Contos

Onda morta (novela de 32 capítulos)

terça-feira, 15 de Maio de 2007 Texto de

Ca­pí­tu­lo 1

- Meu Deus! Vo­cê tem idéia do que po­de ter si­do?
- Não sei... Não sei... Co­mo eu pos­so sa­ber?
- Al­guém aqui po­de me ex­pli­car o que acon­te­ceu? Há al­guém fe­ri­do? Es­tão me ou­vin­do? Ei! Mas o que é que es­tá ha­ven­do?

*** ***

- To­do mun­do vai fi­car aí pa­ra­do? Vo­cês fi­cam aí com os olhos vi­dra­dos em quê?
- Es­cu­te, ami­go, nós es­ta­mos tão sem jei­to quan­to vo­cê, só que tal­vez vo­cê fa­le de­mais...
- Mas eu que­ro ape­nas con­ver­sar... ape­nas con­ver­sar...

*** ***

- O se­nhor tem al­gu­ma idéia so­bre is­so tu­do?
- Acho que vi­mos e sen­ti­mos a mes­ma coi­sa, não é? Va­mos pro­cu­rar nos acal­mar, pre­ci­sa­mos nos acal­mar!
- On­de es­tá o ca­pi­tão? Ei, ca­pi­tão!

*** ***

- En­con­trei o ca­pi­tão lá em­bai­xo, ele es­tá bem, ao me­nos fi­si­ca­men­te, mas fa­la mui­to pou­co... Se­rá que eu sou o úni­co a que­rer fa­lar por aqui?
- Não, cla­ro que não. É o que ele dis­se: es­tão to­dos num es­ta­do de cho­que. Pre­ci­sa­mos pe­lo me­nos vol­tar a ter do­mí­nio so­bre nos­sos ner­vos.
- Tu­do bem, mas vo­cês não acham que o me­lhor re­mé­dio pa­ra is­so é con­ver­sar­mos? Meu Deus, o que po­de ter acon­te­ci­do?

*** ***

Ca­pí­tu­lo 2

- Ah, olá, ca­pi­tão! O se­nhor es­tá bem? Po­de fa­lar? O que hou­ve co­nos­co?
- Eu gos­ta­ria mui­to de sa­ber, meu ra­paz, mui­to mes­mo! Mas o di­a­bo é que não sei, não sei de jei­to ne­nhum, en­ten­de? Es­tá­va­mos na­ve­gan­do nor­mal­men­te, vo­cês se lem­bram? To­dos se lem­bram?
- Cla­ro, cla­ro, tu­do ia bem até que sur­giu o cla­rão...
- Es­tá cor­re­to, is­to mes­mo! Um cla­rão... mui­to for­te!
- E de­pois, um es­tron­do sur­do, não foi?
- Per­fei­to, per­fei­to! Um es­tron­do se­co. Mas e en­tão? Ah, sim! Eu me lem­bro. Os apa­re­lhos in­di­ca­ram al­go mui­to gran­de vin­do em nos­sa di­re­ção, e eu avi­sei a to­dos, es­tão lem­bra­dos?
- Eu me re­cor­do, sim. Acho que to­dos se re­cor­dam. Sim, ca­pi­tão, foi is­to: na­ve­gá­va­mos num mar mui­to tranqüi­lo, de­pois vi­e­ram o cla­rão, o ba­ru­lho e a apre­en­são. Foi as­sim.
- Sim, foi.
- Es­cu­te, ca­pi­tão, tu­do is­so es­tá cla­ro nas nos­sas men­tes. O pro­ble­ma é o que acon­te­ceu de­pois, o se­nhor tem uma ex­pli­ca­ção em vis­ta?
- Não, por en­quan­to, não te­nho qual­quer ex­pli­ca­ção. Olhem! Vo­cês per­ce­bem co­mo o mar es­tá qui­e­to? Nun­ca vi al­go as­sim! A água pa­re­ce es­tar com­ple­ta­men­te pa­ra­da!
- Ei, al­gum de vo­cês tem pe­lo me­nos uma va­ga idéia do que po­de ter se pas­sa­do?
- Se nem o ca­pi­tão tem, ami­go, quem por aqui vai sa­ber qual­quer coi­sa?
- E o se­nhor, já se acal­mou? O se­nhor não diz na­da?
- Meu ca­ro, es­tou co­me­çan­do a con­cor­dar com ele: vo­cê pre­ci­sa dar um tem­po! Vo­cê não com­pre­en­de que a mai­o­ria aqui es­tá no mar pe­la pri­mei­ra vez e que is­so au­men­ta a ten­são?
- Des­cul­pe-me, pe­ço des­cul­pas a vo­cês to­dos, mas não con­si­go me con­for­mar com o si­lên­cio. Al­go mui­to es­tra­nho es­tá acon­te­cen­do. Tal­vez nós não te­nha­mos tem­po su­fi­ci­en­te pa­ra des­can­sar, sa­be? Acho que pre­ci­sa­mos de um nor­te ra­pi­da­men­te. Ca­pi­tão, o se­nhor não de­ve­ria ten­tar con­ta­to com ou­tros bar­cos ou com a cos­ta?
- Pou­co an­tes de su­bir, eu ve­ri­fi­quei nos­so equi­pa­men­to de rá­dio. Es­tá mu­do. Não há um si­nal se­quer! Na­da fun­ci­o­na aqui! Vo­cê não per­ce­beu que o bar­co es­tá à de­ri­va? Tal­vez não, tal­vez não. Quem per­ce­be­ria? O mar es­tá tão cal­mo!

*** ***

Ca­pí­tu­lo 3

- Meu re­ló­gio! Es­tá pa­ra­do tam­bém! Al­guém po­de con­sul­tar o re­ló­gio? Meu te­le­fo­ne ce­lu­lar apa­gou. Al­gum ce­lu­lar por aí? - Du­vi­do mui­to. Pa­re­ce que to­dos os apa­re­lhos, di­gi­tais ou não, pi­fa­ram. Eu já ti­nha con­sul­ta­do o meu. Qual­quer coi­sa aí fo­ra sim­ples­men­te anu­lou to­dos os ti­pos de ener­gia de que dis­pú­nha­mos.

- Não é pos­sí­vel! Pre­ci­sa­mos nos me­xer, de­ve ha­ver al­go que pos­sa ser fei­to, ca­pi­tão! O se­nhor por fa­vor nos ori­en­te!

- O que eu de­vo fa­zer nu­ma ho­ra des­sas? Não sei. Nós sem­pre so­mos trei­na­dos pa­ra en­fren­tar tem­pes­ta­des, aci­den­tes com o bar­co e tu­do mais, mas aqui não há na­da pa­ra se en­fren­tar. O bar­co es­tá em óti­mas con­di­ções, te­mos co­mi­da, be­bi­da, as ca­bi­nes es­tão em or­dem ... a água es­tá um sos­se­go ... o pôr do sol, co­mo vo­cês po­dem ver, che­ga a ser cor-de-ro­sa, a tem­pe­ra­tu­ra é agra­dá­vel, en­fim, não ha­ve­ria do que se quei­xar se não es­ti­vés­se­mos flu­tu­an­do a cer­ca de vin­te mi­lhas da cos­ta e sem qual­quer ca­nal de co­mu­ni­ca­ção em fun­ci­o­na­men­to. Vo­cês sa­bem, con­tan­do a tri­pu­la­ção, es­ta­mos com vin­te pes­so­as a bor­do. Se al­guém en­ten­de de na­ve­ga­ção mais do que eu, fi­que à von­ta­de pa­ra con­ser­tar o que for ne­ces­sá­rio, mas eu du­vi­do. Já ave­rigüei e não en­con­tro uma ex­pli­ca­ção ló­gi­ca pa­ra is­so. Tu­do pa­re­ce es­tar tra­va­do. Vo­cês com­pre­en­dem a si­tu­a­ção?

- Ca­pi­tão, dei­xe-me di­zer: já ou­vi di­zer que uma cal­ma­ria des­sas ge­ral­men­te pre­ce­de pro­ble­mas...

- De­pen­de de uma sé­rie de as­pec­tos, meu se­nhor. Eu di­ria que nes­te mo­men­to, di­an­te das cir­cuns­tân­ci­as que nos en­vol­vem, na­da po­de ser ava­li­a­do pe­la ló­gi­ca. Es­ta cal­ma­ria, o se­nhor não te­nha dú­vi­da, é sim­ples­men­te ex­tra­or­di­ná­ria, ja­mais vis­ta por mim e du­vi­do que por al­gum ma­ri­nhei­ro.

*** ***

Ca­pí­tu­lo 4

- Vo­cês es­tão per­ce­ben­do uma coi­sa? Faz mui­to tem­po que es­ta­mos as­sim, acho que pe­lo me­nos três ho­ras, e ve­jam o ho­ri­zon­te, na­da mu­dou, a mes­ma cor ró­sea, co­mo se o sol es­ti­ves­se se pon­do. Es­tão lem­bra­dos de que an­tes de tu­do is­so já era fim de tar­de? De­ve­ría­mos es­tar ago­ra em ple­na noi­te...

- Re­al­men­te, vo­cê tem ra­zão... Não há co­mo sa­ber­mos as ho­ras, ca­pi­tão?

- Pe­lo sol? Por uma ou ou­tra es­tre­la? Sim, sem­pre te­mos co­mo fa­zer cál­cu­los. O di­a­bo é que não te­mos na­da dis­so ao al­can­ce dos olhos, o se­nhor per­ce­be? Não há sol nem es­tre­las nem lua ou qual­quer mo­vi­men­to no céu. Ele tem ra­zão: três ho­ras ou mais já se pas­sa­ram des­de que acon­te­ceu...

- Sim, mas o que is­so im­por­ta ago­ra? O que nos im­por­ta sa­ber quan­tas ho­ras se pas­sa­ram? Aliás, nem po­de­mos sa­ber! Co­mo dis­se o pró­prio ca­pi­tão, não te­mos a ló­gi­ca a nos­so fa­vor.

- Há al­go mais...

- Pu­xa, en­fim, ou­tra pes­soa dis­pos­ta a fa­lar! Es­ta­mos me­lho­ran­do!

- Quan­do fi­co mui­to ten­so, co­mo es­tou ago­ra, cos­tu­mo co­mer por im­pul­so. Vêem es­ses bis­coi­tos? Ten­tem co­mê-los e não vão sen­tir gos­to al­gum...

- Es­tá di­zen­do que os bis­coi­tos es­tra­ga­ram?

- Não, não pa­re­cem es­tar es­tra­ga­dos. Ape­nas não sen­ti qual­quer sa­bor ao mas­ti­gá-los...

- Dei­xe-me ver, ami­go...

- Es­ta­mos mui­to an­si­o­sos, es­sa é a ver­da­de...

- Ele tem ra­zão! Não sin­to o gos­to!

- Ei, olhem: es­ses san­duí­ches tam­bém per­de­ram o sa­bor!

- De­ve ha­ver al­gu­ma ex­pli­ca­ção, ca­pi­tão...

- Sim, meu ca­ro, de­ve ha­ver, de­ve ha­ver...

- Tal­vez um fenô­me­no que in­clua a ca­pa­ci­da­de de anu­lar cer­tas pro­pri­e­da­des dos ali­men­tos?

- Tal­vez um fenô­me­no mag­né­ti­co ca­paz de anu­lar cer­tas per­cep­ções or­gâ­ni­cas, quem sa­be­rá?

- Sim, o ca­pi­tão po­de ter ra­zão. O pro­ble­ma to­do po­de es­tar em nos­sos or­ga­nis­mos, em nos­sas men­tes!

- É uma hi­pó­te­se ra­zoá­vel se con­si­de­rar­mos que não te­mos a ló­gi­ca a nos­so fa­vor... Des­cul­pe-me, ami­go... Des­cul­pe-me pe­la im­pa­ci­ên­cia...

- Es­cu­tem: vo­cês já de­vem ter ou­vi­do fa­lar de alu­ci­na­ções co­le­ti­vas e coi­sas as­sim. Quem po­de di­zer que não es­ta­mos en­fren­tan­do uma des­sas? Que ou­tra ex­pli­ca­ção po­de ha­ver?

- Per­dão, mas não acho que te­nha­mos mer­gu­lha­do em ne­nhu­ma alu­ci­na­ção co­le­ti­va. Não sou psi­có­lo­go nem pa­rap­si­có­lo­go e nem nun­ca me en­vol­vi em ex­pe­ri­ên­ci­as des­se ti­po, mas so­mos um gru­po tão he­te­ro­gê­neo, com tão pou­cas li­ga­ções en­tre nós, que acre­di­to ser im­pos­sí­vel par­ti­ci­par­mos jun­tos de uma alu­ci­na­ção. Na mi­nha opi­nião, hou­ve al­go trá­gi­co no pla­ne­ta en­quan­to ru­má­va­mos pa­ra a ilha, ape­nas is­so.

