Colaboradores

Napoleão - Texto de Otávio Nunes

segunda-feira, 27 de junho de 2005 Texto de

O ma­ri­do en­trou em ca­sa e es­cu­tou o re­cla­mo da mu­lher. “Até que en­fim vo­cê che­gou. Es­ta­va com me­do de fi­car so­zi­nha com nos­so fi­lho pe­que­no.” Ele de­sa­bou o cor­po no so­fá e per­gun­tou. “O que acon­te­ceu, que­ri­da?” Ner­vo­sa e ges­ti­cu­lan­do, ela con­tou que a ca­sa do vi­zi­nho da es­qui­na ti­nha si­do rou­ba­da por dois la­drões, que le­va­ram ele­tro­do­més­ti­cos, di­nhei­ro e jói­as.

“Há tem­pos que ve­nho pe­din­do a vo­cê pa­ra com­prar um ca­chor­ro, da­que­le bem fe­roz, pa­ra pro­te­ger nos­sa ca­sa. O vi­zi­nho da es­qui­na não ti­nha um e ve­ja só o que acon­te­ceu”, jus­ti­fi­cou a mu­lher, e as­sim co­me­ça­ram mais uma dis­cus­são. O as­sun­to da que­re­la pas­sou a ser o ca­chor­ro. “Vo­cê pre­ci­sa com­prar um”, es­bra­ve­jou a mu­lher.

Ele não gos­ta­va de bi­cho em ca­sa. In­ven­ta­va mil coi­sas pa­ra mos­trar a ine­fi­cá­cia de um ca­chor­ro no quin­tal. “Faz ba­ru­lho, cocô, co­me ra­ção ca­ra, ar­ra­nha o car­ro. En­fim, é um trans­tor­no.” Mas não te­ve jei­to. Seus ar­gu­men­tos ca­pi­tu­la­ram fren­te à in­sis­tên­cia da es­po­sa. No sá­ba­do se­guin­te, es­ta­vam os dois num ca­nil es­co­lhen­do o bi­cho mais bra­vo da­li.

“Gos­tei da­que­le ne­gro. Tem ca­ra de ruim”, dis­se a mu­lher ao do­no do ca­nil. O ho­mem ex­pli­cou a ela que era um do­ber­mann cha­ma­do Na­po­leão e se tra­ta­va de um cão com­pli­ca­do, que nin­guém que­ria. “É por is­so que eu que­ro”, res­pon­deu a mu­lher, re­so­lu­ta. A con­tra­gos­to, o ma­ri­do le­vou Na­po­leão pa­ra ca­sa, mas pe­diu que o do­no do es­ta­be­le­ci­men­to o acom­pa­nhas­se. Sen­tia me­do do ani­mal.

No do­min­go, nin­guém saiu de ca­sa. Nem pa­ra com­prar pão quen­te na pa­da­ria. Co­me­ram pão mur­cho do dia an­te­ri­or. Ca­da vez que al­guém pu­nha o pé pa­ra fo­ra, no quin­tal, Na­po­leão ros­na­va, mos­tra­va seus den­tes pon­ti­a­gu­dos e ba­ba­va fei­to qui­a­bo cor­ta­do.

Na se­gun­da-fei­ra, a mes­ma coi­sa. O ma­ri­do não foi tra­ba­lhar. Li­gou pa­ra o che­fe e deu uma des­cul­pa qual­quer. Não agüen­ta­vam mais fi­car en­clau­su­ra­dos em ca­sa por cau­sa de Na­po­leão.

“Vou dar um ti­ro nes­te mal­di­to ca­chor­ro”, gri­tou o ho­mem. “Vo­cê não tem ar­ma em ca­sa. E mes­mo se ti­ves­se, du­vi­do que fa­ria is­to. Vo­cê não tem co­ra­gem de ma­tar nem o pul­gão que es­tá in­fes­tan­do nos­sa hor­ta de cou­ve, que a es­ta ho­ra o Na­po­leão já de­ve ter des­truí­do”, dis­se a mu­lher.

“O que fa­re­mos?”, per­gun­tou o ma­ri­do. “Na­da”, res­pon­deu a es­po­sa. “Não vê que ago­ra es­ta­mos se­gu­ros? Com o Na­po­leão aí fo­ra, ne­nhum la­drão en­tra em ca­sa.”

Compartilhe