Con­to de Cla­ri­ce Lis­pec­tor (ONDE ESTIVESTES DE NOITE. Edi­to­ra Roc­co, 1999) nar­ra a his­tó­ria de uma ami­za­de e sua de­te­ri­o­ra­ção. O con­to nar­ra, em pri­mei­ra pes­soa, a his­tó­ria de dois ami­gos que se se­pa­ram sem que ha­ja uma bri­ga ou trai­ção. Se­pa­ram-se sim­ples­men­te por não mais ha­ver afi­ni­da­de e pe­lo em­po­bre­ci­men­to da re­la­ção en­tre eles. Con­tu­do, ain­da se gos­tam. Mos­tra que a ami­za­de pre­ci­sa ser cul­ti­va­da, não sen­do ne­ces­sá­ria ape­nas a pre­sen­ça fí­si­ca, mas a pro­xi­mi­da­de exis­ten­ci­al pa­ra man­ter o re­la­ci­o­na­men­to.

Des­ta­quei al­guns tre­chos im­por­tan­tes que ex­pli­cam o tí­tu­lo (Es­va­zi­a­men­to):

“Já nes­se tem­po apa­re­ce­ram os pri­mei­ros si­nais de per­tur­ba­ção en­tre nós. Às ve­zes um te­le­fo­ne­ma, en­con­trá­va­mos-nos, e na­da mais tí­nha­mos a di­zer .” (pág. 77)

“... Que re­bu­li­ço de al­ma. Ra­di­an­tes ar­ru­má­va­mos nos­sos li­vros e dis­cos, pre­pa­rá­va­mos um am­bi­en­te per­fei­to pa­ra a ami­za­de. De­pois de tu­do pron­to, eis-nos den­tro de ca­sa de bra­ços aba­nan­do, mu­dos, chei­os de ape­nas ami­za­de.” (pág.78)

“ Se ao me­nos pu­dés­se­mos pres­tar fa­vo­res um pe­lo ou­tro. Mas nem ha­via opor­tu­ni­da­de, nem acre­di­tá­va­mos em pro­vas de uma ami­za­de que de­las pre­ci­sa­va. O mais que po­día­mos fa­zer era o que fa­zía­mos: sa­ber que éra­mos só ami­gos. O que não bas­ta­va pa­ra en­cher os di­as, so­bre­tu­do as lon­gas fé­ri­as.” (idem)

“... Sa­bía­mos que não que­ría­mos nos re­ver. E sa­bía­mos tam­bém que éra­mos ami­gos. Ami­gos sin­ce­ros”. (pág. 79)

No fi­nal do con­to, mes­mo con­ti­nu­an­do ami­gos, os per­so­na­gens vão por ca­mi­nhos di­fe­ren­tes. Is­so po­de acon­te­cer em qual­quer re­la­ção afe­ti­va. Mes­mo ha­ven­do sen­ti­men­to, a an­gús­tia da exis­tên­cia de de­se­jar al­go mais, co­mo a pro­cu­ra de uma iden­ti­da­de e no­vos ca­mi­nhos, se­pa­ra as pes­so­as.

Em­bo­ra dis­tan­tes, os dois con­ti­nu­a­ram ami­gos. Ao fi­nal, pre­fe­ri­ram a dis­tân­cia fí­si­ca a ter que con­vi­ver com a hi­po­cri­sia de um re­la­ci­o­na­men­to va­zio e me­dío­cre.

Es­se con­to me mar­cou bas­tan­te, por­que já ti­ve a ex­pe­ri­ên­cia de es­va­zi­a­men­to e não con­se­guia de­fi­ní-la, mas a sen­tia.

***

OFF

Ao re­ler es­te tex­to per­ce­bi que co­me­ti mi­cos hor­ren­dos, co­mo ci­tar Sar­tre sem ter li­do um li­vro com­ple­to de­le. Só con­sul­tei um, que fa­la so­bre a sua te­o­ria. Ju­ro que nun­ca mais es­cre­ve­rei so­bre pen­sa­men­tos que não co­nhe­ço pro­fun­da­men­te. Pre­fi­ro es­cre­ver pou­co e ser au­tên­ti­co a ci­tar su­per­fi­ci­al­men­te. Sin­to-me va­zio e um men­ti­ro­so.

E-mail: dudu.oliva@uol.com.br

Compartilhe