O jor­na­lis­ta Hél­bom Del­li­de che­gou ce­do ao pa­vi­lhão de ex­po­si­ções on­de
se re­a­li­za­va a mai­or fei­ra de in­for­má­ti­ca do país. Tra­zia em­bai­xo do bra­ço de­ze­nas de pas­tas, con­ten­do o kit de im­pren­sa com re­le­a­ses, fo­tos, grá­fi­cos, CD Rom e uma ca­ne­ti­nha de brin­de. Ele tra­ba­lha­va co­mo as­ses­sor de im­pren­sa da Soft-En­ter­pri­se, fa­bri­can­te de softwa­res em­pre­sa­ri­ais, pa­ra as áre­as de con­ta­bi­li­da­de, pro­du­ção, es­to­que e ven­das.

Del­li­de ca­mi­nhou pe­los es­tan­des da ex­po­si­ção, ma­ra­vi­lha­do com as
no­vi­da­des tec­no­ló­gi­cas da fei­ra: com­pu­ta­do­res de úl­ti­ma ge­ra­ção,
im­pres­so­ras rá­pi­das, qua­se co­mo as da in­dús­tria grá­fi­ca, pro­gra­mas de
tra­ta­men­to de ima­gem e di­a­gra­ma­ção e ou­tros ape­tre­chos que seu di­nhei­ro ja­mais se­ria su­fi­ci­en­te pa­ra com­prar. Era ma­lu­co por equi­pa­men­tos e sis­te­mas de in­for­má­ti­ca. No en­tan­to, ga­nha­va uma ba­ga­te­la pe­lo seu tra­ba­lho de as­ses­so­ria de im­pren­sa na Soft-En­ter­pri­se, que, ape­sar do no­me im­po­nen­te, era ape­nas uma em­pre­si­nha to­ca­da por qua­tro jo­vens re­cém-for­ma­dos.

Fa­zia um ano que Del­li­de per­de­ra o em­pre­go num gran­de jor­nal da ci­da­de, on­de fo­ra re­pór­ter. O jor­nal fa­liu, fe­chou as por­tas, ven­deu as ro­ta­ti­vas off-set, mó­veis e de­mais má­qui­nas e os fun­ci­o­ná­ri­os na­da re­ce­be­ram. Há mais de três anos que o jo­vem jor­na­lis­ta vi­via a ba­ter a por­ta de re­da­ções à ca­ta de em­pre­go ou sim­ples fri­las. Acei­ta­va até re­ce­ber abai­xo da ta­be­la do sin­di­ca­to. O con­vi­te pa­ra fa­zer as­ses­so­ria à em­pre­sa foi uma dá­di­va que caiu do céu. Pe­lo me­nos, du­ran­te seis me­ses (era es­se o com­bi­na­do), te­ria tra­ba­lho cer­to, mes­mo que a pa­ga fos­se ir­ri­só­ria.

O que re­ce­bia era su­fi­ci­en­te pa­ra sal­dar o alu­guel, co­mer ma­car­rão
ins­tan­tâ­neo e pôr al­guns li­tros de ga­so­li­na no seu car­ri­nho ve­lho, o mes­mo dos tem­pos do jor­nal. Não ti­nha so­bras de di­nhei­ro, nem pou­pan­ça. Sem­pre no fio da na­va­lha, le­va­va uma vi­da de es­par­ta­no em tem­pos de guer­ra con­tra Ate­nas.

Pa­ra se ade­quar me­lhor ao seu po­der aqui­si­ti­vo, dei­xou o cur­so de In­glês, can­ce­lou as­si­na­tu­ras de re­vis­tas e jor­nais, pas­sou a usar In­ter­net gra­tui­ta e pro­gra­mas de com­pu­ta­do­res tão pi­ra­tas que nem em­ba­la­gens ou ma­nu­ais ti­nham. Su­as gra­va­tas, en­tão, eram da­que­las ven­di­das com o nó fei­to e com a eti­que­ta ma­de-in Taiwan. Mas con­se­guiu ex­trair al­go de bom da ca­res­tia: pa­rou de fu­mar e be­ber e ain­da fa­zia vin­te fle­xões ab­do­mi­nais por dia.

