Ele não sa­bia con­tar dois mais dois, sa­bia con­tar his­tó­ri­as. Não apren­deu a ler e es­cre­ver, mas jun­ta­va uma pla­téia con­cen­tra­da a seu re­dor. Não en­ten­dia por que os pais não lhe da­vam cer­tos brin­que­dos e, de­pois, por que a vi­da lhe ne­ga­va tan­tas coi­sas, em­bo­ra con­tas­se bri­lhan­te­men­te tu­do is­so nas his­tó­ri­as que in­ven­ta­va, re­che­a­das de dra­ma, pe­ri­pé­ci­as e fi­nais fe­li­zes. Não pô­de nun­ca di­ri­gir um car­ro nem ca­sar e ter seus fi­lhos, nem tra­ba­lhar, na coi­sa mais sim­ples que fos­se, mas sa­bia con­tar his­tó­ri­as, co­mo pou­cos, e mui­tos o ou­vi­ram e se aven­tu­ra­ram com a sua ima­gi­na­ção. Era o que ele sa­bia fa­zer. Mas um dia ele mor­reu e nin­guém se lem­brou de es­cre­ver is­so em sua lá­pi­de. De­pois as pes­so­as, vi­si­tan­do o ce­mi­té­rio, pas­sa­vam por seu tú­mu­lo e co­men­ta­vam: E es­te, quem era? O fi­lho da do­na fu­la­na e do seu ci­cra­no. Quem? Aque­le que mo­ra­va na ca­sa ama­re­la da rua tal, lem­bra? Ah, sim, o re­tar­da­do.

E-mail: lbrasiliense@uol.com.br

Compartilhe