Exi­la­do em sua fá­bri­ca de gran­des ilu­sões, Willy Won­ka Lu­la da Sil­va re­sol­ve sor­te­ar be­los car­gos a vo­ra­zes con­su­mi­do­res de po­der. As­sim, pen­sa, co­lo­ca­ria fim à sua en­cas­te­la­da so­li­dão. Al­guns fe­li­zar­dos ga­nham o co­bi­ça­do pas­sa­por­te pa­ra en­trar na fan­tás­ti­ca fá­bri­ca da do­ce vi­da. Bes­ti­fi­ca­dos com o que se des­cor­ti­na pe­ran­te seus olha­res ma­trei­ros, ime­di­a­ta­men­te co­me­çam a se lam­bu­zar com as de­lí­ci­as do lo­cal. Nin­guém pas­sa von­ta­de.

A fas­ci­na­ção pe­lo co­lo­ri­do do lu­gar - e as su­as ten­ta­do­ras fa­ci­li­da­des, tão pró­xi­mas que são al­can­ça­das num sim­ples es­ten­der de mão – fa­zem com que aque­les que ga­nha­ram os tais cu­pons dou­ra­dos de ple­no aces­so pas­sem a se apro­pri­ar do que não de­vem. É es­ton­te­an­te: tu­do mui­to lo­go ali, tu­do ali tão per­to, tão con­vi­da­ti­va­men­te fá­cil de pe­gar.

Tal­vez Willy Won­ka Lu­la da Sil­va não se­ja um ho­mem mau, mas vi­ve num mun­do es­tra­nho. Acha que, do gru­po de cri­an­ças tra­qui­nas que bo­tou lá den­tro, uma reu­ni­rá con­di­ções mo­rais de her­dar tu­di­nho. Al­guém se tor­na­ria, en­tão, seu her­dei­ro ge­nuí­no. Es­que­ceu que até mes­mo o que é ge­nuí­no po­de ser fal­so no dia-a-dia da fre­né­ti­ca fá­bri­ca. Não le­vou em con­ta que o olho gran­de da co­bi­ça ati­ça as lom­bri­gas dos “cho­dó­la­tras” mais ati­ra­di­nhos. Ou sem­pre sou­be de tu­do – e se en­ga­na pa­ra não amar­gar os pró­pri­os so­nhos.

Fez vis­tas gros­sas ao fa­to de que, nes­sa fá­bri­ca, há do­ce de­mais pa­ra fa­min­tos e fa­lí­veis mor­tais. Des­con­si­de­ra (ou to­le­ra) aque­las ma­ze­las to­das – ma­ze­la no sen­ti­do de des­vio de con­du­ta. Des­vi­os em sé­rie – por­que é as­sim que a fá­bri­ca tra­ba­lha.

Co­mo re­sis­tir a tan­ta dó­cil ten­ta­ção, pa­ra­bó­li­co Won­ka da Sil­va? Lo­go vo­cê, que tan­to de fá­bri­ca en­ten­de, de­ve­ria sa­ber que não se brin­ca em ser­vi­ço. Se cri­an­ças ino­cen­tes não se far­ta­ri­am, o que di­zer de adul­tos na­da in­cau­tos?

Um a um, vão sen­do en­go­li­dos pe­la fá­bri­ca os sor­tu­dos do­nos dos cu­pons dou­ra­dos. Fi­ze­ram ca­ca. De­gus­ta­ram, con­su­mi­ram, en­gor­da­ram. Um so­me aqui e ou­tro se afo­ga ali, num mar mar­rom que po­de não ser ape­nas cho­co­la­te. Willy Won­ka Lu­la da Sil­va a to­dos con­duz pe­lo in­te­ri­or da fá­bri­ca de fan­tás­ti­cos fa­vo­re­ci­men­tos - e a tu­do as­sis­te com ex­cên­tri­ca in­di­fe­ren­ça. Ain­da tem a cer­te­za de que res­ta­rá um cer­to Char­lie a não ce­der às ten­ta­ções, a ser cor­re­to até o fim, a le­var o gran­de prê­mio: a fá­bri­ca to­da só pa­ra ele. As­sim, o pre­des­ti­na­do aju­da­ria não só os avós po­bres, mas tam­bém aque­les que bus­cam qual­quer co­lo­ca­ção bem lon­ge de fan­tás­ti­ca fá­bri­ca de opor­tu­ni­da­des ca­rim­ba­das.

O pro­ble­ma é que tal­vez es­se ado­rá­vel, pres­ta­ti­vo e in­cor­rup­tí­vel Char­lie se­quer exis­ta. Já sa­be­mos que não in­te­gra o ban­do que ga­nhou cu­pons dou­ra­dos e ja­mais pi­sou em qual­quer fan­tás­ti­ca fá­bri­ca de po­der. Es­tá mais pa­ra fru­to da nos­sa pu­ra ima­gi­na­ção.

Compartilhe