Colaboradores

A pílula - Texto de Reinaldo Chaves

sexta-feira, 25 de maio de 2007 Texto de

Ca­da vez que to­mo a pí­lu­la não sin­to na­da. O efei­to não vem nem de­pois que a dro­ga pas­sa pa­ra a cor­ren­te sangüí­nea. Mas me ga­ran­ti­ram que es­sa não é uma pí­lu­la de fa­ri­nha, há uma quí­mi­ca ne­la. Não li­go, o im­por­tan­te é que es­tão me pa­gan­do.

Es­cre­vo is­so pa­ra pas­sar o tem­po. É mui­to cha­to fi­car pre­sa den­tro des­sa ca­sa. Já faz 13 di­as. Não te­nho mui­to o que fa­zer, a co­mi­da vem pron­ta, as rou­pas são mu­da­das to­do dia, en­fim, tu­do o que eu pre­ci­so é co­lo­ca­do nu­ma por­ta gi­ra­tó­ria. Te­nho uma TV, mas é um cir­cui­to fe­cha­do que só pas­sa fil­mes an­ti­gos, sem co­res. Ain­da bem que não sou obri­ga­da a ver.

Acho que nun­ca acei­ta­ria vi­ver aqui sem a gra­na. A Luí­sa me con­ven­ceu. De­pois de tan­to tem­po sem ver ela, re­sol­vi acre­di­tar que o di­nhei­ro era fá­cil. Ela es­ta­va cer­ta, to­do o dia an­tes das en­tre­vis­tas eles me mos­tram os re­ci­bos dos de­pó­si­tos.

Pos­so usar o di­nhei­ro pa­ra vi­a­jar. De quem sin­to mais sau­da­de aqui? É ló­gi­co que é vo­cê, Ali­ce. Pe­na que vo­cê nun­ca mais vai que­rer olhar na mi­nha ca­ra. Se não fos­se is­so já te­ria saí­do des­sa ca­sa. Vo­cê aca­bou co­mi­go, lin­da. Mas pe­lo me­nos vou fi­car ri­ca. O me­lhor mes­mo é ir pa­ra lon­ge. Um lu­gar pa­ra fi­car qui­e­ta e te es­que­cer.

Só que aqui não vou con­se­guir. Es­se mé­di­co só faz per­gun­tas do que eu vi­vi, faz ques­tão de de­ta­lhes. Es­sa se­ma­na per­ce­bi que con­to coi­sas pa­ra ele que nun­ca con­ta­ria a nin­guém. No con­tra­to que as­si­nei es­se lu­gar se com­pro­me­te a nun­ca di­vul­gar meu no­me, tal­vez se­ja is­so.

Quan­do ti­nha 16 anos me deu von­ta­de de brin­car com uma gar­ra­fa. Era uma fan­ta, só que an­tes de en­fi­ar eu quis be­ber. Co­mo fui bur­ra! O ar da gar­ra­fa pren­deu ela den­tro de mim. Meus pais ten­ta­ram ar­ran­car mas doía mui­to, eu gri­ta­va. Co­mo o res­to da mi­nha fa­mí­lia, eu já era pe­lu­da na­que­la épo­ca. Os pê­los pu­bi­a­nos fi­ca­ram pre­sos e ca­da vez que pu­xa­vam era uma dor hor­rí­vel. Meu pai que­ria pu­xar até ar­ran­car, mas mi­nha mãe im­plo­rou pa­ra ele cha­mar um mé­di­co, que só con­se­guiu ti­rar de­pois de ser­rar o vi­dro.

É cla­ro que to­do mun­do fi­cou sa­ben­do na rua e na es­co­la. Os me­ni­nos pas­sa­ram a an­dar com uma gar­ra­fa de fan­ta na mo­chi­la e quan­do me vi­am sem­pre me per­gun­ta­vam rin­do se eu que­ria usar. Até mi­nhas ami­gas que­ri­am sa­ber se mi­nha bo­ce­ta ti­nha fi­ca­do lar­ga. Eu que­ria mor­rer. Foi o que con­tei on­tem na en­tre­vis­ta.

Sem­pre ti­ve di­fi­cul­da­de de fa­lar so­bre tu­do que pos­sa ser re­la­ci­o­na­do com se­xo. Aqui apren­di a con­tar tu­do o que me en­ver­go­nha ou me ma­go­ou. Mas não me sin­to me­lhor com is­so, con­ti­nuo sen­tin­do ver­go­nha e má­goa do mes­mo jei­to. Quem dis­se que fa­lar a ver­da­de faz bem? Só es­pe­ro jun­tar di­nhei­ro com is­so, quan­do sair sei que as coi­sas vão ser iguais.

- En­tão es­se pa­ci­en­te che­gou num es­tá­gio tão avan­ça­do da mi­to­ma­nia que men­tia pa­ra to­dos ser mu­lher e in­ven­ta­va coi­sas até es­cre­ven­do?

- Sim, a dro­ga só con­se­guiu fa­zer pa­rar a de­pres­são. Pe­lo que des­co­bri­mos ele mis­tu­ra lem­bran­ças do pas­sa­do de­le com fa­tos ima­gi­na­dos. Um dia trou­xe­mos es­sa Ali­ce aqui. A prin­cí­pio ele re­a­giu bem, mas gri­tou quan­do ela lhe cha­mou de men­ti­ro­so. Mas Ali­ce, eu já dis­se que não sou mitô­ma­no! - ele gri­tou vá­ri­as ve­zes.

- O que acon­te­ceu com ele?

- Pra­ti­ca­men­te não re­a­giu aos tra­ta­men­tos. Es­tá in­ter­na­do aqui há seis anos e pen­sa es­tar jun­tan­do uma bo­la­da. Por en­quan­to, es­sa é a úni­ca vi­da em que ele já se ajus­tou.

E-mail: reichaves@hotmail.com

Compartilhe