Cha­ma-se “Mor­ning Mo­od” (al­go co­mo “Es­pí­ri­to da Ma­nhã”) a suí­te do com­po­si­tor no­ru­e­guês Gri­eg, com­pos­ta pa­ra a pe­ça “Pe­er Gynt” do dra­ma­tur­go con­ter­râ­neo Hen­rik Ib­sen, en­ce­na­da pe­la pri­mei­ra vez na Itá­lia em 1867. “Mor­ning Mo­od” em­ba­la Gynt, o per­so­na­gem per­fei­to nas su­as im­per­fei­ções. O mai­or pro­ble­ma da com­po­si­ção é o ex­ces­so de exe­cu­ções. É co­mo “Car­mi­na Bu­ra­na”, que já ser­viu pa­ra ri­tos egíp­ci­os no ci­ne­ma, pa­ra as ma­lu­qui­ces de Mi­cha­el Jack­son e até pa­ra co­mer­ci­al de bo­la­cha no Bra­sil.

Pa­ra iso­lá-la de con­ta­mi­na­ções, “Mor­ning Mo­od” de­ve ser ou­vi­da em si­lên­cio. É co­mo um ato de ora­ção. Me­lhor ain­da pa­ra quem co­nhe­ce Pe­er Gynt, o he­rói no­ru­e­guês que sal­tou da mi­to­lo­gia es­can­di­na­va pa­ra o co­lo de Ib­sen.

O per­so­na­gem car­re­ga ver­da­des uni­ver­sais, é um sá­bio dos mi­tos ori­en­tais ou um ma­go das fá­bu­las oci­den­tais. Vi­a­ja pe­los oce­a­nos, atra­ves­sa fi­or­des da No­ru­e­ga e al­can­ça a Áfri­ca, an­tí­te­se da sua ter­ra na­tal. Mas sua prin­ci­pal vi­a­gem é in­te­ri­or. À me­di­da que co­nhe­ce o mun­do e se re­co­nhe­ce nas pes­so­as, o he­rói re­ne­ga va­lo­res ab­so­lu­tos, mu­da de idéia sem he­si­ta­ção, per­doa a si mes­mo pe­los er­ros do pas­sa­do e ali­cer­ça sua es­pe­ran­ça na pos­si­bi­li­da­de de acer­tar no fu­tu­ro.

Os crí­ti­cos di­zem que Gri­eg fi­cou mui­to vei­cu­la­do a Ib­sen, o que po­de ter obs­cu­re­ci­do to­do o seu po­ten­ci­al. Ele é con­si­de­ra­do um aven­tu­rei­ro da mú­si­ca eru­di­ta, que te­ve a co­ra­gem de aban­do­nar o ro­man­tis­mo e su­cum­bir a uma re­a­li­da­de me­nos lí­ri­ca - tal­vez por­que sou­bes­se de cor sua pró­pria dor.

Com Ib­sen, acon­te­ceu a mes­ma coi­sa. Ele era um dra­ma­tur­go que fa­la­va por meio da ar­te e pre­ci­sa­va de­la pa­ra se co­mu­ni­car. Des­trin­chou a al­ma hu­ma­na atrá­ves de “Pe­er Gynt”. E fez pan­fle­to fe­mi­nis­ta em “Ca­sa de Bo­ne­cas” por meio de No­ra, a mu­lher que re­cu­sa a do­mi­na­ção mas­cu­li­na.

Mas o su­ces­so não en­tu­si­as­ma­va Ib­sen. De­pois de mo­rar lon­gos anos na Itá­lia, ele vol­tou a No­ru­e­ga pa­ra vi­ver co­mo um pros­cri­to. Sa­bia tu­do so­bre in­qui­e­tu­de hu­ma­na, mas pre­fe­ria o iso­la­men­to. Era ar­re­dio e in­tran­si­gen­te. Ale­ga­va que re­jei­ta­va a fa­ma por­que to­da for­ma de su­ces­so cor­rom­pia.

O que ima­gi­na­ria Ib­sen se es­ti­ves­se vi­vo ho­je? Se les­se “Ca­ras” e se sou­bes­se o quan­to os anô­ni­mos se de­ses­pe­ram pa­ra vi­rar ce­le­bri­da­des? Ib­sen é me­lhor mor­to. Sua in­te­gri­da­de in­te­ri­or, ain­da que im­po­pu­lar, per­ma­ne­ce nos la­gos azuis-pe­tró­leo e nas flo­res­tas ge­la­das da No­ru­e­ga. Ou­vir “Mor­ning Mo­od” é vi­a­jar pa­ra lá.

Compartilhe