- Al­go co­mo o quê? Uma bom­ba atô­mi­ca, por exem­plo? É a is­so que vo­cê se re­fe­re?

- Por que não? Vo­cê jul­ga ser tão im­pro­vá­vel as­sim ha­ver pes­so­as dis­pos­tas a lan­çar mão des­se re­cur­so?

- Es­pe­rem aí, os efei­tos de uma bom­ba atô­mi­ca ou de ou­tras agres­sões bé­li­cas se­ri­am um pou­co di­fe­ren­tes, não acham?

- Quem po­de nos ga­ran­tir?

- Pa­rem! Por fa­vor, pa­rem um ins­tan­te! Pa­re­ce que há um ru­mor dis­tan­te. Es­tão ou­vin­do?

- Não ou­ço ab­so­lu­ta­men­te na­da...

- Que ti­po de ruí­do é?

- Não sei, pen­so ter ou­vi­do al­gu­ma voz...

- Tam­bém não con­si­go per­ce­ber coi­sa al­gu­ma!

- Tal­vez te­nha si­do só im­pres­são. Des­cul­pem-me, acho que me atra­pa­lhei.

- Po­de ter si­do seu de­se­jo de dei­xar es­se es­ta­do. Pre­ci­sa­mos nos acau­te­lar quan­to às re­a­ções que ain­da po­de­re­mos ter in­vo­lun­ta­ri­a­men­te...

- Ca­pi­tão, não se­ria bom ir­mos ten­tar o rá­dio no­va­men­te? Acho que pre­ci­sa­mos agir de al­gu­ma for­ma. Os de­mais fi­quem aten­tos o quan­to po­dem. A es­sa al­tu­ra, um pe­que­no de­ta­lhe po­de ser im­por­tan­te pa­ra nos­sa so­bre­vi­vên­cia.

*** ***
Ca­pí­tu­lo 5

- E en­tão? Al­gum su­ces­so?

- Na­da, os equi­pa­men­tos se en­con­tram to­dos apa­ga­dos. Apa­ren­te­men­te não há jus­ti­fi­ca­ti­va, ne­nhum de­fei­to per­cep­tí­vel. Sim­ples­men­te não fun­ci­o­nam. Vo­cês vi­ram al­go?

- Tu­do es­tá co­mo an­tes. Ve­ja vo­cê mes­mo: a cal­ma­ria, o ho­ri­zon­te cor-de-ro­sa sem sol e ne­nhum mo­vi­men­to de nu­vens ou fenô­me­no me­te­o­ro­ló­gi­co...

- Ca­pi­tão, há equi­pa­men­tos de mer­gu­lho no bar­co?

- Te­mos, mas de­vem ser usa­dos ape­nas nu­ma emer­gên­cia, prin­ci­pal­men­te nes­ta área afas­ta­da da cos­ta.

- Se is­so não for uma emer­gên­cia, ca­ro ca­pi­tão, o que se­ria?

- Des­cul­pe-me, vo­cê tem ra­zão.

- Ca­pi­tão, es­tou ape­nas ou­vin­do as con­ver­sas des­de o iní­cio. Até ago­ra, eu não dis­se na­da por­que não me com­pe­te in­ter­vir em as­sun­tos dos quais não en­ten­do pa­ta­vi­na. Quan­to a mer­gu­lho, é ou­tra his­tó­ria. Além de ser um hobby pa­ra mim, te­nho um cur­rí­cu­lo de di­ver­sos cur­sos. Gos­ta­ria de me co­lo­car à dis­po­si­ção pa­ra co­la­bo­rar.

- Se­ja bem-vin­do, ma­ri­nhei­ro! Va­mos pre­pa­rá-lo pa­ra des­cer. Vo­cê sa­be que não po­de­rá se afas­tar mui­to? Tam­bém é pre­ci­so ser rá­pi­do. Fran­ca­men­te, não sei quais os pe­ri­gos que irá en­fren­tar nes­tas cir­cuns­tân­ci­as com­ple­ta­men­te des­co­nhe­ci­das...

*** ***
Ca­pí­tu­lo 6

- Ca­pi­tão, pe­la mi­nha con­ta­gem, fal­ta cer­ca de um mi­nu­to. Se ele não re­tor­nar, o com­bi­na­do é pu­xá-lo de vol­ta. O se­nhor acha que po­de ter ocor­ri­do al­go ruim?

- Acho que não. Qual­quer pro­ble­ma te­ria pro­vo­ca­do al­te­ra­ção no ca­bo. Lá em­bai­xo, com tan­tas pre­o­cu­pa­ções e sem re­ló­gio, ele tal­vez te­nha se atra­pa­lha­do na mar­ca­ção do tem­po. Va­mos aguar­dar...

*** ***

- Ca­pi­tão, pe­lo me­nos um mi­nu­to já cor­reu além do com­bi­na­do. Tal­vez de­vês­se­mos...

- Mui­to bem, pre­pa­rem-se, va­mos içá-lo.

- Va­mos lá, va­mos lá... Pu­xem, pu­xem...

- Ca­pi­tão, o pe­so... Não es­ta­mos con­se­guin­do...

- Pu­xem, pu­xem, dêem es­pa­ço pa­ra mais al­guns de vo­cês. Pre­ci­sa­mos su­bi-lo!

- Ca­pi­tão, is­so é mui­to es­tra­nho, é mui­to pe­so pa­ra uma só pessoa!Estamos pu­xan­do em se­te ho­mens e o ca­bo não se me­xe!

- Dei­xem-me aju­dá-los, va­mos, va­mos... For­ça, for­ça...

- O ca­bo não se me­xe, ca­pi­tão...

- Is­to é im­pos­sí­vel! Olhem pa­ra o ca­bo: não es­tá to­tal­men­te es­ti­ra­do, mas não po­de­mos içar aque­le ho­mem! Cer­ta­men­te, o oxi­gê­nio se es­go­tou. Se não o ti­rar­mos de lá, ele mor­re­rá mui­to de­pres­sa.

- Ei, vo­cês, há ou­tra rou­pa de mer­gu­lho, ca­pi­tão?

- Sim, vis­ta-a de­pres­sa ou não ha­ve­rá tem­po pa­ra ele.

- Olhem is­to! O ca­bo es­tá frou­xo e ao mes­mo tem­po, pe­sa­do. Não é pos­sí­vel! Não é pos­sí­vel!

- Ca­pi­tão, não se­ria ade­qua­do al­guém tra­zer ma­te­ri­al de pri­mei­ros so­cor­ros pa­ra a con­clu­são do res­ga­te?

- Sim, é cla­ro. Al­guém da tri­pu­la­ção, rá­pi­do.

- Quem po­de­ria ex­pli­car al­go as­sim, meu Deus?

- Es­tou pron­to, ca­pi­tão, amar­rem-me.

- Vo­cê já sa­be, não é pre­ci­so re­co­men­dar cui­da­do, cer­to? Vá e vol­te rá­pi­do. Se, por um mo­ti­vo, não hou­ver co­mo içá-lo, vol­te, en­ten­deu? Vol­te de­pres­sa. Ago­ra, vá. Po­de sal­tar! Al­guém fa­ça a con­ta­gem de tem­po...

*** ***

Ca­pí­tu­lo 7

- Cin­co mi­nu­tos, ca­pi­tão. Não se­ria tem­po de­mais?

- Va­mos içá-lo, pu­xem o ca­bo, pu­xem o ca­bo...

- Es­tá vin­do, ca­pi­tão... Es­tá vin­do... Es­pe­rem, o que é que há? Va­mos lá, va­mos lá...

- O que hou­ve, se­nho­res?

- Pa­rou, pa­rou co­mo an­tes... Es­tá mui­to pe­sa­do, a mes­ma si­tu­a­ção...

- Ou­tra vez is­to: o ca­bo frou­xo e não po­de­mos içá-lo... Co­mo ex­pli­car?

- O que po­de­mos fa­zer, ca­pi­tão?

- “O que po­de­mos fa­zer, ca­pi­tão?”, “co­mo se ex­pli­ca is­so, ca­pi­tão?”, “o que acon­te­ceu, ca­pi­tão?”, pe­lo amor de Deus, vo­cês po­dem pa­rar de me fa­zer per­gun­tas por um mi­nu­to? Eu não sei, sim­ples­men­te não sei o que po­de­mos fa­zer...

- Vou sal­tar e ten­tar ver o que há...

- Es­tá lou­co, ra­paz? Há al­go nos tra­gan­do um a um. Nin­guém mais vai ao mar até des­co­brir­mos co­mo nos de­fen­der.

- Meu Deus, eles de­vem es­tar mor­tos...

- Sim, cer­ta­men­te eles es­tão mor­tos...

- E não po­de­mos fa­zer na­da! Ab­so­lu­ta­men­te na­da! Is­to é de­ses­pe­ra­dor!

- Sim, é de­ses­pe­ra­dor!

- Mas o que fa­zer? O que fa­zer?

- Ne­nhum si­nal na água, não há qual­quer ves­tí­gio de um ata­que de tu­ba­rões ou coi­sa as­sim, na­da!

- E quan­to aos ca­bos, ca­pi­tão? De­ve­mos dei­xá-los co­mo es­tão?
- Cor­te-os...

- Cor­tá-los e per­der os dois de­fi­ni­ti­va­men­te?

- Não há mais vi­da aí, meu se­nhor. E man­ter os ca­bos pre­sos ao bar­co sem sa­ber o que há na ou­tra pon­ta se­ria ar­ris­car a to­dos nós... Cor­te-os.

*** ***

Ca­pí­tu­lo 8

- Vou di­zer a vo­cês o que es­tou pen­san­do, pos­so?

- Des­de o co­me­ço, ve­nho ten­tan­do fa­zer com que to­dos fa­lem...

- Acho que tu­do is­so não pas­sa de uma brin­ca­dei­ra.

- Ami­go, vo­cê de­mo­rou pa­ra fa­lar, mas ca­pri­chou, hein? Sin­ce­ra­men­te, não sei se po­de ha­ver brin­ca­dei­ra num bar­co à de­ri­va que pa­re­ce não sair de um lu­gar on­de dois de nós aca­ba­ram de mor­rer...

- Aí é que es­tá. Não acre­di­to que eles te­nham mor­ri­do.

- Ei, ca­ra, do mes­mo mo­do que vo­cê, tam­bém não abri mi­nha bo­ca pa­ra dar opi­niões, mas se al­guém pa­re­ce es­tar brin­can­do aqui, é vo­cê!

- Es­cu­tem, vo­cês não en­ten­dem? Pen­sem um pou­co! O que es­ta­mos fa­zen­do nes­te bar­co? Não fo­mos se­le­ci­o­na­dos pa­ra um con­cur­so? Não va­mos pa­ra uma ilha par­ti­ci­par da tal com­pe­ti­ção or­ga­ni­za­da pe­la te­le­vi­são? Pois aí es­tá: de­ve­mos es­tar sen­do fil­ma­dos nes­te mo­men­to. Nós aqui, de­ses­pe­ra­dos, e as pes­so­as se di­ver­tin­do às nos­sas cus­tas di­an­te dos te­le­vi­so­res, é is­so que es­tá acon­te­cen­do!

- Não po­de ser. Es­te con­cur­so não se tra­ta de ne­nhum re­a­lity show. Aliás, nem re­ce­be­mos ain­da as ins­tru­ções com­ple­tas...

- Viu? Quem ga­ran­te que a fil­ma­gem des­ta vi­a­gem não faz par­te do jo­go?

- Bom, di­ga­mos que vo­cê es­te­ja cer­to, co­mo po­de­ría­mos ser le­va­dos à nos­sa si­tu­a­ção atu­al?

- Vo­cê não as­sis­tiu ao “Show de Truh­man”?

- Ami­go, fran­ca­men­te is­to não se pa­re­ce mui­to com um ce­ná­rio, não mes­mo. E além do mais, co­mo vo­cê ex­pli­ca o fa­to de ter ha­vi­do um lap­so de tem­po em nos­so tra­je­to? Lem­bre-se que não sa­be­mos o que hou­ve de­pois de ter­mos vis­to o cla­rão e ou­vi­do o for­te es­tron­do.

- Quem me ga­ran­te que al­guns de nós não fa­zem par­te da equi­pe de pro­du­ção da TV? E se nos de­ram um alu­ci­nó­ge­no?

- Meu Deus! Que ima­gi­na­ção fér­til a sua. Se­rá que vo­cê não é da tal pro­du­ção da TV?

- Ra­pa­zes, ou­çam uma coi­sa vo­cês dois...

- Sim, ca­pi­tão?