Den­tro do pa­vi­lhão de ex­po­si­ções, pas­sou pe­lo es­tan­de da Soft-En­ter­pri­se, on­de cum­pri­men­tou al­gu­mas pes­so­as, dei­xou al­guns kits no bal­cão e se di­ri­giu à sa­la de Im­pren­sa do even­to. Ti­nha em men­te en­con­trar ou­tros co­le­gas que tal­vez lhe ar­ru­mas­sem fri­la ou al­gum di­re­tor de mar­ke­ting à pro­cu­ra de as­ses­sor de im­pren­sa. Tra­ba­lhar com ape­nas um cli­en­te só da­va mal-e-mal pa­ra ta­par o bu­ra­co do den­te.

En­trou na sa­la de im­pren­sa e viu a pe­que­na tur­ma de três jor­na­lis­tas a
es­cre­ver o jor­nal­zi­nho diá­rio da fei­ra. Del­li­de bem que ten­tou uma va­gui­nha na­que­le gru­po, mas não con­se­guiu. Di­ri­giu-se, en­tão, à es­tan­te de re­le­a­ses das em­pre­sas ex­po­si­to­res no even­to. Es­ta­va re­ple­ta. Seu kit de im­pren­sa se­ria ape­nas mais um en­tre de­ze­nas de ou­tros. Ha­via pas­tas de to­do ti­po: de pa­pel, de me­tal e até uma re­don­da de plás­ti­co, em for­ma­to de CD Rom. As em­pre­sas, en­tão, eram as mai­o­res do mer­ca­do mun­di­al de in­for­má­ti­ca.

Pa­ra fa­zer o kit de seu cli­en­te, le­vou mais de uma se­ma­na de tra­ba­lho
in­ten­so. Re­di­giu cin­co re­le­a­ses so­bre a em­pre­sa, seus pro­gra­mas e usuá­ri­os. Ela­bo­rou grá­fi­cos e um CD com fo­tos. Foi uma em­prei­ta­da
ho­mé­ri­ca e ago­ra de­po­si­ta­va su­as pas­tas de re­le­a­ses, sim­pló­ri­as e sem
mai­o­res atra­ti­vos, na es­tan­te co­mo se pin­gas­se uma go­ta de água no
oce­a­no. “Mas é mi­nha. Fui eu quem fez”, pen­sou com or­gu­lho.

Vas­cu­lhou al­gu­mas pas­tas à pro­cu­ra de bons ja­ba­cu­lês (brin­des). Re­fle­tiu so­bre a im­be­ci­li­da­de do ato, mas foi em fren­te, apro­vei­tan­do a qua­se au­sên­cia de pes­so­as no re­cin­to. Sur­ru­pi­ou, das pas­tas, ca­ne­tas, cha­vei­ros, la­pi­sei­ras e até bom­bom de li­cor e um CD de mú­si­ca
ins­tru­men­tal com os me­lho­res cho­ri­nhos do sé­cu­lo. Foi to­mar ca­fé com
os bol­sos do pa­le­tó cha­co­a­lhan­do, chei­os de bu­gi­gan­gas.

Nos es­tan­des dos ex­po­si­to­res ha­via sal­ga­di­nhos fi­nos e be­bi­das pa­ra as
vi­si­tas im­por­tan­tes. Na sa­la de im­pren­sa, po­rém, ape­nas ca­fé frio, água quen­te e bo­la­chas mur­chas. Mes­mo as­sim, Del­li­de, com a bar­ri­ga tão va­zia quan­to sua car­tei­ra, co­meu bas­tan­te. Pro­va­vel­men­te, não iria al­mo­çar nos res­tau­ran­tes ca­ros do pa­vi­lhão de ex­po­si­ções. De­pois, sen­tou-se ao mi­cro pa­ra ler os jor­nais do dia pe­la In­ter­net.

Pas­sa­ram-se al­gu­mas ho­ras e um ho­mem gor­do e de­sa­jei­ta­do sen­tou-se ao
la­do de Del­li­de e am­bos se olha­ram sur­pre­sos.

