Washing­ton, Lin­coln, Ro­o­se­velt e Ken­nedy nas­ce­ram no mes­mo bair­ro, a
Fa­ve­la Tio Sam. Ca­da um, a seu mo­do, exer­ceu enor­me in­fluên­cia na vi­da
lo­cal e até ho­je são lem­bra­dos co­mo be­ne­mé­ri­tos da co­mu­ni­da­de.

Washing­ton, fi­lho de Do­na Vir­gí­nia, ti­nha ins­tin­to de li­de­ran­ça. Tra­ba­lhou in­ten­sa­men­te pe­la uni­fi­ca­ção das tre­ze pe­que­nas vi­e­las que for­ma­vam a fa­ve­la. Ho­je, são cinqüen­ta. Tra­fi­cou, rou­bou e tam­bém do­ou ali­men­tos pa­ra os po­bres. Por is­so, o po­vo pôs seu no­me na prin­ci­pal pra­ça da fa­ve­la.

Lin­coln tor­nou-se lí­der en­tre os tra­fi­can­tes lo­cais. Mas um opo­nen­te, do ou­tro la­do da fa­ve­la, lhe era de­sa­fe­to e a vi­la foi se­pa­ra­da em du­as par­tes: nor­te e sul. Lin­coln, che­fe da ala nor­te, aca­bou ven­cen­do a guer­ra en­tre as qua­dri­lhas. No en­tan­to, mor­reu as­sas­si­na­do me­ses de­pois de reu­ni­fi­car o trá­fi­co, du­ran­te uma apre­sen­ta­ção te­a­tral na pra­ça Washing­ton.

Ro­o­se­velt pre­fe­riu se­guir o ca­mi­nho do jo­go do bi­cho. Pre­o­cu­pa­do com o
de­sem­pre­go e a de­pres­são que rei­na­vam na fa­ve­la, ar­ru­mou tra­ba­lho no jo­go pa­ra mui­ta gen­te. Foi elei­to qua­tro ve­zes pre­si­den­te dos bi­chei­ros. Mor­reu ve­lho, nu­ma ca­dei­ra de ro­das, no quar­to man­da­to. Des­de en­tão, os pre­ten­den­tes ao car­go de­le só po­dem con­cor­rer du­as ve­zes em se­gui­da.

O fa­mo­so con­tra­ven­tor Ken­nedy, con­si­de­ra­do pe­las mu­lhe­res o mais
for­mo­so dos qua­tro, foi mor­to por ini­mi­gos nu­ma em­bos­ca­da. Um ti­ro
es­fa­ce­lou sua ca­be­ça en­quan­to ele pas­se­a­va com a es­po­sa num car­ro
con­ver­sí­vel pe­la vi­e­la Te­xas.

E-mail: otanunes@gmail.com

Compartilhe