No iní­cio des­te ano fui ten­tar fa­zer um ou­tro cur­so de pós-gra­du­a­ção. Que­ria uma es­pe­ci­a­li­za­ção em li­te­ra­tu­ra, já que es­tou cur­san­do uma de Jor­na­lis­mo Cul­tu­ral. Que­ria de gra­ça, fiz a pro­va na mi­nha an­ti­ga fa­cul­da­de a UFF(Universidade Fe­de­ral Flu­mi­nen­se), não pas­sei.

Cha­te­a­do, an­dei meio sem ru­mo pe­lo cen­tro da Ci­da­de. Re­sol­vi ir ao se­bo per­to da Pra­ça-Quin­ze. Não acre­di­to em des­ti­no, mas, ao pro­cu­rar li­vros in­te­res­san­tes, en­con­trei o ro­man­ce de Au­tran Dou­ra­do.

Ins­tin­ti­va­men­te pe­guei o li­vro e li um tre­cho que me con­ven­ceu que de­ve­ria com­prá-lo: “E o tem­po pas­sou li­gei­ro. Se des­pe­diu do ro­man­tis­mo e das pai­xões de­ses­pe­ra­das, ver­da­dei­ras ou ima­gi­ná­ri­as, con­tra­ri­a­das ou in­com­ple­tas. E pro­cu­ra­ria se li­ber­tar do seu cír­cu­lo fe­cha­do e as­fi­xi­an­te, in­cor­po­ran­do o seu sa­ber téc­ni­co e as su­as con­quis­tas à obra ma­du­ra que so­nha­va re­a­li­zar, cons­ci­en­te­men­te pro­cu­ran­do es­que­cer o que sa­bia, pa­ra al­can­çar, atra­vés do tra­ba­lho e de ou­tra dis­ci­pli­na, a sua téc­ni­ca e ex­pres­são, ver­da­dei­ra­men­te li­vres pou­co im­por­tan­do o pre­ço que ti­ves­se a pa­gar.”

Mo­men­to cli­chê: se­rá que o en­con­tro que ti­ve com es­te li­vro es­ta­va es­cri­to? Ao ler a re­la­ção de obras, des­co­bri que há mui­tos anos, na es­co­la, ha­via li­do “Uma vi­da em Se­gre­do” (1964). Re­cor­do-me que achei a his­tó­ria mui­to tris­te, mas não trá­gi­ca. A pro­ta­go­nis­ta não con­se­guiu se adap­tar na vi­da e a so­li­dão acom­pa­nhou-a até a mor­te.

Ti­ve que pres­tar bas­tan­te aten­ção no ro­man­ce “Um ar­tis­ta apren­diz” pa­ra per­ce­ber quan­do era o nar­ra­dor em ter­cei­ra pes­soa e quan­do eram os per­so­na­gens que fa­la­vam.

O au­tor não in­se­riu tra­ves­sões nos diá­lo­gos. A di­a­gra­ma­ção dos pa­rá­gra­fos pa­re­cia fei­ta de blo­cos ho­mo­gê­ne­os. Re­cor­dei de três li­vros que li do Sa­ra­ma­go há tem­pos atrás.

A his­tó­ria de Au­tran Dou­ra­do nar­ra tra­je­tó­ria e a for­ma­ção li­te­rá­ria e fi­lo­só­fi­ca do pro­ta­go­nis­ta, João da Fon­se­ca No­guei­ra. O ro­man­ce faz re­fe­ren­cia a “Os anos de apren­di­za­gem de Wi­lhelm Meis­ter”, de Gothe (Boa pe­di­da! Te­nho que ler!!). “Ca­da um tem sua fe­li­ci­da­de nas mãos co­mo o ar­tis­ta a ma­té­ria bru­ta à qual ele quer dar for­ma. Na ar­tes de ser fe­liz e em qual­quer ou­tra ar­te, só a ca­pa­ci­da­de é ina­ta: é pre­ci­so apren­di­za­do e acu­ra­do exer­cí­cio.”

O jo­vem ro­mân­ti­co João cons­trói o seu olhar a par­tir das lei­tu­ras, con­se­lhos dos mais ve­lhos, re­la­ções fa­mi­li­a­res, pai­xões vi­vi­das, tro­cas com ami­gos, fa­tos his­tó­ri­cos da sua épo­ca e a ati­vi­da­de de es­cre­ver as­si­du­a­men­te.

Ao ter­mi­nar o li­vro, pen­sei no ri­tu­al an­tro­po­fá­gi­co. Nós sem­pre di­ge­ri­mos va­lo­res e co­nhe­ci­men­tos alhei­os e re­fle­ti­mos acres­cen­tan­do ain­da mais ao co­nhe­ci­men­to hu­ma­no com crí­ti­cas e ob­ser­va­ções.

O ar­tis­ta, prin­ci­pal­men­te, ne­ces­si­ta sem­pre cons­truir sen­si­bi­li­da­de pa­ra as­si­mi­lar o que acon­te­ce à sua vol­ta, tan­to na so­ci­e­da­de com nos mo­vi­men­tos cul­tu­rais.

João ob­ser­va­va os fa­tos, lia ou­tros es­cri­to­res e es­ti­los li­te­rá­ri­os do clás­si­co à van­guar­da até che­gar à tão so­nha­da ma­tu­ri­da­de pa­ra de­sen­vol­ver a sua pró­pria li­te­ra­tu­ra.

Con­tu­do, não dei­xa­va de la­do as raí­zes an­ti­gas. “ Não vi­ve­rei mais com a vi­são do ho­ri­zon­te bar­ra­da pe­la ser­ra do Cur­ral, di­zia pen­san­do em dei­xar Mi­nas Ge­rais. Mas le­va­rei Mi­nas co­mi­go, co­mo o rio que pa­ra ser à sua fon­te to­ma a di­re­ção do mar.”

O es­cri­tor Au­tran Dou­ra­do con­tex­tu­a­li­zou no ro­man­ce “Um ar­tis­ta apren­diz” ques­tões atem­po­rais so­bre ar­te e li­te­ra­tu­ra. Pa­ra o per­so­na­gem prin­ci­pal João, a ar­te faz re­fle­tir, nun­ca de­ve ser usa­da pa­ra exer­cer do­mi­na­ção, cau­san­do um em­po­bre­ci­men­to in­te­lec­tu­al. A li­te­ra­tu­ra que ele pre­ten­de fa­zer so­bre­põe qual­quer ide­o­lo­gia do­mi­nan­te. É a sua ex­pres­são mais ver­da­dei­ra.

http://www.releituras.com/adourado_menu.asp

http://www.rocco.com.br/shopping/ExibirAutor.asp?Autor_ID=51

http://www.submarino.com.br/books_productdetails.asp?Query=ProductPage&ProdTypeId=1&ProdId=96515&franq=134562#synopsys

http://www.vidaslusofonas.pt/johann_w_goethe.htm

Ps: A edi­ção que li foi da edi­to­ra Jo­sé Olym­pio

E-mail: dudu.oliva@uol.com.br

Compartilhe