São Pau­lo, ju­nho de 1942

Os três ho­mens vol­ta­vam pa­ra ca­sa de­pois de um dia de tra­ba­lho. A vi­la fi­ca­va afas­ta­da da ci­da­de e era emol­du­ra­da pe­la far­ta na­tu­re­za das his­tó­ri­as an­ti­gas: a es­tra­da de ter­ra, o céu mui­to azul, as ár­vo­res fron­do­sas, tal­vez um ri­a­cho de águas cris­ta­li­nas (a des­cri­ção é um cli­chê, mas a re­a­li­da­de não).

Os três ho­mens vol­ta­vam pa­ra ca­sa de­pois de um dia de tra­ba­lho, quan­do um ca­chor­ro sur­giu na es­tra­da lá adi­an­te, do­bran­do a cur­va. Era um ti­po co­mum - de por­te mé­dio e pê­lo cur­to. Só a ex­pres­são do seu olhar não era vul­gar: co­mo um ex­pa­tri­a­do, o ca­chor­ro ob­ser­va­va o gru­po com uma per­tur­ba­do­ra cu­ri­o­si­da­de. E com um las­tro de des­te­mor. Por is­so mes­mo, a três me­tros dos ho­mens, não des­vi­ou sua ro­ta, pas­san­do por eles co­mo se não exis­tis­sem.

Im­pres­si­o­na­do, o trio es­tan­cou e fez a meia-vol­ta: aque­le era um ca­chor­ro in­co­mum! Por que não sen­tia pa­vor dos ho­mens? Por que não os cir­cun­da­ra, hu­mil­de e re­sig­na­do, co­mo um ou­tro de sua es­pé­cie? Es­ta­ria lou­co? No mes­mo mo­men­to, o ca­chor­ro tam­bém pa­rou. E se vi­rou. Fi­ca­ram fren­te a fren­te, os três ho­mens e o ani­mal, co­mo num en­saio de du­e­lo. En­tão, acon­te­ceu: len­ta­men­te, o ca­chor­ro co­me­çou a de­sa­pa­re­cer. Foi se es­vain­do sem pres­sa, per­den­do o con­tor­no e a con­sis­tên­cia, até so­brar só a ca­ra, de­pois os olhos, de­pois mais na­da.

Os três ho­mens que vol­ta­vam pa­ra ca­sa de­pois de um dia de tra­ba­lho não co­men­ta­ram o as­sun­to. Nem mes­mo en­tre eles, pois se di­zia de mau agou­ro pro­fa­nar as apa­ri­ções. O ca­chor­ro vol­tou ao seu mun­do, um mun­do pa­ra­le­lo, e nun­ca en­ten­deu por que os ho­mens não ha­vi­am fei­to o mes­mo. Pa­re­ce até que che­gou a pen­sar: - se­rá que va­lia a pe­na vi­ver cer­ca­do de ilu­sões?

Compartilhe