Colaboradores

pôquer - Texto de Thiago Roque

quarta-feira, 2 de maio de 2007 Texto de

en­tre fu­ma­ças, bi­ri­tas ba­ra­tas, al­guns pe­tis­cos e mui­to cli­ma noir, jo­ga­vam pô­quer a dor, a so­li­dão, o amor e a an­gús­tia.

já era pra­xe: to­das as sex­tas, jun­ta­vam-se após o ex­pe­di­en­te pa­ra ba­ter o car­te­a­do. ca­da um tra­zia su­as pre­fe­rên­ci­as, ro­la­vam al­gu­mas coi­sas de im­pre­vis­tos – se fos­se o ca­so, pe­di­am piz­za. o im­por­tan­te era a jo­ga­ti­na.

as apos­tas eram al­tas. al­mas em jo­go.

a di­fe­ren­ça é que os jo­ga­do­res não se im­por­ta­vam em ga­nhar ou per­der. na­que­la me­sa re­don­da com to­a­lha ver­de-mus­go, o im­por­tan­te era se di­ver­tir.
ah, e eles se di­ver­ti­am.

a dor, por exem­plo, ba­ba­va en­quan­to gar­ga­lha­va ao per­der 20 al­mas nu­ma só jo­ga­da pa­ra a so­li­dão. “es­ses aí já se acos­tu­ma­ram co­mi­go. é me­lhor mes­mo te­rem al­go di­fe­ren­te pa­ra sen­tir”, fa­la­va a bas­tar­da, en­quan­to a so­li­dão (ves­ti­da im­pe­ca­vel­men­te com uma saia pre­ta cur­tís­si­ma, um top ver­me­lho san­gue de de­co­te ge­ne­ro­so e uma cruz pra­te­a­da que mar­ca­va a fron­tei­ra en­tre os enor­mes sei­os) sor­ria de la­do e já re­co­lhia o prê­mio.

a an­gús­tia já era mais pru­den­te (mas, nem por is­so, me­nos aven­tu­rei­ra): se ti­nha uma boa mão, apos­ta­va as al­mas mais ator­men­ta­das; se ble­fa­va, co­lo­ca­va na me­sa um pos­sí­vel sui­ci­da – a dor, via de re­gra, se de­li­ci­a­va com is­so.

a so­li­dão gos­ta­va de nú­me­ro – iro­nia ou não, é ver­da­de. mas, se per­des­se, ca­ga­va qui­los: afi­nal, con­se­guir mo­e­da de jo­go não era ter que fa­zer em­prés­ti­mo no ban­co a ju­ros al­tos – sem­pre en­con­tra­va gen­te pa­ra tra­zer pa­ra o seu la­do.

o amor, não: úni­co ma­cho na me­sa, ele era mais vul­ne­rá­vel – e es­tú­pi­do. apos­ta­va sem dis­tin­ção: 30 al­mas por vez, 50, che­gou a co­lo­car 169 pes­so­as num ble­fe – e se fo­deu.

ami­gos, via de re­gra, o amor to­ma­va no cu.

de­pois, quan­do per­dia, cho­ra­min­ga­va, exa­ge­ra­va na bi­ri­ta, fu­ma­va des­con­tro­la­da­men­te. ria co­mo to­do mun­do – mas com um cer­to ner­vo­sis­mo. se ape­ga­va às al­mas, mas só per­ce­bia is­so quan­do elas cru­za­vam a me­sa ver­de-vus­go, di­zen­do um tchau amar­go.

jus­to pra ele, que ti­nha a des­pe­di­da co­mo vi­zi­nha – e aque­la va­dia jo­ga­va o li­xo no quin­tal de­le.

com o tem­po, o amor fi­cou vi­ci­a­do no jo­go. E tam­bém na be­bi­da. já não fa­zia mais a bar­ba, os ter­nos eram ca­da vez mais ra­ros, apa­re­cia aos jo­gos amar­ro­ta­do, cheio de olhei­ras. mas es­ta­va lá, sem­pre dis­pos­to a apos­tar to­das aque­las al­mas, aque­las al­mas que ele tan­to ama­va – mas que só des­co­bria is­so de­pois de elas caí­rem no de­co­te da so­li­dão (sim, a so­li­dão per­ce­bia quan­do o amor ble­fa­va, era sua mai­or ad­ver­sá­ria).

en­quan­to is­so, an­gús­tia e dor ri­am. ao amor, res­ta­vam as lá­gri­mas.

quem sa­be na sex­ta que vem.

E-mail: roque.thiago@hotmail.com

Compartilhe