Ve­jo no blog Pen­sar En­lou­que­ce, Pen­se Nis­so (por on­de sem­pre tra­fe­go e re­co­men­do: www.pensarenlouquece.com), al­gu­mas re­fe­rên­ci­as a vo­cá­bu­los em ale­mão, uma lín­gua fas­ci­nan­te, mas in­cle­men­te. Ex­pli­co: na ado­les­cên­cia, ten­tei apren­dê-la e até ti­ve apoi­os en­tu­si­as­tas - co­mo o da pro­fes­so­ra-fi­ló­so­fa que me es­ti­mu­la­va a com­pre­en­der o sig­ni­fi­ca­do dos ra­di­cais do idi­o­ma pa­ra des­per­tar mi­nha pai­xão. Não des­per­tou. A exem­plo do vô­lei e do vi­o­lão clás­si­co, o ale­mão tam­bém ele­ge seus ini­ci­a­dos, e me re­jei­tou lo­go nas pri­mei­ras ten­ta­ti­vas - o que nun­ca me im­pe­diu de ad­mi­rar su­as va­ri­a­ções, de­cli­na­ções e su­ti­le­zas, além da for­ça ex­pres­si­va de al­guns de seus vo­cá­bu­los. Va­mos a eles:

Scha­den­freu­de. Sa­be o que quer di­zer? En­tão, ima­gi­ne a ce­na: vo­cê es­tá es­ta­ci­o­nan­do, en­quan­to a chu­va de­sa­ba lá fo­ra. E, de re­pen­te, avis­ta seu ex: aque­le de­su­ma­no des­gra­ça­do, que a aban­do­nou na po­ei­ra e nun­ca mais lhe deu no­tí­ci­as. Des­pre­ve­ni­do, o mo­ço es­tá ten­tan­do ven­cer a tem­pes­ta­de co­mo um ve­lo­cis­ta (o que qua­se nun­ca dá cer­to...). É cla­ro que ele pa­ti­na na cal­ça­da mo­lha­da e cai co­mo uma em­pa­di­nha no chão. E é cla­ro que vo­cê dá uma ri­sa­da con­ti­da na pri­va­ci­da­de do seu car­ro, ex­pe­ri­men­tan­do uma do­ce sa­tis­fa­ção pe­lo in­su­ces­so do ou­tro. Es­sa sen­sa­ção se cha­ma scha­den­freu­de, ou se­ja, é o pra­zer que a des­gra­ça alheia nos pro­vo­ca. Se ela bei­ra a per­ver­si­da­de? Ló­gi­co que sim, mas dá pa­ra evi­tar?

***
Ou­tro ter­mo em ale­mão que sin­te­ti­za uma ocor­rên­cia su­per­co­mum no oci­den­te é dra­chen­fut­ter. An­tes de tra­du­zir, va­le a pe­na exem­pli­fi­car: sa­be quan­do seu na­mo­ra­do pi­sa na bo­la e pla­ne­ja uma tá­ti­ca rá­pi­da de re­con­quis­ta pa­ra aba­far lo­go o ca­so an­tes que al­gum resquí­cio che­gue aos seus ou­vi­dos ou ao seu e-mail? Nes­sa ho­ra, ele po­de re­cor­rer a pre­sen­ti­nhos de re­con­ci­li­a­ção in­fa­lí­veis: uma ces­ta de flo­res, um CD do Cold­play, um ves­ti­do di­vi­no, um per­fu­me fran­cês... Se vo­cê ga­nhar qual­quer um des­ses itens num dia ab­so­lu­ta­men­te co­mum, lon­ge de uma da­ta es­pe­ci­al, e es­ti­ver le­ve­men­te des­con­fi­a­da de que o seu na­mo­ra­do apron­tou al­gu­ma, en­ca­re a re­al: ele apron­tou mes­mo! Ou me­lhor, co­me­teu dra­chen­fut­ter, ou se­ja, ten­tou su­a­vi­zar o pe­so da pró­pria cons­ci­ên­cia, com­pran­do mi­mos pa­ra vo­cê. Pe­gou o es­pí­ri­to da coi­sa?

***
Mais um ter­mo sen­sa­ci­o­nal é tors­ch­lus­s­pa­nik, que tam­bém me­re­ce ser ilus­tra­do. Vi­su­a­li­ze a ce­na: vo­cê tem uma que­ri­da ami­ga, que es­tá bei­ran­do os 33 anos, e vi­ve num cons­tan­te es­ta­do “brid­get­jo­ne­sís­ti­co”, quer di­zer, acha que é mui­to no­va pa­ra se amar­rar e mui­to ve­lha pa­ra pen­sar em en­xo­val de noi­va­do. Pois fi­que sa­ben­do que ela es­tá vi­ven­do sua tors­ch­lus­s­pa­nik, que vem a ser o me­do de fi­car pra ti­tia. Mas se­rá que al­gu­ma bra­si­lei­ra ain­da tem es­se re­ceio? E mais: qual o pro­ble­ma de en­car­nar uma ti­tia se é pos­sí­vel pro­var um ro­dí­zio de ti­ti­os pro­vi­só­ri­os en­quan­to se re­sol­ve o que fa­zer da vi­da? Acho que es­se ter­mo só es­tá na mo­da na Ale­ma­nha, por aqui, não...

***
Uni­ver­sal mes­mo é o vo­cá­bu­lo span­nungs­bo­gen, que re­pre­sen­ta o es­pa­ço de tem­po en­tre a con­cep­ção e a re­a­li­za­ção de um de­se­jo. Co­mo o me­lhor da fes­ta é es­pe­rar por ela, acho que span­nungs­bo­gen de­ve ri­mar com fe­li­ci­da­de. So­mos fe­li­zes quan­do an­si­a­mos por al­gu­ma coi­sa, sem ima­gi­nar que o ob­je­to des­se de­se­jo não vai cu­rar fe­ri­das nem pre­en­cher la­cu­nas, sim­ples­men­te por­que não tem con­sis­tên­cia nem po­der ci­ca­tri­zan­te pa­ra tan­to. Mas co­mo não sa­be­mos dis­so, em­bar­ca­mos no de­lei­te e na ma­gia do span­nungs­bo­gen. E va­mos vi­ven­do de ilu­são.
Tem ale­mão na ro­da!

Compartilhe