Colaboradores

“Meu filho” - Texto de Dudu Oliva

terça-feira, 8 de maio de 2007 Texto de

Ven­tre cheio, olha pa­ra o céu e ali­sa a enor­me bar­ri­ga. Es­pe­ran­ça e me­do se mis­tu­ra­vam em pen­sa­men­tos di­a­lé­ti­cos. Que­ria amar ple­na­men­te, mas sem pos­se. Um le­ve cons­tran­gi­men­to de se ou­vir “meu fi­lho”. O ma­ri­do ha­via vi­a­ja­do a tra­ba­lho. Es­ta­va re­ple­ta de amor, po­rém, sen­tia uma le­ve an­gús­tia de que po­de­ria ser efê­me­ro. Lem­bra que quan­do es­tá no car­ro ou no ôni­bus a pai­sa­gem cor­re em seus olhos. Às ve­zes, só per­ce­be vul­tos e lu­zes. O tem­po mo­der­no de­vo­ra tu­do. Pen­sa na sua mãe: “ela que­ria que eu fos­se tan­ta coi­sa. Se­gui­mos mo­de­los, co­mo rom­pê-los?”. Lem­brou que um pro­fes­sor dis­se que o ins­tin­to ma­ter­no no ser hu­ma­no é um con­cei­to cons­truí­do. “As mães hu­ma­nas não sen­tem os fi­lhos pe­lo chei­ro, quan­do os ne­néns nas­cem, pre­ci­sam ser iden­ti­fi­ca­dos na maternidade”.Desejava sen­tir o fi­lho pe­lo chei­ro e con­ti­nu­ar a exer­cer o con­cei­to for­ma­do do que é ser mãe. Olha a ci­da­de: ilu­mi­na­da, bo­ni­ta e pe­ri­go­sa. Pen­sa na vi­o­lên­cia, aque­ci­men­to glo­bal, de­sem­pre­go, mi­sé­ria... “Se­rá que ter fi­lhos nes­te mun­do não é um ato de lou­cu­ra? Abor­tar se­ria uma pro­va de amor?”. A ci­da­de es­tá si­len­ci­o­sa, só al­guns ba­ru­lhos re­mo­tos. “Fi­lho, vou ten­tar te edu­car. Não sei se vou con­se­guir te pro­te­ger de to­do mal. Vo­cê te­rá que vi­ver a sua vi­da. Ten­ta­rei es­tar ao seu la­do, mas não pos­so pro­me­ter na­da. Sou só uma pes­soa que vi­ve na imen­si­dão des­te mun­do, nem sei do meu des­ti­no e não pos­so ter a pre­ten­são de ten­tar to­mar con­ta do seu. Se­ja bem-vin­do a es­te mun­do que ora é uma dá­di­va, ora uma mer­da fe­de­ral”. Vai à co­zi­nha e pre­pa­ra um chá de ca­mo­mi­la, o so­no che­ga de man­si­nho. A ca­ma acon­che­gan­te a pro­te­ge. “Se­rá que é as­sim que os be­bês fi­cam no úte­ro? A mi­nha mãe di­zia que eu não que­ria sair de seu ven­tre. Dei a mai­or tra­ba­lhei­ra aos mé­di­cos”. O sol co­me­ça a nas­cer en­tre os ar­ra­nha-céus.

E-mail: dudu.oliva@uol.com.br

Compartilhe