Colaboradores

Cuidado com o Pan - Texto de Fernando BH

quinta-feira, 5 de julho de 2007 Texto de

O Pan do Bra­sil foi uma be­le­za. Are­nas mo­der­nas, boa or­ga­ni­za­ção. Pon­tos ne­ga­ti­vos? Cla­ro, vá­ri­os - fa­lar de su­per­fa­tu­ra­men­to é cho­ver no mo­lha­do. Res­ta-nos tor­cer pa­ra o le­ga­do des­ses Jo­gos ser po­si­ti­vo. Que ne­nhum es­pa­ço se tor­ne um ele­fan­te bran­co.

Mas mi­nha pre­o­cu­pa­ção nes­tas li­nhas é ou­tra. É a fá­bri­ca mi­diá­ti­ca de he­róis que es­tá fun­ci­o­nan­do a to­do va­por. Ca­da me­da­lha res­ga­ta o or­gu­lho de ser bra­si­lei­ro? Tu­do bem. Mas apro­vei­tar que a es­ma­ga­do­ra mai­o­ria dos te­les­pec­ta­do­res são lei­gos no es­por­te pa­ra tra­zer à to­na ído­los não é uma boa...

Es­ta­mos a ape­nas um ano de Pe­quim e a im­pres­são que fi­ca é que Thi­a­go Pe­rei­ra irá fa­tu­rar tu­do na na­ta­ção. Pa­ra se ter uma idéia, no ran­king de 2007, Thi­a­go é o 11º nos 200m pei­to, o 8º nos 200m cos­tas e, um pou­qui­nho me­lhor, o 4º nos 200m me­dley. Is­to é, vai ter que dar mui­tas bra­ça­das pa­ra tra­zer uma me­da­lha olím­pi­ca, até por­que seu mai­or ad­ver­sá­rio, o nor­te-ame­ri­ca­no Mi­cha­el Plheps - o ver­da­dei­ro fenô­me­no das pis­ci­nas - não es­te­ve no Rio de Ja­nei­ro. Ce­sar Ci­e­lo, na­da­dor me­nos ba­da­la­do por con­se­guir me­ta­de dos ou­ros do co­le­ga, con­se­guiu o se­gun­do me­lhor tem­po do ano nos 50m li­vre.

Há mais exem­plos: o han­de­bol, tan­to mas­cu­li­no quan­to fe­mi­ni­no, já evo­luiu bas­tan­te, tem atle­tas atu­an­do na Eu­ro­pa, mas em Jo­gos Olím­pi­cos tem so­nho mais mo­des­to: fi­gu­rar en­tre os oi­to pri­mei­ros. O que di­zer do bas­que­te mas­cu­li­no, atu­al bi­cam­peão pan-ame­ri­ca­no e au­sen­te em Olim­pía­das des­te Atlan­ta-96? Ar­gen­ti­na e EUA, for­ças do con­ti­nen­te, vêm sem seus prin­ci­pais atle­tas.

E co­mo foi pa­té­ti­co Gal­vão Bu­e­no que­rer atri­buir im­por­tân­cia à du­pla nor­te-ame­ri­ca­na que en­fren­tou os fa­vo­ri­tís­si­mos bra­si­lei­ros Ri­car­do e Ema­nu­el no vô­lei de praia... Só por­que eles re­sol­ve­ram en­gros­sar o jo­go. \‘Ha­a­a­a­a­ja co­ra­ção\’! Eles nem par­ti­ci­pam do cir­cui­to mun­di­al... O nar­ra­dor nem pre­ci­sa­va des­se ar­ti­fí­cio, afi­nal, há ca­sos (co­mo o do vô­lei de qua­dra tam­bém) em que so­mos, sim, os me­lho­res do mun­do, e de­ve­mos atro­pe­lar quem vi­er, se­ja ti­me A, B ou c.

Co­mo co­mu­ni­ca­dor, re­co­nhe­ço os ar­ti­fí­ci­os pa­ra se­du­zir a au­di­ên­cia, pren­der ca­da bra­si­lei­ro à fren­te da TV, tor­cen­do pa­ra seus no­vos he­róis. Mas fal­ta um pou­co de res­pon­sa­bi­li­da­de, pois vi­rá um pos­sí­vel des­cré­di­to com o de­sem­pe­nho bem me­nos em­pol­gan­te que ocor­re­rá em Pe­quim. Tu­do por fal­ta de uma res­sal­va.

Os Es­ta­dos Uni­dos não tra­zem to­das as su­as for­ças pa­ra o Pan. Des­ta vez, vi­e­ram mais atle­tas, di­ga­mos, do \‘ní­vel A\’. Mas os de \‘ní­vel B\’ já dão con­ta de co­lo­car o país no to­po do qua­dro de me­da­lhas. Tu­do gra­ças a uma ba­se for­te na for­ma­ção de atle­tas, com bol­sas uni­ver­si­tá­ri­as e com­pe­ti­ções or­ga­ni­za­das. No Bra­sil, é er­ra­do atri­buir à edu­ca­ção fí­si­ca da edu­ca­ção bá­si­ca a res­pon­sa­bi­li­da­de por for­mar atle­tas. Es­por­tis­tas de al­to ren­di­men­to são fru­to de uma so­ci­e­da­de mais am­pa­ra­da. Quan­do o po­der pú­bli­co ofe­re­cer me­lho­res con­di­ções de vi­da aos ci­da­dãos, as me­da­lhas olím­pi­cas se­rão con­seqüên­cia e não atos iso­la­dos de he­roís­mo.

E-mail: fernando_bh@yahoo.com.br

Compartilhe