- Es­te mun­do é mes­mo um ca­ro­ço de azei­to­na, ar­re­don­da­do nas pon­tas,
dis­se o re­cém-che­ga­do, com ar zom­be­tei­ro.

Del­li­de sor­riu e es­ten­deu a mão.

- Co­mo vai vo­cê, Or­nes­to Jo­sé­ti­co? O ve­lho lo­bo da im­pren­sa na­ci­o­nal.

- Vou bem. E vo­cê meu in­tré­pi­do ex-re­pór­ter?

Jo­sé­ti­co fo­ra o che­fe de re­da­ção (não gos­ta­va de ser cha­ma­do de di­re­tor, di­zia que tal car­go era fres­cu­ra) de Del­li­de no jor­nal que fa­li­ra. Não se vi­am há mais de três anos. Na épo­ca, re­cém-de­sem­pre­ga­do do jor­nal, o ve­lho lo­bo, fi­gu­ra mais co­nhe­ci­da no jor­na­lis­mo que ca­ma­rão no mar, ar­ru­mou tra­ba­lho de as­ses­so­ria de im­pren­sa pa­ra um fa­mo­so de­pu­ta­do.

- Fi­quei só um mês, por­que o sa­cri­pan­ta não quis me pa­gar o com­bi­na­do.
De­pois, re­ce­bi o con­vi­te pa­ra di­ri­gir a re­vis­ta, on­de es­tou des­de en­tão, acres­cen­tou Jo­sé­ti­co.

Del­li­de sa­bia. Ti­nha acom­pa­nha­do, à dis­tân­cia, a tra­je­tó­ria de seu ex-che­fe. Aliás, co­mo a mai­o­ria dos pro­fis­si­o­nais da área. Jo­sé­ti­co era ago­ra che­fe de re­da­ção da mais fa­mo­sa re­vis­ta se­ma­nal do país, a Ta­tu­ra­na. No iní­cio, pen­sou em pro­cu­rar Jo­sé­ti­co, mas se sen­tiu en­ca­bu­la­do e ima­gi­nou que mui­tos da an­ti­ga re­da­ção do jor­nal iri­am fa­zer a mes­ma coi­sa. Re­sol­veu, en­tão, se vi­rar so­zi­nho.

Del­li­de elo­gi­ou o tra­ba­lho do ve­lho lo­bo na pres­ti­gi­a­da pu­bli­ca­ção,
mas res­sal­vou.

- Pe­na que fui obri­ga­do a can­ce­lar mi­nha as­si­na­tu­ra da Ta­tu­ra­na.
O jo­vem re­pór­ter apro­vei­tou o en­con­tro e fa­lou de su­as agru­ras pa­ra
so­bre­vi­ver no con­cor­ri­do mer­ca­do de tra­ba­lho. De­pois de um lon­go
re­la­to, Jo­sé­ti­co dis­se:

- Meu Deus, só não vou cho­rar por­que pin­guei co­lí­rio nos olhos ago­ra
há pou­co. Aliás, co­nhe­ci um re­da­tor que ga­nha­va tão pou­co, tão pou­co,
que pre­fe­ria re­ce­ber por tri­mes­tre.

Del­li­de co­nhe­cia a ver­ve irô­ni­ca e mal­va­da do ve­lho lo­bo e não se zan­gou com a brin­ca­dei­ra. Jo­sé­ti­co con­tou que es­ta­va na fei­ra, ape­nas na­que­le dia de aber­tu­ra, pa­ra che­fi­ar a equi­pe de qua­tro re­pór­te­res e três fo­tó­gra­fos da Ta­tu­ra­na que es­ta­va pre­pa­ran­do uma gran­de re­por­ta­gem so­bre o mer­ca­do de in­for­má­ti­ca no país, ten­do a fei­ra co­mo gan­cho. O ve­lho jor­na­lis­ta co­fi­ou a bar­ba e acres­cen­tou ou­tra de su­as mal­da­des ao jo­vem Del­li­de.

