Crônicas

A dignidade persiste

terça-feira, 15 de fevereiro de 2005 Texto de

Um alen­to que vem das ru­as, on­de pi­sa o po­vo, on­de há mil mo­ti­vos pa­ra de­sa­ni­mar di­an­te dos re­ve­ses do co­ti­di­a­no, on­de a frá­gil de­cên­cia que nos en­vol­ve abre-se em fra­tu­ras ex­pos­tas à in­di­fe­ren­ça das chu­vas e dos sóis. Eis o alen­to: a dig­ni­da­de so­bre­vi­ve em meio ao sal­ve-se-quem-pu­der. De mi­nha par­te, de­pa­rei-me com es­se alen­to quan­do che­guei ao to­po da hu­mi­lha­ção.

Vou di­re­to à his­tó­ria. Há cer­ca de um ano, en­quan­to per­cor­ria uma ave­ni­da pró­xi­ma de ca­sa, per­ce­bi a pre­sen­ça de um ven­de­dor de ca­ta-ven­tos. Re­gu­lar­men­te, eu o via de ma­nhã se­guin­do a di­re­ção bair­ro-cen­tro e à tar­de fa­zen­do o ca­mi­nho in­ver­so.

Cha­mou-me a aten­ção, além, é cla­ro, dos di­ver­ti­dos ob­je­tos que gi­ram ao sa­bor do ven­to, uma ca­rac­te­rís­ti­ca cu­ri­o­sa do ven­de­dor: eu ju­ra­ria que ele é me­xi­ca­no. Sa­be aque­les su­jei­tos sim­pá­ti­cos que nos fil­mes pe­ram­bu­lam pe­las pe­que­nas vi­las po­ei­ren­tas do Mé­xi­co? Pois é. Sem­pre que o via, vi­nha-me es­sa ima­gem à ca­be­ça.

Num fim de tar­de qual­quer, eu ca­mi­nha­va pe­la ave­ni­da quan­do ob­ser­vei o “me­xi­ca­no” do ou­tro la­do da rua. Ele vol­ta­va de seu co­ti­di­a­no co­mer­ci­al. Por uma des­sas coin­ci­dên­ci­as, o ven­de­dor atra­ves­sou a pis­ta e veio em mi­nha di­re­ção. Ofe­re­ceu-me um ca­ta-ven­to, que com­prei e le­vei pa­ra ca­sa. No rá­pi­do diá­lo­go que tra­va­mos en­quan­to se­guía­mos nos­sos ru­mos, fi­quei sa­ben­do de al­gu­mas pas­sa­gens de sua vi­da.

Bra­si­lei­ro, tra­ba­lha­va co­mo ope­rá­rio nu­ma cons­tru­to­ra no Ma­to Gros­so na épo­ca em que a em­pre­sa fe­chou su­as por­tas. Quan­do con­ver­sei com ele, há pou­co mais de um ano, já fa­zia qua­tro anos que ele não con­se­guia em­pre­go. Com vá­ri­os fi­lhos pa­ra cri­ar, veio mo­rar em Bau­ru, nos fun­dos da ca­sa de um ir­mão, que pas­sou a aju­dá-lo. “Pa­ra não fi­car pa­ra­do, in­ven­tei es­sa his­tó­ria dos ca­ta-ven­tos”, ex­pli­cou-me. “Dá pa­ra ir que­bran­do o ga­lho”.

Da­li a pou­co, ele se­guiu pa­ra sua ca­sa, e eu pa­ra a mi­nha. Fi­quei pen­san­do al­gum tem­po na­que­le ho­mem que per­deu o em­pre­go e ja­mais con­se­gui­ra ou­tro. Mas nós, prín­ci­pes da com­pai­xão e her­dei­ros fu­ga­zes da so­li­da­ri­e­da­de, cos­tu­ma­mos tam­bém ser os reis da hi­po­cri­sia. Um dia de­pois, aque­le ho­mem já se dis­si­pa­ra do lu­gar on­de guar­do mi­nhas pre­o­cu­pa­ções não ime­di­a­tas.

