Colaboradores

Sobre Heróis e Tumbas - Texto de Dudu Oliva

sexta-feira, 6 de julho de 2007 Texto de

Er­nes­to Sá­ba­to no ro­man­ce So­bre He­róis e Tumbas(1961) mos­tra te­mas e di­a­lé­ti­cas da iden­ti­da­de do po­vo ar­gen­ti­no a par­tir de pres­su­pos­tos dos mo­vi­men­tos de van­guar­da e do sur­re­a­lis­mo, que pre­ten­di­am rom­per com a ar­te bur­gue­sa.

Faz uma sín­te­se so­bre as re­fle­xões da so­ci­e­da­de con­tem­po­râ­nea da Ar­gen­ti­na. Apro­fun­da ain­da mais os te­mas apre­sen­ta­dos no seu pri­mei­ro li­vro - O Túnel(1948): a in­co­mu­ni­ca­bi­li­da­de dos in­di­ví­du­os em ple­na over­do­se de lu­zes nas gran­des ave­ni­das, ba­res ou ca­fés, o con­fli­to psi­co­ló­gi­co e me­ta­fí­si­co do in­di­ví­duo em re­la­ção às re­gras da so­ci­e­da­de e os pro­ble­mas so­ci­ais e po­lí­ti­cos com a po­bre­za e a re­pres­são da di­ta­du­ra po­pu­lis­ta de Pe­rón.

A nar­ra­ti­va tem três pla­nos: a re­la­ção neu­ró­ti­ca e amo­ro­sa de Mar­tín e Ale­jan­dra, a his­tó­ria da Ar­gen­ti­na e o In­for­me so­bre os Ce­gos, que mos­tra a lou­cu­ra, a me­ta­fí­si­ca e o mi­to do in­ces­to no olhar ob­ses­si­vo de Fer­nan­do Vi­dal Ol­mos. Nes­te pla­no se con­cen­tra o sur­re­a­lis­mo.

O li­vro pos­sui inú­me­ros téc­ni­cas li­te­rá­ri­as, as quais se sin­te­ti­zam pa­ra mos­trar que a iden­ti­da­de da Ar­gen­ti­na é com­pos­ta por vá­ri­os olha­res frag­men­ta­dos que for­mam um mo­sai­co.

No ca­so do mi­to do in­ces­to no olhar ob­ses­si­vo de Fer­nan­do Vi­dal Ol­mos, es­te ca­pí­tu­lo é fun­da­men­tal pa­ra a com­pre­en­são da his­tó­ria. Po­rém, se o re­ti­rar­mos e o co­lo­car­mos no iní­cio ou no fi­nal, a es­tru­tu­ra da his­tó­ria não fi­ca sem ne­xo. É di­fe­ren­te de ou­tros li­vros que pos­su­em uma li­ne­a­ri­da­de e um mo­de­lo con­ven­ci­o­nal: co­me­ço, meio e fim.

A per­so­na­gem Ale­jan­dra tem no­ve le­tras co­mo Ar­gen­ti­na, há uma re­la­ção
me­ta­fí­si­ca di­a­bó­li­ca en­tre a mo­ça e o país. Mar­tin ten­ta em vão
atra­ves­sar o tú­nel es­cu­ro, on­de Ale­jan­dra se ocul­ta. Ela é a prin­ce­sa-dra­gão. Ao mes­mo tem­po em que se apro­xi­ma de Mar­tín, ela o re­jei­ta.

Sua me­mó­ria es­tá com­pos­ta de frag­men­tos de exis­tên­cia, es­tá­ti­cos e eter­nos: o tem­po não pas­sa, com efei­to, en­tre eles, e coi­sas que acon­te­ce­ram em épo­cas mui­to dis­tan­tes en­tre si es­tão jun­tas umas às ou­tras, vin­cu­la­das ou reu­ni­das por es­tra­nhas an­ti­pa­ti­as e sim­pa­ti­as. Ou tal­vez saíam à su­per­fí­cie da cons­ci­ên­cia uni­das por vín­cu­los ab­sur­dos mas po­de­ro­sos, co­mo uma can­ção, uma pi­a­da ou um ódio em co­mum. Co­mo ago­ra, pa­ra ela, o fio que as une e que as vai fa­zen­do sair uma de­pois da ou­tra é cer­to a fú­ria na bus­ca de al­go ab­so­lu­to, cer­ta per­ple­xi­da­de, a que une pa­la­vras com pai, Deus, praia, pe­ca­do, pu­re­za, mar, mor­te.
(Sá­ba­to: 50)

E-mail: dudu.oliva@uol.com.br

Compartilhe