- Vo­cê mes­mo, meu ca­ro, vem nos di­zen­do que se­ria bom con­ver­sar­mos, que as­sim po­de­mos en­con­trar um ru­mo. Por is­so dei­xei-os irem adi­an­te nes­se diá­lo­go. Mas pos­so afir­mar-lhes com to­da se­gu­ran­ça: não há uma câ­me­ra de TV se­quer nes­ta em­bar­ca­ção. Vo­cês não es­tão sen­do fil­ma­dos, eu ga­ran­to. Meu bar­co foi con­tra­ta­do sim­ples­men­te pa­ra le­vá-los à ilha. A re­gra de si­gi­lo so­bre ca­da um dos par­ti­ci­pan­tes tam­bém es­tá va­len­do pa­ra mi­nha tri­pu­la­ção e pa­ra mim mes­mo. Não sei o no­me de ne­nhum de vo­cês, não sei de on­de vêm, o que fa­zem, na­da, na­da. Ape­nas te­nho co­nhe­ci­men­to, co­mo qual­quer te­les­pec­ta­dor, que há en­tre o gru­po pes­so­as de vá­ri­as pro­fis­sões, gen­te po­bre e gen­te ri­ca, mo­ra­do­res de ci­da­des e mo­ra­do­res do cam­po, na­da mais do que is­so. A emis­so­ra de te­le­vi­são pro­mo­to­ra do con­cur­so man­tém tu­do em se­gre­do. En­fim, não há qual­quer pos­si­bi­li­da­de des­sa hi­pó­te­se se con­fir­mar. Acre­di­tem: a ver­da­de é es­ta mes­ma que re­cai di­an­te de nos­sos olhos.

*** ****

Ca­pí­tu­lo 9

- Lem­bram-se que há al­gum tem­po eu pen­sei ter ou­vi­do um ru­mor es­tra­nho e dis­tan­te? Ago­ra en­ten­do me­lhor. Cla­ro que vo­cês não po­di­am ou­vi-lo, ao me­nos não aque­le. É que só ha­via aqui den­tro, na mi­nha ca­be­ça, com­pre­en­dem? Ago­ra o ru­mor es­tá vol­tan­do. Al­gu­ma coi­sa es­tra­nha! Mui­tas fa­las ao mes­mo tem­po em que mi­nha me­mó­ria pa­re­ce es­tar se apa­gan­do. Meu Deus, é is­to mes­mo: a ca­da ins­tan­te, es­se ru­mor me rou­ba uma lem­bran­ça da vi­da. Vo­cês aten­ta­ram pa­ra is­so? Não es­tá acon­te­cen­do com ne­nhum de vo­cês? Se­rá só co­mi­go? Acre­di­tem, é ter­rí­vel!

- Es­pe­re. Ago­ra que vo­cê dis­se eu per­ce­bo...

- Eu tam­bém...

Mi­nha nos­sa, o que es­tá nos acon­te­cen­do? Es­ta­mos en­lou­que­cen­do?

- Ca­pi­tão, por Deus, o rá­dio con­ti­nua sem fun­ci­o­nar? Na­da mu­dou?

Ra­pa­zes, sin­to di­zer-lhes, mas não me re­cor­do co­mo se faz pa­ra ope­rar os apa­re­lhos que te­mos a bor­do. Não sei o que po­de ser is­to! Eu me es­que­ci, não é ab­sur­do?

- Ami­gos, ou­çam-me. Não sa­be­mos on­de is­so po­de nos le­var, mas uma coi­sa é cer­ta: se per­der­mos o con­tro­le de nos­sas men­tes, es­ta­rá tu­do aca­ba­do de uma vez. Pre­ci­sa­mos nos man­ter cons­ci­en­tes de al­gu­ma ma­nei­ra. A es­sa al­tu­ra, acho que pos­so que­brar uma das re­gras do con­cur­so, não é mes­mo? Sou lingüis­ta e sei o quan­to de­pen­de­mos da co­mu­ni­ca­ção pa­ra nos as­se­gu­rar em bo­as con­di­ções men­tais. Não po­de­mos per­mi­tir que nos­sas men­tes se tor­nem va­zi­as, em­bo­ra não sai­ba­mos se es­se é o ca­so. De qual­quer for­ma, an­tes pre­ve­nir do que re­me­di­ar, co­mo já di­zia mi­nha avó. E, atra­vés da lem­bran­ça de mi­nha avó, é que di­go a vo­cês to­dos que pre­ci­sa­mos com ur­gên­cia exer­ci­tar nos­sas men­tes, pa­ra que não nos es­que­ça­mos de nos­so pas­sa­do e de quem so­mos. Al­go es­tá nos afe­tan­do e com­pro­me­ten­do o pen­sa­men­to, e tal­vez es­te­ja nes­se par­ti­cu­lar a cha­ve pa­ra nos­sa sal­va­ção. Pro­po­nho que co­me­ce­mos a con­tar his­tó­ri­as de nos­sas vi­das, o que vi­er à ca­be­ça, mas que se­jam his­tó­ri­as re­ais. Acho que as­sim es­ta­re­mos lu­tan­do con­tra es­se ini­mi­go in­vi­sí­vel que pro­cu­ra nos de­te­ri­o­rar aos pou­cos. En­quan­to con­ta­mos nos­sas his­tó­ri­as, po­de­mos pen­sar em pos­sí­veis so­lu­ções pa­ra es­ta si­tu­a­ção. E en­tão, to­dos de acor­do? Se es­ti­ve­rem, tam­bém pro­po­nho que al­gum de nós trans­cre­va as nar­ra­ti­vas com os no­mes dos res­pec­ti­vos au­to­res, co­mo ga­ran­tia de que não va­mos nos es­que­cer. Va­mos, ami­gos, não per­ca­mos tem­po. Quem co­me­ça? Ca­pi­tão, por fa­vor, ar­ru­me pa­pel e ca­ne­ta.

*** ***

Ca­pí­tu­lo 10

- Mi­nha his­tó­ria é so­bre uma coi­sa que eu me lem­bro ago­ra, de­pois de tan­tos anos, e acho que ela só me vem à me­mó­ria por­que es­ta­mos nes­ta si­tu­a­ção... não es­tou cer­to dis­so, mas al­go que me diz que sim... Bem em fren­te à mi­nha ca­sa, mo­ra­va uma fa­mí­lia de ja­po­ne­ses. O pai era um co­mer­ci­an­te mui­to amá­vel que saía to­dos os di­as bem ce­do. A mãe qua­se não saía. Cui­da­va da ca­sa e das cri­an­ças. Eram três cri­an­ças. Nas fes­tas de ani­ver­sá­ri­os, eles sem­pre vi­nham em ca­sa ou nós ía­mos na de­les. En­tão, uma noi­te eu so­nhei uma coi­sa hor­rí­vel. So­nhei que du­ran­te uma tar­de eu che­ga­va da es­co­la e en­con­tra­va di­an­te da ca­sa des­sa fa­mí­lia um gran­de aglo­me­ra­do de pes­so­as, to­das cu­ri­o­sas. Lá den­tro ocor­ria al­go es­tra­nho. Eu me apro­xi­mei. Quan­do che­guei per­to, o co­mer­ci­an­te es­ta­va de­ses­pe­ra­do, mas não ti­nha co­ra­gem de en­trar. As cri­an­ças ti­nham si­do re­ti­ra­das do lu­gar. Eu per­gun­ta­va o que es­ta­va ha­ven­do, mas nin­guém res­pon­dia. Até que a mu­lher saiu. Mas não foi co­mo vo­cês es­tão pen­san­do. Ela não saiu sim­ples­men­te, se é que vo­cês me en­ten­dem. Ela veio co­mo um raio e pos­tou-se di­an­te do ma­ri­do. En­tão, num gol­pe ab­sur­do, ela abriu uma bo­ca tão gran­de, mas tão gran­de, que ne­la ca­bia a ca­be­ça in­tei­ra do co­mer­ci­an­te. E em pou­cos se­gun­dos ela mas­ti­gou a ca­be­ça de­le. Sa­be quan­do co­me­mos uma sar­di­nha e só res­ta aque­la es­ca­ma? Foi is­so. Ela su­gou a ca­be­ça do ma­ri­do e só res­ta­ram pe­que­nos os­si­nhos. Mas foi tu­do tão rá­pi­do, tão rá­pi­do, que por al­guns se­gun­dos o ma­ri­do ain­da se man­te­ve vi­vo, mes­mo sem a ca­be­ça. E mes­mo ele es­tan­do sem a ca­be­ça, eu pa­re­cia con­se­guir com­pre­en­der que o amá­vel co­mer­ci­an­te se mos­tra­va per­ple­xo com aque­le acon­te­ci­men­to. Após su­gar a ca­be­ça do ma­ri­do, a mu­lher de­sa­pa­re­ceu pe­la rua. Acor­dei mui­to as­sus­ta­do. Eu me lem­bro que a ja­ne­la do meu quar­to fi­ca­va bem de fren­te pa­ra a ca­sa de­les. Eu le­van­tei bem de­va­ga­ri­nho e na pon­ta dos pés fui até a ja­ne­la e, no es­cu­ro, afas­tei um pou­co a cor­ti­na pa­ra en­xer­gar do ou­tro la­do da rua. E foi quan­do vi, so­bre o te­lha­do da­que­la ca­sa ami­ga, a mãe ja­po­ne­sa fu­man­do e olhan­do pa­ra a lua que su­bia cheia por de­trás das cons­tru­ções. Meus ami­gos, eu era ape­nas uma cri­an­ça e sen­ti a uri­na es­cor­rer até en­so­par meus pés. Se­rá que eu vi mes­mo ou foi ima­gi­na­ção ou foi o que eu quis ver? Eu nun­ca mais con­se­gui olhar pa­ra nos­sa vi­zi­nha, em­bo­ra sem­pre ima­gi­nas­se que ela fi­ca­va me en­ca­ran­do com um sor­ri­so es­tra­nho.

*** *** ***

Ca­pí­tu­lo 11

- Ami­gos, te­nho cer­te­za de que du­ran­te a his­tó­ria que ou­vi­mos, to­dos se lem­bra­ram de pas­sa­gens da pró­pria vi­da que de al­gum mo­do guar­dam se­me­lhan­ças com o que nos foi con­ta­do. Es­te é o exer­cí­cio que pro­pus. Às ve­zes, nos­sa men­te pre­ci­sa de es­tí­mu­lo pa­ra se man­ter ati­va. Nas atu­ais cir­cuns­tân­ci­as, co­la­bo­rar pa­ra que is­so ocor­ra tem im­por­tân­cia pa­ra nos­sa pró­pria so­bre­vi­vên­cia.

- Ei, não sei se vo­cês tam­bém aten­ta­ram pa­ra is­so, mas não há pei­xes nem pás­sa­ros nes­te mar. Vo­cês vi­ram al­go se me­xer na água ou so­bre nos­sas ca­be­ças nes­te tem­po to­do? Não sei co­mo não me dei con­ta dis­so an­tes. Eu gos­to mui­to de ani­mais...

- Não, re­al­men­te pa­re­ce não ha­ver mais na­da vi­vo além dos que es­tão nes­te bar­co e da­qui­lo que tra­gou dois de nós.

- Meu Deus, is­to é per­tur­ba­dor!

- Por is­so de­ve­mos con­ti­nu­ar com nos­so exer­cí­cio men­tal. Não po­de­mos nos dei­xar aba­ter. Quem é o pró­xi­mo? Vo­cê com a mão er­gui­da. Po­de nos fa­lar, por fa­vor.

- Bem, tam­bém te­nho al­go so­bre cri­an­ças...

