Colaboradores

Os mocinhos que se cuidem

quarta-feira, 25 de abril de 2007 Texto de

Pe­lo me­nos nas no­ve­las, pa­re­ce que os mo­ci­nhos, os go­od guys, os per­so­na­gens de bom ca­rá­ter es­tão sen­do ofus­ca­dos pe­los vi­lões, os bad guys e os mu­tre­tei­ros. Quan­to pi­or o ca­rá­ter, mais so­be o ibo­pe pa­ra o seu la­do e mais al­to é o ín­di­ce de au­di­ên­cia na ex­pec­ta­ti­va so­bre o que o dark si­de vai apron­tar mais uma vez con­tra os coi­ta­di­nhos ino­cen­tes. E to­me de tor­ci­da. Tor­ci­da a fa­vor dos ban­di­dos. E se são bons os ato­res nes­ses pa­péis e con­vin­cen­tes em su­as atu­a­ções, mais cho­vem elo­gi­os pe­la mí­dia, aná­li­ses so­ci­o­ló­gi­cas e psi­co­ló­gi­cas do fenô­me­no, pro­gra­mas de TV de­di­ca­dos ao as­sun­to, psi­qui­a­tras e as­tró­lo­gos con­vi­da­dos a opi­nar. Por que es­se fas­cí­nio pe­los ban­di­dos? Por que gos­ta­mos de vê-los atu­an­do e fa­zen­do das su­as e – con­fes­sa, vai – às ve­zes até tor­ce­mos por eles?

Dos mo­ci­nhos nin­guém fa­la. Bom ca­rá­ter não dá pau­ta nem pa­no pra man­ga e sua fe­li­ci­da­de sem char­me não en­gros­sa ibo­pe. Es­tão ali fa­zen­do sua obri­ga­ção, a de ten­tar so­bre­vi­ver às mal­da­des de seus ar­qui­i­ni­mi­gos. Pa­ra lem­brar ape­nas as no­ve­las mais re­cen­tes das 21h, a vi­lã Lau­ra, vi­vi­da por Cláu­dia Abreu, seu ca­fe­tão in­ter­pre­ta­do por Már­cio Gar­cia e o em­pre­sá­rio mau ca­rá­ter Re­na­to Men­des, de Fá­bio As­sun­ção, rou­ba­ram a ce­na na no­ve­la Ce­le­bri­da­de. Da mes­ma for­ma a Lau­ra, de Lí­lia Ca­bral, em Pá­gi­nas da Vi­da, as­sim co­mo o Ola­vo, de Wag­ner Mou­ra, e Já­der, de Chi­co Di­az, se­gui­dos pe­la “gê­mea má” Taís, de Ales­san­dra Ne­gri­ni, em Pa­raí­so Tro­pi­cal.

E o ou­tro la­do da mo­e­da? Quem li­ga pa­ra a “gê­mea boa” e seus cho­ra­min­gos ou pa­ra os que não apron­tam, só le­vam? Pro­va­vel­men­te vão so­frer du­ran­te 98% dos ca­pí­tu­los até vi­ra­rem o jo­go pa­ra o gran fi­na­le. Al­guns do “la­do bom”, co­mo o Matheus, do es­tre­an­te Gus­ta­vo Leão, e a Ana Luí­sa, de Re­née de Vi­el­mond, cor­rem por fo­ra. Um por­que pro­cu­ra ca­ti­var seu pai, a quem nun­ca che­gou a co­nhe­cer an­tes dos 18 anos – as­sun­to qua­se obri­ga­tó­rio nos fo­lhe­tins ele­trô­ni­cos; a ou­tra, que con­se­guiu a sim­pa­tia ge­ral por ter so­fri­do nas gar­ras de seu ma­ri­do trai­dor, vi­vi­do por Tony Ra­mos. E ó nós aí já tor­cen­do pa­ra ela fu­gir com seu ad­mi­ra­dor mais jo­vem, mes­mo an­tes de ofi­ci­a­li­zar o di­vór­cio!

Ago­ra, en­tão, que os vi­lões es­tão um pou­co mais hu­ma­ni­za­dos por seus cri­a­do­res, e que no meio das mal­da­des e fal­ca­tru­as po­dem se mos­trar apai­xo­na­dos de ver­da­de, co­mo Ola­vo e Já­der, ou emo­ci­o­na­dos com fil­mes co­mo Ca­sa­blan­ca, co­mo a apa­ren­te­men­te fria Lau­ra, de Lí­lia Ca­bral, pa­re­ce que mais ce­do do que se ima­gi­na vai ter dis­pu­ta a ta­pas en­tre ato­res e atri­zes pa­ra vi­ver vi­lões e vi­lãs. Os mo­ci­nhos das no­ve­las das 21h es­tão em ex­tin­ção e lo­go, lo­go se­rão vi­vi­dos por ato­res no­va­tos. No uni­ver­so da fic­ção – qui­çá na vi­da re­al – mo­ci­nhos não têm mais vez. Quem dá as car­tas ago­ra são vi­lões mu­tre­tei­ros mas chei­os de char­me.

E-mail: anaflores.rj@terra.com.br

Compartilhe