Crônicas

Conselho de Nelson Rodrigues

sexta-feira, 15 de julho de 2005 Texto de

Nel­son Ro­dri­gues di­zia - não sei se tan­tas ou pou­cas ve­zes - que, em vez de ler mui­tos li­vros, as pes­so­as de­ve­ri­am de­di­car-se a re­ler al­guns, e re­ler sem­pre. Quem sou eu pa­ra con­tra­di­zer Nel­son Ro­dri­gues? No en­tan­to, co­mo qual­quer ou­tro re­les mor­tal, te­nho to­do o di­rei­to de dis­cor­dar de­le ou de quem quer que se­ja.

Não acho que de­va­mos co­nhe­cer pou­cas obras li­te­rá­ri­as, mes­mo que mui­tas de­las não nos agra­dem ou se­jam de­san­ca­das pe­los crí­ti­cos. Mas fa­ço es­sa ob­ser­va­ção com uma im­por­tan­te, e tal­vez de­ci­si­va, res­sal­va: eu não me de­di­co a ana­li­sar as­pec­tos co­mo in­ten­ções do au­tor, que ti­po de men­sa­gem es­tá im­plí­ci­ta no li­vro etc e tal.

Acho que to­da es­sa car­ga, di­ga­mos, fi­lo­só­fi­ca não dei­xa de ser im­por­tan­te, mes­mo pa­ra o gros­so dos lei­to­res, pois, afi­nal de con­tas, a ca­da li­vro que se lê ou a ca­da no­va des­co­ber­ta, ve­nha de on­de vi­er, o in­di­ví­duo for­ma-se em ter­mos cul­tu­rais. Mas, de ou­tro mo­do, é o ti­po de coi­sa que, afo­ra quan­do se tra­ta dos es­tu­di­o­sos, fi­ca me­lhor im­pli­ci­ta­men­te.

Ou­tro dia mes­mo, quan­do o fil­me “Guer­ra dos Mun­dos” foi lan­ça­do no Bra­sil, al­guém es­cre­veu que Ste­ven Spi­el­berg da­va sus­ten­ta­ção, com a obra, à po­lí­ti­ca de Bush em re­la­ção ao ter­ro­ris­mo. Acho es­se ti­po de aná­li­se de uma sub­je­ti­vi­da­de in­su­por­tá­vel. Pa­ra mim, é o mes­mo que al­guém to­má-lo por ma­lu­co se vo­cê chu­pa li­mão.

O ca­so é que eu não con­cor­do com Nel­son Ro­dri­gues por­que eu gos­to de his­tó­ri­as. Sin­to-me se­du­zi­do pe­las nar­ra­ti­vas e, con­fes­so, pou­co me im­por­ta o que o au­tor quis di­zer. O im­por­tan­te é o que eu quis com­pre­en­der. Per­doe-me por es­se rom­pan­te de ar­ro­gân­cia e, por fa­vor, que não apa­re­ça al­guém di­zen­do que te­nho ten­dên­ci­as di­ta­to­ri­ais. Não as te­nho, mes­mo. Is­to é, na­da além do que a do­se nor­mal do ser hu­ma­no.

Se eu se­guir o con­se­lho de Nel­son Ro­dri­gues, irei apro­fun­dar-me em al­guns li­vros que con­si­de­ro co­mo es­sen­ci­ais, es­miu­çar ca­da pa­rá­gra­fo, ca­da li­nha, ana­li­sar ca­da hi­pó­te­se que sur­gir a res­pei­to da obra, de­co­rar tre­chos fun­da­men­tais, pas­sar a fa­zer par­te da pró­pria obra. Não, obri­ga­do. Pre­fi­ro pas­sar pe­los li­vros co­mo pas­so pe­la vi­da, re­tor­nan­do a eles quan­do en­con­tro jus­ti­fi­ca­ti­va pa­ra is­so, que po­de ser um sim­ples de­se­jo.

Fi­co ima­gi­nan­do: se eu me de­ti­ver a uns pou­cos li­vros, re­len­do-os sem­pre, tal­vez che­ga­rei ao pon­to de co­nhe­cer tão bem a obra que não me res­ta­rá qua­se na­da a in­ter­pre­tar. Es­ta­rei mui­to pró­xi­mo da­qui­lo que o au­tor quis trans­mi­tir e, des­sa ma­nei­ra, abri­rei mão das mi­nhas in­ten­ções pa­ra ca­da per­so­na­gem e si­tu­a­ção, irei aos pou­cos aban­do­nan­do meus so­nhos, des­truin­do o que de me­lhor há nos li­vros - a pos­si­bi­li­da­de de vi­a­jar­mos pe­la nos­sa pró­pria ima­gi­na­ção - e aden­tran­do o ter­re­no ári­do da fal­ta de op­ções, pois cai­rei na im­po­si­ção de uma idéia que me foi pas­sa­da pe­lo au­tor.

Por es­ses di­as, aliás, vi de no­vo o óti­mo fil­me “En­con­tros e De­sen­con­tros”. O fi­nal é ex­ce­len­te. Na­que­la ce­na em que os pro­ta­go­nis­tas tro­cam pa­la­vras que não che­gam ao co­nhe­ci­men­to do te­les­pec­ta­dor, es­te é le­va­do a ima­gi­nar o que po­de­ria acon­te­cer. O te­les­pec­ta­dor in­te­ra­ge com a obra, pas­sa a ser o au­tor. Ele de­fi­ne o des­ti­no dos per­so­na­gens. Não é ex­tra­or­di­ná­rio que pos­sa­mos ter es­sa pos­si­bi­li­da­de?

Nes­tes tem­pos de va­cas ma­gras glo­ba­li­za­das, fal­tam-nos exa­ta­men­te es­sas op­ções às quais me re­fi­ro. As chan­ces que nos ofe­re­cem são tão ra­ras que es­ta­mos de­sa­pren­den­do a so­nhar, a ver as coi­sas do nos­so mo­do. Es­ta­mos nos ha­bi­tu­an­do a con­su­mir tu­do pron­to. Dos san­duí­ches aos pro­gra­mas de te­le­vi­são, re­ce­be­mos tu­do em­pa­co­ta­do. Nos­sas es­co­lhas res­trin­gem-se a ca­da dia que pas­sa sem que ou­se­mos um con­tra­gol­pe. Es­sa pos­tu­ra nos di­mi­nui. Pre­ci­sa­mos que­brar es­se pa­ra­dig­ma cru­el que nos con­so­me co­mo se fôs­se­mos uma obra úni­ca, boa ou ruim, mas uma só. Es­sa ini­ci­a­ti­va am­pli­a­ria nos­sos ho­ri­zon­tes.

Quan­to ao con­se­lho de Nel­son Ro­dri­gues, se eu o se­guis­se (ler pou­cos li­vros), tal­vez eu nem pu­des­se co­nhe­cer seu pró­prio le­ga­do, pois um dos mais ge­ni­ais es­cri­to­res bra­si­lei­ros cer­ta­men­te não pos­sui pou­cas obras gran­di­o­sas.

En­fim, não vou fi­car re­len­do três ou qua­tro li­vros. Não vou vo­tar sem­pre no mes­mo can­di­da­to. Não vou ou­vir pou­cas mú­si­cas. Não vou me con­ten­tar com uma só ver­são de ca­da fa­to. Não vou me de­ter a meia dú­zia de so­nhos.

Mas, da mes­ma ma­nei­ra, não que­ro que uma só idéia me es­cra­vi­ze. Nem mes­mo es­ta.

Compartilhe