Mui­tas ou­tras ope­ra­ções são mais im­por­tan­tes que es­sas...

A Po­lí­cia Fe­de­ral faz o tra­ba­lho de­la. A im­pren­sa am­plia. E o es­tra­go é gran­de pa­ra quem tom­ba. Foi as­sim, prin­ci­pal­men­te, com a Das­lu e a Schin. Há, con­tu­do, ope­ra­ções tão ou mais im­por­tan­tes que ain­da não fo­ram de­sen­ca­de­a­das pe­la PF. Dei­xo abai­xo mi­nha con­tri­bui­ção pa­ra es­sa na­ção de to­dos - ou se­ria ter­ra de nin­guém?...

Ope­ra­ção Fes­ti­val
Mis­são: apre­en­der qual­quer can­ção de fes­ti­val que se cha­me “Re­vo­a­da”, “Pas­sa­ra­da”, “Ma­na­da”, “Pas­sa­ri­nha­da”, “Ni­nha­da”, “Pa­pa­gai­a­da”, “Can­ta­ro­la­da”, “Sa­rai­va­da”, etc.

Ope­ra­ção Blin­da­gem
Sai­rá de cir­cu­la­ção qual­quer ar­ti­go que se apro­prie da pa­la­vra “blin­da­gem” pa­ra se re­fe­rir à apa­ren­te imu­ni­da­de do pre­si­den­te Lu­la aos es­ti­lha­ços da cri­se. Ou­viu, Cló­vis Ros­si?

Ope­ra­ção Ho­lo­fo­te
Se­rão de­ti­dos aque­les de­pu­ta­dos que a gen­te nem sa­bia que exis­ti­am e que ago­ra dão uma de ana­lis­tas po­lí­ti­cos pe­los cor­re­do­res do Con­gres­so. “É tu­do po­se!”, di­ria Lo­bão.

Ope­ra­ção Ver­são
A PF vai ba­nir das rá­di­os as in­con­tá­veis ver­sões de an­ti­gos hits do can­ci­o­nei­ro pop - es­pe­ci­al­men­te aque­las re­vi­vi­das nos ter­mi­nais rit­mos de pa­go­de e axé.

Ope­ra­ção Ana Ca­ro­li­na
Se­rá in­ves­ti­ga­da por uso in­dis­cri­mi­na­do de fal­se­te em es­tro­fes fi­nais de can­ções que cos­tu­ma in­ter­pre­tar com ca­ra de mau e re­vol­ta en­sai­a­di­nha.

Ope­ra­ção Tom Ca­val­can­te
Aguar­da­rá nu­ma ce­la com pre­sos co­muns o pro­nun­ci­a­men­to da Jus­ti­ça pa­ra a sua imi­ta­ção de Sil­vio San­tos - sem gra­ça, sem bri­lho, sem qual­quer atra­ti­vo.

Ope­ra­ção Bo­ris Ca­soy
Só pa­ra lar­gar a mão de ali­vi­ar a bar­ra da Uni­ver­sal.

Ope­ra­ção Amé­ri­ca
Sai­rá do ar a no­ve­la pe­lo con­jun­to da obra. Ou por fal­ta de.

Ope­ra­ção Ma­ri­sa Orth
Só ela se acha en­gra­ça­da. Es­tá su­mi­da. Mas, na so­li­tá­ria, é mais se­gu­ro.

Ope­ra­ção Pitty
Ver­si­nhos ju­ve­nis e ca­ri­nha de so­no não im­pres­si­o­nam nem o Ga­bri­el. Al­ge­ma ne­la!

Ope­ra­ção Otá­vio Nu­nes
Nin­guém sa­be co­mo é que ele veio pa­rar nes­te si­te!

Ope­ra­ção Mai­nar­di
O po­le­mis­ta é 100% es­ti­lo e 0% de con­vic­ção. Vai ter que se ex­pli­car, ca­ra!
Pro­se­an­do con­tra a ma­ré

Ope­ra­ção O Rap­pa
Fal­cão se­rá obri­ga­do a me­lho­rar a dic­ção e ame­ni­zar o pró­prio “s”. E se, fi­nal­men­te, en­ten­der­mos 5% do que ele can­ta, te­rá de ex­pli­car o que sig­ni­fi­cam coi­sas do ti­po “Meus olhos não agüen­tam mais ad­mi­rar o com­pro­va­do” ou “Eu pu­de ou­vir do mu­ro fi­no en­tre a ci­ên­cia e Deus” (“Uma Aju­da”). Ou ain­da: “O lei­te su­a­do é tão in­gra­to...” e “En­ca­rar tan­tas ver­da­des cru­as é ver o céu pe­la me­ta­de” (“Brix­ton, Bronx ou Bai­xa­da”).

Compartilhe