Pa­ra co­me­çar de for­ma bem ho­nes­ta nos­so con­ví­vio nes­te es­pa­ço, ca­ro lei­tor, é bom que eu ten­te ex­pli­car co­mo vim pa­rar aqui. É cla­ro, eu ado­ro fu­te­bol. Me­lhor, amo. Sua im­pre­vi­si­bi­li­da­de e as emo­ções que des­per­ta.

Até aí, ne­nhu­ma no­vi­da­de. Mui­tos ou­tros são tão ou mais afi­ci­o­na­dos do que eu. Mui­tos tam­bém cur­sa­ram ou cur­sa­rão a fa­cul­da­de de Jor­na­lis­mo por gos­ta­rem de fu­te­bol ou de es­por­tes em ge­ral. Mas não me in­te­res­sa ape­nas no­ti­ci­ar o re­sul­ta­do de uma par­ti­da ou co­mo ca­da ti­me es­tá mon­ta­do pa­ra a dis­pu­ta do pró­xi­mo cam­pe­o­na­to.

Es­se é o meu tra­ba­lho - ado­rá­vel, não há na­da me­lhor do que ver o even­to es­por­ti­vo do la­do de den­tro. Mas eu que­ro mais. Que­ro sa­ber mui­tos porquês do fu­te­bol.

Que­ro sa­ber por­que se ma­ta em no­me de uma pai­xão clu­bís­ti­ca. Len­do “Co­mo o fu­te­bol ex­pli­ca o mun­do” (de Fran­klin Fo­er, Jor­ge Zahar Edi­tor), já sei que a ar­qui­ban­ca­da é só mais um es­pa­ço de ex­pres­são de de­ter­mi­na­dos gru­pos so­ci­ais. Is­so é as­sun­to pa­ra a So­ci­o­lo­gia, en­tão. E pa­ra a Psi­co­lo­gia, afi­nal, quem obs­cu­re­ce sua per­so­na­li­da­de em no­me de uma fac­ção (leia-se tor­ci­da or­ga­ni­za­da) não po­de ba­ter bem. A An­tro­po­lo­gia tam­bém ex­plo­ra o fu­te­bol, que o di­ga Ro­ber­to Da­mat­ta. E pos­so ga­ran­tir que meu es­por­te pre­fe­ri­do me aju­dou bas­tan­te no apren­di­za­do de Ge­o­gra­fia e His­tó­ria. Por exem­plo: só fui ques­ti­o­nar por que não há ne­gros na Ar­gen­ti­na de­pois de per­ce­ber que a se­le­ção de fu­te­bol de­les não os tem. Des­co­bri na quar­ta sé­rie que ha­via uma ci­da­de cha­ma­da Eindho­ven, na Ho­lan­da, por­que o Ro­má­rio jo­ga­va lá.

Quais são os re­qui­si­tos pa­ra um es­tran­gei­ro se na­tu­ra­li­zar? O fu­te­bol me con­tou. Quan­do me in­te­res­sei pe­la pri­mei­ra vez em sa­ber quan­to va­le um dó­lar? Trans­fe­rên­cia de cra­que bra­si­lei­ro pa­ra a Eu­ro­pa. Por que eles vão pra lá? A Eu­ro­pa é mais ri­ca do que o Ter­cei­ro Mun­do. Ah...

Tem mais. Meu gos­to mu­si­cal não é tão apu­ra­do, mas Jor­ge Ben­jor e Chi­co Bu­ar­que po­dem fa­lar por mim, com a ri­que­za de su­as le­tras so­bre bo­la ro­lan­do. Fa­lan­do em ar­te, o ci­ne­ma vai con­se­guin­do aos pou­cos re­pro­du­zir com fi­de­li­da­de uma par­ti­da de fu­te­bol - cul­po-me por ain­da não ter as­sis­ti­do “O Mi­la­gre de Ber­na”, mas re­co­men­do de olhos fe­cha­dos.

Mi­nha mais re­cen­te cu­ri­o­si­da­de es­tá nas co­res. A ori­gem de­las em ca­da equi­pe e prin­ci­pal­men­te a re­pul­sa que cau­sam no ri­val. Jo­ga­dor do Co­rinthi­ans usan­do rou­pa ver­de em pú­bli­co ga­nha bron­ca. Pa­pai No­el de gre­mis­ta ves­te azul. Ou­tro as­sun­to que me in­tri­ga é que o bra­si­lei­ro não é quem mais gos­ta de fu­te­bol, ape­sar de se ga­bar dis­so. O eu­ro­peu é fa­ná­ti­co e con­so­me fu­te­bol - in­gres­sos ca­ros, ca­mi­sas ofi­ci­ais, li­vros, DVDs co­me­mo­ra­ti­vos, jor­nais, re­vis­tas... Tu­do bem, o fu­te­bol nas­ceu lá. Mas a mé­dia de pú­bli­co da Li­ga nor­te-ame­ri­ca­na é mai­or do que a do Cam­pe­o­na­to Bra­si­lei­ro!

Bom, já viu que as­sun­to não vai fal­tar. E per­ce­beu por­que es­tou aqui. Pa­ra olhar­mos o fu­te­bol - e ou­tros es­por­tes, por que não? - com ou­tros olhos. Até a pró­xi­ma!

Fer­nan­do BH é edi­tor das re­vis­tas de es­por­te da Edi­to­ra Al­to As­tral (pu­bli­ca­das com o se­lo Playoff Edi­to­ra) e co­men­ta­ris­ta do pro­gra­ma ‘Rit­mo do Es­por­te’, da 94FM. Tam­bém faz re­por­ta­gens e edi­ção da 94FM Re­vis­ta. Na­tu­ral de Ituiu­ta­ba-MG, che­gou a Bau­ru em 1999 pa­ra cur­sar Jor­na­lis­mo na Unesp.

E-mail: fernando_bh@yahoo.com.br

Compartilhe