*** ***

Ca­pí­tu­lo 12

- Eu me lem­bro de um ga­ro­ti­nho que mo­ra­va per­to de ca­sa. Oras bo­las, eu tam­bém era um ga­ro­ti­nho nes­sa épo­ca. Me des­cul­pem, é o que me vem à men­te. Ele era mui­to mir­ra­di­nho. E ele era bom. Era sim. Te­nho cer­te­za dis­so, mas as­sim mes­mo os co­le­gas de es­co­la ju­di­a­vam de­le. Ba­ti­am ne­le, en­ten­dem? Não sei bem o mo­ti­vo. E to­das as ve­zes que is­so acon­te­cia, mi­nha von­ta­de era de­fen­dê-lo, mas nun­ca ... nun­ca ti­ve co­ra­gem. Sei que pa­re­ce bo­ba­gem fa­lar dis­so ago­ra, mui­to tem­po de­pois. Me des­cul­pem... Cer­to dia, num des­ses be­cos de­ser­tos, cer­ca­ram ele e ba­te­ram mui­to, mui­to mes­mo. Ele san­gra­va pe­lo na­riz e es­ta­va caí­do quan­do um dos ou­tros me apon­tou e dis­se que eu tam­bém de­via ba­ter ne­le. En­tão, en­tre meia dú­zia de cri­an­ças de­ci­di­das, o que dá pa­ra fa­zer se vo­cê é ape­nas um? Mes­mo con­tra mi­nha von­ta­de, eu an­dei na di­re­ção de­le. Eu não sa­bia se ia chu­tar o ga­ro­ti­nho ou sei lá fa­zer o quê... En­tão, acon­te­ceu uma coi­sa mui­to es­tra­nha. Não sei se vo­cês vão acre­di­tar... A uns dois ou três pas­sos de­le, eu per­ce­bi que no as­fal­to uma fen­da co­me­çou a se abrir, uma pe­que­na ra­cha­du­ra. No iní­cio, só eu me de­ti­ve àqui­lo. Mas em se­gui­da, a rua trin­cou pra va­ler, co­mo se um ter­re­mo­to se aba­tes­se so­bre aque­les pou­cos me­tros on­de es­tá­va­mos. Os ou­tros me­ni­nos se afas­ta­ram, to­dos as­sus­ta­dos. De­pois, eles cor­re­ram na di­re­ção opos­ta. Fo­ram em­bo­ra da­li. Eu não sa­bia o que fa­zer e no fim tam­bém dei­xei o lu­gar cor­ren­do mui­to. Só pa­rei ao che­gar em ca­sa. No ou­tro dia, nin­guém dis­se na­da, ao me­nos pa­ra mim, so­bre a fen­da mis­te­ri­o­sa no meio da rua. Os me­ni­nos não qui­se­ram mais sa­ber de ator­men­tar o ga­ro­ti­nho. O ano aca­bou e a fa­mí­lia de­le mu­dou-se do bair­ro. Al­gum tem­po de­pois, eu es­ta­va em ou­tro lu­gar da ci­da­de com meu pai e lá eu avis­tei o ga­ro­ti­nho. Num ím­pe­to, ti­ve von­ta­de de ir até ele e di­zer al­gu­ma coi­sa, fa­lar “oi” ou al­go as­sim. Mas, vo­cês não vão acre­di­tar, quan­do fui na di­re­ção de­le e já es­ta­va a pou­cos me­tros, ele me viu e com os olhos, ape­nas com os olhos, in­di­cou-me o chão. Ao re­dor de­le, um pe­que­no trin­co se abriu. Era im­per­cep­tí­vel pa­ra to­dos, mas eu vi aqui­lo. Vol­tei e se­gu­rei fir­me na mão de meu pai. Ele lo­go foi em­bo­ra da­li, sem olhar mais pa­ra mim.

*** *** ***

Ca­pí­tu­lo 13

- Vo­cês não me en­ga­nam com es­sas his­tó­ri­as. Elas só aju­dam a ex­pli­car o que eu já dis­se. Es­ta­mos sen­do fil­ma­dos e es­ses ca­sos che­gam ao te­les­pec­ta­dor atra­vés da en­ce­na­ção de ar­tis­tas, é is­so. Ca­pi­tão, o se­nhor sou­be re­pre­sen­tar mui­to bem quan­do ten­tou nos dis­su­a­dir, pa­ra­béns!

- Meu ca­ro, vo­cê não ima­gi­na o quan­to eu tor­ço pa­ra que es­sa sua idéia ma­lu­ca se tor­ne uma ver­da­de...

- Vo­cês ou­vi­ram al­go ran­ger na em­bar­ca­ção? Pa­re­ce que eu per­ce­bi al­go...

- Não, acho que não. Mas va­mos per­ma­ne­cer aten­tos a tu­do. Em al­gum mo­men­to, des­co­bri­re­mos o que es­tá ha­ven­do.

- Eu gos­ta­ria de con­tar mi­nha his­tó­ria...

- Va­mos lá, va­mos lá...

*** ***

Ca­pí­tu­lo 14

- Mi­nha his­tó­ria é sim­ples. Eu sou Je­sus Cris­to e fui en­vi­a­do pa­ra pu­ri­fi­car a al­ma de vo­cês nes­te mar sem fim... ahhahahahahahhahahahahahhahaha. Gos­ta­ram? Mi­nha ca­ra não lem­bra a de Cris­to? Não tem im­por­tân­cia, eu tam­bém não vi o ros­to des­sa ma­mãe ja­po­ne­sa que co­me ca­be­ças e nem fa­ço idéia de co­mo é es­se me­ni­no po­de­ro­so que trin­ca o as­fal­to.

- Ei, ami­go. Vo­cê es­tá bem?

- Es­tou óti­mo. Por que não es­ta­ria? Es­tou óti­mo co­mo to­dos vo­cês es­tão. Is­so tu­do não es­tá uma ma­ra­vi­lha? Acal­mem-se, ir­mãos. Em pou­co tem­po, trans­for­ma­rei es­tas águas em vi­nho e to­dos be­be­re­mos e dan­ça­re­mos co­mo na­que­le ca­sa­men­to da Bí­blia, qual foi mes­mo? ...hahahahahahahahah. Se vo­cês qui­se­rem, po­dem con­vi­dar a ma­mãe ja­po­ne­sa co­me­do­ra de ca­be­ças de ma­ri­do e tam­bém o ga­ro­ti­nho abri­dor de fen­das ter­res­tres... ahahahhahahhahahahaha.

- Ami­gos, ami­gos, va­mos nos acal­mar an­tes de con­de­ná-lo. Ele só po­de es­tar en­lou­que­cen­do...

- Es­cu­te aqui, ra­paz: es­sa fa­la é mi­nha, eu sou Je­sus Cris­to, vo­cê não se lem­bra? Não con­de­ne­mos nos­sos ir­mãos, não con­de­ne­mos... ahahahhahahahahahaha.

- Bas­ta, se­nho­res! Bas­ta! Não foi pa­ra is­so que dei a idéia de con­tar­mos nos­sas his­tó­ri­as... Se vo­cês não com­pre­en­dem a im­por­tân­cia de man­ter­mos vi­vas as nos­sas men­tes, eu sin­to mui­to... O azar é de to­dos nós...

*** ***

Ca­pí­tu­lo 15

- O apa­re­ci­men­to des­se Je­sus Cris­to aí me faz pen­sar se nos­sa fé é ca­paz de su­por­tar es­ta pro­va­ção. Se es­tá ao nos­so al­can­ce acre­di­tar que há uma ex­pli­ca­ção pa­ra is­so. Se­rá que ter fé ou não mu­da al­gu­ma coi­sa?

- Quem sa­be se os que mor­re­ram ti­nham fé ou não? O ca­so é que eles es­tão mor­tos. Is­so é re­al.

- Des­cul­pem-me a in­tro­mis­são, mas não acho que es­ca­par de tra­gé­di­as de­ve ser um termô­me­tro pa­ra me­dir a fé.

- Não? Se vo­cê não acre­di­ta que a fé po­de sal­var sua pe­le quan­do é pre­ci­so, pa­ra que ela ser­ve?

- Ami­go, vo­cê fa­la em fé co­mo al­go mer­ca­do­ló­gi­co...

- Fa­lo em fé co­mo al­go a que se po­de ape­gar na ho­ra em que vo­cê cor­re ris­cos.

- Pois é. Vo­cê en­ca­ra a fé co­mo um ins­tru­men­to pa­ra sal­var sua pe­le.

- E qual o pro­ble­ma dis­so?

- Es­pe­rem aí, meus que­ri­dos! Vo­cês es­tão fa­lan­do de fé e me dei­xam de fo­ra? Não se es­que­çam quem é Je­sus Cris­to aqui! Ahahahahhahahaha­ah....

- Ora, ca­le es­sa bo­ca. Is­so já es­tá dan­do nos ner­vos...

- Acal­me-se, ir­mão... Não se­ja gros­sei­ro com o pa­pai aqui... Aliás, com o pa­pai do céu aqui...hahahahahahahah...

- O pro­ble­ma é que a fé não é um ar­qui­vo ao qual vo­cê po­de re­cor­rer quan­do seu com­pu­ta­dor é afe­ta­do por um ví­rus, ok?

- Cla­ro, eu pre­ci­so ter fé pa­ra que ela sir­va de pre­cau­ção con­tra o ví­rus, cer­to?

- Di­ga­mos que is­so se­ja mais jus­to.

- Ora, e qual a di­fe­ren­ça en­tre ter fé an­tes ou ter fé du­ran­te? Por aca­so, se­ria por uma ques­tão de res­pei­to? Se vo­cê pre­ci­sa ter fé an­tes pa­ra que ela dê al­gum re­sul­ta­do, is­so não é mer­ca­do­ló­gi­co? Não se­ria um “adi­an­ta­men­to”?

- Eu não dis­se na­da dis­so. Só acho que a fé não é uma mer­ca­do­ria que fi­ca à sua dis­po­si­ção na pra­te­lei­ra...

- Mas tam­bém não po­de ser um um ban­co on­de vo­cê de­po­si­ta su­as es­pe­ran­ças to­dos os di­as pa­ra um dia con­se­guir o cré­di­to ne­ces­sá­rio, ora...

- Eu é que sei, eu é que sei, ir­mãos... Vo­cês de­ve­ri­am me ou­vir mais... hahahahahahahhaha­ah...

- Al­guém fa­ça es­se su­jei­to ca­lar a bo­ca?

*** ***

Ca­pí­tu­lo 16

- Al­go me veio à ca­be­ça: a que­da de um as­te­rói­de na ter­ra. O cla­rão, de­pois o es­tron­do. Quem sa­be o oce­a­no es­tá cal­mo as­sim ape­nas por­que mui­to em bre­ve so­fre­rá as con­seqüên­ci­as do aci­den­te!

- Ami­go, nu­ma ou­tra si­tu­a­ção, eu to­ma­ria sua ob­ser­va­ção co­mo pi­a­da, mas sou obri­ga­do a con­si­de­rá-la plau­sí­vel di­an­te des­te es­ta­do de coi­sas...

- Vo­cês dois aí, se pen­sar­mos as­sim, mais pro­vá­vel se­ria uma in­va­são de ex­tra­ter­res­tres, vo­cês não acham? Ex­tra­ter­res­tres es­fo­me­a­dos por hu­ma­nos, co­mo são vis­tos em al­guns fil­mes. Afi­nal, dois de nós já se fo­ram. Quem sa­be?

- Ve­jam, to­dos! Não são pás­sa­ros lá lon­ge? Aque­les pon­ti­nhos es­cu­ros, não são pás­sa­ros?

- On­de es­tão? Não os ve­jo...

- Olhe na di­re­ção do po­en­te...

- Na­da, tam­bém só ve­jo a cor­ti­na ró­sea.

- Es­pe­rem, es­pe­rem! Não ve­jo pás­sa­ros, mas al­go pa­re­ce ter se al­te­ra­do na­que­la di­re­ção. Vo­cês per­ce­bem? Aten­tem pa­ra a li­nha que de­mar­ca o en­con­tro do ho­ri­zon­te com o mar. Não lhes pa­re­ce que hou­ve uma mu­dan­ça na to­na­li­da­de? Te­nho a im­pres­são de que a cor ro­sa aos pou­cos es­tá se trans­for­man­do num azul mui­to cla­ro...

- Tal­vez vo­cê te­nha ra­zão, mas é al­go in­cer­to. O que o se­nhor acha, ca­pi­tão?

- Ele po­de es­tar cer­to, as­sim co­mo po­de es­tar er­ra­do. Meu Deus, di­an­te de tu­do que se pas­sa, só há es­pa­ço pa­ra dú­vi­das e in­cer­te­zas, eis a ver­da­de. Mas va­mos pro­cu­rar fi­car aten­tos a is­so. Se es­sa al­te­ra­ção se con­fir­mar, ao me­nos sa­be­re­mos que nem tu­do se en­con­tra imu­tá­vel...

- Es­cu­tem, te­nho que lhes di­zer al­go que tal­vez nos tra­ga mais de­sa­len­to, mas as­sim mes­mo lhes di­go: o que nos es­tá afe­tan­do tam­bém de­ve nos cau­sar vi­sões. Aca­bo de ver uma cri­an­ça pas­se­an­do pe­lo con­vés... Des­cul­pem-me, mas ha­via al­go... Eu não sei... Mas ha­via tam­bém um cão ou um lo­bo...

*** *** ***

Ca­pí­tu­lo 17

- Mas lhe pa­re­ceu uma vi­são?

- De ma­nei­ra al­gu­ma! Por um ins­tan­te, os dois me en­ca­ra­ram e não pa­re­ci­am ne­nhu­ma mi­ra­gem...

- Pa­ra on­de fo­ram?

- Na di­re­ção do tra­que­te, é as­sim que se cha­ma aque­le mas­tro, cer­to, ca­pi­tão?

- Sim, é is­so mes­mo. Va­mos ver se en­con­tra­mos al­go, mas to­mem cui­da­do.

- Es­tou achan­do tu­do is­so mui­to di­ver­ti­do, sa­bem? Pe­lo me­nos, ar­ru­mei uma ocu­pa­ção: ten­to des­co­brir quem faz par­te da far­sa mon­ta­da pe­la emis­so­ra de te­le­vi­são que es­tá nos le­van­do à ilha. Sor­ri­am, vo­cês es­tão sen­do fil­ma­a­a­a­do­o­os! Um lo­bo... Es­sa é boa! É, co­le­ga, vo­cê é um de meus can­di­da­tos fa­vo­ri­tos a far­san­te.

