O An­dré Ba­li­ei­ro lem­bra dis­so tu­do e mui­to mais...

Na­que­le tem­po...
Uma vez des­do­brou-se e com­prou um ki­chu­te, o ca­der­no de ca­pa du­ra fi­cou pa­ra ou­tro mês. Se De­se­nho­cop era im­pen­sá­vel, pe­lo me­nos as fo­lhas de se­da que­bra­vam o ga­lho. Ou­tra vez as­sis­tiu Per­di­dos no Es­pa­ço e se in­tri­gou com o jei­to do Dr. Smith. “Na­ti­o­na­ro Ki­do” era o he­rói. Mo­na­re­ta da­va bri­ga com o co­le­ga de co­bran­ças imo­bi­liá­ri­as, até che­ga­rem a um acor­do pa­ra pe­da­lar nos fins de se­ma­na.

Ovo­mal­ti­ne é que da­va ener­gia e Light era pa­la­vra in­tra­du­zí­vel. Di­ta­du­ra lem­bra­va co­zi­nhei­ra gran­do­na, a “car­de­ne­ta” fun­ci­o­na­va no bar­zi­nho... De vez em quan­do ga­nha­va um ex­tra re­ser­van­do ban­co no trem que vi­nha de Gar­ça, fu­man­do Ari­zo­na (com­pra­do sol­to). Mais uma vez as­sis­tiu Ter­ra dos Gi­gan­tes, fi­cou de­sa­ten­to e es­pa­lhou “mer­ti­o­la­te” pe­lo as­fal­to. Água oxi­ge­na­da, mer­cú­rio cro­mo e “pó-pa­ta­pa­taio” era a re­cei­ta. E fun­ci­o­na­va.

A te­le­vi­são era Te­le­fun­ken RQ (vi­nha com re­ser­va de qua­li­da­de), o so­fá já ran­gia, guar­da­va-se tu­do (ou qua­se tu­do?) na pe­ço­na, o be­li­che era “pros ma­no” e as san­dá­li­as ha­vai­a­nas não ti­nham chei­ro nem sol­ta­vam as ti­ras. Bom mes­mo era gua­ra­ná An­tarc­ti­ca ca­çu­li­nha e san­duí­che de mor­ta­de­la. Ha­via me­nos men­di­gos, a Li­li era uma ca­de­la bo­ni­ta e cir­co, Or­lan­do Or­fei. Ma­to Gros­so era o pa­raí­so (On­ci­nha a pin­ga), le­lé da cu­ca o de­sa­jus­ta­do, OVNI pra­to de lou­ça e o Seu Ca­ne­ca, o pro­fes­sor par­dal.

Qua­dri­nhos era gi­bi, gos­to­sa a mo­ça da Ca­pi­tão e es­ca­mo­so o fi­lho do den­tis­ta. E os mi­li­cos chei­ra­vam as mãos dos sus­pei­tos, mas the best mes­mo era o Pat­chu­li.

Tur­vas fo­ram as Águas Cla­ras, gran­de era o quin­tal, a Ro­do­viá­ria na Ma­cha­do de Me­lo e a Vi­la In­de­pen­dên­cia uma aven­tu­ra!

Al­ta era a es­ca­da de tro­car lâm­pa­das da Es­ta­ção Fer­ro­viá­ria. Pa­to fu­gia, por­co en­gor­da­va, ga­bi­ro­ba ti­nha no ca­mi­nho do ae­ro­por­to, quan­do se ia ver a Es­qua­dri­lha da Fu­ma­ça no ani­ver­sá­rio da ci­da­de.

Fes­ta de ca­sa­men­to só com chur­ras­co, em­bai­xo de lo­na, e bo­lo da fes­ta, no ca­fé da ma­nhã, só uma vez na vi­da. For­mi­guei­ro era a zo­na. Ter­ror, o Zé do Cai­xão. E o Pon­ci­a­no do Jui­za­do de Me­no­res.

De noi­te, atra­ves­sar a pin­gue­la era pe­ri­go­so. E a Mon­se­nhor ter­mi­na­va num su­bi­dão, de ter­ra, nu­ma ca­sa chi­que.

Quem ti­nha ca­ra gran­de não cus­pia pra ci­ma, brin­ca­dei­ra era a dan­çan­te e a equi­pe, de som e luz. Gol era de pla­ca, rá­dio de vál­vu­la, e pra se che­gar em Bo­ra­céia só de ji­pe, com o seu Adau­to, pai do Dou­glas, que mo­ra­vam no úni­co so­bra­do do quar­tei­rão.

DKV so­cor­ria, e pra ir ao Coun­try Clu­be só de Gor­di­ni. Fis­cal era pes­soa, Amé­ri­co o açou­guei­ro e Se­si a es­co­la.

Di­nhei­ro era ver­me­lho e to­do la­drão pu­la­va mu­ro. Hi­no? O do Ins­ti­tu­to, au­la Ar­tes In­dus­tri­ais, lei­te o de sa­qui­nho e ar­te­sa­na­to o de cro­chê.

Bar­na­bé não era can­tor, Pau­lis­ta não era lo­te­ria, pro­fes­sor não era tio, Ci­en­tí­fi­co não era cur­so e eco­lo­gia lem­bra­va acús­ti­ca.

Nin­guém mo­ra­va na fi­lo­so­fia. Se Ma­o­mé não ia à mon­ta­nha, ia à praia, e quem da­va aos po­bres (po­bres bis­ca­tes), pa­ga­va a con­ta da pen­são, ape­sar de ha­ver va­gas pa­ra mo­ças de fi­no tra­to.

Ator só com voz de ou­ro, pra­ta e bron­ze. A guer­ra do Pa­ra­guai foi san­gren­ta, mi­la­gre só com o pa­pa e ge­ne­ral, mas pei­do mes­mo era com o Tio Duí­lio. Pre­to era pre­to, bran­co era bran­co, loi­ras bo­ni­tas e não exis­ti­am rui­vas.

Es­tu­pro era “es­tru­po” e nin­guém sa­be quem ma­tou Ma­ra Lú­cia. As Lei­las já se sa­be. Sor­ve­te era o de Itu e pro­pa­gan­da era re­cla­me.

Pi­o­nei­ro era Ba­den Powell (sem­pre aler­ta) e bom mes­mo era o da­ti­ló­gra­fo. He­rói mes­mo era o bom­bei­ro, fi­lho da pu­ta tam­bém era la­za­ren­to, a mãe era da rua, brin­ca­dei­ra de mé­di­co era par­ti­cu­lar e Ba­bel era a tor­re.

Se­te era con­ta de men­ti­ro­so, Bi­bo­ca era bar e to­do mun­do era fe­liz pra sem­pre.
Al­guém se lem­bra?

(Tex­to ori­gi­nal gen­til­men­te ce­di­do por An­dré Ba­li­ei­ro, mo­ra­dor - e “lem­bra­dor” - em Bau­ru)

Compartilhe