Colaboradores

Acorrentados - Texto de Otávio Nunes

quinta-feira, 26 de maio de 2005 Texto de

Val­de­má­rio che­gou na pla­ta­for­ma da es­ta­ção do me­trô no mo­men­to em que um trem se apro­xi­ma­va. En­quan­to as pes­so­as saíam e en­tra­vam na com­po­si­ção, ele pen­sou so­bre o ato que es­ta­va por fa­zer. Não ti­nha ou­tro jei­to. Num só dia per­de­ra o em­pre­go e a na­mo­ra­da. Pre­ci­sa­va to­mar uma ati­tu­de.

Quan­to ao ser­vi­ço, não se im­por­ta­va. Era um sim­ples fa­xi­nei­ro de hos­pi­tal. Mas per­der Val­ci­néia, com quem na­mo­ra­va ha­via três anos, era mui­to do­lo­ri­do. Néia era a ra­zão da sua vi­da. Pla­ne­ja­va ca­sar as­sim que ar­ru­mas­se um em­pre­go me­lhor que lim­par quar­tos de do­en­tes.

Es­pe­rou to­dos en­tra­rem no trem. Abriu a mo­chi­la e pe­gou a cor­ren­te e o ca­de­a­do. Pu­lou no bu­ra­co do trem, acor­ren­tou um dos pés ao tri­lho, pas­sou o ca­de­a­do nos elos e jo­gou fo­ra a cha­ve.

Ra­pi­da­men­te a se­gu­ran­ça foi aci­o­na­da e a cir­cu­la­ção dos trens, in­ter­di­ta­da. Os pri­mei­ros se­gu­ran­ças que des­ce­ram à via per­gun­ta­ram ao ra­paz qual o mo­ti­vo da­que­le ato in­sa­no. Val­de­má­rio dis­se que es­ta­va que­ren­do que Néia o acei­tas­se de vol­ta. Sem ela, não ha­via mo­ti­vo pa­ra vi­ver. Lo­go de­pois che­ga­ram os po­li­ci­ais.

Em pou­cos mi­nu­tos, a pla­ta­for­ma se en­cheu de gen­te. Até quem es­pe­ra­va trem em ou­tras li­nhas da es­ta­ção so­mou-se à mul­ti­dão. Equi­pes de rá­dio, te­le­vi­são e jor­nal tam­bém apa­re­ce­ram, pro­cu­ran­do abrir ca­mi­nho em meio à bal­búr­dia. “Im­pren­sa! im­pren­sa!”, gri­ta­vam.

Na li­nha do trem, ne­nhum se­gu­ran­ça ou po­li­ci­al con­se­guia de­sa­cor­ren­tar Val­de­má­rio, que con­ti­nu­a­va re­so­lu­to em seu de­sa­ti­no e cla­ma­va por Néia. Vá­ri­os fun­ci­o­ná­ri­os do me­trô, até mes­mo os da bi­lhe­te­ria, e pas­sa­gei­ros pro­cu­ra­vam a cha­ve na pla­ta­for­ma e nos tri­lhos, sem êxi­to.

Sem cha­ve, só res­ta­va rom­per o ca­de­a­do ou a cor­ren­te com ma­ça­ri­co. Os bom­bei­ros trou­xe­ram o apa­re­lho mas não con­se­gui­am che­gar ao lo­cal. O obs­tá­cu­lo hu­ma­no era qua­se in­trans­po­ní­vel. As pes­so­as se jun­ta­vam den­tro e fo­ra da es­ta­ção. Até nas ru­as ad­ja­cen­tes ha­via con­fu­são. To­das as li­nhas do me­trô, até de ou­tras es­ta­ções, es­ta­vam pa­ra­das.

Um pas­tor jo­gou uma bí­blia em di­re­ção ao acor­ren­ta­do. “Sua sal­va­ção, meu fi­lho.” Um do­no de agên­cia de em­pre­go ati­rou o car­tão de vi­si­ta. “Pro­cu­re-me ama­nhã.” Uma re­pór­ter de rá­dio dei­xou cair o ce­lu­lar nos tri­lhos, en­quan­to no­ti­ci­a­va o fa­to. Uma se­nho­ra jo­gou o mo­lho de cha­ves de sua ca­sa. “Tem uma que é do ca­de­a­do do meu por­tão, tal­vez sir­va.”

Na ca­sa on­de tra­ba­lha­va co­mo em­pre­ga­da do­més­ti­ca, Néia viu a ce­na pe­la te­le­vi­são. “Val­ci­néia, que­ri­da, se vo­cê es­ti­ver nos as­sis­tin­do, li­gue pa­ra nos­sa cen­tral de jor­na­lis­mo”, dis­se o apre­sen­ta­dor do pro­gra­ma po­li­ci­al. Ela dis­cou o nú­me­ro e fa­lou no ar. Sua li­ga­ção foi trans­fe­ri­da pa­ra o lo­cal e o re­pór­ter pas­sou o te­le­fo­ne pa­ra Val­de­má­rio. “Val, es­tou ar­re­pen­di­da. Pa­re com es­ta lou­cu­ra. Eu te acei­to de vol­ta.” O ca­sal ti­nha ga­nho no­to­ri­e­da­de na­ci­o­nal e to­do o País viu e ou­viu Val­de­má­rio es­bra­ve­jar sua ale­gria. “Vo­cê ju­ra, Néia?”

De­pois de al­guns mi­nu­tos, os bom­bei­ros con­se­gui­ram che­gar até Val­de­má­rio. Mas na ho­ra de li­gar o ma­ça­ri­co, não ha­via ne­nhu­ma to­ma­da per­to. Mi­nu­tos de­pois, o ele­tri­cis­ta da com­pa­nhia trou­xe a ex­ten­são com 50 me­tros de com­pri­men­to. O ma­ça­ri­co não cus­piu ne­nhu­ma le­ve cen­te­lha. O apa­re­lho era de 220 volts e a to­ma­da, de 110. Mais al­guns mi­nu­tos se pas­sa­ram e fi­nal­men­te Val­de­má­rio es­ta­va li­vre.

Uma se­nho­ra, que du­ran­te to­da a con­fu­são fi­ca­ra com seu fi­lho de dois anos no co­lo, en­cos­ta­da num can­to da pla­ta­for­ma, es­pe­rou a mul­ti­dão se dis­per­sar e pôs o me­ni­no no chão. De­pois viu que ele brin­ca­va com al­go me­tá­li­co na mão, uma pe­que­na cha­ve de ca­de­a­do.

Compartilhe