Sociedade de controle - Texto de Otávio Nunes | Márcio ABC

Colaboradores

Sociedade de controle - Texto de Otávio Nunes

segunda-feira, 31 de outubro de 2005 Texto de

Dia des­ses, en­quan­to as­sen­ta­va ca­qui­nhos de pi­so no quin­tal de ca­sa (tra­ba­lho can­sa­ti­vo, mas tam­bém as­saz de­li­ci­o­so), lem­brei-me de uma te­o­ria de cu­nho anar­quis­ta que apren­di num cur­so de po­lí­ti­ca na PUC, em São Pau­lo. É mui­to in­te­res­san­te: cha­ma-se So­ci­e­da­de de Con­tro­le. Ba­seia-se, se­gun­do meu pro­fes­sor, no pen­sa­men­to dos fi­ló­so­fos fran­ce­ses Mi­chel Fou­coult e Gi­les De­leu­se, am­bos da se­gun­da me­ta­de do sé­cu­lo XX. Não os li, por­que não me con­si­de­ro qua­li­fi­ca­do pa­ra lei­tu­ras des­ta mag­ni­tu­de. Mas pres­tei má­xi­ma aten­ção às au­las.

A So­ci­e­da­de de Con­tro­le co­me­çou a ser de­li­ne­a­da a par­tir de 1950, mais ou me­nos. An­tes, im­pe­ra­va no mun­do a So­ci­e­da­de Dis­ci­pli­nar. Es­tes dois ti­pos de so­ci­e­da­des na­da têm a ver com ca­pi­ta­lis­mo e so­ci­a­lis­mo, es­quer­da e di­rei­ta, con­ser­va­do­res e pro­gres­sis­tas, pri­mei­ro e ter­cei­ro mun­do. Tal­vez te­nha um pou­co a ver, mui­to pou­co, com Oci­den­te e Ori­en­te. Já que es­tas du­as so­ci­e­da­des evo­luí­ram mais des­te la­do do pla­ne­ta. Aliás, qua­se to­das as ci­ên­ci­as (prin­ci­pal­men­te hu­ma­nas) que es­tu­da­mos é sem­pre do pon­to de vis­ta oci­den­tal, é a nos­sa he­ran­ça gre­co-ro­ma­na-cris­tã. An­tes, va­mos ex­pli­car ra­pi­da­men­te a So­ci­e­da­de Dis­ci­pli­nar, pa­ra de­pois en­ten­der a de Con­tro­le.

A Dis­ci­pli­nar, do sé­cu­lo XIX até me­a­dos do XX, era uma so­ci­e­da­de hi­e­rar­qui­za­da, na qual im­pe­ra­va, cla­ro, a dis­ci­pli­na. Va­mos pe­gar três exem­plos: fa­mí­lia, tra­ba­lho e es­co­la. Na fa­mí­lia, o pai era ab­so­lu­to. Sua pa­la­vra era lei. Di­ri­gia sua pro­le se­gun­do seus prin­cí­pi­os, ra­ra­men­te ou­via a mu­lher ou os fi­lhos pa­ra to­mar de­ci­sões. Or­de­na­va o tra­ba­lho do­més­ti­co à mu­lher e pla­ne­ja­va o fu­tu­ro dos fi­lhos (com quem iri­am se ca­sar, que
pro­fis­são te­ri­am, etc).

No tra­ba­lho, o ope­rá­rio, prin­ci­pal­men­te o me­nos gra­du­a­do, era to­tal­men­te sub­ser­vi­en­te. Não ti­nha di­rei­to de pen­sar so­bre sua ta­re­fa. Era obri­ga­do a fa­zer con­for­me lhe man­da­vam, con­for­me a me­to­do­lo­gia de pro­du­ção ado­ta­da em ca­da épo­ca (o que ho­je cha­ma­mos de tec­no­lo­gia). Ou se­ja: o tra­ba­lha­dor era um aper­ta­dor de pa­ra­fu­sos, co­mo no fil­me Tem­pos Mo­der­nos de Char­lie Cha­plin. O fun­ci­o­ná­rio não ra­ci­o­ci­na­va, eram seus su­pe­ri­o­res que pen­sa­vam por ele.

