Uma ho­ra na­que­la es­tra­da em­po­ei­ra­da, ru­mo ao vi­la­re­jo mais po­bre e dis­tan­te, e al­can­çam o ca­mi­nhão uma mo­to­ci­cle­ta e um re­ca­do: “o pa­trão man­dou can­ce­lar a en­tre­ga por­que o pre­fei­to dis­se que tá sem gra­na pra pa­gar”. O ca­mi­nho­nei­ro, que por aca­so nas­ceu e se cri­ou no tal vi­la­re­jo dis­tan­te, on­de ain­da vi­vem seus pais ido­sos (e se­den­tos) a quem ele en­via men­sal­men­te me­ta­de do sa­lá­rio, es­tá na me­ta­de do ca­mi­nho en­tre a ci­da­de (e seu em­pre­go) e a vi­la (se­den­ta). A exa­ta me­ta­de do ca­mi­nho pa­ra um ho­mem não tem na­da a ver com dis­tân­ci­as, mas é aque­le pon­to a par­tir do qual o es­for­ço pa­ra se­guir e pa­ra vol­tar são os mes­mos.

E-mail: lbrasiliense@uol.com.br

Compartilhe