Colaboradores

Bully - Texto de Dudu Oliva

quinta-feira, 24 de novembro de 2005 Texto de

Há des­de os “tem­po das ca­ver­nas”. É uma ma­ni­fes­ta­ção de po­der, que ten­ta en­qua­drar os in­di­ví­du­os à ide­o­lo­gia do­mi­nan­te de ca­da épo­ca da so­ci­e­da­de hu­ma­na. Quem for di­fe­ren­te so­fre re­pe­ti­das hu­mi­lha­ções no seu co­ti­di­a­no. ” Is­to é uma mul­ti­dão; é pre­ci­so for­ça de co­to­ve­los pa­ra rom­per. Não sou cri­an­ça, nem idi­o­ta; vi­vo e só ve­jo de lon­ge. Não po­de ima­gi­nar. Os gê­ni­os fa­zem aqui dois se­xos, co­mo se fos­se es­co­la mis­ta. Os ra­pa­zes tí­mi­dos, in­gê­nu­os, sem san­gue, são do­mi­na­dos, fes­te­ja­dos, per­ver­ti­dos co­mo me­ni­nas
ao de­sam­pa­ro.” O tre­cho aci­ma, do li­vro O ATENEU, es­cri­to por Raul Pom­péia no fi­nal do sé­cu­lo 19, ilus­tra co­mo a ti­ra­nia se ini­cia no am­bi­en­te es­co­lar. A ins­ti­tui­ção é uma amos­tra da so­ci­e­da­de hos­til, on­de vi­ve­mos . É no co­lé­gio que apren­de­mos o egoís­mo, a hi­po­cri­sia , a am­bi­ção des­me­di­da e a vi­o­lên­cia. No am­bi­en­te fa­mi­li­ar e na rua, en­con­tra-se tam­bém o bully. Pais, ti­os, ir­mãos, co­le­gas e vi­zi­nhos co­me­tem es­sa prá­ti­ca dia a dia. Não dei­xa de ser uma he­ran­ça cul­tu­ral. Até há pou­co tem­po, não con­cor­da­va que pes­so­as com pro­ble­mas men­tais es­tu­das­sem em es­co­las co­muns. Con­tu­do, per­ce­bi que es­ta­va er­ra­do. A es­co­la que freqüen­tei é ex­clu­den­te; trans­for­ma o alu­no num sim­ples nú­me­ro pa­ra a es­ta­tís­ti­ca do de­sem­pe­nho do ves­ti­bu­lar e pa­ra au­men­tar o seu pres­tí­gio. Es­ti­mu­la ex­pli­ci­ta­men­te e im­pli­ci­ta­men­te a in­to­le­rân­cia. A es­co­la de­ve for­mar ci­da­dãos hu­ma­nis­tas, que vi­sem cons­truir um mun­do me­lhor.

E-mail: dudu.oliva@uol.com.br

Compartilhe