Reciclagem neles | Márcio ABC

Colaboradores

Reciclagem neles

segunda-feira, 18 de julho de 2005 Texto de

Ao me­nor si­nal de es­cân­da­lo, ape­la-se lo­go pa­ra uma CPI. Mui­ta in­dig­na­ção, acu­sa­ções pe­la mí­dia, la­va­gem de hon­ra, de di­nhei­ro e de rou­pa su­ja. Mas quan­do se vai con­fe­rir o re­sul­ta­do, lá se fo­ram tem­po, es­pe­ran­ça e di­nhei­ro pú­bli­co em vão. Qua­se tu­do fo­go de pa­lha. No apa­gar das lu­zes, ape­nas a as­si­na­tu­ra do di­a­bo e, no ar, um chei­ri­nho de en­xo­fre, quer di­zer, de mus­sa­re­la e oré­ga­no.

Co­gi­ta-se, en­tão, de pri­va­ti­zar os tais ele­men­tos, com lei­lão e tu­do. “Quem dá mais? Um se­na­dor en­vol­vi­do com nar­co­tra­fi­can­tes” ou “Um juiz com pou­pan­ça clan­des­ti­na na Suí­ça” e ou­tros mi­mos se­me­lhan­tes. Dis­tri­bui­ção de ca­tá­lo­gos com fo­tos dos lei­loá­veis, fren­te e per­fil, além de fo­lha cor­ri­da e an­te­ce­den­tes. Cu­nha­dos, ma­ri­dos, ir­mãos e só­ci­os, ofe­re­ci­dos co­mo brin­des. Mas a idéia tam­bém não fun­ci­o­na. Nin­guém quer in­ves­tir em pe­ças tão pou­co no­bres.

Ten­ta-se, ain­da, a Bol­sa de Va­lo­res: to­dos os mu­tre­tei­ros trans­for­ma­dos em ações ao por­ta­dor. Mas quem quer ser por­ta­dor de ações já tão des­va­lo­ri­za­das, sem ne­nhu­ma li­qui­dez no mer­ca­do? Ri­fas, pro­mo­ções do ti­po le­ve-5-e-pa­gue-3, ações en­tre muy ami­gos, mas na­da dá va­zão ao nú­me­ro de pa­péis po­dres jo­ga­dos no mer­ca­do.

Res­ta, en­tão, a úl­ti­ma car­ta­da, mo­der­na e eco­lo­gi­ca­men­te cor­re­ta: re­ci­cla­gem ne­les! Pa­ra a enor­me de­man­da, vá­ri­as usi­nas de re­ci­cla­gem e com­pos­ta­gem es­pa­lha­das pe­lo país es­pe­ram pe­la ma­té­ria-pri­ma. Fa­min­tas por um li­xi­nho no­vo, as usi­nas es­tre­me­ce­ri­am de pra­zer ao re­ce­be­rem em su­as en­tra­nhas a fi­na flor da mo­ral na­ci­o­nal. E no fi­nal do pro­ces­so, a po­pu­la­ção te­ria aces­so a pro­du­tos re­ci­cla­dos, bem mais úteis e ba­ra­tos aos co­fres pú­bli­cos e ao bol­so da ga­le­ra pa­gan­te do que fun­ci­o­ná­ri­os ca­rís­si­mos, ino­pe­ran­tes e de fo­lha cor­ri­da tão lim­pa quan­to um pau de ga­li­nhei­ro. To­dos te­ri­am aces­so a pa­péis de múl­ti­plos usos, ob­je­tos de co­zi­nha, vi­dros e adu­bos, o que fos­se ne­ces­sá­rio. Ti­ran­do-se a es­có­ria de cir­cu­la­ção, o país sai­ria ga­nhan­do e o usuá­rio te­ria em mãos pro­vas vi­vas de que a Jus­ti­ça não tar­da nem fa­lha.

E nu­ma me­sa de bar, por exem­plo, en­tre um cho­pe e ou­tro, se ou­vi­ri­am co­men­tá­ri­os do ti­po: “Es­sa tu­li­pa na sua mão era o Mi­nis­tro Tal, con­de­na­do por su­per­fa­tu­ra­men­to” ou “Tá ven­do aque­le guar­da­na­po co­lo­ri­do? Era aque­le se­na­dor que dei­tou e ro­lou no trá­fi­co de in­fluên­cia” ou ain­da “Es­se pa­li­to de chur­ras­qui­nho era aque­le ve­re­a­dor que usou a ver­ba da me­ren­da es­co­lar pra com­prar um ja­ti­nho pra fa­mí­lia” e as­sim por di­an­te. Nas es­co­las e uni­ver­si­da­des, a Mo­ral e a Éti­ca sai­ri­am da te­o­ria e pas­sa­ri­am a ser ilus­tra­das com exem­plos con­cre­tos. E a im­pu­ni­da­de - aque­la, lem­bra? - fi­ca­ria re­le­ga­da a uma pá­gi­na re­ci­cla­da no Mu­seu His­tó­ri­co Na­ci­o­nal.

Compartilhe