Colaboradores

Guerra do bem - Texto de Fernando BH

domingo, 17 de junho de 2007 Texto de

Ain­da nos tem­pos de fa­cul­da­de, in­cluí no meu tra­ba­lho de con­clu­são de cur­so um ques­ti­o­na­men­to so­bre a uti­li­za­ção de ter­mos bé­li­cos no fu­te­bol. Por que chu­te for­te é bom­ba e go­le­a­dor é ar­ti­lhei­ro? Es­tou lon­ge de fa­lar em apo­lo­gia de vi­o­lên­cia, dei­xe­mos es­sa dis­cus­são pa­ra a mú­si­ca – o la­do ruim do rap e do funk, além da mú­si­ca ser­ta­ne­ja, que nun­ca vi nin­guém re­cla­mar que in­cen­ti­va cla­ra­men­te o con­su­mo de cer­ve­ja.

Vol­tan­do... Na­que­la épo­ca, in­co­mo­da­va-me a abor­da­gem da im­pren­sa so­bre o fu­te­bol. O ini­mi­go, as ar­mas pa­ra che­gar à vi­tó­ria, etc. De­mo­rei a per­ce­ber o ób­vio, di­to na oca­sião do meu pro­je­to por Jo­sé Ro­ber­to To­re­ro: “O fu­te­bol é, de cer­ta for­ma, a en­ce­na­ção de uma guer­ra”. É es­tra­té­gia de ata­que con­tra de­fe­sa. O “football”americano, com seus gran­da­lhões avan­çan­do jar­da por jar­da, é ain­da mais re­pre­sen­ta­ti­vo, pois ilus­tra con­quis­ta de ter­ri­tó­rio.

A jus­ti­fi­ca­ti­va de ter­mos co­mo ar­ti­lhei­ro e ca­pi­tão fi­ca ain­da mais cla­ra quan­do vi­a­ja­mos à ori­gem do fu­te­bol. A pri­mei­ra vez que uma bo­la foi chu­ta­da foi por mo­ti­vos bé­li­cos. O tsu-chu, prá­ti­ca de 2.500 a.C. que lem­bra o atu­al fu­tevô­lei, era um trei­na­men­to de guer­ra dos chi­ne­ses. Des­se em­brião nas­ceu o ke­ma­ri, já pra­ti­ca­do num cam­po re­tan­gu­lar com me­tas nas li­nhas de fun­do. Do ori­en­te pa­ra a Eu­ro­pa, ber­ço do fu­te­bol mo­der­no: sol­da­dos ro­ma­nos apren­de­ram o fu­te­bol dos gre­gos (epys­ki­ros) quan­do con­quis­ta­ram as ter­ras dos in­ven­to­res das Olim­pía­das – e o Im­pé­rio Ro­ma­no di­fun­diu os chu­tes na bo­la. Não fo­ram pou­cos os ti­ra-tei­mas en­tre exér­ci­tos ri­vais. Diz-se, in­clu­si­ve, que ca­be­ças de sol­da­dos der­ro­ta­dos ser­vi­ram de pe­lo­ta.

E se guer­ra só exis­te por cau­sa da po­lí­ti­ca, ob­vi­a­men­te o fu­te­bol se mis­tu­rou a ela mui­to tem­pos an­tes da far­ra da Are­na no Bra­sil mi­li­tar da dé­ca­da de 70. Na Itá­lia, no sé­cu­lo XVI, gru­pos po­lí­ti­cos re­sol­ve­ram aca­bar com uma pen­den­ga em uma par­ti­da de cal­cio dis­pu­ta­da na Pra­ça San­ta Cro­ce, em Flo­ren­ça. Na In­gla­ter­ra, em tem­pos de re­vo­lu­ção in­dus­tri­al, o fu­te­bol ocu­pou os pá­ti­os das fá­bri­cas. Além de dis­trair e aca­bar com a oci­o­si­da­de dos ope­rá­ri­os, dei­xa­va-os lon­ge dos abas­ta­dos pra­ti­can­tes do es­por­te que es­ta­va na mo­da.

En­tão, dei­xe­mos que a crô­ni­ca des­cre­va com cru­e­za mi­li­tar os dri­bles e os go­la­ços nos gra­ma­dos, pe­la guer­ra do bem. Iro­ni­ca­men­te, a me­ta­lin­gua­gem: na guer­ra do mal, o bo­la es­tá lá, pois sol­da­dos bri­tâ­ni­cos, quan­do não es­tão ma­tan­do ou sen­do mor­tos no Ira­que, es­tão jo­gan­do fu­te­bol – ou se­ria o tsu-chu?

E-mail: fernando_bh@yahoo.com.br

Compartilhe