Que uma par­te da clas­se po­lí­ti­ca sem­pre foi econô­mi­ca em bons exem­plos, não é no­vi­da­de. Só não pre­ci­sa­va exa­ge­rar. Por vol­ta dos oi­to anos, ou­vi que “po­lí­ti­co é tu­do sa­fa­do”. Dis­cor­do. Ge­ne­ra­li­za­ções têm ins­pi­ra­ção na­zis­ta, o que pres­su­põe a con­de­co­ra­ção mo­ral de pou­cos apa­dri­nha­dos e o ape­dre­ja­men­to da mai­o­ria “im­pu­ra”. Ocor­re que quan­do um (ape­nas um) par­la­men­tar en­ten­de que a tal coi­sa pú­bli­ca é de nin­guém (quan­do, na ver­da­de, é pú­bli­ca por­que é de qual­quer ci­da­dão), en­tão vol­ta­mos à es­ta­ca ze­ro no que­si­to mo­ra­li­da­de. Já no que­si­to ale­go­ria...

Quan­do vá­ri­os po­lí­ti­cos, de uma só vez, co­me­çam a ser des­cons­truí­dos por seus pró­pri­os pa­res - que, nos bas­ti­do­res, ar­qui­te­tam fla­gran­tes, gra­va­ções e apre­en­sões -, a más­ca­ra cai em nos­sos pés. Fos­sem pró­di­gos os po­lí­ti­cos em bons exem­plos, te­ría­mos uma so­ci­e­da­de sem “jei­ti­nhos” - ape­li­do ca­ri­nho­so pa­ra jus­ti­fi­car de­li­tos “acei­tá­veis”. A coi­sa che­gou a tal pon­to que, nes­se mo­men­to, há um no­bre de­pu­ta­do (são tan­tos, es­ca­pa-me o no­me) que vem uti­li­zan­do a te­le­vi­são, em pe­ças par­ti­dá­ri­as, pa­ra afir­mar: “A cor­rup­ção che­gou a um ní­vel in­su­por­tá­vel”. Quer di­zer que ha­via, an­tes, um “ní­vel su­por­tá­vel de cor­rup­ção”?

Pa­rên­te­ses: as nos­sas sim­pá­ti­cas ma­ze­las cri­am leis que não pe­gam - e as­sim va­mos con­so­li­dan­do a nos­sa, às ve­zes, ane­dó­ti­ca de­mo­cra­cia.
Tal­vez a cor­rup­ção se­ja, sim, su­por­tá­vel en­quan­to prá­ti­ca obs­cu­ra. Às cla­ras, a cor­rup­ção ce­ga - co­mo o bri­lho dou­ra­do do po­der.

Ex­ce­len­tís­si­mos: fa­çam da cri­se um di­vi­sor de águas - lim­pas, não tur­vas. Co­me­cem por es­tan­car a san­gria do tem­po de te­vê com pa­té­ti­cos dis­cur­sos per­so­na­lis­tas. Aca­bem, pa­ra on­tem, com es­sa his­tó­ria de ilus­trar pro­gra­mas po­lí­ti­cos com as be­le­zas na­tu­rais do Bra­sil. Não é mais pos­sí­vel acei­tar aque­la pa­no­râ­mi­ca do Vi­a­du­to do Chá co­mo exem­plo da pu­jan­ça pau­lis­ta­na!

Um ou­tro lí­der de­pos­to, di­as atrás, saiu di­zen­do que “dei­xa o car­go com as mãos lim­pas”. Já es­ta­mos ca­le­ja­dos des­sa re­tó­ri­ca. E pre­ci­sa di­zer que tem as mãos lim­pas? Não é o mí­ni­mo que es­pe­ra­mos de qual­quer po­lí­ti­co - na en­tra­da ou na saí­da? Ain­da acre­di­ta­mos, con­tu­do, que não são to­das as mãos que car­re­gam ma­las de di­nhei­ro pa­ra lá e pa­ra cá. O que não po­de é vi­rar mo­da es­sa “dan­ça da ma­li­nha”. “Ma­la­frá­ri­os” in­so­nes: vo­cês es­tão di­tan­do uma mo­da pe­ri­go­sa. Se a dan­ça pe­ga...

Ca­so na­da re­al­men­te mu­de, das du­as, uma: ou te­re­mos o re­tor­no de for­ças ul­tra-con­ser­va­do­ras (e que sem­pre tra­ba­lha­ram com com­pe­tên­cia na aco­lhe­do­ra es­cu­ri­dão) ou de ex­tre­mis­tas afoi­tos por um ho­lo­fo­te a fim de di­fun­dir su­as in­cen­diá­ri­as pro­fe­ci­as. Apro­vei­tem, ex­ce­len­tís­si­mos, aque­la pro­pa­gan­da do “bom exem­plo”. Fa­çam a li­ção de ca­sa, mas sem co­lar. Ca­so con­trá­rio, sei não: cor­re­mos o ris­co de ver o país de to­dos se trans­for­mar em ter­ra de nin­guém.

Compartilhe