- É meu ca­ro. A si­tu­a­ção es­tá ma­dras­ta pa­ra to­do mun­do, ex­ce­to pa­ra mim que sen­to nu­ma das ca­dei­ras mais co­bi­ça­das pe­los jor­na­lis­tas des­te país. Mes­mo as­sim, se ti­ves­se meus vin­te e pou­cos anos, es­co­lhe­ria ou­tra ocu­pa­ção na vi­da. Sem­pre quis ser mar­ce­nei­ro ou jar­di­nei­ro. Gos­to de pro­fis­sões for­ma­das pe­lo su­fi­xo ei­ro. A ter­mi­na­ção is­ta só dá azar. Ve­ja o as­cen­so­ris­ta que vi­ve en­tre al­tos e bai­xos, a re­cep­ci­o­nis­ta, obri­ga­da a sor­rir pa­ra qual­quer im­be­cil, e o mo­to­ris­ta, o dia in­tei­ro em meio ao trân­si­to caó­ti­co. Sem fa­lar no con­tor­ci­o­nis­ta, cu­ja co­lu­na ver­te­bral pa­re­ce sa­ca-ro­lha, e no con­tra­ban­dis­ta. Ape­sar que es­te úl­ti­mo cos­tu­ma dar sor­te em nos­so país.

Del­li­de sor­riu. O ve­lho Jo­sé­ti­co con­ti­nu­a­va a ser um li­vro de ane­do­tas
am­bu­lan­te e ain­da mais de­bo­cha­do com o pas­sar dos anos.

- Del­li­de, meu jo­vem, ain­da bem que vo­cê não é ca­sa­do. Eu, po­bre coi­ta­do, te­nho de pa­gar pen­sões de dois ca­sa­men­tos des­fei­tos e sin­to que a mi­nha atu­al es­po­sa já não me su­por­ta mais.

Or­nes­to Jo­sé­ti­co le­van­tou-se e in­ti­mou que o jo­vem jor­na­lis­ta fos­se
al­mo­çar com ele.

- Dei­xe as bo­la­chas pa­ra seu chá das cin­co ho­ras. Ago­ra va­mos co­mer
co­mi­da de ver­da­de, com sus­tân­cia. Eu pa­go a con­ta. Afi­nal ga­nho vin­te
ve­zes mais que vo­cê. Sa­be que co­nhe­ci um re­vi­sor que co­mia tan­to, tan­to, que a so­li­tá­ria de sua bar­ri­ga ti­nha três na­mo­ra­dos.

En­quan­to a co­mi­da não vi­nha, Or­nes­to con­ta­va um pou­co a his­tó­ria da
fa­mo­sa re­vis­ta que di­ri­gia. Eram mi­lhões de exem­pla­res cir­cu­lan­do pe­lo País e con­ti­nen­te. Seu no­me, em ama­re­lo, apa­re­cia no can­to su­pe­ri­or es­quer­do da ca­pa. En­tre as le­tras U e R, de Ta­tu­ra­na, ha­via o de­se­nho de uma la­gar­ta es­pi­nho­sa e sor­ri­den­te co­men­do um pe­da­ço da le­tra A, da sí­la­ba RA, co­mo se fos­se uma fo­lha de cou­ve. Em­bai­xo do no­me, o slo­gan A re­vis­ta de pa­vio cur­to.

- Tem gen­te que me per­gun­ta por­que a fra­se em­bai­xo do no­me Ta­tu­ra­na.
Pa­ra al­guns, ten­to ex­pli­car que so­mos com­ba­ti­vos na bus­ca por no­tí­ci­as que pos­sam trans­for­mar a so­ci­e­da­de pa­ra me­lhor. Pa­ra ou­tros, di­go que
pa­vio cur­to é pa­ra ri­mar com o no­me da re­vis­ta, dis­se o edi­tor.

- Ta­tu­ra­na e cur­to? Não ve­jo ri­ma ne­nhu­ma, Jo­sé­ti­co.

