de seus fi­lhos.

Aqui tem mui­ta gen­te ruim on­de es­tou meu amor. Elas não gos­tam de quem é no­va, fa­lam que é mais uma bo­ca pa­ra co­mer e pa­ra to­mar es­pa­ço. Te­nho dor­mi­do no chão umas três ho­ras por dia, se pas­sar dis­so dão por­ra­da na gen­te. Vo­cê e Je­sus são mi­nhas for­ças aqui den­tro. Até pa­rei de fu­mar amor, vo­cê vai ver. Sem­pre me xin­ga­va de im­pres­tá­vel por sem­pre es­tar doi­do­na, ago­ra mu­dei.

Qua­se não sin­to mais dor tam­bém, só quan­do sen­to de mau jei­to. O mé­di­co da­qui é um ca­va­lo, mas pe­lo me­nos pas­sou um re­mé­dio que tá aju­dan­do. Ele é sem ver­go­nha, dis­se­ram tam­bém. Gos­ta de fi­car olhan­do a xo­ta das pre­sas. Mas co­mi­go ele não fol­gou não, mal abri as per­nas já fe­chei e man­dei ele dar os re­mé­di­os.

Te­nho fé que tu­do vai dar cer­to amor, for­ça aí tam­bém. Pen­sa em to­dos os mo­men­tos bons que ti­ve­mos. Eu lem­bro is­so to­do dia amor. Fi­ca com Deus. Bei­jos.

Ed­nal­va

- Vo­cê quer mes­mo ca­sar co­mi­go, muié?

- Cla­ro, meu lin­do. Eu sem­pre fiz tu­do que vo­cê pe­diu, não que­ro fi­car nun­ca lon­ge de vo­cê!

- Eu não sou de en­ro­lar não, tem uma fi­la de mu­lher atrás de mim. Vo­cê é só mais uma. Mes­mo eu pu­xan­do ca­na ago­ra sem­pre te­nho vi­si­ta de muié aqui. Por que acha que te­nho que te dar aten­ção?

- Não lem­bra co­mo era gos­to­so a gen­te jun­to? Vo­cê sem­pre di­zia que era es­pe­ci­al co­mi­go.

- Era men­ti­ra. Vo­cê é mui­to gos­to­sa, mas só is­so. Co­mo to­das as ou­tras que já ca­tei.

- Pa­ra mim foi es­pe­ci­al, meu amor. Sem­pre me sen­ti di­fe­ren­te do seu la­do, um te­são mui­to gran­de. Por is­so que­ro ca­sar com vo­cê.

- Faz u se­guin­te en­tão. Vo­cê lem­bra do Ma­car­rão, não é? Pro­cu­ra ele ama­nhã. Ele vai te fa­lar de uma pa­ra­da aí que pre­ci­so mui­to. Se vo­cê fi­zer tu­do di­rei­ti­nho aí pen­so no seu ca­so.

-Obri­ga­do amor! Vou fa­zer tu­do que vo­cê qui­ser!

- Tá, tá, pá­ra de cho­rar. Tchau.

Aque­la era uma das me­lho­res bo­cas da ci­da­de. Ci­dão pla­ne­jou uma se­ma­na pa­ra to­mar ela. Não adi­an­ta­va che­gar ati­ran­do. É um lu­gar al­to, sem­pre dá pa­ra ver quem vem che­gan­do. Ton­to que che­gas­se a fim de apron­tar le­va­va ti­ro de fu­zil. Por is­so Ci­dão pas­sou um mês com­pran­do e con­ven­cen­do o ban­do de Meia Lua pa­ra fo­der o ca­ra. Dos no­ve, cin­co tro­ca­ram de la­do. Os qua­tro que so­bra­ram Ci­dão nem foi atrás, eram os mais no­vi­nhos e sem cu­lhão pa­ra pas­sar a per­na no che­fe.