- E, en­tão? Al­guém es­tá ven­do al­gu­ma cri­an­ça, al­gum lo­bo ou ou­tro ani­mal a bor­do?

- Na­da, ca­pi­tão! Não há na­da por aqui...

- Nem des­te la­do do bar­co.

- Eu po­de­ria ju­rar que era de ver­da­de!

- Acal­me-se, ami­go, to­dos es­ta­mos al­te­ra­dos.

- Be­la en­ce­na­ção, ra­pa­zes! Con­ti­nu­em, con­ti­nu­em!

- Al­guém po­de fa­zê-lo ca­lar a bo­ca?

- Ora, ora, não es­tá mais aqui quem fa­lou. Vo­cês agüen­tam es­se Cris­to fa­ju­to e es­tri­lam co­mi­go? Fi­que cal­mo. Bom, en­quan­to vo­cês pro­cu­ram seu lo­bo, pre­ten­do pro­var a mim mes­mo que es­tou cer­to.

- Ei, o que vo­cê es­tá fa­zen­do? Pa­re aí?

- Pa­rem aí, vo­cês! Es­tou far­to des­sa pa­lha­ça­da idi­o­ta. Vou dar um rá­pi­do mer­gu­lho e des­co­brir o sub­ma­ri­no que es­tá bem em­bai­xo des­te bar­co. “Uma coi­sa gran­de vin­do em nos­sa di­re­ção”, lem­bram-se?

- Meu jo­vem, não fa­ça es­sa idi­o­ti­ce. Acre­di­te: vo­cê es­tá er­ra­do.

- Meu ca­pi­tão, des­cul­pe-me, mas a brin­ca­dei­ra aca­bou. Bye, bye­e­ee.....

- Se­gu­rem-no... Des­gra­ça­do! Ele sal­tou mes­mo!

*** *** ***

Ca­pí­tu­lo 18

- Rá­pi­do, uma cor­da!

- Uma cor­da pa­ra quê? Ele quer se­gu­rar uma cor­da?

- Sa­be-se lá, um lou­co...

- Va­mos lá, ra­paz, va­mos lá, su­ba lo­go, su­ba lo­go, saia des­sa água...

- Aí es­tá o pas­pa­lho...

- So­cor­ro! So­cor­ro! Os ETs que­rem me co­mer! Eles são ver­des e li­sos! So­cor­ro!

- Des­gra­ça­do ou­tra vez! Ele es­tá brin­can­do com to­dos aqui! Olhem co­mo se di­ver­te!

- Es­cu­te aqui, ra­paz, vo­cê já se di­ver­tiu o bas­tan­te. Ago­ra vol­te pa­ra o bar­co, pe­lo amor de Deus!

- Cal­mi­nha aí, ma­ri­nhei­ros de pri­mei­ra vi­a­gem. Vou dar mais uma olha­da nes­tas águas.

- Va­mos lá, ami­go, não se­ja to­lo, vol­te lo­go pa­ra es­te bar­co...

- Ei, mas o que é is­so? Eu não pos­so... Ei, me aju­dem... Sé­rio mes­mo, me aju­dem! Eu não pos­so... So­cor­ro!...

- Meu Deus, al­guém fa­ça al­go!

- Ati­rem a cor­da, rá­pi­do!

- Mas que idi­o­ti­ce ele fez!

- Ele não se­gu­ra a cor­da, es­tá ten­do es­pas­mos, olhem...

- Mas o que acon­te­ceu com ele? O que há na água?

- Es­tá imó­vel, e os olhos aber­tos, que coi­sa hor­rí­vel!

- Se­rá mais uma brin­ca­dei­ra de mau gos­to?

- Acho que não! Meu Deus, acho que não!

- Ele es­tá mor­to, ca­pi­tão?

- Pe­lo vis­to, sim...Mais um que se vai.

- Não há co­mo res­ga­tar o cor­po?

- Vo­cê se ar­ris­ca­ria?

*** ***

Ca­pí­tu­lo 19

- Ca­pi­tão, até aqui, cal­cu­la­mos o tem­po, mas acre­di­to que is­so se­rá ca­da vez mais di­fí­cil. Não se­ria me­lhor nos re­ve­zar­mos na con­ta­gem? Ou o se­nhor acha des­ne­ces­sá­rio?

- Cla­ro, cla­ro, va­mos fa­zer is­so. Não po­de­mos per­der a no­ção do tem­po, de for­ma al­gu­ma. Vou pe­dir a al­guém da tri­pu­la­ção pa­ra que ini­cie a par­tir de ago­ra. Le­ve­mos em con­ta que es­ta­mos há cin­co ho­ras no mar, es­tá cer­to?

- Ami­gos, su­gi­ro mu­dar­mos um pou­co nos­sa po­si­ção no con­vés. Não es­tá na­da agra­dá­vel a vi­são do ca­dá­ver nos fi­tan­do com aque­les olhos es­bu­ga­lha­dos.

- Vo­cês per­ce­bem lá no ho­ri­zon­te? Eu es­ta­va cer­to! Ve­jam on­de mar e céu se en­con­tram: o tom ro­sa vai aos pou­cos dan­do lu­gar pa­ra o azul.

- Dei­xe-me ver... Sim, vo­cê tem ra­zão. Olhe, ca­pi­tão. Com a lu­ne­ta, a al­te­ra­ção é mais per­cep­tí­vel.

- Re­al­men­te, ra­pa­zes, re­al­men­te. Is­so é um alen­to, não acham? Ao me­nos é pos­sí­vel que al­gu­ma coi­sa acon­te­ce­rá. Não sei di­zer se o mo­vi­men­to do bar­co é res­pon­sá­vel por es­se fenô­me­no ou se es­tá ha­ven­do uma trans­for­ma­ção cli­má­ti­ca ou al­go pa­re­ci­do.

- Ca­pi­tão, tal­vez o aci­den­te, a bom­ba ou se­ja lá o que acon­te­ceu te­nha es­ti­ca­do o dia. Tal­vez o azul se­ja um si­nal de que es­ta­mos ru­man­do pa­ra a noi­te...

- Tu­do po­de ser, meu ca­ro, tu­do po­de ser...

- Ami­gos, não se­ria in­te­res­san­te con­ti­nu­ar­mos nos­so exer­cí­cio men­tal? Sei que es­ta­mos mui­to an­si­o­sos, mas o ca­so é que tam­bém per­ce­bo mi­nha me­mó­ria se es­vain­do aos pou­cos. Tal­vez es­sas his­tó­ri­as e nos­sas ano­ta­ções nos se­jam mui­to úteis ca­so nos es­que­ça­mos mui­to mais coi­sas...

- Sem dú­vi­da, va­mos con­ti­nu­ar. Quem se dis­põe?

*** *** ***

Ca­pí­tu­lo 20

- Eu per­ce­bi uma coi­sa aqui... não sei se es­tou cer­to... Es­ta­mos fa­lan­do de coi­sas so­bre­na­tu­rais ou al­go as­sim, não é mes­mo? É is­so que vem à nos­sa men­te nes­te lu­gar que nós nem sa­be­mos on­de fi­ca... É cu­ri­o­so por­que eu tam­bém me lem­bro de uma coi­sa que me acon­te­ceu há mui­to tem­po, eu tam­bém era me­ni­no ain­da. Foi nu­ma es­tra­da se­cun­dá­ria, mui­to per­to de mi­nha ca­sa na­que­la épo­ca. Eu vol­ta­va da es­co­la so­zi­nho e per­ce­bi que, a uma cer­ta dis­tân­cia, uma mo­to ru­ma­va na mi­nha di­re­ção. Tal­vez ela es­ti­ves­se ain­da a um ou dois quilô­me­tros, não sei ao cer­to. Mas eu sa­bia que al­go ia acon­te­cer. Não sei co­mo e nem por que, mas eu sa­bia dis­so co­mo dois e dois são qua­tro. En­tão, num se­gun­do, per­ce­bi que eu não po­dia me me­xer, vo­cês en­ten­dem? Eu es­ta­va tra­va­do ali, à bei­ra do as­fal­to, e só me res­ta­va olhar pa­ra aque­la mo­to em mo­vi­men­to. Ela veio, veio e quan­do es­ta­va a pou­cos me­tros eu pu­de ver bem à fren­te de­la uma pe­dra na es­tra­da. Não hou­ve tem­po pa­ra na­da. O mo­to­quei­ro não pô­de des­vi­ar. A ro­da di­an­tei­ra se cho­cou com a pe­dra e a mo­to deu vá­ri­as cam­ba­lho­tas. Foi um tom­bo feio, hor­rí­vel mes­mo. O su­jei­to de­ve ter su­bi­do vá­ri­os me­tros no ar pa­ra de­pois cair de ca­be­ça no as­fal­to. Ele não usa­va ca­pa­ce­te e eu pu­de ou­vir quan­do o crâ­nio de­le se que­brou fa­zen­do um ba­ru­lho me­do­nho. Eu es­ta­va a coi­sa de dois ou três me­tros de on­de ele se en­con­tra­va es­ta­te­la­do e ago­ra, mais do que mis­te­ri­o­sa­men­te imo­bi­li­za­do, eu tam­bém es­ta­va con­ge­la­do de pa­vor, mas fi­ca­ria mui­to mais, não du­vi­dem dis­so... Pou­cos se­gun­dos de­pois do aci­den­te, sem que eu pu­des­se acre­di­tar no que meus pró­pri­os olhos me mos­tra­vam, vi o mo­to­quei­ro sen­tar-se no meio do as­fal­to. Ele er­gueu-se ain­da com o crâ­nio gra­ve­men­te par­ti­do. Eu po­dia ver uma cra­te­ra que se abria bem em ci­ma de sua ca­be­ça co­mo es­sas ero­sões em que as ra­cha­du­ras to­mam vá­ri­as di­re­ções. As­sim, nes­sas con­di­ções, es­tou di­zen­do a vo­cês, ele le­vou as mãos à ca­be­ça e aper­tou da­qui, aper­tou da­li, até que aque­la car­ca­ça man­cha­da de san­gue se en­cai­xou no­va­men­te. Pe­tri­fi­ca­do, eu as­sis­ti a es­sa ce­na. Em­bo­ra ele me olhas­se, pa­re­cia não me ver. Eu só con­se­gui vol­tar a me me­xer quan­do o mo­to­quei­ro par­tiu ace­le­ran­do sua mo­to de­bai­xo de um sol es­cal­dan­te de ve­rão ao meio-dia.

*** *** ***

Ca­pí­tu­lo 21

- Ei, o que aque­le su­jei­to es­tá fa­zen­do?

- Mas que idéia atra­pa­lha­da! Por que fez is­so?

- En­quan­to es­tá­va­mos aqui en­tre­ti­dos, ele des­ceu um bo­te sal­va-vi­das...

- Ra­paz, vo­cê es­tá lou­co? Não bas­tam as tra­gé­di­as que já acon­te­ce­ram aos ou­tros?

- Pou­pe a gar­gan­ta, ca­pi­tão. Ele pa­re­ce não que­rer ou­vir...

- Mas o que ele vai fa­zer?

- É me­lhor que não se­ja o que es­tou pen­san­do...

- Vo­cê acha que ele tra­rá o ca­dá­ver a bor­do?

- Es­pe­ro que não... Es­pe­ro que não. Quem sa­be o que po­de­rá vir jun­to?

- O que ele quer?

- Es­tá se de­bru­çan­do so­bre o ca­dá­ver... On­de quer che­gar?

- Não fa­ça is­so, ra­paz. Não man­te­nha con­ta­to com o cor­po, não sa­be­mos o que al­go as­sim po­de acar­re­tar.

- O que o fez agir des­sa ma­nei­ra? Se­rá que es­ta­mos per­den­do de vez o con­tro­le so­bre nos­sas men­tes?

- Ve­jam, ele es­tá se afas­tan­do aos pou­cos.

- Gra­ças a Deus!

- Vol­te pa­ra cá, meu jo­vem!

- Pre­pa­rem-se pa­ra su­bi-lo.

- Ca­pi­tão, em­bo­ra não pa­re­ça, nos­so bar­co es­tá em mo­vi­men­to, não es­tá?

- Sim, cer­ta­men­te es­tá. Se vo­cê for à proa e ob­ser­var ren­te à em­bar­ca­ção, po­de­rá per­ce­ber um cons­tan­te ris­co na água pro­vo­ca­do pe­lo con­ta­to com o cas­co.

- Es­tá cer­to, ca­pi­tão. Eu ima­gi­na­va que fos­se as­sim. Co­mo, en­tão, ex­pli­car que o ca­dá­ver se man­te­nha na mes­ma po­si­ção? Acho que de­ve­ría­mos tê-lo per­di­do de vis­ta ou pe­lo me­nos o dei­xa­do pa­ra trás, não é?