- Mas tem. Tu­do na vi­da é, se agen­te as­sim o qui­sé. Viu co­mo ri­mou?
Jo­sé­ti­co riu tan­to de sua pi­a­da sem sen­ti­do que até man­chou a gra­va­ta com o mo­lho do pei­xe.

- Es­ta má­xi­ma até o Grou­cho Marx di­ria, brin­cou Jo­sé­ti­co. As re­por­ta­gens de Ta­tu­ra­na eram ca­pa­zes de acen­der aca­lo­ra­das dis­cus­sões na so­ci­e­da­de, der­ru­bar mi­nis­té­ri­os, ele­var des­co­nhe­ci­dos à ce­le­bri­da­de e des­truir re­pu­ta­ções, na mes­ma pro­por­ção. Os po­lí­ti­cos te­mi­am ter seus es­cân­da­los nas pá­gi­nas de Ta­tu­ra­na, ao mes­mo tem­po em que so­nha­vam apa­re­cer nos mo­men­tos de jú­bi­lo, nos pa­lan­ques e nas tri­bu­nas par­la­men­ta­res, com de­do in­di­ca­dor le­van­ta­do e mi­cro­fo­ne à mão.

Pes­so­as, fa­mo­sas ou não, pe­di­am en­tre­vis­ta e fo­tos. Em­pre­sas com­pra­vam ma­té­ri­as a pe­so de ou­ro. Fo­tó­gra­fos ama­do­res, os cha­ma­dos pa­pa­raz­zi,
li­ga­vam à re­da­ção pa­ra ven­der seu tra­ba­lho. Ato­res, jo­ga­do­res de fu­te­bol e can­to­res ado­ra­vam apa­re­cer, mes­mo que fos­se pa­ra se­rem ma­lha­dos pe­los crí­ti­cos vo­ra­zes da re­vis­ta, na qual era qua­se que proi­bi­do elo­gi­ar al­guém ou al­go em su­as pá­gi­nas. A or­dem era es­pi­na­frar.

A Ta­tu­ra­na pos­suía uma re­de de in­for­man­tes que da­ria in­ve­ja à CIA ame­ri­ca­na. Ti­nha ou­vi­dos nos mei­os po­lí­ti­co, em­pre­sa­ri­al, ar­tís­ti­co,
ci­en­tí­fi­co, tec­no­ló­gi­co, in­te­lec­tu­al, po­li­ci­al, na Jus­ti­ça, no Mi­nis­té­rio Pú­bli­co e até mes­mo em se­to­res in­for­mais e fo­ras da lei. A re­vis­ta sa­bia de tu­do. Era um ra­dar que cap­ta­va no­tí­ci­as e in­for­ma­ções de to­do ti­po, de to­dos os lu­ga­res.

Seu su­ces­so, po­rém, só não en­con­tra­va mui­ta res­so­nân­cia no meio aca­dê­mi­co e in­te­lec­tu­al. Cen­te­nas e cen­te­nas de te­ses e mo­no­gra­fi­as
ba­se­a­das no jor­na­lis­mo de Ta­tu­ra­na lo­ta­vam as bi­bli­o­te­cas das uni­ver­si­da­des.

Hél­bom Del­li­de sa­bo­re­a­va seu fi­lé de sal­mão. Na­da mal pa­ra quem o úni­co pei­xe que ha­via pro­va­do nos úl­ti­mos me­ses fo­ram ti­lá­pi­as. Co­mo o as­sun­to não vi­nha à bai­la no con­ver­sa, Del­li­de re­sol­veu cu­tu­car o ve­lho lo­bo e lhe pe­diu em­pre­go co­mo re­pór­ter na pres­ti­gi­a­da Ta­tu­ra­na.

Sem ti­rar os olhos do pra­to, Jo­sé­ti­co foi en­fá­ti­co.

- Des­cul­pe-me, meu jo­vem, vo­cê não pre­en­che nos­so per­fil de re­pór­ter.

Del­li­de as­sus­tou-se. Não que es­pe­ras­se o em­pre­go, mas pe­lo me­nos al­gu­mas pa­la­vras de con­so­lo, en­vio de cur­rí­cu­lo, fri­la, ou al­go as­sim. Nem te­ve tem­po de per­gun­tar por que Jo­sé­ti­co emen­dou.

