As duas faces da morte | Márcio ABC

Crônicas

As duas faces da morte

segunda-feira, 15 de agosto de 2005 Texto de

Um pro­ve­dor de in­ter­net, se não me en­ga­no o UOL, fez um anún­cio por es­tes di­as pa­ra di­vul­gar seu ser­vi­ço de e-mail e lan­çou mão de um ve­lho e efi­ci­en­te re­cur­so, que di­fi­cil­men­te dei­xa de cha­mar a aten­ção das pes­so­as: a pi­a­da que usa a mor­te. O ra­paz che­ga to­do brin­ca­lhão a um cer­to lu­gar e, não ten­do re­ce­bi­do a tem­po uma men­sa­gem ele­trô­ni­ca, des­co­nhe­ce que ali há o ve­ló­rio de al­guém. Ao per­ce­ber o fo­ra, ele fi­ca en­ca­bu­la­do, e os de­mais, cons­tran­gi­dos.

É cu­ri­o­sa a re­la­ção do ser hu­ma­no com a ve­lha se­nho­ra que, ves­ti­da de pre­to, an­da por aí, ar­ro­gan­te, com a foi­ce à mão. Tão cu­ri­o­sa que, às ve­zes, vi­ra mo­ti­vo de cha­co­ta, co­mo tra­ta o co­mer­ci­al fei­to pa­ra a te­le­vi­são.

Na ci­da­de em que eu nas­ci, por exem­plo, um ve­lhi­nho mui­to co­nhe­ci­do ado­ra­va es­tar em meio a ro­di­nhas de co­nhe­ci­dos, ou des­co­nhe­ci­dos, na mai­or par­te do tem­po to­can­do seu pan­dei­ro, sem­pre le­va­do a ti­ra­co­lo. Nu­ma noi­te, vol­tan­do do bar, de on­de a fre­gue­sia já ti­nha se man­da­do, avis­tou do ou­tro la­do da rua uma pe­que­na reu­nião. Em­ba­la­do pe­los bons flui­dos do sam­ba e da noi­te en­lu­a­ra­da, não te­ve dú­vi­das: che­gou ba­tu­can­do pa­ra ani­mar a con­ver­sa. Só den­tro da sa­la é que foi per­ce­ber que se tra­ta­va de um ve­ló­rio. Os pa­ren­tes do de­fun­to saí­ram com ele nas cos­tas.

Nu­ma ou­tra oca­sião, o su­jei­to mor­reu e a fa­mí­lia, co­mo era cos­tu­me até há um cer­to tem­po, de­ci­diu fa­zer o ve­ló­rio em ca­sa. Tu­do cor­reu den­tro dos con­for­mes. Pas­sou a noi­te, che­gou a ma­nhã e lo­go deu a ho­ra do en­ter­ro. Fez-se a re­za e os pa­ren­tes se des­pe­di­ram. Era che­ga­do o di­fí­cil mo­men­to em que se fe­cha o cai­xão. O agen­te fu­ne­rá­rio, en­tão, foi bus­car a tam­pa, que ge­ral­men­te fi­ca­va es­con­di­da atrás da por­ta. Mas qual! Que tam­pa, que na­da, ora es­sa! For­mou-se um pe­que­no tu­mul­to, até que al­guém trou­xe a in­for­ma­ção: a tam­pa do cai­xão ti­nha vi­ra­do car­ri­nho de ro­le­mã - o pre­cur­sor ju­rás­si­co do ska­te - e a mo­le­ca­da es­ta­va num in­can­sá­vel so­be-e-des­ce na rua ín­gre­me que pas­sa­va ao la­do.

Tam­bém já hou­ve de, no meio da tris­te­za do ve­ló­rio, al­guém se atra­pa­lhar na ho­ra de dar os pê­sa­mes e cum­pri­men­tar a viú­va com um inu­si­ta­do “pa­ra­béns”. Ou­tra: na por­ta do ce­mi­té­rio, após acom­pa­nha­rem um en­ter­ro, o ami­go no­vo diz pa­ra o mais ve­lho: “Ei, Fu­la­no, lo­go é vo­cê, hein?” Tu­do is­so é fa­to, não exis­te in­ven­ção aqui, em­bo­ra pos­sa ha­ver um ou ou­tro ajus­te ne­ces­sá­rio.

No co­me­ço do sé­cu­lo pas­sa­do, épo­ca em que, nos en­ter­ros dis­tan­tes da zo­na ru­ral, era co­mum o de­fun­to ser le­va­do ao tú­mu­lo ape­nas por um car­ro­cei­ro con­tra­ta­do pa­ra o ser­vi­ço, um pa­ren­te de mi­nha fa­mí­lia che­gou com sua car­ro­ça ao ce­mi­té­rio e quan­do se deu con­ta, ti­nha per­di­do o cor­po pe­lo ca­mi­nho. Ló­gi­co, ele vol­tou, re­co­lheu os res­tos mor­tais da ví­ti­ma e le­vou-os pa­ra o co­vei­ro dar con­ta de fi­nal­men­te en­ter­rá-los.

Pa­ra ter­mi­nar, uma es­ca­to­ló­gi­ca. Eu era re­pór­ter nu­ma ci­da­de do in­te­ri­or de São Pau­lo e um dia re­ce­bi a su­ges­tão pa­ra a ma­té­ria. A ve­lhi­nha mor­reu de re­pen­te. Fei­to o ve­ló­rio, an­tes que fe­chas­sem o cai­xão, o ve­lhi­nho ma­ri­do pe­diu li­cen­ça e, com ex­tre­mo ze­lo, abriu a bo­ca da com­pa­nhei­ra e re­ti­rou-lhe a den­ta­du­ra da ar­ca­da in­fe­ri­or. Na ver­da­de, os den­tes eram de­le. Fi­ze­ra o em­prés­ti­mo ape­nas por uma ques­tão de es­té­ti­ca pós­tu­ma.

Bom, se vo­cê es­tá es­pe­ran­do al­gum des­fe­cho pa­ra es­te tex­to, do ti­po que ana­li­sa nos­sa re­la­ção com a mor­te, ou, tal­vez, uma es­pé­cie de mo­ral da his­tó­ria, de­sis­ta. Não di­go na­da que não se­ja ape­nas is­to: não ve­jo gra­ça ne­nhu­ma nes­sa tal.

Compartilhe