O tem­po pas­sa. Um dia des­ses, tam­bém à tar­de­zi­nha, vou à lo­ca­do­ra. En­tro, alu­go o fil­me de­se­ja­do e saio rá­pi­do pa­ra cum­prir ou­tras des­sas ta­re­fas ba­nais que nos fa­zem sem­pre ho­mens ocu­pa­dos e apres­sa­dos. Quan­do es­tou pa­ra en­trar no car­ro, lá vem ele - o ven­de­dor de ca­ta-ven­tos.

Fa­zia já um bom tem­po que eu não o via, tal­vez por­que não cos­tu­mo mais fa­zer com tan­ta freqüên­cia o tra­je­to de an­tes. O ca­so é que, co­mo na­que­la vez, ele atra­ves­sou a rua e veio em mi­nha di­re­ção. Cum­pri­men­tou-me e ofe­re­ceu-me um da­que­les ob­je­tos co­lo­ri­dos que pa­re­cem vi­ver sor­rin­do pa­ra o mun­do. Mas, di­fe­ren­te­men­te da ou­tra oca­sião, ago­ra eu ti­nha pres­sa: as ta­re­fas ba­nais, lem­bra-se?

Por que não con­fes­sar? Che­guei a pen­sar is­to: “putz, lo­go ago­ra?” Co­mo o ven­de­dor de ca­ta-ven­to não lê pen­sa­men­tos, as­sim mes­mo ele ha­via se apro­xi­ma­do e me ofe­re­ci­do o brin­que­do. Mes­mo apres­sa­do, e guar­dan­do no car­ro a sa­co­la com o fil­me, ain­da ti­ve tem­po de con­je­tu­rar com meus bo­tões: “acho que mi­nha fi­lha nem li­ga mais pa­ra es­sas coi­sas.”

Ajei­tan­do-me no ban­co, per­gun­tei-lhe quan­to cus­ta­va. Is­to é sin­ce­ro: eu es­ta­va sem di­nhei­ro ali. A res­pos­ta veio em tom de afa­go: “o se­nhor é que faz o pre­ço, pa­ga quan­to qui­ser.” En­quan­to tro­cá­va­mos es­sas bre­ves pa­la­vras, avis­tei umas mo­e­das de­bai­xo do rá­dio. Pron­to, o pro­ble­ma es­ta­va re­sol­vi­do. Ra­pi­da­men­te, eu as con­tei: cinqüen­ta cen­ta­vos. Cer­ta­men­te, um ca­ta-ven­to va­le mais. To­mei-as e es­ten­di o bra­ço pe­la ja­ne­la: “olha, ago­ra só te­nho is­to; po­de fi­car, nem pre­ci­sa me dar o ca­ta-ven­to”.

O ven­de­dor, en­tão, sem de­mons­trar re­vol­ta nem má­goa, pas­sou-me o pi­to: “não, mo­ço, is­so não; se o se­nhor não le­va o ca­ta­ven­to, tam­bém não me dá o tra­ba­lho, e o que eu que­ro é o tra­ba­lho e não a es­mo­la”. Um ar­re­pen­di­men­to abrup­to an­te­ce­deu a hu­mi­lha­ção que, fei­to for­mi­ga­men­to, in­va­diu-me a al­ma. “O se­nhor po­de es­co­lher”. Le­vei um ver­de-ama­re­lo. Mi­nha fi­lha ado­rou o pre­sen­te. Até me bei­jou por is­so. Ins­ta­la­do na ja­ne­la da co­zi­nha, ele gi­ra pra lá e pra cá, fa­zen­do um le­ve ruí­do, co­mo se qui­ses­se me lem­brar da dig­ni­da­de da qual ele é fru­to.

Compartilhe