Colaboradores

O relógio - Texto de Otávio Nunes

terça-feira, 30 de agosto de 2005 Texto de

Do­ri­vál­ter olhou pa­ra o ca­len­dá­rio e no­tou que seu fi­lho fa­ria de­zoi­to anos na se­ma­na se­guin­te e sen­tiu a sau­da­de cor­tar su­as vei­as e pe­ne­trar no co­ra­ção. Não via o ga­ro­to des­de que es­te ti­nha cin­co anos. Na épo­ca, Do­ri foi obri­ga­do a fu­gir de São Pau­lo, dei­xan­do a es­po­sa Me­ri­lei­de e o me­ni­no Pau­li­nho.

Na­que­la épo­ca, Do­ri e dois ami­gos pla­ne­ja­ram as­sal­to a uma re­si­dên­cia em Hi­gi­e­nó­po­lis. Eles sa­bi­am tu­do so­bre o co­ti­di­a­no da ca­sa e a ho­ra em que ncon­tra­ri­am ape­nas a em­pre­ga­da. Deu qua­se tu­do cer­to. No mo­men­to em que dei­xa­vam o lo­cal, com vá­ri­os dó­la­res e jói­as, apa­re­ceu a po­lí­cia. Só ele con­se­guiu fu­gir, pu­lan­do um mu­ro al­to e cain­do den­tro do Hos­pi­tal da San­ta
Ca­sa, es­con­den­do-se en­tre as mi­lha­res de pes­so­as que por ali pas­sam to­dos os di­as. Na que­da, ma­chu­cou dois de­dos do pé, mas con­se­guiu cu­rar o fe­ri­men­to o pró­prio hos­pi­tal.

Fi­cou uma se­ma­na es­con­di­do e sou­be que sua ca­sa e sua fa­mí­lia es­ta­vam sen­do vi­gi­a­das cons­tan­te­men­te por po­li­ci­ais. En­tão, re­sol­veu fu­gir pa­ra o Nor­te.

As­sal­tou, so­zi­nho, uma pa­da­ria e uma far­má­cia. Jun­tou di­nhei­ro e par­tiu pa­ra uma ci­da­de dis­tan­te que nem ele mes­mo co­nhe­cia, dei­xan­do Me­ri­lei­de e Pau­li­nho. Abriu um bo­te­co na ci­da­de­zi­nha e por lá fi­cou, ado­tan­do ou­tro no­me. Co­nhe­ceu Nan­cí­lia e pas­sou a vi­ver com ela. Po­rém, não ti­ve­ram fi­lhos, ape­nas a me­ni­na que a mu­lher trou­xe­ra do ca­sa­men­to an­te­ri­or.

Por anos e anos, a fi­gu­ra de Pau­li­nho nun­ca saiu de sua ca­be­ça. Pre­ci­sa­va ver o ga­ro­to no­va­men­te. Com Me­ri­lei­de não se im­por­ta­va. Ela, co­mo ele, já es­ta­va ar­ru­ma­da com ou­tro. Sa­bia por­que li­ga­va pa­ra a ex-mu­lher du­as a três ve­zes por ano.

Pa­ra Do­ri, era su­fo­can­te por de­mais ima­gi­nar o fi­lho sen­do cri­a­do pe­lo pa­dras­to. Pen­sou. Pen­sou. E de­ci­diu vol­tar a São Pau­lo. De­pois de tan­to tem­po, não pre­ci­sa­va mais te­mer a po­lí­cia. Te­le­fo­nou pa­ra a Me­ri­lei­de e deu a no­tí­cia de seu re­tor­no mo­men­tâ­neo. Le­va­ria um pre­sen­te de ani­ver­sá­rio pa­ra
Pau­li­nho.

Em São Pau­lo, des­ceu do ôni­bus à noi­te e pro­cu­rou pe­la rua. Quan­do ali vi­via, era um lo­cal de­ser­to. Ago­ra, a fa­ve­la enor­me cres­cia pe­lo des­cam­pa­do. A rua on­de mo­rou tro­cou o an­ti­go nú­me­ro por um no­me im­po­nen­te que ele mal con­se­guiu pro­nun­ci­ar.

Con­tu­do, pa­ra che­gar até lá, ti­nha de atra­ves­sar ru­e­las es­cu­ras da fa­ve­la. De re­pen­te, um ra­paz com gor­ro na ca­be­ça, ócu­los es­cu­ros, ape­sar da noi­te, e uma ca­mi­se­ta da se­le­ção bra­si­lei­ra apon­tou-lhe o re­vól­ver. O la­drão le­vou seu di­nhei­ro, a sa­co­la com a ca­mi­sa que da­ria ao fi­lho e o re­ló­gio, o mes­mo que Do­ri­vál­ter ti­nha fur­ta­do na man­são de Hi­gi­e­nó­po­lis, ha­via tan­tos anos.

Che­gou à ca­sa can­sa­do e tris­te. Me­ri­lei­de nem o abra­çou. Ape­nas abriu o por­tão e o con­vi­dou pa­ra en­trar. Dis­se que Pau­li­nho vol­ta­ria lo­go e seu ma­ri­do es­ta­va no bo­te­co jo­gan­do bi­lhar. Do­ri sen­tou-se no so­fá e per­gun­tou tu­do que po­dia so­bre o fi­lho. In­fe­liz­men­te, o ra­paz ti­nha aban­do­na­do a es­co­la e fi­ca­va fo­ra o dia to­do sem di­zer on­de ti­nha ido. Do­ri pen­sou que a ex-com­pa­nhei­ra, após ter mais dois fi­lhos com o no­vo ma­ri­do, re­la­xa­ra na edu­ca­ção de Pau­li­nho.

”Lo­gu que ficô sa­be­nu que ocê ia vor­tá, dis­se que ia fa­zê um bi­co, en­chê uma la­ji, pra ga­nhá di­nhe­ru e com­prá um pre­sen­ti pro­cê”, dis­se Me­ri­lei­de ao ex-ma­ri­do.

En­quan­to os dois con­ver­sa­vam na sa­la, um ga­ro­to en­trou su­til­men­te na co­zi­nha, re­ti­rou o gor­ro da ca­be­ça e os ócu­los es­cu­ros. De­pois, pe­gou o re­ló­gio e pas­sou sua ca­mi­se­ta ama­re­la so­bre o vi­dro, pa­ra lim­par. Pau­li­nho achou que seu pai gos­ta­ria da­que­le pre­sen­te.

Compartilhe