- Sim, meu ca­ro, acho que ne­nhum de nós ha­via pen­san­do nis­so... Vo­cê tem ra­zão. - Ele per­ma­ne­ce ali, a bo­res­te, à mes­ma al­tu­ra de an­tes...

*** *** ***

Ca­pí­tu­lo 22

- Jo­guem a es­ca­da, ele es­tá bem aqui.

- Va­mos lá, ra­paz, su­ba. Es­tá se sen­tin­do bem?

- O que deu em vo­cê, afi­nal?

- Des­cul­pem-me, des­cul­pem-me... Eu não pu­de re­sis­tir...

- Re­sis­tir a quê? Va­mos, di­ga!

- Aque­les ru­mo­res in­fer­nais em meus tím­pa­nos pa­re­ci­am vir de lá...

- Mas que bes­tei­ra, co­mo po­de­ria um ca­dá­ver cau­sar ru­mo­res?

- Não de­sa­cre­di­te, ami­go... En­quan­to vo­cês ou­vi­am a his­tó­ria, re­sol­vi me apro­xi­mar do cor­po. Po­dem di­zer que es­tou lou­co, mas quan­do en­cos­tei meu ou­vi­do bem pró­xi­mo à bo­ca de­le, pu­de ou­vir uma vo­ze­a­ria mui­to fra­ca, mas inin­ter­rup­ta. Mui­tas coi­sas es­tão aban­do­nan­do aque­le cor­po ago­ra, acre­di­tem...

- Mais es­sa? Se­rá que so­bre­vi­ve­re­mos a es­ta lou­cu­ra?

- Ca­pi­tão, ve­ja atra­vés da lu­ne­ta. Eu ti­nha mes­mo ra­zão: olhe co­mo o ho­ri­zon­te cor-de-ro­sa vai len­ta­men­te sen­do tin­gi­do de azul.

- Dei­xe-me ver...

- Se­rá que es­ta­mos in­do na di­re­ção da noi­te?

- Na ver­da­de, o céu vai se azu­lan­do mui­to de­va­ga­ri­nho...

- Pos­so lhes per­gun­tar uma coi­sa? Noi­te ou dia, em que nos­sa si­tu­a­ção vai mu­dar? Se re­al­men­te vi­er a noi­te, os apa­re­lhos e o rá­dio vol­ta­rão a fun­ci­o­nar? Po­de­re­mos con­tro­lar o bar­co? Nós re­cu­pe­ra­re­mos a me­mó­ria que es­ta­mos per­den­do aos pou­cos? Os mor­tos vol­ta­rão a vi­ver?

- Ra­paz, tal­vez na­da dis­so acon­te­ça, mas quan­do as pers­pec­ti­vas são nu­las, qual­quer no­vi­da­de é bem-vin­da, mes­mo sen­do uma in­cóg­ni­ta. Nós de­ve­mos es­tar há pe­lo me­nos se­te ho­ras no mar. Is­so quer di­zer que es­ta­mos pró­xi­mos de meia-noi­te, e mes­mo as­sim há cla­ri­da­de do dia. Pa­ra nos­sa re­gião, is­to é sim­ples­men­te im­pen­sá­vel. Se da­qui a al­gu­mas ho­ras, a noi­te vi­er, sa­be­re­mos que ao me­nos o pla­ne­ta se­gue gi­ran­do, com­pre­en­de?

- Ca­pi­tão, ocor­reu-me al­go que po­de de cer­ta for­ma al­te­rar es­sa te­o­ria. Nós ti­ve­mos um lap­so de tem­po, pe­río­do do qual não nos re­cor­da­mos de ab­so­lu­ta­men­te na­da, cor­re­to? E se aca­so es­se pe­río­do ti­ver si­do mui­to mais lon­go do que acha­mos que foi?

- É uma hi­pó­te­se, meu ca­ro, é uma hi­pó­te­se. Só po­de­re­mos ter uma no­ção mais ade­qua­da so­bre o tem­po quan­do fi­nal­men­te es­cu­re­cer e, en­tão, vi­er no­va­men­te a au­ro­ra. An­tes dis­so, só ha­ve­rá su­po­si­ções. O que po­de­mos fa­zer?

- Se­nho­res, sin­to que às ve­zes fo­gem-me mais ra­pi­da­men­te as lem­bran­ças. Não de­ve­ría­mos con­ti­nu­ar com as his­tó­ri­as? Pe­lo que te­nho vis­to, pe­lo me­nos en­quan­to nos en­tre­te­mos com elas, fi­ca­mos bem...

- Sim, va­mos ao pró­xi­mo.

*** *** ***

Ca­pí­tu­lo 23

- Es­sa his­tó­ria de que só es­ta­mos con­se­guin­do nos lem­brar de coi­sas es­tra­nhas não es­tá bem con­ta­da. Não se­nhor. Acon­te­ce é que nós es­ta­mos im­pres­si­o­na­dos com is­so tu­do, eu acho... So­mos le­va­dos a pen­sar em coi­sas es­tra­nhas, vo­cês me en­ten­dem? Eu tam­bém es­tou pen­san­do ne­las. Eu es­tou aqui, não es­tou? No que vo­cês acham que eu po­de­ria pen­sar? Vo­cês acham que eu con­se­gui­ria me lem­brar de coi­sas bo­as? No meio de uma tra­gé­dia vo­cê se lem­bra de coi­sas bo­as? Não é di­fí­cil? O ca­os nos faz caó­ti­cos, eu acho...

*** *** ***

Ca­pí­tu­lo 24

- Vo­cês se sen­tem can­sa­dos? Al­gum de vo­cês? Eu es­tou exaus­to. Mi­nhas pál­pe­bras pe­sam mais a ca­da se­gun­do. Vo­cês não?

- Meu ca­ro, pro­cu­re des­can­sar. Vá à sua ca­bi­ne e dur­ma um pou­co. Tal­vez por ser o mais agi­ta­do en­tre to­dos aqui, su­as ener­gi­as se es­go­ta­ram an­tes. Se hou­ver al­gu­ma no­vi­da­de, man­da­rei avi­sar.

- Es­tá bem, ca­pi­tão. Nin­guém mais? Pre­ci­so ao me­nos me dei­tar um pou­co...

- Fi­ca­re­mos aten­tos, meu ca­ro, não se pre­o­cu­pe... *** ***

- Ah, e en­tão? Con­se­guiu des­can­sar?

- Acho que sim, ca­pi­tão. Pe­lo me­nos sin­to-me dis­pos­to no­va­men­te.

- Quer co­mer al­go? Mes­mo sem sen­tir o sa­bor, acre­di­to ser ne­ces­sá­rio nos man­ter­mos ali­men­ta­dos...

- É ver­da­de, co­me­rei al­go. Mas me di­ga: al­go de no­vo?

- Ape­nas a le­ve al­te­ra­ção de cor que se­gue seu cur­so no ho­ri­zon­te, na­da mais. Es­pe­rá­va­mos pa­ra pros­se­guir com as his­tó­ri­as...

*** *** ***

Ca­pí­tu­lo 25

- Eu con­si­go me re­cor­dar de uma coi­sa que pa­re­ce ter si­do on­tem... Cu­ri­o­so, vo­cês não acham? Uma coi­sa que acon­te­ceu há tan­to tem­po, mas que es­tá tão fres­ca na mi­nha me­mó­ria... ao con­trá­rio de tu­do mais, que me cus­ta mui­to lem­brar, se é que eu me lem­bro ain­da... Sa­be, eu ia mui­to à praia quan­do era ado­les­cen­te. Aliás, nas mi­nhas fé­ri­as, eu só ia à praia. Por fal­ta de um, eu ti­nha dois ti­os que mo­ra­vam em prai­as de­li­ci­o­sas. O que não fal­ta­va era lu­gar pa­ra fi­car. E eu sem­pre es­ta­va lá, na ca­sa de um ou de ou­tro. Tan­to nu­ma co­mo na ou­tra praia, eu fiz ami­gos. Vo­cês sa­bem co­mo são os ado­les­cen­tes. Nós sem­pre es­tá­va­mos em gru­pos de qua­tro ou cin­co, às ve­zes com me­ni­nas, às ve­zes sem me­ni­nas... Um dia, quan­do a noi­te já co­me­ça­va a cair, meu pes­so­al se des­pe­diu e eu ain­da fi­quei por ali, an­dan­do, ob­ser­van­do al­guns bar­cos de pes­ca­do­res lá adi­an­te, os úl­ti­mos sur­fis­tas que re­co­lhi­am su­as pran­chas, al­gu­mas pes­so­as fa­zen­do es­sas ca­mi­nha­das de fim de tar­de. En­tão, re­sol­vi dar mais um mer­gu­lho. A água che­ga­va a es­tar quen­te... acho que vo­cês po­dem ima­gi­nar es­se pra­zer... Bom, eu dei­xei a praia pa­ra trás e fui dar meu mer­gu­lho. O sol já ti­nha en­tra­do com­ple­ta­men­te e a noi­te se­ria mui­to cla­ra, uma be­la noi­te de ve­rão. Eu es­ta­va me pre­pa­ran­do pa­ra mer­gu­lhar... E foi quan­do acon­te­ceu... Bem ao meu la­do, coi­sa de um me­tro à mi­nha di­rei­ta, uma ima­gem mui­to re­lu­zen­te me des­per­tou... Era al­go que bri­lha­va mui­to de­bai­xo d’água, vo­cês en­ten­dem? Pa­re­cia ha­ver ali uma luz tão for­te que se eu olhas­se pa­ra o céu, da­ria pa­ra ver aque­le bri­lho en­trar pe­la imen­si­dão es­cu­ra... Mas eu não pu­de olhar por­que ja­mais al­guém pen­sa­ria em se des­vi­ar da­que­la apa­ri­ção... Eu não fi­quei ame­dron­ta­do ou coi­sa as­sim, mas mui­to ad­mi­ra­do, ma­ra­vi­lha­do mes­mo, vo­cês ima­gi­nam? En­tão, eu ten­tei me apro­xi­mar ain­da mais, e fui em di­re­ção da­que­la luz sem sa­ber di­rei­to o que es­ta­va acon­te­cen­do, o que eu es­ta­va fa­zen­do... Quan­do me dei con­ta, quan­do re­cu­pe­rei mi­nha cons­ci­ên­cia, sen­ti um te­ci­do ás­pe­ro res­va­lan­do em mi­nhas cos­tas, em mi­nhas per­nas, em to­do meu cor­po. Foi quan­do des­per­tei de ver­da­de e nes­sa ho­ra eu vi que es­ta­va en­vol­vi­do por uma re­de... sim, era uma re­de de pes­ca­do­res e eu es­ta­va sen­do cap­tu­ra­do em al­to mar...eu ti­nha si­do pes­ca­do! Quan­do me ti­ra­ram da água, os pes­ca­do­res não po­di­am acre­di­tar no que vi­am. Eles ti­nham pes­ca­do um ga­ro­to de 16 anos, nu, e to­do ma­chu­ca­do... Ami­gos, meu pê­nis es­ta­va tão in­cha­do... meu Deus, por que es­tou con­tan­do is­so ago­ra? Foi uma coi­sa tão es­tra­nha... Vo­cês acre­di­tam que há no mar cri­a­tu­ras além das que co­nhe­ce­mos?

- Meu fi­lho, ou­ça-me! Eu que já an­dei so­bre as águas pos­so di­zer que vo­cê é ca­sa­do com uma se­reia e pai de um pei­xe... ahahahhahahahaha. Va­mos lo­go en­con­trar es­se seu fi­lho pa­ra que eu pos­sa mul­ti­pli­cá-lo e as­sim te­re­mos o que co­mer... ahhahahahahhaha...

- Por que es­se su­jei­to não de­sis­te?

*** *** ***

Ca­pí­tu­lo 26

- Ca­pi­tão, per­doe-me, mas não tí­nha­mos de­zes­se­te pes­so­as a bor­do?

- Cor­re­to, éra­mos vin­te, mor­re­ram três...

- Pois aqui, nes­te mo­men­to, te­mos pre­sen­tes ape­nas de­zes­seis...

- Al­guém mais te­rá in­ven­tan­do ou­tra bes­tei­ra?

- Te­mos que dar uma bus­ca no bar­co, rá­pi­do!

- Vo­cê, por fa­vor, to­me a lu­ne­ta e ve­ja se vê al­go no mar além do ca­dá­ver que ain­da nos se­gue...

- Re­vis­tem as ca­bi­nes. Ei, há al­guém aí? Alo­o­o­o­o­o­o­oô! Al­guém por aqui?

- Na­da aqui... não, es­pe­re... Meu Deus! Ve­nham, de­pres­sa!

- San­to Deus! Mas o que acon­te­ceu aqui?

- Co­mo po­de ter ha­vi­do al­go as­sim?

- Ve­ja, ele es­tá to­do su­jo! O que se­rá es­ta subs­tân­cia es­ver­de­a­da?
Es­cu­tem, há um ruí­do...

- Sim, vem da bo­ca de­le!

