Colaboradores

A outra face do homo sapiens

domingo, 9 de outubro de 2005 Texto de

Ca­chor­ros e ga­tos vi­ra-la­tas são al­vos de ti­ros e mal­da­des va­ri­a­das pra­ti­ca­das por pes­so­as con­si­de­ra­das nor­mais; ga­los e cães são ades­tra­dos por seus pro­pri­e­tá­ri­os pa­ra par­ti­ci­pa­rem de ri­nhas, vi­o­len­tís­si­mas e ile­gais, que mo­vi­men­tam for­tu­nas em apos­tas; no sul do Bra­sil, na tra­di­ci­o­nal Far­ra do Boi, du­ran­te a qual só os bois não fa­zem far­ra, um ban­do de bê­ba­dos e alu­ci­na­dos cor­re atrás dos ani­mais pe­las ru­as, mal­tra­tan­do-os e es­pan­can­do-os, ale­gan­do que a “brin­ca­dei­ra” cor­res­pon­de à ma­lha­ção de Ju­das, já que is­so se dá na se­ma­na da Pás­coa. E, pa­ra co­ro­ar, es­sas e ou­tras for­mas de cru­el­da­de con­tra ani­mais in­de­fe­sos são ven­di­das co­mo es­por­te ou en­tre­te­ni­men­to. Diz-se que o ho­mo sa­pi­ens é o ní­vel mais al­to da evo­lu­ção hu­ma­na. Se a An­tro­po­lo­gia afir­ma is­so, de­ve ser ver­da­de. Mas uma ver­da­de di­fí­cil de en­go­lir di­an­te de fa­tos co­mo es­ses.

No que­si­to en­tre­te­ni­men­to, ro­dei­os são sem­pre apre­sen­ta­dos em seu as­pec­to gla­mo­ri­za­do, co­mo se os peões fos­sem os he­róis, e os ani­mais, os vi­lões. O ou­tro la­do da mo­e­da em ne­nhum mo­men­to é mos­tra­do, os estô­ma­gos não su­por­ta­ri­am de­pois de ser vis­to o que se pas­sa an­tes de sol­ta­rem um ani­mal na are­na, mon­ta­do por um peão. O ani­mal não cor­co­veia por es­tar sen­do mon­ta­do, pois nes­se ca­so ele pa­ra­ria os sal­tos ao der­ru­bar o ca­va­lei­ro. Con­ti­nua, por­que o que o faz sal­tar é um ar­te­fa­to de cou­ro ou cri­na amar­ra­do ao re­dor de seu cor­po, pas­san­do pe­los tes­tí­cu­los, e pu­xa­do com for­ça no mo­men­to em que ele en­tra na are­na. Os ou­tros re­cur­sos pa­ra ati­çar o ani­mal, tão ou mais cruéis que es­se, po­dem ser com­pro­va­dos in lo­co. Tu­do pa­ra o “show” sair per­fei­to e ani­ma­do.

Ma­tar ou ver mor­rer, hu­mi­lhar e mal­tra­tar os ani­mais por pu­ro pra­zer ou por di­nhei­ro fa­zem par­te do la­do som­brio do ser hu­ma­no. Que sa­be ser cri­a­ti­vo, in­te­li­gen­te e ge­ne­ro­so, mas sa­be tam­bém co­me­ter atro­ci­da­des que nas­cem da idéia de que ele é su­pe­ri­or aos ani­mais e por is­so tem car­ta bran­ca pa­ra lhes fa­zer o que bem en­ten­de. Os peões de ro­deio ar­ris­cam-se vo­lun­ta­ri­a­men­te, co­mo ocor­re em qual­quer ati­vi­da­de pe­ri­go­sa, mas os ani­mais usa­dos por eles não têm es­co­lha. Mui­tas ve­zes, os cir­cui­tos de ro­deio são um ata­lho na es­tra­da que le­va aos ma­ta­dou­ros, tal o es­ta­do em que no­vi­lhos, ca­va­los e tou­ros são dei­xa­dos de­pois de um “es­pe­tá­cu­lo”.

Se o ar­gu­men­to con­trá­rio é a ale­ga­ção de que es­sas e ou­tras mo­da­li­da­des de bar­bá­rie são uma “tra­di­ção” e co­mo tais de­vem ser man­ti­das, pro­po­nho li­be­rar ge­ral a prá­ti­ca da cor­rup­ção e das mu­tre­tas na nos­sa Re­pú­bli­ca. Afi­nal, tra­di­ção por tra­di­ção, is­so tam­bém ocor­re en­tre nós des­de que os des­co­bri­do­res por aqui apor­ta­ram. Ou en­tão ar­ran­jem um ar­gu­men­to mais só­li­do pa­ra es­ti­mu­lar a con­ti­nu­a­ção des­sas prá­ti­cas he­di­on­das con­tra ani­mais, pois até pro­va em con­trá­rio, são ape­nas uma ma­ni­fes­ta­ção da cru­el­da­de ir­ra­ci­o­nal do tal ho­mo sa­pi­ens.

Compartilhe