Quan­do mais cum­pri­dor e dis­ci­pli­na­do, me­lhor se­ria o ope­rá­rio. Na es­co­la, mais ou me­nos co­mo na fa­mí­lia, o pro­fes­sor era se­nhor do co­nhe­ci­men­to. Su­as pa­la­vras, su­as au­las, eram to­tal­men­te ver­da­de. Os alu­nos não po­di­am con­tes­tar. Se hou­ves­se pro­ble­mas com al­gum es­tu­dan­te, es­te re­ce­be­ria cas­ti­gos do mes­tre. Alu­no bom era alu­no ca­la­do. Per­ce­be-se, en­tão, que a So­ci­e­da­de Dis­ci­pli­nar era au­to­ri­tá­ria. E, co­mo em to­da so­ci­e­da­de des­ta na­tu­re­za, pi­po­ca­vam aqui e ali ide­ais de li­ber­ta­ção (po­lí­ti­cos ou não), co­mo sin­di­ca­tos, par­ti­dos, mo­vi­men­tos (cul­tu­rais, ar­tís­ti­cos, ci­en­tí­fi­cos e in­te­lec­tu­ais), or­ga­ni­za­ções de to­do o ti­po. As mi­no­ri­as si­len­ci­o­sas que­ri­am se fa­zer ou­vir, por mei­os pa­cí­fi­cos ou
vi­o­len­tos. E eram re­pri­mi­das. Por­tan­to, ha­via na So­ci­e­da­de Dis­ci­pli­nar gru­pos de con­tes­ta­ção ao Es­ta­do.

Mas as coi­sas mu­da­ram. Ve­ja­mos os três exem­plos aci­ma, nos di­as de ho­je, quan­do im­pe­ra a So­ci­e­da­de de Con­tro­le. Na fa­mí­lia, o pai já não é mais o se­nhor da si­tu­a­ção (guar­de­mos as de­vi­das pro­por­ções, pois o am­bi­en­te fa­mi­li­ar de­pen­de da ins­tru­ção dos mem­bros, da ge­o­gra­fia e da clas­se so­ci­al). Pois bem, es­po­sa e fi­lhos tam­bém têm voz, atu­al­men­te. São ou­vi­dos em mo­men­tos de de­ci­são. Os fi­lhos, de­pois de mai­o­res, fa­zem o que quer de seu
fu­tu­ro pro­fis­si­o­nal, na­mo­ram e se ca­sam com que de­se­jam, têm fi­lhos fo­ra do ca­sa­men­to, se se­pa­ram etc. Não ape­nas os fi­lhos, mas tam­bém os pais agem as­sim.

Aque­la fa­mí­lia tra­di­ci­o­nal (até que a mor­te os se­pa­re) é coi­sa do pas­sa­do. A so­ci­e­da­de acei­ta e até a lei foi mu­da­da pa­ra ga­ran­tir os di­rei­tos de um fi­lho fo­ra do ca­sa­men­to, que no pas­sa­do se­ria cha­ma­do de bas­tar­do por to­dos e de ile­gí­ti­mo pe­la lei. No tra­ba­lho, o fun­ci­o­ná­rio mais va­lo­ri­za­do é aque­le que cria, pen­sa, in­ven­ta no­vos mé­to­dos de pro­du­ção, con­tes­ta téc­ni­cas an­ti­gas. Ho­je o tra­ba­lha­dor tem de ser cri­a­ti­vo. Quan­to mais in­ven­ti­vo, mais pro­du­zi­rá. Ele não é ape­nas um su­bal­ter­no aper­ta­dor de pa­ra­fu­sos, é es­ti­mu­la­do a cri­ar. Dei­xou de ser me­ro cum­pri­dor de or­dens pa­ra ser in­flu­en­ci­a­dor de no­vos mé­to­dos de tra­ba­lho.

Na es­co­la, o pro­fes­sor dei­xou de ser o sa­be-tu­do. Po­de ser con­tes­ta­do pe­lo alu­no. O es­tu­dan­te qui­e­ti­nho e tí­mi­do não é mais o pre­fe­ri­do. Pro­fes­so­res gos­tam de quem per­gun­ta, du­vi­da, sus­ci­ta po­lê­mi­cas etc. E ai do pro­fes­sor que ou­sar dar um cas­cu­do no mo­le­que. Po­de até ser ex­pul­so da es­co­la. A mãe vai re­cla­mar pa­ra o di­re­tor...

Vi­ram? A so­ci­e­da­de an­ti­ga, a Dis­ci­pli­nar, era hi­e­rar­qui­za­da e au­to­ri­tá­ria. A de Con­tro­le é de­mo­crá­ti­ca (guar­dan­do as pro­por­ções). Na So­ci­e­da­de de Con­tro­le o ci­da­dão é con­vo­ca­do a par­ti­ci­par. As mi­no­ri­as se or­ga­ni­zam e con­quis­tam be­nes­ses so­ci­ais e le­gais (ver ne­gros, ín­di­os, de­fi­ci­en­tes fí­si­cos, mu­lhe­res, ido­sos, cri­an­ças, fa­ve­la­dos, gen­tes de rua que ga­nha­ram di­rei­tos que an­tes lhes eram ne­ga­dos).

Ho­je há par­ti­dos po­lí­ti­cos de qual­quer ma­tiz ide­o­ló­gi­co (guar­dan­do as pro­por­ções, pois na Ale­ma­nha os na­zis­tas são proi­bi­dos, por mo­ti­vos ób­vi­os) par­ti­ci­pan­do de elei­ções li­vres. No Bra­sil, há um co­mu­nis­ta que é (ou foi) de li­nha sta­li­nis­ta, na pre­si­dên­cia da Câ­ma­ra Fe­de­ral, o Al­do Re­be­lo. É o ter­cei­ro na li­nha su­ces­só­ria. Is­to se­ria im­pen­sá­vel há mais ou me­nos 30 anos. O pre­si­den­te Lu­la tam­bém é ou­tro exem­plo pa­re­ci­do. No mun­do há ou­tros
ca­sos.

