Fran­ca­men­te, não es­ta­va nos meus pla­nos es­cre­ver so­bre as atu­ais des­gra­ças po­lí­ti­cas do país. Mas, con­fes­so, é di­fí­cil pa­ra qual­quer ci­da­dão, jor­na­lis­ta ou não, isen­tar-se de opi­nião so­bre o as­sun­to. A mi­nha - o lei­tor que não se de­ses­pe­re - é cur­ta e gros­sa. E é es­ta: não é por­que de um dia pa­ra o ou­tro o san­to vi­rou di­a­bo, que to­dos os di­a­bos se trans­for­ma­ram em san­tos.

O fa­to é que tem mui­to po­lí­ti­co por aí po­san­do de bom mo­ço, co­mo se seus par­ti­dos, di­fe­ren­te­men­te do PT, fos­sem gran­des exem­plos de com­por­ta­men­to éti­co e mo­ral. De­va­gar com o an­dor, por­que mui­tos san­tos de bar­ro já se es­pa­ti­fa­ram pe­lo ca­mi­nho.

Não, tam­bém não de­vo omi­tir qual­quer ti­po de crí­ti­ca ao PT. Pa­ra mim, ao con­trá­rio do que mui­ta gen­te pen­sa, nin­guém es­tá (e nem es­te­ve) aci­ma do bem e do mal. Mas, de to­do mo­do, o que cho­ca mais nes­sa his­tó­ria to­da, prin­ci­pal­men­te de­pois da ad­mis­são (em­bo­ra con­tes­ta­da) do cha­ma­do cai­xa dois, é que o pal­co das ma­ra­cu­tai­as é exa­ta­men­te o PT, que sem­pre foi res­pei­ta­do, in­clu­si­ve por ad­ver­sá­ri­os, por re­pre­sen­tar uma es­pé­cie de van­guar­da éti­ca da po­lí­ti­ca na­ci­o­nal.

Só que, de re­pen­te, par­ti­dá­ri­os e ad­ver­sá­ri­os ou­vem uma his­tó­ria mui­to di­fe­ren­te da ima­gem que se cri­ou des­de a fun­da­ção do Par­ti­do dos Tra­ba­lha­do­res, em 1980, e des­co­brem que tal­vez a pre­ga­ção da éti­ca po­lí­ti­ca, ao me­nos pa­ra al­guns se­to­res do pe­tis­mo, não pas­sa­va de uma gran­de far­sa. Des­sa ma­nei­ra, sen­tem-se traí­dos por te­rem acre­di­ta­do num mi­to que ago­ra des­mo­ro­na.

En­fim, es­se mi­to, cri­a­do e sus­ten­ta­do du­ran­te as dé­ca­das de co­ra­jo­sa e in­ter­mi­ten­te opo­si­ção, pa­re­ce ser o prin­ci­pal in­gre­di­en­te pa­ra ta­ma­nha frus­tra­ção que se ob­ser­va en­tre a opi­nião pú­bli­ca. Não é di­fí­cil acre­di­tar que se fos­se ou­tro o par­ti­do no cen­tro de tan­tas de­nún­ci­as, o fa­to se­ria en­ca­ra­do com cer­ta na­tu­ra­li­da­de - o que, sem dú­vi­da, se­ria pés­si­mo pa­ra a pró­pria de­mo­cra­cia.

Que de­ve ha­ver pu­ni­ções e blá-blá-blá, nem é pre­ci­so di­zer, es­tá cer­to? Di­go ape­nas o se­guin­te: o PT en­fren­ta al­go se­me­lhan­te ao dra­ma que vi­ve o ma­ri­do ou a mu­lher traí­da. Até que ela não des­cu­bra, a vi­da trans­cor­re nor­mal­men­te. Não se­ja­mos hi­pó­cri­tas: a trai­ção sem­pre exis­tiu. O azar do PT foi que a mu­lher des­co­briu.

Compartilhe