- Vou abrir meu co­ra­ção com vo­cê, Del­li­de. Não es­con­de­rei na­da. Aliás eu co­nhe­ci um co­pi­des­que que era tão sin­ce­ro, tão sin­ce­ro, que a gen­te
acre­di­ta­va até nas men­ti­ras de­le. Vo­cê é um ide­a­lis­ta, meu ca­ro. Le­va
mui­to a sé­rio o que seus pro­fes­so­res de fa­cul­da­de lhe en­si­na­ram.

Acre­di­ta em de­ter­mi­na­dos prin­cí­pi­os e va­lo­res que nos­sa re­vis­ta de há
mui­to se­pul­tou. Vo­cê não te­rá estô­ma­go pa­ra tra­ba­lhar com a gen­te.

- Co­mo? Não en­ten­di, per­gun­tou Del­li­de.

- Vai en­ten­der. Es­pe­ro que não per­ca a fo­me. Nós pra­ti­ca­mos o pres­sun­to.

- O quê? Sur­pre­en­deu-se o as­ses­sor de im­pren­sa.

- Pres­sun­to, com dois es­ses. Es­ta pa­la­vra es­tra­nha vem de pré-as­sun­to.
Com o pas­sar dos anos, vi­rou pres­sun­to. É o se­guin­te. Nos­sas mai­o­res
re­por­ta­gens, aque­las de im­pac­to e po­lê­mi­ca, são ima­gi­na­das de an­te­mão,
às ve­zes até com al­guns pe­da­ços es­cri­tos an­tes. É o pres­sun­to. De­pois os re­pór­te­res vão a cam­po pa­ra ob­ter in­for­ma­ções que cai­bam den­tro do pres­sun­to, que com­pro­vem o que pen­sá­va­mos an­tes. As de­mais in­for­ma­ções ob­ti­das pe­los re­pór­te­res, mas que não ca­bem no pré-as­sun­to, são des­car­ta­das.

- Mas is­to é ma­ni­pu­la­ção da no­tí­cia, es­pan­tou-se Del­li­de.

- Co­me­çou a en­ten­der. Só que pre­fe­ri­mos cha­mar de pres­sun­to. Meu
ami­go, no­tí­cia é pro­du­to. E co­mo to­do pro­du­to tem de ter atra­ti­vos pa­ra cha­mar aten­ção e ven­der. O sa­bão em pó tem de vir den­tro de uma be­la em­ba­la­gem. Não é? A no­tí­cia tam­bém. A mon­ta­do­ra de au­to­mó­veis fa­bri­ca veí­cu­los, o fri­go­rí­fi­co, sal­si­cha, o la­ti­cí­nio, quei­jo, a si­de­rúr­gi­ca, aço e a im­pren­sa pro­duz no­tí­ci­as. Com­pre­en­deu? Não so­mos os úni­cos a agir des­sa for­ma. Na ver­da­de, qua­se to­dos usam o pres­sun­to. O que mu­da é a cri­a­ti­vi­da­de de ca­da veí­cu­lo da im­pren­sa.

- Os en­tre­vis­ta­dos sa­bem dis­so?

- É ir­re­le­van­te se co­nhe­cem ou não. Há dois ti­pos bá­si­cos de fon­tes a
en­tre­vis­tar. De um la­do, aque­les que que­rem re­al­men­te co­la­bo­rar pa­ra o
es­cla­re­ci­men­to de de­ter­mi­na­do te­ma. Do ou­tro, os que que­rem apa­re­cer de qual­quer ma­nei­ra. E as­sim va­mos in­do. Às ve­zes nos es­cre­vem des­cen­do o ca­ce­te em de­ter­mi­na­da abor­da­gem de pau­ta. Mas é per­da de tem­po do re­cla­man­te. Só pu­bli­ca­mos os elo­gi­os na se­ção de lei­to­res. Há ca­so em que so­mos pro­ces­sa­dos. Po­rém, em vin­co e cin­co anos de re­vis­ta, pe­lo que sei, só hou­ve dois ca­sos de con­de­na­ção, em úl­ti­ma ins­tân­cia. Mes­mo as­sim, ne­go­ci­a­mos e pa­ga­mos só 10% do de­ter­mi­na­do pe­la Jus­ti­ça. Pu­bli­ca­mos uma mea-cul­pa e ain­da ga­nha­mos fa­ma de hu­mil­des e de­mo­cra­tas. Mas não cor­te os pul­sos, por en­quan­to. A mai­o­ria das ma­té­ri­as não tem pres­sun­to. São pou­cas as pau­tas que pos­si­bi­li­tam a de­ter­mi­na­ção pré­via de co­mo a re­por­ta­gem se­rá con­du­zi­da.

