Colaboradores

Reformas e reformas

quarta-feira, 27 de julho de 2005 Texto de

Bair­ros e ru­as de no­mes co­mo Fon­te da Sau­da­de, dos Oi­tis, das Acá­ci­as ou Tra­ves­sa dos Po­e­tas de Cal­ça­da, co­mo exis­tem no Rio, são um pre­sen­te a seus mo­ra­do­res. Em qual­quer ci­da­de, de­ve fa­zer um bem da­na­do à al­ma mo­rar ou sim­ples­men­te con­vi­ver com lu­ga­res de no­mes tão ins­pi­ra­dos. Ti­ran­te es­ses, mui­to ra­ros, vi­ve­mos em meio a cen­te­nas de ru­as com no­mes de ge­ne­rais, de­sem­bar­ga­do­res, pro­fes­so­res e dou­to­res so­bre os quais te­mos pou­ca ou ne­nhu­ma in­for­ma­ção. Meu pai acha­va que em to­das as pla­cas com no­mes de pes­so­as de­ve­ria ha­ver da­dos con­ci­sos so­bre, no mí­ni­mo, a im­por­tân­cia de­las pa­ra a nos­sa his­tó­ria e em que épo­ca vi­ve­ram. Ti­po “Rua Dr. Bel­tra­no - Des­co­bri­dor da va­ci­na tal - 1899-1968”. Uma pe­que­na re­for­ma que po­de­ria ser le­va­da em con­ta, mas meu pai mor­reu com 89 anos sem ver is­so acon­te­cer. Se é pa­ra con­vi­ver com no­mes de ilus­tres des­co­nhe­ci­dos, me­lhor e mais prá­ti­co nu­me­rar as ru­as, co­mo em NY, com me­nos chan­ces de nos per­der­mos pe­la ci­da­de. Nós e os tu­ris­tas.

Não é o ca­so de re­for­mar por re­for­mar. Es­tas, quan­do ocor­rem, se pa­re­cem com a re­la­ti­va­men­te re­cen­te na área de Edu­ca­ção, quan­do se tro­ca­ram as de­no­mi­na­ções de 1o, 2o e 3o Graus, tão prá­ti­cas, pa­ra En­si­nos Fun­da­men­tal, Mé­dio e Su­pe­ri­or. Bem mais im­po­nen­tes, sem dú­vi­da. Quem sa­be se com es­sas no­vas de­sig­na­ções, o en­si­no bra­si­lei­ro des­lan­cha e fi­ca sé­rio de uma vez por to­das? Mas me­xer no cur­rí­cu­lo dos cur­sos, re­for­má-los de acor­do com as no­vas ne­ces­si­da­des e com o no­vo per­fil das cri­an­ças e ado­les­cen­tes bra­si­lei­ros, is­so nem pen­sar. Aí já se­ria pe­dir de­mais.

Re­for­ma ver­da­dei­ra, se­ja qual for, sem­pre tem um pre­ço. Em ge­ral se abre mão de uma si­tu­a­ção inú­til mas con­for­tá­vel, fa­mi­li­ar e sem mis­té­rio. Mu­dar pa­râ­me­tros e pa­ra­dig­mas ou ape­nas o ân­gu­lo de on­de se vê uma si­tu­a­ção é, mui­tas ve­zes, ar­ris­ca­do e do­lo­ro­so, mas qua­se sem­pre útil e gra­ti­fi­can­te pa­ra quem ex­pe­ri­men­ta a mu­dan­ça. Por exem­plo, apren­der de uma vez por to­das (se­rá?) a pe­sar mais as pa­la­vras an­tes de ou em vez de ex­plo­dir im­pul­si­va­men­te, re­cla­mar me­nos e agir mais, não achar que re­la­ção afe­ti­va é sinô­ni­mo de pos­se e con­tro­le to­tal e ou­tras igual­men­te di­fí­ceis de se re­a­li­za­rem. Re­for­mas apa­ren­te­men­te pe­que­nas, mas im­por­tan­tes pe­las mu­dan­ças que pro­vo­cam no dia-a-dia de nos­sas vi­das.

No fim do tú­nel da re­for­ma, lá es­tá um ce­ná­rio di­fe­ren­te, com uma luz no­va, per­fu­mes até en­tão des­co­nhe­ci­dos e uma sen­sa­ção de triun­fo, pes­so­al e in­trans­fe­rí­vel, por se ter con­se­gui­do su­pe­rar es­te ou aque­le obs­tá­cu­lo, an­tes con­si­de­ra­do de-fi-ni-ti-va-men-te in­trans­po­ní­vel. Sor­ria, vo­cê pas­sou pa­ra o ou­tro la­do do tú­nel!

Compartilhe