Crônicas

Nossos dramas

sábado, 12 de fevereiro de 2005 Texto de

Um dos meus con­tos pre­fe­ri­dos de um dos meus au­to­res pre­fe­ri­dos é aque­le em que An­ton Tche­kov nar­ra as frus­tra­das ten­ta­ti­vas de um co­chei­ro que de­se­ja de­ses­pe­ra­da­men­te con­tar a al­guém o dra­ma da mor­te de um fi­lho, mas não con­se­gue, até que... Bem, se vo­cê ain­da não leu “An­gús­tia - a quem di­rei mi­nha dor?”, fi­ca aqui a re­co­men­da­ção. Pois bem. As­sim co­mo Io­na, que é o no­me do pro­ta­go­nis­ta do con­to, é que me sin­to nes­ses di­as em que ine­vi­ta­vel­men­te nos for­ça­mos a re­fle­xões.

Que­ro con­tar meus dra­mas, mas não há quem es­te­ja dis­pos­to a ou­vi-los. As pes­so­as es­tão ocu­pa­das com as com­pras de pre­sen­tes e de co­mi­das, com as rou­pas que pre­ten­dem ves­tir nas reu­niões fa­mi­li­a­res ou de ou­tra or­dem. Cor­rem fei­to lou­cas pa­ra cum­prir seus ho­rá­ri­os cu­jo do­no nin­guém se­quer sa­be quem po­de ser. Fa­zem pla­nos que irão es­que­cer da­qui a uma se­ma­na.

Meus dra­mas não são mui­tos, mas co­mo ven­cer a con­cor­rên­cia dos pro­gra­mas es­pe­ci­ais de fim de ano na te­le­vi­são? To­dos os ar­tis­tas es­tão lá, em­bo­ra di­zen­do as mes­mas coi­sas de sem­pre. E não é ape­nas uma emis­so­ra. São vá­ri­as. To­das elas en­gal­fi­nham-se em bus­ca de au­di­ên­cia, le­van­do ao ar o que acham ter de me­lhor, en­quan­to do la­do de cá as pes­so­as dei­xam-se le­var por­que ima­gi­nam que aqui­lo que es­tão ven­do tra­ta-se do que há de me­lhor.

Não, não há tem­po pa­ra meus dra­mas. É pre­ci­so abrir os pre­sen­tes, de­ci­dir se de­les gos­ta­mos. Se sim, in­ten­si­fi­car­mos ao li­mi­te nos­so con­ten­ta­men­to; se não, fin­gir­mos no ros­to uma efê­me­ra sa­tis­fa­ção. Tam­bém é ho­ra de cum­pri­men­tar­mos aque­les que mal ve­mos ou nos lem­bra­mos du­ran­te o ano to­do, tro­car afa­gos e pa­la­vras va­zi­as.

Meus dra­mas são ini­ma­gi­ná­veis. Os ou­tros acham que só eles os têm. Às ve­zes, olham-me em bus­ca de co­mi­se­ra­ção e põem-se a re­ve­lá-los de um jei­to que pa­re­ce ser im­pos­sí­vel que eu os ti­ves­se pen­sa­do, pois só eles po­dem tê-los e por eles la­men­tar.

E, as­sim, o que são meus dra­mas per­to de tan­tos ou­tros? Dra­mas de vi­zi­nhos, de ve­lhos co­nhe­ci­dos, de fa­mi­li­a­res, de gen­te de quem nun­ca ou­vi­mos fa­lar, eles nos ca­em aos mon­tes, acu­mu­la­dos por um ano de in­di­fe­ren­ças e dis­tân­ci­as. Nos jor­nais que abri­mos lo­go ce­do, jun­tam-se ou­tros, mais in­ten­sos, mais nu­me­ro­sos, mais abran­gen­tes. A ca­da ins­tan­te, os meus en­co­lhem-se den­tro de meu cons­tran­gi­men­to in­cer­to.

Ain­da en­saio uma re­a­ção, mas já é ho­ra. De quê? Guar­do meus dra­mas. Quem sa­be nu­ma ou­tra oca­sião...

Compartilhe