Colaboradores

Sinais do tempo - Texto de Otávio Nunes

quinta-feira, 29 de setembro de 2005 Texto de

Tu­do es­ta­va pron­to pa­ra a gran­de fes­ta anu­al dos si­nais grá­fi­cos. A co­mis­são or­ga­ni­za­do­ra, for­ma­da pe­lo ci­frão ($), pe­lo e co­mer­ci­al (&) e pe­los dois pa­rên­te­ses (( )), ti­nha de­ci­di­do que os pon­tos fi­nais não se­ri­am con­vi­da­dos e, se vi­es­sem, não en­tra­ri­am. “São mui­to cha­tos, a to­do mo­men­to en­tram na con­ver­sa dos ou­tros pa­ra­li­san­do as fra­ses, que fi­cam cor­ta­das, sem sen­ti­do”, jus­ti­fi­cou o ci­frão.

Du­ran­te a fes­ta, os si­nais for­ma­vam ro­di­nhas de ba­te-pa­po. Al­guns ale­gres, ou­tros tris­tes. A ar­ro­ba (@), por exem­plo, era de lon­ge a mais fe­liz en­tre os con­vi­vas. Com a In­ter­net, es­ta­va sen­do uti­li­za­da em to­do o mun­do. “Eu que che­guei a pen­sar que não mais se­ria usa­da pa­ra al­gu­ma coi­sa, além do pre­ço do boi na bol­sa, eis que a In­ter­net me re­ju­ve­nes­ceu.”

O tre­ma (¨), coi­ta­do, era só tris­te­za. Usan­do sua lin­gua­gem eru­di­ta, la­men­ta­va pa­ra a cra­se. “Es­tou fe­ne­cen­do a ca­da dia, so­ler­te ami­ga. Pou­cos me uti­li­zam. Os jor­nais, en­tão, qua­se to­dos abo­li­ram-me. E o pi­or. Às ve­zes usam-me em ci­ma de ou­tras le­tras que não o U, em pa­la­vras de lín­guas es­tran­gei­ras, prin­ci­pal­men­te as bár­ba­ras eu­ro­péi­as, que não pro­vêm do nos­so sau­do­so la­tim.” A cra­se, que tam­bém ti­nha seus pro­ble­mas, res­pon­deu: “E eu, que qua­se nin­guém sa­be usar cor­re­ta­men­te.”

A vír­gu­la, tra­jan­do ves­ti­do ro­xo e lon­go, re­al­çan­do su­as for­mas cur­vi­lí­ne­as, co­men­ta­va com o dois pon­tos. “Ca­ro co­le­ga, é im­pres­si­o­nan­te co­mo tem gen­te que me usa em ex­ces­so, me co­lo­cam até en­tre o su­jei­to e o ver­bo. Ima­gi­ne vo­cê, fi­quei sa­ben­do de um lei­tor que fi­cou as­má­ti­co de­pois de ler o li­vro de um es­cri­tor que me usa­va em pro­fu­são.”

A fes­ta con­ti­nu­a­va. A or­ques­tra ti­ra­va de le­tra as mú­si­cas, os con­vi­da­dos dan­ça­vam e be­bi­am. O pon­to de ex­cla­ma­ção (!), um dos mais es­bel­tos e ele­gan­tes, com seu smo­king pre­to, dis­se à ce­di­lha: “Pa­ra­béns por ter vin­do de­sa­com­pa­nha­da do C.” Ela res­pon­deu: “Vo­cê con­ti­nua o mes­mo ga­lan­te de sem­pre e es­ta fes­ta é o úni­co lu­gar em que eu te­nho sen­ti­do so­zi­nha.”

De re­pen­te, na por­ta­ria do sa­lão, veio o ba­ru­lho de um en­tre­ve­ro en­tre um con­vi­da­do e o pon­to de in­ter­ro­ga­ção (?), res­pon­sá­vel pe­la se­gu­ran­ça. “Pon­to fi­nal não foi con­vi­da­do, não po­de en­trar.”, bra­dou o in­ter­ro­ga­ção, cur­van­do-se ao bai­xi­nho bra­vo. “Meu ami­go, pro­cu­re en­ten­der, eu não sou pon­to fi­nal. Sou as­te­ris­co (*). É que ti­ve a hor­rí­vel idéia de pas­sar gel nos ca­be­los.”

Compartilhe