“A fa­mí­lia é a ins­ti­tui­ção mais
mis­te­ri­o­sa do uni­ver­so.
E nes­se lar, ao in­vés do as­tro­nau­ta
eu pre­fi­ro ser a mos­ca na pa­re­de.”

Amós Oz

En­con­trar in­se­tos em pra­ças pú­bli­cas não é na­da di­fí­cil no Bra­sil. Mas o que o pú­bli­co da FLIP – Fes­ta Li­te­rá­ria In­ter­na­ci­o­nal de Pa­raty – en­con­trou es­te ano na pra­ça da Ma­triz, na ci­da­de do li­to­ral flu­mi­nen­se, não era qual­quer um. Era a mais fa­mo­sa ba­ra­ta do mun­do. A que fez Gar­cía Már­quez de­ci­dir que se­ria es­cri­tor na vi­da e es­cre­ver Cem Anos de So­li­dão. Fan­tás­ti­ca. Imen­sa. Enig­má­ti­ca. Es­ta­va lá en­ro­la­da nu­ma co­ber­ta dei­ta­da so­bre uma ca­ma. Uma ba­ra­ta no di­vã? Tal­vez fos­se mais um freu­di­a­no ana­lis­ta de pa­pel ma­chê ge­ne­ro­so com os cu­ri­o­sos que pa­ra­vam.

Kaf­ka não foi te­ma de ne­nhu­ma me­sa di­re­ta­men­te. Mas aque­la ins­ta­la­ção do con­to Me­ta­mor­fo­se não fi­cou ali ex­pos­ta dia e noi­te por aca­so. Era um es­pe­lho. Éra­mos to­dos ali Gre­gor Sam­sa. Ba­ra­tas pro­fes­so­ras, mé­di­cas; ba­ra­tas ad­vo­ga­dos, pu­bli­ci­tá­ri­os, em­pre­sá­ri­os; ba­ra­tas jor­na­lis­tas, es­tu­dan­tes; ba­ra­tas so­ci­a­li­tes e apo­sen­ta­das; ba­ra­tas es­cri­to­ras, du­as de­las Prê­mio No­bel; ba­ra­tas anô­ni­mas; nor­des­ti­nas, ca­ri­o­cas, pau­lis­ta­nas; ba­ra­tas afri­ca­nas e ale­mãs; ba­ra­tas da fa­ve­la e de No­va York; ba­ra­tas in­di­a­nas e por­tu­gue­sas; pa­les­ti­nas e is­ra­e­len­ses; ba­ra­tas re­ca­ta­das e por­no­grá­fi­cas; bei­ja­do­ras do as­fal­to; sem fa­mí­li­as e se­nho­ras dos afo­ga­dos; ba­ra­tas ins­pi­ra­do­ras de Nel­son Ro­dri­gues (ho­me­na­ge­a­do da FLIP 2007); ba­ra­tas cen­su­ra­das, já não mais fãs de Ro­ber­to Car­los.

Per­nas, per­nas, per­nas, per­nas e per­nas e mais per­nas... Quan­tas per­nas se de­li­ci­a­ram pa­ra lá e pa­ra cá, cru­za­ram a ci­da­de e cir­cu­la­ram de um la­do pa­ra o ou­tro so­bre as ru­as cal­ça­das com pe­dras, sa­bo­ro­sa­men­te cha­ma­das de pé-de-mo­le­que da his­tó­ri­ca Pa­raty. Dia e noi­te a ba­ra­tai­a­da fez a fes­ta! Quan­do não es­ta­vam nas ten­das aten­tas às pa­les­tras e dis­cus­sões, pas­se­a­vam de es­cu­na, de car­ru­a­gem; an­da­vam pe­la praia, lo­ta­vam os res­tau­ran­tes, ba­res e pa­da­ri­as.

“Com sor­te vo­cê atra­ves­sa o mun­do, sem sor­te vo­cê não atra­ves­sa uma rua”, já di­zia Nel­son Ro­dri­gues. E pa­ra pro­te­ger as co­le­gas, as ba­ra­tas po­li­ci­ais tra­ba­lha­ram do­bra­do. As far­da­das tam­bém eram mui­tas. De re­pen­te um chi­ne­lo vi­o­len­to po­dia ser dis­pa­ra­do con­tra uma das par­ti­ci­pan­tes, não é mes­mo? In­fe­liz­men­te, a vi­o­lên­cia, os ho­mi­cí­di­os, as cha­ci­nas e os aten­ta­dos ter­ro­ris­tas já cho­cam tan­to co­mo dar chi­ne­la­das em ba­ra­tas.

