Colaboradores

EEUCOMISSO.com

sexta-feira, 8 de junho de 2007 Texto de

Ten­do Pi­la­tos co­mo fun­da­dor, aque­le que la­va as mãos na ho­ra de en­ca­rar de­ci­sões im­por­tan­tes, o si­te aí de ci­ma es­tá aber­to pa­ra ade­sões. Po­di­am ser ou­tros fun­da­do­res, bem mais mo­der­nos que o go­ver­na­dor ro­ma­no, mas foi es­te quem en­trou pa­ra a His­tó­ria co­mo exem­plo de omis­são; en­tão aca­ba de ser elei­to. Co­mo men­ção pós­tu­ma, en­tram os réus na­zis­tas do Tri­bu­nal de Nu­ren­berg, to­dos se de­cla­ran­do não res­pon­sá­veis pe­las atro­ci­da­des co­me­ti­das por eles du­ran­te a Se­gun­da Guer­ra. Ale­ga­vam que es­ta­vam cum­prin­do or­dens de au­to­ri­da­des su­pe­ri­o­res a quem de­vi­am obe­di­ên­cia ce­ga. E as­sim se com­ple­ta a al­ta di­re­ção do si­te.

E se­gui­ri­am os só­ci­os be­ne­mé­ri­tos. Ge­or­ge W. Bush, por exem­plo, en­ca­be­çan­do a lis­ta, num do­cu­men­tá­rio da BBC, em 2003, re­ve­lou que es­ta­va cum­prin­do or­dens di­vi­nas ao man­dar in­va­dir o Afe­ga­nis­tão e o Ira­que. Obe­di­ên­cia que re­sul­tou na mor­te de mais de 24 mil ci­vis, além de 42 mil fe­ri­dos, de mar­ço de 2003 a mar­ço de 2005. Or­dens são or­dens, prin­ci­pal­men­te quan­do vêm des­se su­pe­ri­or ime­di­a­to, com quem o pre­si­den­te ga­ran­te que con­ver­sa.

No país do “ve­rás que um fi­lho teu não fo­ge à lu­ta”, tem é gen­te fu­gin­do da raia. Um dos ti­pos é aque­le que, ao ser des­co­ber­to em su­as fal­ca­tru­as, cor­re pa­ra um mé­di­co à ven­da e com­pra um ates­ta­do de do­en­ça – de de­pres­são a uma sim­ples in­dis­po­si­ção, o cli­en­te es­co­lhe – pa­ra não com­pa­re­cer a au­di­ên­ci­as, o que even­tu­al­men­te tam­bém po­de abrir as por­tas da ca­deia. Por­tas da saí­da, bem en­ten­di­do. Os pre­ju­di­ca­dos por su­as mu­tre­tas que se vi­rem.

Sem es­que­cer pais que acham que edu­ca­ção é res­pon­sa­bi­li­da­de da es­co­la, por pu­ra pre­gui­ça de se sen­tar, ou­vir, tro­car idéi­as, ori­en­tar, con­cor­dar ou dis­cor­dar. Ter fi­lhos dá tra­ba­lho, por is­so exis­tem mé­to­dos con­tra­cep­ti­vos pa­ra quem não es­tá in­te­res­sa­do em in­ves­tir na cri­a­ção de­les. Quem quer fi­lhos que cui­de bem de­les.

Ou­tro link do si­te le­va­ria aos mei­os de co­mu­ni­ca­ção es­pe­ci­a­li­za­dos em in­va­são da vi­da par­ti­cu­lar de ce­le­bri­da­des. To­dos eles sa­bem per­fei­ta­men­te que cer­tas re­por­ta­gens, des­ne­ces­sá­ri­as sob qual­quer as­pec­to à vi­da do país, po­dem aca­bar com a re­pu­ta­ção de pes­so­as ou no mí­ni­mo com seu di­rei­to à tranqüi­li­da­de e à pri­va­ci­da­de, mas, ora bo­las, não da­va pra per­der aque­la opor­tu­ni­da­de e aque­la fo­to... E o em­pre­go de re­pór­ter de “va­ri­e­da­des” es­tá ga­ran­ti­do, is­so é que con­ta.

Tam­bém têm en­tra­da fran­ca os que se li­xam pa­ra avi­sos so­bre a ne­ces­si­da­de de se eco­no­mi­zar água do­ce do pla­ne­ta, con­si­de­ran­do-os alar­mis­tas e fo­ra de pro­pó­si­to. Da­qui a 50 anos eles não es­ta­rão mais aqui pa­ra lu­tar até a mor­te por uma sim­ples nas­cen­te de água do­ce e po­tá­vel, en­tão por que eco­no­mi­zar água ou ra­ci­o­na­li­zar o uso? Os que es­ti­ve­rem por aqui que se vi­rem. Ca­da ge­ra­ção que re­sol­va seus pró­pri­os pro­ble­mas.

De po­lí­ti­cos a pais de fa­mí­lia, de es­tu­dan­tes a em­pre­sá­ri­os, de fun­ci­o­ná­ri­os pú­bli­cos a po­li­ci­ais, de aten­den­tes de lo­jas a ad­vo­ga­dos, di­fi­cil­men­te se en­con­tra­rá um seg­men­to on­de não se le­ve van­ta­gem na omis­são. Tra­ves­ti­da de au­to­de­fe­sa, de ne­ces­si­da­de de so­bre­vi­vên­cia ou qual­quer ou­tra des­cul­pa, a omis­são co­ti­di­a­na gras­sa pe­lo mun­do e por nos­sos quin­tais, mui­tas ve­zes pe­gan­do-nos com a bo­ca na bo­ti­ja, bem na ho­ra em que nos olha­mos no es­pe­lho.

E-mail: anaflores.rj@terra.com.br

Compartilhe