No dia mar­ca­do a ba­la co­meu sol­ta. To­do mun­do mor­reu com ti­ro pe­las cos­tas. Não tem es­sa de fil­me de gângs­ter com ti­ro­teio e fres­cu­ras. Se vai dar um ti­ro tem que ser rá­pi­do e pa­ra ma­tar. Nem Meia Lua deu pa­ra o gas­to. Foi um dos pri­mei­ros a mor­rer.

Pa­ra che­gar che­gan­do, Ci­dão en­trou na ca­sa lo­go em se­gui­da avi­san­do que ele man­da­va a par­tir de ago­ra e que se al­guém ti­ves­se al­go pa­ra fa­lar que de­sem­bu­chas­se lo­go. Um dos cin­co ra­tos que traí­ram Meia Lua er­gueu a mão pa­ra fa­lar. Dis­se as pri­mei­ras sí­la­bas e le­vou um ti­ro de Ci­dão bem na tes­ta. Nin­guém mais deu um pio.

Na­que­le mes­mo dia te­ve fes­ta pa­ra co­me­mo­rar o êxi­to em­pre­sa­ri­al de Ci­dão. Ed­nal­va era mo­ça da co­mu­ni­da­de e foi cha­ma­da pe­las ami­gas pa­ra be­ber e co­mer de gra­ça. Ti­nha 17 anos, mas ti­nha pa­ra­do de es­tu­dar na 6ª sé­rie. De­sem­pre­ga­da, às ve­zes fa­zia uns bi­cos de ma­ni­cu­re aju­dan­do a tia ca­be­lei­rei­ra. A mãe era fa­xi­nei­ra e o pai ela nun­ca sou­be quem foi. Tem tam­bém mais três ir­mãos me­no­res.

Ci­dão gos­ta­va de dan­çar for­ró e exi­gia que to­dos dan­ças­sem nas fes­tas que pro­mo­via. Ele sem­pre gos­tou de dan­çar com vá­ri­as mu­lhe­res e fa­la­va que to­dos de­vi­am fa­zer o mes­mo. Até su­as ne­gas ele dei­xa­va dan­çar com ou­tros ho­mens, cla­ro que sem abu­sar.

Ed­nal­va tam­bém gos­ta­va de um for­ro­zi­nho, mas era no­va na fa­ve­la. Os ho­mens to­dos quan­do a vi­ram que­ri­am ser os pri­mei­ros a dan­çar com aque­la cri­an­ça com cor­po de mu­lher. Era de es­tra­nhar que ela ain­da não ti­ves­se fi­lhos, tal­vez não fos­se tão bur­ra as­sim. Mas in­te­li­gên­cia pa­ra es­co­lher o me­lhor ho­mem de lá pa­ra dan­çar ela não te­ve não. Co­mo pu­xa sa­co que aguar­da o dia de to­mar tu­do do che­fe, fui eu que apon­tei a gos­to­sa pa­ra o Ci­dão. Ele não te­ve dú­vi­da, pe­la pri­mei­ra vez pa­rou uma dan­ça pa­ra pe­gar a mu­lher do otá­rio.

Eu o co­nhe­ço há 12 anos, mu­lher nun­ca foi uma pre­o­cu­pa­ção pa­ra ele. O imã de xo­xo­ta que o po­der car­re­ga o acom­pa­nha des­de mo­le­que. Mas per­ce­bi que ele te­ve uma que­di­nha es­pe­ci­al pe­la Ed­nal­va. Ele sem­pre di­zia que não, mas ela foi du­ran­te dois anos uma das na­mo­ra­di­nhas de­le. Um re­cor­de, sem dú­vi­da. Me­lhor pa­ra o Ma­car­rão aqui, ele fi­cou gra­to por es­se dia do for­ró e fi­quei ain­da mais por den­tro dos ne­gó­ci­os do im­be­cil.

- É sim­ples. Es­se sa­co plás­ti­co tem as pe­dras. Vo­cê en­fia lá, não dá ban­dei­ra com os agen­tes lá den­tro do pre­sí­dio e quan­do o Ci­dão man­dar vo­cê pu­xa es­se bar­ban­te e en­tre­ga o ba­gu­lho pa­ra ele.

