Mui­tas ou­tras ope­ra­ções são mais im­por­tan­tes que es­sas…

A Po­lí­cia Fe­de­ral faz o tra­ba­lho dela. A im­prensa am­plia. E o es­trago é grande para quem tomba. Foi as­sim, prin­ci­pal­mente, com a Daslu e a Schin. Há, con­tudo, ope­ra­ções tão ou mais im­por­tan­tes que ainda não fo­ram de­sen­ca­de­a­das pela PF. Deixo abaixo mi­nha con­tri­bui­ção para essa na­ção de to­dos – ou se­ria terra de nin­guém?…

Ope­ra­ção Fes­ti­val
Mis­são: apre­en­der qual­quer can­ção de fes­ti­val que se chame “Re­vo­ada”, “Pas­sa­rada”, “Ma­nada”, “Pas­sa­ri­nhada”, “Ni­nhada”, “Pa­pa­gai­ada”, “Can­ta­ro­lada”, “Sa­rai­vada”, etc. 

Ope­ra­ção Blin­da­gem
Sairá de cir­cu­la­ção qual­quer ar­tigo que se apro­prie da pa­la­vra “blin­da­gem” para se re­fe­rir à apa­rente imu­ni­dade do pre­si­dente Lula aos es­ti­lha­ços da crise. Ou­viu, Cló­vis Rossi? 

Ope­ra­ção Ho­lo­fote
Se­rão de­ti­dos aque­les de­pu­ta­dos que a gente nem sa­bia que exis­tiam e que agora dão uma de ana­lis­tas po­lí­ti­cos pe­los cor­re­do­res do Con­gresso. “É tudo pose!”, di­ria Lo­bão.

Ope­ra­ção Ver­são
A PF vai ba­nir das rá­dios as in­con­tá­veis ver­sões de an­ti­gos hits do can­ci­o­neiro pop – es­pe­ci­al­mente aque­las re­vi­vi­das nos ter­mi­nais rit­mos de pa­gode e axé.

Ope­ra­ção Ana Ca­ro­lina
Será in­ves­ti­gada por uso in­dis­cri­mi­nado de fal­sete em es­tro­fes fi­nais de can­ções que cos­tuma in­ter­pre­tar com cara de mau e re­volta en­sai­a­di­nha.

Ope­ra­ção Tom Ca­val­cante
Aguar­dará numa cela com pre­sos co­muns o pro­nun­ci­a­mento da Jus­tiça para a sua imi­ta­ção de Sil­vio San­tos – sem graça, sem bri­lho, sem qual­quer atra­tivo.

Ope­ra­ção Bo­ris Ca­soy
Só para lar­gar a mão de ali­viar a barra da Uni­ver­sal.

Ope­ra­ção Amé­rica
Sairá do ar a no­vela pelo con­junto da obra. Ou por falta de.

Ope­ra­ção Ma­risa Orth
Só ela se acha en­gra­çada. Está su­mida. Mas, na so­li­tá­ria, é mais se­guro.

Ope­ra­ção Pitty
Ver­si­nhos ju­ve­nis e ca­ri­nha de sono não im­pres­si­o­nam nem o Ga­briel. Al­gema nela!

Ope­ra­ção Otá­vio Nu­nes
Nin­guém sabe como é que ele veio pa­rar neste site!

Ope­ra­ção Mai­nardi
O po­le­mista é 100% es­tilo e 0% de con­vic­ção. Vai ter que se ex­pli­car, cara!
Pro­se­ando con­tra a maré

Ope­ra­ção O Rappa
Fal­cão será obri­gado a me­lho­rar a dic­ção e ame­ni­zar o pró­prio “s”. E se, fi­nal­mente, en­ten­der­mos 5% do que ele canta, terá de ex­pli­car o que sig­ni­fi­cam coi­sas do tipo “Meus olhos não agüen­tam mais ad­mi­rar o com­pro­vado” ou “Eu pude ou­vir do muro fino en­tre a ci­ên­cia e Deus” (“Uma Ajuda”). Ou ainda: “O leite su­ado é tão in­grato…” e “En­ca­rar tan­tas ver­da­des cruas é ver o céu pela me­tade” (“Brix­ton, Bronx ou Bai­xada”).

Compartilhe