- E co­mo fi­ca a ver­da­de? (Del­li­de)

- Meu ami­go, ver­da­de só exis­te nos cur­sos de Fi­lo­so­fia e Ma­te­má­ti­ca. Em jor­na­lis­mo, pre­va­le­ce a ver­são. E a me­lhor ver­são é aque­la que se­duz o lei­tor. Quan­to mais sen­sa­ci­o­nal for a no­tí­cia, me­lhor pro­du­to se­rá. Ven­de­mos mais, os anun­ci­an­tes fa­zem fi­la na por­ta do de­par­ta­men­to co­mer­ci­al e a re­vis­ta fi­ca mais gor­da de pá­gi­nas. Aliás, lo­go lo­go a Ta­tu­ra­na vi­ra man­dru­vá. Meu car­go é co­mo ge­ren­te de ban­co e de su­per­mer­ca­do: te­nho me­tas a cum­prir. Se a ven­da­gem cai, sou co­bra­do até a me­du­la e te­mos de ar­ru­mar no­vos pres­sun­tos. Em épo­ca de cri­ses po­lí­ti­cas é uma be­le­za. Mas em si­tu­a­ções de re­la­ti­va nor­ma­li­da­de é mais di­fí­cil ela­bo­rar pau­tas de an­te­mão.

- Es­tou es­pan­ta­do! (Del­li­de).

- Na ver­da­de, acho que vo­cê sa­bia des­ta me­to­do­lo­gia, Del­li­de. No en­tan­to, é a pri­mei­ra vez que ou­ve o as­sun­to ex­pli­ca­do as­sim, de for­ma des­nu­da e crua. De co­ra­ção aber­to. Aliás, co­nhe­ci um pau­tei­ro que ti­nha o co­ra­ção enor­me, tão gran­de que, quan­do mor­reu, seu ór­gão não pô­de ser usa­do pa­ra trans­plan­te, por­que não ca­bia em nin­guém. Jo­sé­ti­co dis­se que se Del­li­de qui­ses­se tra­ba­lhar na re­por­ta­gem de Ta­tu­ra­na te­ria de se sub­me­ter ao pres­sun­to e ou­tras ar­ti­ma­nhas ad­vin­das.

- Pro­du­zi­mos no­tí­cia qua­se que em es­ca­la in­dus­tri­al. Tra­ba­lhe com a gen­te al­gum tem­po, pa­ra me­lho­rar seu cur­rí­cu­lo. De­pois vá pro­cu­rar ou­tra coi­sa, que pro­va­vel­men­te se­rá pa­re­ci­da com o nos­so pres­sun­to, que é a ten­dên­cia dos no­vos tem­pos. Fi­que com meu car­tão e me te­le­fo­ne. Vo­cê tem três dia pa­ra pen­sar.

- Três di­as é mui­to tem­po, Jo­sé­ti­co. Acei­to ago­ra, dis­se Del­li­de, re­so­lu­to.

- Não fa­lei a vo­cê? Tu­do na vi­da é, se a gen­te as­sim o qui­sé. Co­nhe­ci
um fo­ca que era tão rá­pi­do nas de­ci­sões que pe­diu de­mis­são um ano
an­tes de dei­xar o em­pre­go.

E-mail: otanunes@gmail.com

Compartilhe