Colaboradores

Um segundo antes

sexta-feira, 18 de Maio de 2007 Texto de

Não con­se­gui ler a no­tí­cia to­da no por­tal, mas o tí­tu­lo fi­cou na me­mó­ria: “Go­ma de mas­car da­ni­fi­ca obra de ar­te”. Ig­no­ro se a obra de ar­te era um qua­dro de al­guns mi­lhões de dó­la­res, um ma­nus­cri­to de um es­cri­tor de sé­cu­los atrás ou qual­quer ou­tra pe­ça va­li­o­sa de co­le­ção. O que me im­por­ta no mo­men­to é ima­gi­nar que al­guém, com na­da in­te­res­san­te a fa­zer na vi­da e sem ne­nhu­ma no­ção do que sua idi­o­ti­ce po­de­ria pro­vo­car, es­tra­gou uma pre­ci­o­si­da­de. E me pus a pen­sar em co­mo um pe­que­no ato de um se­gun­do na vi­da de al­guém po­de in­ter­fe­rir tão pro­fun­da­men­te na vi­da de ou­tros.

Se foi um qua­dro a pe­ça ar­rui­na­da com aque­le ges­to, a par­tir da­li quan­tas pes­so­as dei­xa­ram de apre­ciá-lo, de sen­tir em su­as co­res e ima­gens as emo­ções que seu cri­a­dor ex­pres­sou ou tal­vez nem te­nha ima­gi­na­do pro­vo­car? Quan­tos la­drões de obras de ar­te ti­ve­ram que adi­ar ou de­sis­tir de seus pla­nos pa­ra re­a­li­zar o rou­bo do sé­cu­lo? Quan­tos lei­lo­ei­ros per­de­ram a opor­tu­ni­da­de de ofe­re­cer be­le­za e ar­te em seus pre­gões? E quan­tas no­vas ge­ra­ções pas­sa­rão a co­nhe­cer a pin­tu­ra ape­nas em ca­tá­lo­gos e fo­tos?

Se o ma­nus­cri­to des­truí­do foi um po­e­ma nu­ma úni­ca pá­gi­na ago­ra ama­re­la­da e qua­se em pe­da­ços, com ra­bis­cos e ano­ta­ções do po­e­ta ao la­do dos ver­sos, ele dei­xa­rá de mos­trar o quan­to aque­le au­tor ima­gi­nou e su­ou e ten­tou e se em­pe­nhou pa­ra che­gar ao re­sul­ta­do fi­nal. En­co­ra­ja­ria ou de­ses­ti­mu­la­ria as no­vas ge­ra­ções de po­e­tas que por aca­so des­co­nhe­ces­sem o tra­ba­lho que exis­te por trás da cons­tru­ção de um so­ne­to?

A pe­ça es­tra­ga­da pe­la go­ma de mas­car po­de ter si­do um par de lu­vas, de ren­da fi­nís­si­ma e bor­da­da, da rai­nha de uma cor­te eu­ro­péia de­pos­ta do tro­no e con­de­na­da a aca­bar seus di­as nu­ma tor­re es­cu­ra, so­li­tá­ria e úmi­da à es­pe­ra da gui­lho­ti­na e – o mais tris­te de tu­do – sem su­as lin­das lu­vas. Co­mo os vi­si­tan­tes do mu­seu po­de­rão a par­tir de ago­ra ima­gi­nar as mãos re­ais cal­çan­do aque­la pe­ça de ra­ra be­le­za en­quan­to acom­pa­nham a his­tó­ria da so­be­ra­na e seu des­ti­no de con­de­na­da, se as lu­vas nun­ca mais es­ta­rão na vi­tri­ne?

To­do es­se des­com­pas­so por cau­sa de uma go­ma de mas­car pe­ga­jo­sa nas mãos de al­guém in­sen­sí­vel. Um se­gun­do an­tes des­se mo­men­to, se a de­ci­são do mas­ti­ga­dor de chi­cle­te fos­se ou­tra – jo­gar a go­ma no li­xo, por exem­plo -, a his­tó­ria de vi­da de mui­tas pes­so­as po­de­ria ser di­fe­ren­te. As­sim co­mo a de­ci­são to­ma­da um se­gun­do an­tes da pa­la­vra mal­cri­a­da, um se­gun­do an­tes de não usar ca­mi­si­nha, um se­gun­do an­tes de um Sim ou Não de­fi­ni­ti­vos e an­tes de aper­tar o ga­ti­lho.

E-mail: anaflores.rj@terra.com.br

Compartilhe