- Aque­les ru­mo­res...

- Não, es­pe­rem! Não são ru­mo­res... Ei, ele es­tá vi­vo, es­tá que­ren­do di­zer al­go! Os olhos... Ve­jam, achei que, co­mo o ou­tro, es­ti­ves­se mor­to mas com os olhos es­bu­ga­lha­dos! Ele es­tá vi­vo! Ei, va­mos lá, di­ga al­go, ami­go. O que hou­ve?

- Saia da fren­te, dei­xe-me pas­sar, saia da fren­te...

- Es­pe­re, on­de vo­cê pre­ten­de ir? Pe­lo amor de Deus!

- Se­gu­rem ele!

- Não há co­mo se­gu­rá-lo, ele pa­re­ce es­tar to­ma­do por uma for­ça des­co­mu­nal, aju­dem-me aqui, aju­dem-me aqui, por fa­vor!

- Vo­cês aí em ci­ma, ten­tem pa­rá-lo... Meu Deus, o que acon­te­ce aqui?
Va­mos, rá­pi­do!

- Vo­cês não pu­de­ram se­gu­rá-lo? Ele sal­tou?

- Pas­sou por nós co­mo um raio. Ve­ja, pró­xi­mo ao ca­dá­ver...

- Te­rá mor­ri­do tam­bém?

- Tu­do le­va a crer...

*** *** ***

Ca­pí­tu­lo 27

- Ca­pi­tão, des­cul­pe-me, mas te­nho que per­gun­tar: o que va­mos fa­zer? Al­gu­ma coi­sa es­tá nos ma­tan­do aqui den­tro ago­ra...

- Dei­xe-me pen­sar, dei­xe-me pen­sar... Não po­de­mos per­ma­ne­cer iso­la­dos, es­ta é a pri­mei­ra pro­vi­dên­cia. Por fa­vor, nin­guém an­de so­zi­nho nes­te bar­co.

- Dê-me a lu­ne­ta, ele não se me­xe?

- Não, ape­nas es­tá lá, os olhos bem aber­tos, não há mais qual­quer mo­vi­men­to.

- Qua­tro já mor­re­ram, qua­tro...

- É is­so mes­mo, ami­go, es­ta­mos mor­ren­do.

- Acal­mem-se, por fa­vor, va­mos man­ter o con­tro­le da si­tu­a­ção. Se fi­car­mos jun­tos, é bem pro­vá­vel que não nos acon­te­ça na­da. Al­go que não sa­be­mos es­tá agin­do, mas ape­nas en­quan­to não po­de­mos ver, ape­nas quan­do es­ta­mos so­zi­nhos. Va­mos fi­car jun­tos, é is­so.

- Até quan­do? Até quan­do va­mos su­por­tar is­so?

- E se anoi­te­cer? Não te­mos luz, lem­bram-se dis­so?

- Há lan­ter­nas a bor­do, ca­pi­tão?

- Sim, mas co­mo sa­be­mos na­da fun­ci­o­na, meu ca­ro, in­clu­si­ve as lan­ter­nas.

- Ve­las, fós­fo­ros?

- Não acen­dem, eu ten­tei quan­do vas­cu­lha­va uma das ca­bi­nes.

- Pre­ci­sa­mos pen­sar, pre­ci­sa­mos pen­sar, mi­nha men­te pa­re­ce con­ti­nu­ar se es­va­zi­an­do...

*** *** ***

Ca­pí­tu­lo 28

- Ei, vo­cê com a lu­ne­ta, al­go no­vo?

- Acre­di­tem: o ho­ri­zon­te es­tá se trans­for­man­do. Ve­ja vo­cê mes­mo!

- Sim, o tom ro­sa es­tá qua­se de­sa­pa­re­cen­do...

- O se­nhor po­de dar uma olha­da, ca­pi­tão?

- É is­to mes­mo, se­nho­res: não sei di­zer do que se tra­ta, mas es­ta­mos ru­man­do pa­ra uma si­tu­a­ção di­fe­ren­te. Al­guém mais quer ver? Apro­vei­tem, vo­cês não es­tão can­sa­dos de olhar pa­ra a mes­ma coi­sa há tan­to tem­po?

- Meu Deus, me di­gam que es­tou en­ga­na­do... Ve­jam aqui­lo!

- Eu não com­pre­en­do, co­mo po­de ser?

- Quem é ele?

- O que acon­te­ceu?

- Ve­ja lá, ago­ra há três cor­pos boi­an­do ao nos­so en­cal­ço, co­mo is­so po­de ser ver­da­de?

- Eu não pos­so acre­di­tar...

- Quem foi des­ta vez?

- Aque­le se­nhor que apa­ren­ta­va mui­ta se­re­ni­da­de, ve­jam...

- Eu não sei o que pen­sar. Qual­quer um de nós po­de ir pa­ra aque­le ce­mi­té­rio ma­rí­ti­mo a qual­quer mo­men­to. Não va­mos con­se­guir im­pe­dir is­so, não va­mos...

- Acal­mem-se, acal­mem-se...

- Ca­pi­tão, o se­nhor nos diz is­so, mas pa­re­ce es­tar mais ner­vo­so do que to­dos aqui. Nós es­ta­mos sen­do mor­tos, um a um, e nin­guém po­de nos sal­var, o se­nhor não com­pre­en­de is­so?

- Sim, com­pre­en­do. Por is­so mes­mo, pre­ci­sa­mos fi­car jun­tos, não po­de­mos nos se­pa­rar...

- Fi­car jun­tos, fi­car jun­tos... Nós es­tá­va­mos jun­tos, to­dos es­ta­vam aqui, mas al­go na­que­le mar atraiu o po­bre ho­mem, coi­ta­do...

- Sim, ele foi atraí­do, mas nin­guém o viu se di­ri­gir ao mar. Acho que acon­te­ceu quan­do es­tá­va­mos en­tre­ti­dos com a lu­ne­ta.

- Lá es­tão os três, to­dos eles nos ob­ser­van­do com aque­les olhos ar­re­ga­la­dos, é as­sus­ta­dor...

- Deus me per­doe, mas es­tou ou­vin­do aque­les ru­mo­res vin­do da di­re­ção dos mor­tos, vo­cês não es­cu­tam? Pres­tem aten­ção, ou­çam...

- Sim, ele es­tá cer­to, tam­bém pos­so es­cu­tar...

- Pa­re­cem co­chi­chos...

- Um som in­ter­mi­ten­te, per­ce­bem?

- Co­mo uma la­dai­nha dis­tan­te...

- O que se­rá is­so?

- Ami­gos... bem, acho que já pos­so cha­má-los as­sim, não é? Já que es­ta­mos mor­ren­do jun­tos, acho que já po­de­mos nos con­si­de­rar ami­gos, não é? Per­do­em-me.... Eu não pos­so su­por­tar... Per­do­em-me...

- Ei, ami­go, fi­que cal­mo... Es­ta­mos to­dos no mes­mo bar­co... Quer di­zer, li­te­ral­men­te no mes­mo bar­co... Va­mos se­guir o que dis­se o ca­pi­tão, va­mos per­ma­ne­cer uni­dos e aten­tos. Não po­de­mos per­mi­tir que ou­tro de nós se vá... Acho que de­ve­mos se­guir com nos­sas his­tó­ri­as. Al­guém já dis­se e pa­re­ce mes­mo ser ver­da­de: ao me­nos en­quan­to as con­ta­mos, na­da nos têm acon­te­ci­do. Além do quê, elas ser­vem pa­ra avi­var nos­sa me­mó­ria.

*** ***

Ca­pí­tu­lo 29

- His­tó­ri­as? O que já nos res­ta? So­men­te bo­ba­gens... Ape­nas lem­bran­ças va­gas so­bre coi­sas que nun­ca acre­di­ta­mos e às quais ago­ra, me­ti­dos no ab­sur­do, re­sol­ve­mos nos ape­gar. Quem dis­se que elas man­têm nos­sa sa­ni­da­de? Quem es­tá aqui em sã cons­ci­ên­cia? O que es­sas his­tó­ri­as nos trou­xe­ram? Por que es­ta­mos di­zen­do que elas nos aju­dam? Vo­cê pen­sa­ram nis­so? Es­ta­mos mor­ren­do, eis a úni­ca ver­da­de. O céu tor­na-se azul? Es­ta­mos mais se­gu­ros jun­tos? E de que va­le is­so tu­do? Que pro­gres­so ti­ve­mos? Ami­gos, a his­tó­ria es­tá aqui. Não é pre­ci­so nos ape­gar­mos a lem­bran­ças pu­e­ris. Es­ta é a nos­sa his­tó­ria. A his­tó­ria da nos­sa mor­te, com­pre­en­dem?

- Ami­go, eu com­pre­en­do que vo­cê es­te­ja afe­ta­do por tan­tas amar­gu­ras. Mas não po­de­mos pen­sar co­mo vo­cê... não, não po­de­mos. Ou es­ta­ría­mos en­tre­gues ao nos­so fim. Es­ta­ría­mos en­tre­gan­do os pon­tos...

- Ahahha­ahahahah... Des­cul­pe-me, ami­go... Nem sei mais o que pen­sar... Acho que vo­cê tem ra­zão. De mi­nha par­te, já en­tre­guei os pon­tos.

- Es­cu­tem, vo­cês... es­cu­tem... Vo­cês já pen­sa­ram nu­ma hi­pó­te­se ab­sur­da? Mas que, di­an­te de tais cir­cuns­tân­ci­as, po­de ser acei­tá­vel? Já pen­sa­ram se nes­ta imen­si­dão da Ter­ra ape­nas res­ta­mos nós? Vo­cês já pen­sa­ram?

*** *** ***

Ca­pí­tu­lo 30

- Acho di­fí­cil pen­sar em qual­quer coi­sa que não se­ja na­que­les mor­tos que nos olham e na pró­pria mor­te que nos ve­la...

- Sim, nis­so tam­bém, mas já ima­gi­na­ram se for­mos os úni­cos so­bre­vi­ven­tes? Que iro­nia, não? Es­ta­mos em quin­ze, mas já po­de­ría­mos con­si­de­rar a ra­ça hu­ma­na ani­qui­la­da... Nem uma mu­lher­zi­nha aqui, meus ca­ma­ra­das...

- Ria, ami­go, ria...

- Rir, se­rá que con­se­gui­re­mos rir ou­tra vez um dia?

- Ei, mas o que é aqui­lo? Vo­cês es­tão ven­do aqui­lo? Olhem pa­ra lá, pe­lo amor de Deus... Não es­ta­mos mais em quin­ze...

- Co­mo is­so pô­de acon­te­cer? Nós es­ta­mos aqui, jun­tos! Meu Deus! Meu Deus! Meu Deus! Ma­te-nos a to­dos de uma vez, eu imploro...Ai, meu Deus, eu im­plo­ro... Ma­te-nos a to­dos de uma vez...

- Ca­pi­tão, per­doe-me, mas não é pos­sí­vel acei­tar­mos is­to! Te­mos que fa­zer al­go! Va­mos abai­xar um bo­te sal­va-vi­das, por fa­vor, eu não agüen­to mais... Va­mos até lá, va­mos ver de per­to es­ses cor­pos. Te­mos que en­con­trar uma res­pos­ta...

- Ca­pi­tão, não o dei­xe fa­zer is­so! Não po­de­mos fa­ci­li­tar as­sim!

- Va­mos, ca­pi­tão, dê-me um bo­te... Es­ta­mos mor­ren­do um a um. Ao me­nos, não fi­ca­re­mos es­pe­ran­do pe­la mor­te...

- Es­tá bem, es­tá bem...

- Vo­cê es­tá lou­co, ami­go. Em vez de pro­cu­rar uma ma­nei­ra de não ser­mos atraí­dos pa­ra es­se ce­mi­té­rio ma­rí­ti­mo, vo­cê vai nos en­tre­gar... Vo­cê es­tá lou­co...

- Sim, tal­vez es­te­ja mes­mo, mas vou.

*** *** ***

Ca­pí­tu­lo 31

- Es­tá pron­to, ra­paz, po­de des­cer...

- O se­nhor é co­ni­ven­te, ca­pi­tão, o se­nhor é co­ni­ven­te...

- Va­mos lá, se­gu­rem o ca­bo, não me dei­xem à de­ri­va...

- Boa sor­te, ra­paz, to­me cui­da­do... Fi­ca­re­mos aler­tas...

- Aler­tas! Co­mo se pu­dés­se­mos re­sol­ver al­gum pro­ble­ma aqui! Vo­cês es­tão cri­an­do mais um pro­ble­ma, is­so sim!

- Ca­pi­tão, olhe no ru­mo da proa: um na­vio, ca­pi­tão, um gran­de na­vio, gra­ças a Deus, um na­vio, es­ta­mos sal­vos, um na­vio, ca­pi­tão...

- Acal­me-se, ho­mem, acal­me-se. Que na­vio? On­de?

