O ano de 2005 vai re­ce­ber as ener­gi­as do 7, o nú­me­ro li­ga­do à re­fle­xão, ao au­to­co­nhe­ci­men­to e à es­pi­ri­tu­a­li­da­de. Pe­lo me­nos é o que diz a nu­me­ro­lo­gia, a ci­ên­cia mís­ti­ca dos nú­me­ros. Em ou­tras pa­la­vras, as pes­so­as es­ta­rão mais dis­pos­tas a se­gu­rar o quei­xo so­bre o pu­nho cer­ra­do pa­ra pen­sar na vi­da. E pa­ra me­di­tar. E pa­ra mu­dar de idéia. E pa­ra ten­tar me­lho­rar... (quem sa­be?).

Ain­da que vo­cê não acre­di­te na nu­me­ro­lo­gia, pen­se na sim­bo­lo­gia do al­ga­ris­mo 7. Ela é má­gi­ca! Ve­ja só: te­mos 7 di­as na se­ma­na; há 7 no­tas mu­si­cais; o ar­co-íris os­ten­ta 7 co­res; ha­via 7 sá­bi­os na Gré­cia An­ti­ga; Bran­ca de Ne­ve fez tor­ta de ma­çã pa­ra 7 anões; o ga­to des­fru­ta de 7 vi­das; as fa­ses lu­na­res du­ram 7 di­as; o mun­do an­ti­go co­nhe­ceu as 7 ma­ra­vi­lhas; o ju­daís­mo con­sa­gra o can­de­la­bro de 7 bra­ços, a Bí­blia de­di­ca 7 céus à hi­e­rar­quia ce­les­ti­al e ain­da ga­ran­te que o tem­plo de Sa­lo­mão foi cons­truí­do em 7 di­as, as­sim co­mo o mun­do, quan­do o pró­lo­go des­ta­ca que no prin­cí­pio era o ver­bo e o ver­bo era Deus. A mes­ma Bí­blia tam­bém pre­co­ni­za os 7 pe­ca­dos ca­pi­tais. E es­se ar­ti­go é de­di­ca­do a eles.

É pe­ca­do! - Me re­fi­ro à in­ve­ja, um sen­ti­men­to uni­ver­sal e co­mum a qual­quer mor­tal co­mo a gu­la, evi­ta­do por al­guns pou­cos co­mo a so­ber­ba, ten­ta­dor pa­ra mui­tos co­mo a pre­gui­ça, im­pe­tu­o­so co­mo a ira, sin­to­má­ti­co co­mo a ava­re­za, e tran­ca­fi­a­do no sub­mun­do da psi­que co­mo a lu­xú­ria.

Con­fes­so que a in­ve­ja sem­pre me in­tri­gou. Por sua pró­pria du­a­li­da­de, ou se­ja, ao mes­mo tem­po em que es­can­ca­ra a fa­ce mais des­pre­zí­vel da hu­ma­ni­da­de, ela tam­bém é pro­fun­da, pois mo­vi­men­ta in­flu­xos in­te­ri­o­res que bro­tam de ma­nei­ra ines­pe­ra­da quan­do a au­to-es­ti­ma mar­ca dez graus ne­ga­ti­vos na es­ca­la de Nar­ci­so e a fe­li­ci­da­de de uns é qua­se acin­to­sa pa­ra a mi­sé­ria emo­ci­o­nal de ou­tros. Quer di­zer: não é mui­to fá­cil con­tro­lá-la.

O cu­ri­o­so é que a in­ve­ja tam­bém é pa­re­ci­da com o li­xo atô­mi­co: nin­guém quer vê-la atra­ca­da por per­to. E por quê? Por­que nin­guém quer ser iden­ti­fi­ca­do co­mo in­ve­jo­so. Ser in­ve­jo­so é ser per­de­dor, vil, co­mum, fo­ra do tom. É de­se­jar o in­su­ces­so do ou­tro pe­la pró­pria in­ca­pa­ci­da­de de triun­far.

Em tem­pos de in­va­são de pri­va­ci­da­de, a in­ve­ja é cul­ti­va­da por uma par­te da mí­dia - e com a to­tal cum­pli­ci­da­de do pú­bli­co. As re­vis­tas de fo­fo­cas, por exem­plo, ado­ram es­tam­par os al­tos e, prin­ci­pal­men­te, os bai­xos das ce­le­bri­da­des de to­dos os nai­pes. Há quem vi­bre com a der­ro­ta alheia; há quem la­men­te seu des­pres­tí­gio. Mas as re­vis­tas con­ti­nu­am ven­den­do - e bem!

Um de­ta­lhe in­te­res­san­te é que a in­ve­ja não se es­go­ta no seu al­vo. Tam­bém é pre­ci­so con­si­de­rar o in­ve­jo­so. Por bai­xo da apa­ren­te in­di­fe­ren­ça, ele ali­men­ta ne­bu­lo­sos e des­tru­ti­vos sen­ti­men­tos em re­la­ção a si mes­mo. Quer a der­ro­ta do ou­tro por não ter al­can­ça­do a vi­tó­ria so­zi­nho. Quer que o mun­do se so­li­da­ri­ze com os seus in­for­tú­ni­os, se­ja seu com­pa­nhei­ro na dor, es­te­ja ap­to pa­ra an­co­rar o bar­co ao seu la­do até que os ven­tos con­trá­ri­os pa­rem de so­prar.

Por ou­tro la­do, a in­ve­ja, que já foi exaus­ti­va­men­te es­tu­da­da pe­la psi­ca­ná­li­se, tem um bo­tão ver­me­lho que, quan­do aci­o­na­do, re­ver­te seu cur­so na­tu­ral. Ela po­de ser sau­dá­vel quan­do for­çar o in­ve­jo­so a não jo­gar a to­a­lha, in­cen­ti­van­do-o a ten­tar um no­cau­te no pró­xi­mo round.

Aper­to es­se bo­tão to­dos os di­as. Por­que, pes­so­al­men­te, tam­bém te­nho uma in­ve­ja se­cre­ta. Gos­ta­ria que o es­cri­tor rus­so Le­on Tols­toi ja­mais ti­ves­se es­cri­to “A Mor­te de Ivan Ili­cht”, um di­a­man­te ra­ro da li­te­ra­tu­ra mun­di­al. É ri­dí­cu­lo, eu sei, mas gos­ta­ria de ter as­si­na­do o con­to. E por se sen­tir in­ve­ja­do, Tols­toi con­se­gue ar­ran­car de mim os se­te pe­ca­dos ca­pi­tais: co­bi­ço seu ta­len­to, en­gu­lo sua obra com de­sa­ti­no, te­nho ira quan­do cons­ta­to sua per­fei­ção na nar­ra­ti­va, pre­gui­ça de di­zer pa­ra os ou­tros o que pen­so da sua li­te­ra­tu­ra, so­ber­ba por es­tar vi­va e as­sis­tir de ca­ma­ro­te à mor­te len­ta de Ili­cht, e ava­re­za, por­que me re­cu­so a em­pres­tar es­se li­vro até pa­ra meus me­lho­res ami­gos. Fal­tou a lu­xú­ria? Por fa­vor: is­so é en­tre mim e Ivan.

Compartilhe