Ho­je tu­do (ou qua­se) é per­mi­ti­do. Es­tão ai as or­ga­ni­za­ções não-go­ver­na­men­tais (ONGs) de to­dos os ti­pos. Des­de a pre­ser­va­ção do mi­co-leão até o po­lê­mi­co aque­ci­men­to glo­bal. O Es­ta­do não gos­ta de ONGs, di­rá al­guém. Não é ver­da­de. Es­tas or­ga­ni­za­ções, mes­mo as mais ra­bu­gen­tas, são bem-vin­das na So­ci­e­da­de de Con­tro­le. Elas atu­am em áre­as que o Es­ta­do não tem mais con­di­ções de aten­der. São par­cei­ras das au­to­ri­da­des.

Na So­ci­e­da­de de Con­tro­le to­dos po­dem con­tes­tar ou con­cor­dar. To­dos, pro­va­vel­men­te, se­rão ou­vi­dos e te­rão li­ber­da­de pa­ra se ex­pres­sar. Se al­gum gru­po qui­ser fa­zer pas­se­a­ta, des­de que não vi­o­len­te pes­so­as ou o pa­trimô­nio, te­rá aju­da até da po­lí­cia. Na So­ci­e­da­de Dis­ci­pli­nar, pro­va­vel­men­te, es­tes gru­pos se­ria re­ce­bi­dos a ca­ce­te­te.

Ho­je, to­dos são con­vi­da­dos a par­ti­ci­par, con­vo­ca­dos pe­lo Es­ta­do pa­ra cons­truir uma so­ci­e­da­de me­lhor. Não há qua­se con­tes­ta­ção (no sen­ti­do re­vo­lu­ci­o­ná­rio), pois to­dos são con­vi­da­dos a co­la­bo­rar, são ou­vi­dos, têm li­vre ex­pres­são e su­as or­ga­ni­za­ções es­tão fi­cha­das le­gal­men­te. Ou se­ja: o Es­ta­do tem o con­tro­le da si­tu­a­ção, por is­so cha­ma-se So­ci­e­da­de de Con­tro­le. As au­to­ri­da­des têm a fi­cha ca­das­tral de to­dos os ci­da­dãos e su­as
or­ga­ni­za­ções.

Não há mais mo­vi­men­tos re­vo­lu­ci­o­ná­ri­os, dis­pos­tos a mu­dar to­tal­men­te a so­ci­e­da­de, co­mo hou­ve no pas­sa­do. Não há mais con­tes­ta­ção ao Es­ta­do. Co­mo con­tes­tar se vo­cê é con­vo­ca­do a par­ti­ci­par? Por is­so, fa­lei no iní­cio que es­ta te­o­ria é de cu­nho anar­quis­ta. Por fa­vor, en­ten­dam a pa­la­vra anar­quis­ta de mo­do ide­o­ló­gi­co (au­sên­cia do Es­ta­do) e não, pe­jo­ra­ti­vo (ba­gun­ça). Di­zem al­guns, que uma das úni­cas or­ga­ni­za­ções no Bra­sil que fo­ge ao con­tro­le
do Es­ta­do é o Mo­vi­men­to Sem-Ter­ra. O MST não é par­ti­do po­lí­ti­co, pe­lo me­nos, ain­da não. Não pra­ti­ca a po­lí­ti­ca for­mal (re­pre­sen­ta­ti­va), sua di­re­ção (ao que se sa­be) não faz con­cha­vos com au­to­ri­da­des. É um mo­vi­men­to de con­tes­ta­ção que o Es­ta­do não con­vo­ca à par­ti­ci­pa­ção.

Ao es­cre­ver es­te ar­ti­go so­bre a te­o­ria da So­ci­e­da­de de Con­tro­le, pro­cu­rei não fa­zer juí­zo de va­lor. Se es­te pen­sa­men­to é bom ou ruim, cer­to ou er­ra­do, jus­to ou in­jus­to, éti­co ou não, bo­ni­to ou feio, de di­rei­ta ou de es­quer­da, re­vo­lu­ci­o­ná­rio ou re­a­ci­o­ná­rio. Não sei. É uma te­o­ria que pro­cu­ra ex­pli­car a so­ci­e­da­de em que vi­ve­mos. Acre­di­te quem qui­ser. A pro­pó­si­to, o pro­fes­sor da PUC cha­ma-se Ed­son Pas­se­ti. Ele per­ten­ce a uma or­ga­ni­za­ção (que ele ga­ran­te não ser ONG) de cu­nho li­ber­tá­rio e hu­ma­nis­ta.

Compartilhe