Eu quero sempre mais - Texto de Fernanda Villas Bôas | Márcio ABC

“Eu que­ro sem­pre mais,
Eu que­ro sem­pre mais
Eu es­pe­ro sem­pre mais... de ti”

(Eu que­ro sem­pre mais, Ira)

Vo­cê se lem­bra da pros­ti­tu­ta Vi­vi­an (Ju­lia Ro­berts) ne­gan­do bei­jos na bo­ca ao seu cli­en­te Edward (Ri­chard Ge­re) nu­ma ce­na me­mo­rá­vel de “Uma Lin­da Mu­lher”? No fil­me, o tal cli­en­te é um em­pre­sá­rio boa-pin­ta e mi­li­o­ná­rio, que con­tra­ta os ser­vi­ços de uma acom­pa­nhan­te e a le­va pa­ra uma suí­te de lu­xo. Quan­do o cli­ma co­me­ça a es­quen­tar, ele ten­ta bei­já-la, mas é su­ma­ri­a­men­te re­jei­ta­do. A mo­ça ex­pli­ca que bei­jar na bo­ca não faz par­te do pa­co­te - é ín­ti­mo de­mais.

Ago­ra, a par­te cu­ri­o­sa: es­sa re­a­ção, que pa­re­ce na­tu­ral pa­ra mui­ta gen­te, tem com­pro­va­ção ci­en­tí­fi­ca. No li­vro “O Dos­siê do Bei­jo - 484 for­mas de bei­jar” (Ca­te­dral das Le­tras Edi­to­ra), o au­tor Pe­dro Pau­lo Car­nei­ro ci­ta um es­tu­do de­sen­vol­vi­do pe­la pes­qui­sa­do­ra in­gle­sa Martha Stein em 1980. In­te­res­sa­da em ava­li­ar o com­por­ta­men­to de ga­ro­tas de pro­gra­ma, ela as­sis­tiu, es­con­di­da em quar­tos de mo­téis, a 1.230 re­la­ções se­xu­ais en­tre 64 pros­ti­tu­tas se­le­ci­o­na­das pa­ra a pes­qui­sa e seus cli­en­tes. A con­clu­são: a gran­de mai­o­ria das mu­lhe­res não bei­ja na bo­ca por­que tem me­do de se apai­xo­nar.

Mas por que uma au­ra sa­gra­da ain­da ron­da es­se ges­to en­tre qua­tro pa­re­des? Afi­nal de con­tas, com a ba­na­li­za­ção do se­xo, o bei­jo de­ve­ria ser­vir co­mo um tem­pe­ro do pra­to prin­ci­pal, cer­to? Er­ra­do. O bei­jo, na ver­da­de, é o in­gre­di­en­te mais no­bre da re­cei­ta, tra­ta­do, por­tan­to, co­mo uma ex­pe­ri­ên­cia de pro­fun­da in­ti­mi­da­de na re­la­ção afe­ti­va e le­gi­ti­ma­do co­mo um termô­me­tro da in­ten­si­da­de des­sa re­la­ção. Em ou­tras pa­la­vras: quan­do o en­vol­vi­men­to vai bem, os bei­jos são do­ces, ma­ci­os, ca­li­en­tes, chei­os de sus­pi­ros, mo­vi­men­tos, sur­pre­sas. Se a união es­ti­ver na cor­da bam­ba, o en­con­tro dos lá­bi­os se­rá frio, es­tá­ti­co, ar­re­dio, amar­go, pro­to­co­lar.

