Colaboradores

PERDEU!

terça-feira, 14 de junho de 2005 Texto de

Qua­se não se per­ce­be sua apro­xi­ma­ção. O cen­tro­a­van­te sur­ge do na­da, con­fun­de o pas­san­te co­mo um Gar­rin­cha do as­fal­to, ar­ran­ca-lhe a pas­ta e sai cor­ren­do. Às ve­zes são dois za­guei­ros: en­quan­to um agar­ra o in­cau­to, o ou­tro ti­ra-lhe o re­ló­gio e pu­xa-lhe a car­tei­ra do bol­so tra­sei­ro da cal­ça, ao som do gri­to de guer­ra - Per­deu!. E so­mem na mul­ti­dão, num tra­ba­lho per­fei­to de equi­pe.

Adi­an­te, o exí­mio to­ca­dor de ca­va­qui­nho em­pur­ra a ido­sa que pas­sa dis­traí­da, der­ru­ba-a no chão e fi­ca com o en­ve­lo­pe do pa­ga­men­to de sua apo­sen­ta­do­ria. Jo­ga-o pa­ra o com­pa­nhei­ro e cor­re ca­da um pa­ra ca­da la­do.

Na praia, agru­pam-se o téc­ni­co de in­for­má­ti­ca, o en­fer­mei­ro, o pro­fes­sor, o atle­ta, o ci­en­tis­ta, o me­câ­ni­co, o pi­lo­to, o bom­bei­ro e, bem en­sai­a­dos, lan­çam-se so­bre os que to­mam sol e con­ver­sam des­pre­o­cu­pa­dos. Ar­ras­tam tu­do o que vêem pe­la fren­te, as­sus­tam os ba­nhis­tas com seus gri­tos e sua vi­o­lên­cia e so­mem cor­ren­do, dei­xan­do o ca­os e o ter­ror atrás de si.

À noi­te, sen­ta­da no meio-fio, uma jo­vem ve­te­ri­ná­ria, grá­vi­da de oi­to me­ses, olha de lon­ge seu pri­mei­ro fi­lho no co­lo de uma den­tis­ta, que ten­ta sen­si­bi­li­zar os mo­to­ris­tas pa­ra­dos no si­nal a lhe da­rem di­nhei­ro pa­ra cui­dar da cri­an­ça. Em bre­ve, quan­do o ou­tro be­bê nas­cer, se­rá mais um a ser usa­do na ten­ta­ti­va de co­mo­ver ou­tros mo­to­ris­tas em ou­tras es­qui­nas da ci­da­de. Nes­sa mes­ma equi­pe, a en­fer­mei­ra, o jó­quei e o pro­fes­sor lim­pam os pá­ra-bri­sas de car­ros pa­ra di­vi­di­rem a fé­ria do dia com o do­no do pon­to.

Ao pá­tio de uma ins­ti­tui­ção pa­ra re­a­bi­li­ta­ção de me­no­res, che­ga a no­va le­va de in­ter­nos do dia - um ator, um sal­va-vi­das e um com­po­si­tor, en­tre ou­tros. Es­tes já sen­ti­ram o gos­to de san­gue, qua­se to­dos são ju­ra­dos de mor­te e usam o tem­po oci­o­so na ins­ti­tui­ção na cri­a­ção e pla­ne­ja­men­to de es­tra­té­gi­as e no­vos gol­pes pa­ra quan­do saí­rem da­li.

Nas ru­as, os que ain­da não fo­ram apa­nha­dos con­ti­nu­am as ações-re­lâm­pa­go acom­pa­nha­das pe­lo mes­mo gri­to de guer­ra. A ca­da uma des­sas vi­tó­ri­as, os pro­fis­si­o­nais que um dia eles po­de­ri­am ser de­sa­pa­re­cem an­tes de exis­ti­rem. Vão-se po­e­tas, jor­na­lis­tas e DJs, en­tre tan­tos ou­tros, por­que Ca­vei­ras, De­di­nhos e Bi­lus têm pres­sa de vi­ver e de apro­vei­tar a qual­quer pre­ço o pou­co tem­po de vi­da que lhes res­ta. Exa­ta­men­te co­mo su­as ví­ti­mas, que per­de­ram o re­ló­gio, a bol­sa ou a vi­da, eles mes­mos já ha­vi­am per­di­do to­dos os di­rei­tos an­tes de nas­ce­rem, in­clu­si­ve o de pas­sar dos vin­te anos de ida­de. Ti­ve­ram o azar de nas­cer num país que, vo­lun­ta­ri­a­men­te, dé­ca­da após dé­ca­da, dei­xa uma enor­me par­ce­la de sua po­pu­la­ção à mar­gem de tu­do. E que, jus­ta­men­te por is­so, é o gran­de per­de­dor nes­se re­a­lity show na­ci­o­nal.

Compartilhe