- Ali es­tá, ca­pi­tão, ali es­tá... Gra­ças a Deus, um na­vio, ca­pi­tão... Gra­ças a Deus... Va­mos, aqui, ei, aqui, es­ta­mos aqui... Sal­vos, ca­pi­tão... Sal­vos...

- Por Deus, on­de es­tá es­se mal­di­to na­vio? Al­gum de vo­cês o vê?

- Es­tá ali, ca­pi­tão, sim, eu tam­bém o ve­jo... Que be­le­za, olhe, o se­nhor não vê, ca­pi­tão? Que be­le­za de tran­sa­tlân­ti­co... Com cer­te­za vem nos sal­var...

- Ami­gos, cui­da­do, al­go es­tá er­ra­do, eu não ve­jo bar­co al­gum além do nos­so!

- Sim, ca­pi­tão, al­go de­ve es­tar er­ra­do com o se­nhor...

- Fi­cou ce­go, ca­pi­tão? Pe­lo amor de Deus! Eis nos­sa sal­va­ção a pou­cas bra­ças de nos­sa po­si­ção... Va­mos, ca­pi­tão, va­mos nos pre­pa­rar pa­ra a bal­de­a­ção, ve­nha...

- Ho­mens, acal­mem-se, não há bar­co al­gum... Ei, ra­paz, vol­te daí, dei­xe es­ses cor­pos aí, vol­te! Al­gu­ma coi­sa mui­to es­tra­nha es­tá acon­te­cen­do com es­tes ho­mens! Vol­te de­pres­sa!

- O que dis­se, ca­pi­tão? Não pos­so ou­vi-lo. Há por aqui uma es­pé­cie de vo­ze­a­ria inin­ter­rup­ta! É hor­rí­vel... O que es­ta­rá acon­te­cen­do?

- Va­mos, ca­pi­tão... Va­mos, ami­gos... Eis nos­so na­vio tão per­to! Va­mos em­bar­car... Es­ta­mos sal­vos!

- Ho­mens, por Deus, não fa­çam is­so. Não há na­vio al­gum. Es­pe­rem, não... Não vão por aí! Não, não sal­tem... Meu Deus, vo­cês to­dos vão mor­rer...

*** ***

Ca­pí­tu­lo 32 (Epí­lo­go)

- Ei, ca­pi­tão! Dê uma mão aqui, aju­de-me a su­bir...

- ...

- Ca­pi­tão, foi bom ter ido aos ca­dá­ve­res... Lá, mui­to per­to de­les, al­go me ocor­reu! Co­mo já sa­be­mos, se­ria tão im­pro­vá­vel e ab­sur­do em cir­cuns­tân­ci­as nor­mais que nin­guém di­ria, mas aqui me pa­re­ce per­fei­ta­men­te acei­tá­vel. Ve­ja se es­tou cer­to, ca­pi­tão... Mas o que es­tá ha­ven­do, ca­pi­tão? Que ca­ra é es­sa? Ei, on­de es­tão os ou­tros? On­de es­tão to­dos? Ca­pi­tão, on­de es­tão to­dos? Ei, ami­gos! Ei, vo­cês to­dos! On­de es­tão?

- Não há mais nin­guém, meu ca­ro...

- ...

- Eles tam­bém se fo­ram...

- Co­mo o se­nhor dis­se, ca­pi­tão?

- Mor­re­ram. To­dos mor­re­ram...

- Não, is­so é im­pos­sí­vel! Há al­guns mi­nu­tos, es­ta­vam to­dos aqui no con­vés... Ca­pi­tão, não di­ga uma coi­sa des­sa, vo­cês es­ta­vam em tre­ze pes­so­as aqui... Co­mo do­ze de vo­cês po­dem ter mor­ri­do, ca­pi­tão? Não brin­que des­se mo­do, ca­pi­tão, não ago­ra!

- ...

- O se­nhor tem cer­te­za? Mas co­mo is­so se­ria pos­sí­vel, meu Deus?

- Eles di­zi­am que ha­via um na­vio, um gran­de na­vio... Fo­ram sal­tan­do a bor­do, um atrás do ou­tro, mas caíam na água, ló­gi­co...

- E o se­nhor, ca­pi­tão? Não hou­ve co­mo se­gu­rá-los? O se­nhor não os aler­tou? Nin­guém ou­viu su­as or­dens, ca­pi­tão?

- Es­cu­te, ra­paz, não gri­te co­mi­go, por fa­vor! Ape­nas ou­ça: vo­cê já en­fren­tou do­ze pes­so­as in­sa­nas?

- ...

- En­lou­que­ce­ram! Já ti­nham ti­do ou­tras vi­sões, vo­cê se lem­bra? Acha­vam que ha­via uma sal­va­ção...

- Uma sal­va­ção...

- Sim, uma sal­va­ção... O bar­co, o gran­de bar­co que eles vi­am...

- Ca­pi­tão, per­to da­que­les cor­pos, eu ima­gi­nei al­go...

- Sim?

- O que po­de es­tar nos ma­tan­do des­se jei­to se­não al­go que des­co­nhe­ce­mos com­ple­ta­men­te? Nós ten­ta­mos até aqui bus­car nos­sa sal­va­ção por meio de mé­to­dos usa­dos em pro­te­ção con­ven­ci­o­nal, o se­nhor en­ten­de? Fi­car­mos jun­tos, fi­car­mos aten­tos, de olhos bem aber­tos... Bo­ba­gens, ca­pi­tão... Bo­ba­gens de nos­sa co­ti­di­a­no mo­der­no...

- O que vo­cê quer di­zer?

- O se­nhor quer pro­va mai­or do que es­ta? Do­ze mor­tes de uma só vez? Do­ze pes­so­as des­con­tro­la­das, do­mi­na­das pe­lo nos­so ini­mi­go in­vi­sí­vel? Po­de­ria ha­ver aqui, meu ca­ro ca­pi­tão, to­dos os exér­ci­tos do mun­do, e mes­mo as­sim eles não se­ri­am ca­pa­zes de de­ter es­sa for­ça que nos es­tá con­su­min­do. Es­sa coi­sa es­tá gri­tan­do a ple­nos pul­mões que não so­mos na­da, ca­pi­tão!

- Es­pe­re aí, vo­cê diz que de­ve­mos nos en­tre­gar, é is­so? E es­sa ago­ra? Vo­cê ain­da se di­ver­te às cus­tas dis­to? Es­cu­te sua gar­ga­lha­da!

- Per­doe-me, po­bre ca­pi­tão, per­doe-me. O se­nhor não com­pre­en­deu, re­al­men­te o se­nhor não com­pre­en­deu...

- Não, e vo­cê quer fa­zer o fa­vor de me ex­pli­car?

- Ca­pi­tão, não há co­mo fu­gir...

- Es­cu­te, vo­cê es­tá mu­da­do... Al­go acon­te­ceu lá en­tre os ca­dá­ve­res, al­go o in­fec­tou?

- Ora, ca­pi­tão, não se­ja es­tú­pi­do...

- Es­tú­pi­do?

- Des­cul­pe-me, ca­pi­tão...

- Vo­cê ri no­va­men­te? Olhe pa­ra vo­cê mes­mo! Olhe co­mo es­tá trans­tor­na­do!

- Ca­pi­tão, meu po­bre ca­pi­tão, por um mo­men­to, lá en­tre os ca­dá­ve­res, e en­quan­to pen­sa­va nis­to tu­do, ima­gi­nei que o se­nhor a es­ta al­tu­ra de nos­sa con­ver­sa es­ta­ria com um le­ve sor­ri­so pro­fes­so­ral es­tam­pa­do na fa­ce...

- Vo­cê pi­rou mes­mo, ho­mem... Não o com­pre­en­do, es­ta­va tão bem!

- Não, ca­pi­tão, ago­ra é que es­tou bem... Es­sa coi­sa não po­de mais me atin­gir, sai­ba dis­so...

- O que vo­cê diz, ho­mem?

- O se­nhor não ima­gi­na, mes­mo, ca­pi­tão? E eu es­pe­ran­do que es­sa fi­gu­ra al­ti­va e im­pá­vi­da se re­ve­las­se meu bar­quei­ro...

- ...

- Ca­pi­tão, acor­de, meu ca­ro... Acor­de pa­ra a mor­te, ca­pi­tão... Olhe pa­ra o azul que vem se fe­chan­do so­bre nos­sas ca­be­ças, olhe co­mo ago­ra o céu se tin­ge mais de­pres­sa... Ve­ja, ca­pi­tão, ali adi­an­te: não há mais mar, meu ami­go. Aca­bou-se... Ali es­tá o fim des­te so­nho que se es­vai... Es­ta­mos mor­tos, ca­pi­tão... Olhe pa­ra nós, meu po­bre ami­go, eram só os ecos de nos­sa mor­te que nos ator­men­ta­vam, ape­nas is­so, en­ten­de?

- Não, não po­de ser... Vo­cê es­tá en­ga­na­do...

- Es­tou cer­to, ca­pi­tão, o se­nhor des­co­bri­rá lo­go... Eu já des­co­bri... Aque­les mor­tos, ago­ra en­ten­do, ago­ra me lem­bro, to­dos eles, eu me lem­bro...

- Vo­cê en­lou­que­ceu... Va­mos nos pro­te­ger... Ve­ja, ami­go, ve­ja: a lu­ne­ta nos mos­tra uma gran­de on­da vin­do em nos­sa di­re­ção. Olhe vo­cê mes­mo...

- Não há on­da, ca­pi­tão...

- Olhe vo­cê mes­mo, olhe, olhe... Eu já pos­so vê-la a olho nu...

- Não há on­da, ca­pi­tão...

- Vo­cê não quer vê-la, não é? O me­do de ma­ru­jo no­va­to... Não te­nha me­do, meu ra­paz. Aqui há um bra­vo ca­pi­tão...

- Bem, ca­pi­tão, ca­da um a vê de um jei­to... Es­tá cer­to, es­tá cer­to...

- Era is­so, al­gum dos ho­mens ma­tou a cha­ra­da. Hou­ve um aci­den­te nu­cle­ar ou coi­sa pa­re­ci­da, um me­te­o­ro, sei lá. A cal­ma­ria pre­nun­ci­a­va a tor­men­ta... Uma gran­de on­da vin­do em nos­sa di­re­ção. Olhe pa­ra ela, ami­go, não é lin­da? Se­rá que po­de­re­mos atra­ves­sá-la nes­te bar­co? Olhe pa­ra ela, meu ca­ro, não é ex­tra­or­di­ná­ria? E não a tí­nha­mos ima­gi­na­do à dis­tân­cia! Uma gran­de on­da! O mar se re­vol­ta! Vo­cê não quer que se­ja um aci­den­te nu­cle­ar? Não acei­ta a que­da de um cor­po ce­les­te? Não? En­tão, ra­paz, con­ten­te-se com is­to: o mar se re­vol­tou com tan­ta pi­lha­gem! Ahahahahahahahahahah... A fú­ria do mar con­tra seus al­go­zes... Vo­cê sa­be, que­ri­do ami­go, há sé­cu­los e sé­cu­los pi­lham o mar, sa­be dis­so? Is­so mes­mo! Di­la­pi­dam seu pa­trimô­nio sa­gra­do, tu­do é le­va­do em no­me do lu­cro. É is­so, meu ca­ro. Eu mes­mo já o fiz. Pa­ga­rei ago­ra, pa­ga­rei pe­la pi­lha­gem. A re­vol­ta do mar! Quer mais, ami­go? Quer mais? Até as his­tó­ri­as, até as his­tó­ri­as vão de vol­ta. Vo­cês mes­mos tes­te­mu­nha­ram: os ru­mo­res, lem­bra-se, meu ra­paz, os ru­mo­res que saíam das bo­cas dos ca­dá­ve­res? É is­to, ho­mem: o mar re­to­man­do pa­ra si as his­tó­ri­as a nós con­fi­a­das. Não se lem­bra co­mo ha­via uma tré­gua quan­do as con­tá­va­mos? Lem­bra-se dis­so? Con­tá­va­mos nos­sas his­tó­ri­as e ele se acal­ma­va. Pa­rá­va­mos e ele nos pe­ga­va. A vin­gan­ça do mar nu­ma ter­rí­vel on­da... Uma no­va on­da ca­paz de in­tro­me­ter-se no tem­po, su­fi­ci­en­te pa­ra mu­dar o ru­mo de tu­do, uma ou­tra on­da, mais uma onda...Olhe pa­ra ela, meu que­ri­do ami­go, olhe pa­ra es­sa be­le­za imen­su­rá­vel, um ar­ra­nha-céu lí­qui­do, a vin­gan­ça, mas as­sim mes­mo tão be­la...

- Pois que se­ja, meu ami­go ca­pi­tão, que se­ja... Va­mos abra­ça­dos... Va­mos jun­tos pa­ra ela... Va­mos co­mo ir­mãos pa­ra ela...

*** FIM ***

Compartilhe