Tu­do is­so es­tá li­ga­do à re­pre­sen­ta­ção cul­tu­ral des­se ges­to na so­ci­e­da­de oci­den­tal. He­ran­ça da cul­tu­ra gre­co-ro­ma­na e tra­du­zi­do co­mo sím­bo­lo de
afe­to, o bei­jo ga­nhou mais sta­tus com o ro­man­tis­mo, que mar­cou as ar­tes e o com­por­ta­men­to das pes­so­as há três sé­cu­los. Mas o fa­tor so­ci­o­cul­tu­ral não é o úni­co mo­tor de ar­ran­que des­sa his­tó­ria. Ca­da vez que uma pes­soa é bei­ja­da por al­guém que ela ama e de­se­ja, seu cor­po so­fre uma re­vo­lu­ção: o co­ra­ção ba­te mais rá­pi­do, a pres­são ar­te­ri­al au­men­ta, o im­pul­so se­xu­al é acen­tu­a­do, o sis­te­ma imu­no­ló­gi­co é ati­va­do e os sen­ti­dos fi­cam des­per­tos. Bei­jar ain­da me­lho­ra a me­mó­ria, pro­mo­ve uma gi­nás­ti­ca fa­ci­al an­ti­en­ve­lhe­ci­men­to e tem uma van­ta­gem ex­tra: ema­gre­ce. Um bei­jo cur­ti­nho é ca­paz de eli­mi­nar até 15 ca­lo­ri­as!

As­sim, to­mar uma bo­la de sor­ve­te de cre­me não pre­ci­sa ser uma ex­pe­ri­ên­cia tão trau­má­ti­ca pa­ra quem vi­ve em dí­vi­da com a ba­lan­ça: bas­ta se li­vrar das ca­lo­ri­as ge­la­das com 29 bei­jos de pe­lo me­nos de 10 se­gun­dos ca­da. Se pre­fe­rir uma bar­ra de cho­co­la­te de 100g, o “es­for­ço” te­rá que ser qua­se do­bra­do: 45 bei­jos. As gor­du­ri­nhas de um pão de quei­jo mé­dio de­vo­ra­do fo­ra de ho­ra tam­bém po­dem su­mir da si­lhu­e­ta de­pois de um bei­jo de 2 mi­nu­tos e 50 se­gun­dos. Fá­cil, né?

Afe­to que não se en­cer­ra

Se vo­cê pre­ci­sa de ou­tro mo­ti­vo pa­ra ace­le­rar o rit­mo dos seus bei­jos, fi­que sa­ben­do que o ato de bei­jar con­tri­bui pa­ra ele­var o ní­vel de se­ro­to­ni­na no cé­re­bro. Se­ro­to­ni­na é uma subs­tân­cia do sis­te­ma ner­vo­so que atua co­mo uma “pon­te” en­tre os neurô­ni­os e aci­o­na du­as sen­sa­ções su­per­dis­pu­ta­das: o bem-es­tar e o re­la­xa­men­to. Por es­se mo­ti­vo, quem bei­ja mais tem mai­or pro­ba­bi­li­da­de de ate­nu­ar o es­tres­se e ex­pe­ri­men­tar pra­zer.

Es­tu­dos clí­ni­cos in­di­cam que os por­ta­do­res de de­pres­são re­ve­lam bai­xo grau de se­ro­to­ni­na, o que vem le­van­do mui­tos pes­qui­sa­do­res a acre­di­tar que o tra­ta­men­to des­ses pa­ci­en­tes não de­pen­de ape­nas de me­di­ca­men­tos e psi­co­te­ra­pia, mas de uma do­se ca­va­lar de afe­to, in­cluin­do, é cla­ro, os bei­jos na bo­ca.

Re­cei­ti­nha apai­xo­na­da

No li­vro “Dos­siê do Bei­jo - 484 for­mas de bei­jar”, há uma re­cei­ta pa­ra quem de­se­ja se­du­zir: chu­pe um pe­da­ço pe­que­no de gen­gi­bre e um cra­vo du­ran­te 5 mi­nu­tos co­mo se fos­sem ba­las. De­pois, jo­gue-os e fa­ça um bo­che­cho com água ge­la­da. Em se­gui­da, apro­xi­me-se e olhe pa­ra a bo­ca de quem vo­cê de­se­ja bei­jar. Os in­di­a­nos acre­di­tam que es­sa fór­mu­la é afro­di­sía­ca, já que o aro­ma as­so­ci­a­do de cra­vo e gen­gi­bre é agra­dá­vel e li­be­ra se­ro­to­ni­na, a subs­tân­cia de­to­na­do­ra do pra­zer.

Compartilhe