- Ai meu Deus. Não sei se con­si­go...

- A úl­ti­ma mu­lher nos­sa le­vou dois ce­lu­la­res, um car­re­ga­dor e uma ba­te­ria. Fi­ca tranqüi­la, co­mo vo­cê acha que saiu de den­tro da sua mãe? Aí ca­be mui­ta coi­sa.

- Mas es­ses lan­ces de re­vis­ta ín­ti­ma que fa­lam na te­le­vi­são?

- Os guar­das que fa­zem is­so es­tão com­pra­dos já. O Ci­dão é meu par­cei­ro ago­ra, pre­pa­rei tu­do pa­ra vo­cê en­trar lá e en­tre­gar nu­ma boa, sem cri­se.

- Sa­be... quan­do ele me fa­lou pa­ra vir aqui sa­bia que de­via ser coi­sa bar­ra pe­sa­da. Vai ser um des­gos­to mui­to gran­de pa­ra mi­nha mãe se der mer­da. Meu ir­mão foi pre­so rou­ban­do mês pas­sa­do, ela fi­cou ner­vo­sa di­zen­do que era cul­pa de­la os fi­lhos es­ta­rem as­sim. Mas eu amo o Apa­re­ci­do e ele me pro­me­teu que ca­sa­ria de­pois dis­so. Eu vou até o fim.

- Aí is­so é com vo­cês, mas pos­so di­zer que ele cum­pre o que pro­me­te. Ago­ra vai lá que as me­ni­nas vão te en­si­nar co­mo co­lo­car o sa­co.

Mu­lher é pre­sa com 42 pe­dras de crack na va­gi­na

Por vol­ta das 13h30 de on­tem a ma­ni­cu­re Ed­nal­va Ma­ria de Je­sus San­tos, 19 anos, foi pre­sa com 42 pe­dras de crack den­tro da va­gi­na quan­do ten­ta­va en­trar na Pe­ni­ten­ciá­ria de Val­pa­raí­so.

Se­gun­do a re­por­ta­gem apu­rou, a dro­ga se­ria en­tre­gue a um ex-na­mo­ra­do da tra­fi­can­te, Apa­re­ci­do da Sil­va Fi­lho, 25. O en­tor­pe­cen­te foi des­co­ber­to após de­nún­cia anô­ni­ma quan­do os dois con­ver­sa­vam du­ran­te o ho­rá­rio de vi­si­tas. A pri­são dis­põe de uma apa­re­lho de raio X pa­ra re­vis­tas mas a ad­mi­nis­tra­ção pe­ni­ten­ciá­ria afir­ma que ele es­tá que­bra­do. Pe­lo cri­me de trá­fi­co de dro­gas Ed­nal­va de­ve cum­prir uma pe­na de 5 a 15 anos.

Re­ce­bi sua car­ta, mas sei lá o que é is­so que vo­cê es­tá fa­lan­do, nun­ca te man­dei fa­zer na­da. Vo­cê es­tá lou­ca.

So­bre ca­sar co­mi­go tam­bém me es­que­ce. Me apai­xo­nei aqui por uma mu­lher de ver­da­de. Ca­sa­mos aqui den­tro já.

Apa­re­ci­do

- Che­gou tua ho­ra bo­ni­ti­nha. O Ma­car­rão man­dou te dar es­se re­ca­do.

- O que que eu fiz? Por fa­vor, pá­ra com is­so!!

- Eles tam­bém não me ex­pli­ca­ram di­rei­to, mas dis­se­ram que tu só foi mu­la pa­ra fer­rar mais ain­da um ca­ra na pri­são que o Ma­car­rão tá de olho. Vo­cê vai mor­rer pa­ra não dar com a lín­gua nos den­tes.

- Es­pe­ra, eu só pe­guei aque­las pe­dras pa­ra me ca­sar, não é cer­to fa­zer is­so! Vi­ra es­se es­ti­le­te pa­ra lá, por fa­vor!

- Che­ga de cho­ro va­ca!

E-mail: reichaves@hotmail.com

Compartilhe