Colaboradores

Ética no jornalismo

sábado, 2 de outubro de 2004 Texto de

Por Edi­son Vei­ga Ju­ni­or

Éti­ca na veia ve­lha do jor­na­lis­mo = Es­té­ti­ca na no­va na­ve do jor­na­li­ris­mo

(in­qui­e­ta­ções es­tu­dan­tis)

Nes­tes cruéis po­rém cru­ci­ais tem­pos de pós-pós-mo­der­ni­da­de, ou se­ja lá que no­me se dão aos bois, aos dois, aos pois e aos pós, mui­tos são os que ad­vo­gam pe­lo fim da éti­ca. Aque­les que pri­vi­le­gi­am a es­té­ti­ca ain­da po­dem ter um tan­to de ra­zão (nun­ca nos es­que­cen­do que to­da es­tÉ­TI­CA con­tém a éti­ca den­tro de si); en­tre­tan­to, os que ar­gu­men­tam que, se não exis­te ver­da­de uni­ver­sal, tu­do é pos­sí­vel, po­dem es­tar pres­tes a cair em gros­sei­ro er­ro.

Não exis­te ver­da­de úni­ca e ir­re­fu­tá­vel, is­to é cer­to e fi­lo­so­fi­ca­men­te re­co­nhe­ci­do. Con­tu­do, a ver­da­de co­mo ide­al é al­go a ser bus­ca­do (nun­ca atin­gi­do, mas sem­pre bus­ca­do). Ade­mais, ao me­nos vir­tu­al­men­te, exis­te ob­je­ti­vi­da­de. Exis­te uma lu­ta pe­la im­par­ci­a­li­da­de. Exis­te, por­tan­to, éti­ca.

Já faz al­gum tem­po que os Prin­cí­pi­os In­ter­na­ci­o­nais da Éti­ca no Jor­na­lis­mo fo­ram for­mu­la­dos e di­vul­ga­dos (mais pre­ci­sa­men­te, na quar­ta reu­nião con­sul­ti­va de or­ga­ni­za­ções na­ci­o­nais e re­gi­o­nais de jor­na­lis­tas, Pra­ga e Pa­ris em 1983). Seus pre­cei­tos, à pri­mei­ra vis­ta, pa­re­cem ób­vi­os. Mas con­têm, em es­sên­cia, uma pre­o­cu­pa­ção que sem­pre de­ve ser re­cor­ren­te na men­te do jor­na­lis­ta: sou um ma­ni­pu­la­dor de in­for­ma­ções e co­ti­di­a­na­men­te me­xo com a opi­nião das pes­so­as.

Ei, vo­cê pres­tou aten­ção nis­so? Re­leia a fra­se aci­ma e ve­ja o ta­ma­nho da nos­sa res­pon­sa­bi­li­da­de en­quan­to jor­na­lis­tas... É, nos­so ga­nha-pão não pa­re­ce ter mui­to de in­gê­nuo não.

Mas en­tão por que se­rá que a fa­cul­da­de só nos ofe­re­ce Éti­ca no úl­ti­mo ano do cur­so? Por que se­rá que to­das as ou­tras dis­ci­pli­nas teó­ri­cas fi­cam ba­ten­do na mes­ma te­cla du­ran­te to­do o cur­so e ne­nhu­ma de­las se pro­põe a re­al­men­te mer­gu­lhar pro­fun­da­men­te no te­ma? Co­var­dia, tal­vez?

Te­mos um mer­ca­do de tra­ba­lho ne­fas­to nos es­pe­ran­do do la­do de fo­ra, só que ne­nhum de nós pre­ten­de fi­car fo­ra de­le, cer­to? Mes­mo que al­guns fi­quem o cur­so to­do com dis­cur­si­nhos pseu­do-re­vo­lu­ci­o­ná­ri­os. Quan­do a fa­cul­da­de aca­bar, o me­do do de­sem­pre­go pro­me­te fa­lar mais al­to. E en­tão? Que pos­tu­ra de­ve­mos ado­tar?