Fa­lou-se da guer­ra, de Osa­ma Bin La­den, de Bush, de Blair, do fim do mun­do. E acre­di­to que foi em bus­ca da nos­sa qua­se per­di­da hu­ma­ni­da­de que nós, fli­pa­do­res, ré­pli­cas de Gre­gor Sam­sa, fo­mos a Pa­raty. De car­ro, ôni­bus, he­li­cóp­te­ro... An­dan­do ou vo­an­do, as­sim co­mo fa­zem os in­se­tos de asas ca­ra­me­la­das quan­do sa­em pa­ra ca­çar co­mi­da, lá fo­mos nós à FLIP.

Co­mo pou­cas e ra­ras ba­ra­tas lei­to­ras fo­mos nos ali­men­tar de idéi­as, ide­ais, li­vros e pa­la­vras que nos tor­nas­sem mais hu­ma­nas e nos de­vol­ves­sem pe­lo me­nos um pou­co da nos­sa sau­do­sa ca­pa­ci­da­de de nos in­dig­nar com a ba­na­li­za­ção da vi­da, prin­ci­pal­men­te. E lá es­ta­va Kaf­ka na pra­ça pa­ra nos lem­brar: A me­ta­mor­fo­se é pos­sí­vel.

Ain­da é pos­sí­vel. E a li­te­ra­tu­ra é o ca­mi­nho. Su­pe­ra a ci­ên­cia e a fi­lo­so­fia no en­ten­di­men­to de ver­da­des ca­da vez mais pro­vi­só­ri­as. Por is­so, tor­nem-se ba­ra­tas vi­ci­a­das em po­e­sia. Su­bam pe­las pa­re­des, pas­sem pe­las fres­tas das por­tas e das ja­ne­las, in­va­dam fo­gões e ge­la­dei­ras se for pre­ci­so, pa­ra dar uma úni­ca lam­bi­da, se for o ca­so, num sor­ve­te de po­e­sia, em do­ces e be­bi­das de po­e­sia, ba­las, bom­bons, num bo­lo de po­e­sia...

E pa­ra to­das nós, ba­ra­tas que ain­da acre­di­ta­mos na me­ta­mor­fo­se, a FLIP 2007 foi um ban­que­te e tan­to. Prin­ci­pal­men­te o que foi ser­vi­do à me­sa de Amós Oz e Na­di­ne Gor­di­mer. Ser­vi­ram paz e li­te­ra­tu­ra. E te­ve du­as ce­re­jas no bo­lo da so­bre­me­sa afro-casher:

A pri­mei­ra ce­re­ja:

“Quan­do vo­cê é es­cri­tor é uma bên­ção ser in­gê­nuo, por­que é co­mo ver as coi­sas pe­la pri­mei­ra vez. Uma pes­soa in­gê­nua é mais ri­ca; ela vê mais, apro­vei­ta mais. Quem ga­nha o tem­po to­do es­que­ce de vi­ver.” ( Amós Oz)

A se­gun­da ce­re­ja:

“Quan­do eu era me­ni­no eu que­ria ser bom­bei­ro”, dis­se Amós Oz a Na­di­ne.
“Mas quan­do vo­cê es­cre­ve vo­cê é um bom­bei­ro”, res­pon­deu a es­cri­to­ra afri­ca­na.

E as­sim de me­la­do em me­la­do poé­ti­co, vol­ta­re­mos a nos­sa for­ma ori­gi­nal. E quem sa­be num fu­tu­ro pró­xi­mo não va­mos mais nos sur­pre­en­der ao ou­vir no rá­dio, na te­vê ou ler nos jor­nais ou nu­ma obra li­te­rá­ria:

Nu­ma ma­nhã, ao des­per­tar de so­nhos in­qui­e­tan­tes, uma ba­ra­ta deu por si na ca­ma trans­for­ma­da num gran­de ho­mem...

E-mail: luciusdemello@uol.com.br

Compartilhe