“Es­se é seu úl­ti­mo dia de vi­da, An­te­nor. Nin­guém sa­be, mas quan­do to­dos es­tão pa­ra mor­rer re­ce­bem a mi­nha vi­si­ta em so­nho. É de sua pró­pria na­tu­re­za es­tes se­rem es­tra­nhos, frag­men­ta­dos e enig­má­ti­cos, por is­so as­su­mo es­sa for­ma de ca­va­lo e quan­do vo­cê acor­dar não vai se lem­brar de mim to­tal­men­te, só vai sen­tir uma sen­sa­ção no­va, que nun­ca te­ve du­ran­te a vi­da e que vai te for­çar a lem­brar de tu­do o que fez na sua exis­tên­cia. Es­se so­nho fi­nal tem um pro­pó­si­to pa­ra to­dos, mas vo­cê te­rá que des­co­brir so­zi­nho qual é”.

A se­te pal­mos do chão ago­ra con­si­go lem­brar com­ple­ta­men­te des­se so­nho do ca­va­lo que fa­la­va e re­lin­cha­va, uma das for­mas mis­te­ri­o­sas da mor­te. Aliás, a me­mó­ria dos mor­tos é fan­tás­ti­ca, lem­bro de to­dos os lu­ga­res on­de per­di meus guar­da-chu­vas, de to­das as mo­e­das que re­ce­bi de tro­co e, in­fe­liz­men­te, de to­das as pes­so­as que ma­go­ei.

O in­fer­no é is­so, ir­mão. Não tem fo­go, chi­fre ou dor. É vo­cê car­re­gar pa­ra sem­pre a me­mó­ria da sua vi­da, em to­dos os de­ta­lhes. E aqui nes­se cai­xão cheio de ver­mes não há hip­no­tis­mo ou psi­ca­na­lis­ta pa­ra me fa­zer es­que­cer as do­res. Se­ten­ta e seis anos de vi­da, que no meu ca­so fo­ram mui­to mais de er­ros do que de acer­tos, tu­do is­so me mar­te­lan­do sem pa­rar.

“Sua ho­ra che­gou, den­tro de um mi­nu­to vo­cê mor­re­rá. Nes­se mo­men­to de ago­nia, po­rém, vo­cês se­res hu­ma­nos têm di­rei­to de res­pon­der a uma per­gun­ta, a mais im­por­tan­te da sua exis­tên­cia. Po­rém, se er­ra­rem ou não sou­be­rem a res­pos­ta, irão car­re­gar o pe­so das su­as lem­bran­ças pa­ra sem­pre. Ca­so acer­tem, têm a gra­ça de es­que­ce­rem tu­do des­ta vi­da e vol­ta­rem nu­ma for­ma de vi­da mais evo­luí­da, que não é a do ser hu­ma­no. Pres­te aten­ção: eu te­nho o po­der de apa­gar, de con­ser­tar o er­ro mais cru­el de sua vi­da, por­tan­to, me di­ga qual foi ele.”

Já in­cons­ci­en­te e mor­ren­do, o mal­di­to ca­va­lo veio com o úl­ti­mo pre­go no meu cai­xão. Eu res­pon­di que mi­nha mai­or ca­ga­da foi ter ma­ta­do meu ir­mão por uma dí­vi­da de jo­go. Era men­ti­ra. Não sen­tia pe­na de­le. Ape­sar de ser meu ir­mão, nun­ca me amou e era ain­da pi­or do que eu. In­fe­liz­men­te pa­ra mim, a mor­te tam­bém sa­bia o que eu sen­tia e quem ti­nha si­do meu ir­mão.

“A res­pos­ta es­tá er­ra­da. Seu mai­or er­ro foi ter cor­rom­pi­do um jo­vem ator de de­zes­se­te anos. Ele per­deu a fa­mí­lia e o tra­ba­lho pe­lo ví­cio que vo­cê ven­dia. Nu­ma or­gia ele ma­tou a na­mo­ra­da e foi pre­so. Sua fa­mí­lia des­mo­ro­nou, os pais se se­pa­ra­ram e seus ir­mãos tam­bém se trans­for­ma­ram em vi­ci­a­dos. O jo­vem foi es­tu­pra­do na pri­são e mor­reu ba­le­a­do nu­ma ten­ta­va de fu­ga. E vo­cê sa­bia de tu­do is­so.”

Seis anos de­pois, a ca­da mo­men­to tam­bém me lem­bro des­se er­ro fi­nal que me amal­di­ço­ou. An­tes de mor­rer, po­rém, o ca­va­lo ain­da me dis­se que a res­pos­ta cer­ta es­ta­va no pró­prio so­nho. Na cul­tu­ra dos ho­mens, os so­nhos com ca­va­los que re­lin­cham sem­pre sig­ni­fi­ca­ram co­nhe­cer al­guém fa­mo­so ou im­por­tan­te, que no ca­so foi o ator idi­o­ti­nha pa­ra quem ven­dia dro­gas. Es­se foi o si­nal da­do no so­nho e eu nem ti­nha a des­cul­pa de di­zer que nun­ca ti­nha ou­vi­do fa­lar des­se sig­ni­fi­ca­do dos so­nhos. Mi­nha mãe ex­pli­ca­va coi­sas as­sim pa­ra mim e meus ir­mãos sem­pre que acor­da­va e lem­bra­va-se de al­gum so­nho. Com a mor­te não tem dis­cus­são.

E-mail: reichaves@hotmail.com

Compartilhe