Colaboradores

Epifania - Texto de Dudu Oliva

segunda-feira, 11 de junho de 2007 Texto de

Quan­do vi al­gu­mas cas­pas no meu ca­sa­co azul-ma­ri­nho, ima­gens sur­gi­ram na mi­nha men­te. Eu es­ta­va nu­ma flo­res­ta ge­la­da, jun­to com um gru­po de pes­so­as que fa­la­vam uma lín­gua es­tra­nha. Co­me­cei a sen­tir odo­res iné­di­tos e as co­mi­das que me ofe­re­ci­am tam­bém ti­nham um gos­to pe­cu­li­ar. To­dos es­ta­vam amon­to­a­dos pe­lo frio. Quem eram? Se­rá que es­tas lem­bran­ças são ver­da­dei­ras ou ima­gi­na­das? Co­ço mais a ca­be­ça, as cas­pas pa­re­cem uma tem­pes­ta­de de ne­ve. De re­pen­te, uma ne­vas­ca se aba­teu so­bre aque­le po­vo. Ten­ta­vam se pro­te­ger, mui­tos mor­ri­am con­ge­la­dos. Uma mu­lher me pe­gou pe­lo bra­ço, en­con­tra­mos uma ca­ver­na. Ha­via mais pes­so­as. Com o tem­po, a ca­ver­na vi­rou uma ca­sa pa­ra to­dos nós e nos trans­for­ma­mos nu­ma gran­de fa­mí­lia. Dan­çá­va­mos em vol­ta da fo­guei­ra e ofe­re­cía­mos um cer­vo pa­ra uma en­ti­da­de di­vi­na.

“Pa­ra de co­çar a ca­be­ça!! É feio”. Uma voz lon­ge cor­ta o es­tá­gio de tran­se em que es­ta­va.

Re­tor­nei. Sin­to nos­tal­gia des­se tem­po re­mo­to ou in­ven­ta­do, mas pre­fi­ro fi­car por aqui.

E-mail: dudu.oliva@uol.com.br

Compartilhe