Es­te tex­to não fe­cha­rá as idéi­as apre­sen­ta­das, ao me­nos por ho­je. Ele é um tex­to de in­qui­e­ta­ções. Es­cri­to por al­guém que acre­di­ta na éti­ca co­mo prin­cí­pio ré­gio de to­das as ati­tu­des. Es­cri­to por al­guém que tem uma cons­ci­ên­cia e pre­ten­de sem­pre dor­mir em paz com ela. Es­cri­to por al­guém, en­tre­tan­to, que, co­mo qua­se to­dos os ou­tros que ho­je se sen­tam em ban­cos aca­dê­mi­cos de cur­sos de jor­na­lis­mo, não en­xer­ga fá­cil uma saí­da pa­ra a boa prá­xis jor­na­lís­ti­ca - te­nho me­do de que es­sa luz que pa­re­ço ver no fim do tú­nel se­ja o trem vin­do ao meu en­con­tro.

***
Mas a éti­ca não foi cri­a­da pe­lo jor­na­lis­mo
[Do lat. ethi­ca gr. ethi­ké.] S. f. Fi­los. 1. Es­tu­do dos juí­zos de apre­ci­a­ção re­fe­ren­tes à con­du­ta hu­ma­na sus­ce­tí­vel de qua­li­fi­ca­ção do pon­to de vis­ta do bem e do mal, se­ja re­la­ti­va­men­te a de­ter­mi­na­da so­ci­e­da­de, se­ja de mo­do ab­so­lu­to. E nem de­ve ser pri­vi­lé­gio dos jor­na­lis­tas, es­tes que acre­di­tam tan­to se­rem deu­ses. Éti­ca na veia ve­lha do jor­na­lis­mo, con­cor­do. Mas é a mes­ma éti­ca que vem do ci­da­dão. Co­mo jor­na­lis­ta ape­nas exer­ce­rei na mi­nha pro­fis­são os prin­cí­pi­os de con­du­ta que já car­re­go co­mo ci­da­dão. Por is­so os tais Prin­cí­pi­os In­ter­na­ci­o­nais da Éti­ca no Jor­na­lis­mo pa­re­cem ób­vi­os. En­tão qual o di­fe­ren­ci­al? Não sei por­que ain­da es­tou bus­can­do. Mas acho que, no fun­do, tem a ver com a ou­tra fa­ce­ta des­ta mes­ma mo­e­da en­fer­ru­ja­da: a es­té­ti­ca na no­va na­ve do jor­na­li­ris­mo. Sim, afi­nal, o sor­tu­do do ci­da­dão que não abra­çou o jor­na­lis­mo co­mo pro­fis­são, além de ter a pos­si­bi­li­da­de de ga­nhar bem mais, ser mais fe­liz, go­zar do des­can­so nos fe­ri­a­dos e di­as san­tos, le­var uma vi­da nor­mal e sem per­tur­ba­ções psi­co­ló­gi­cas, não tem ne­nhum com­pro­mis­so com a lin­gua­gem. Já o jor­na­lis­ta ide­al, JORNALISTA mes­mo, com cai­xa-al­ta e tu­do, pra mim tem de ser um jor­na­li­ris­ta: sua éti­ca ca­be em sua es­té­ti­ca e sua es­té­ti­ca es­tá com­pro­me­ti­da com a cons­tru­ção diu­tur­na de um de­vir aqui cha­ma­do de no­va na­ve do jor­na­li­ris­mo. Quan­do di­go na­ve, que­ro re­me­ter a tem­plo. Um jor­na­lis­mo apai­xo­na­do e apai­xo­nan­te tem es­se quê de re­li­gião: se­du­tor, inex­pli­cá­vel, ar­re­ba­ta­dor, ir­ra­ci­o­nal pos­to que cha­ma. A no­va na­ve do jor­na­li­ris­mo se­ria o re­no­var eter­no do con­jun­to de es­tru­tu­ras e re­gras que nor­tei­am o jor­na­lis­mo. Des­de o li­de até a ti­po­gra­fia. Des­de a li­nha-fi­na até o box. O que es­ta­mos es­pe­ran­do pa­ra ex­pe­ri­men­tar? Edi­son Vei­ga Ju­ni­or, es­tu­dan­te de jor­na­lis­mo (na épo­ca)

Compartilhe