Meu de­sa­fio pa­ra 2005 não é na­dar três quilô­me­tros em 1 ho­ra nem es­pe­rar a fran­ja cres­cer pa­ra igua­lar o ca­be­lo – na­da dis­so. O que eu mais que­ro é dei­xar de fa­zer par­te da tur­ma do meio-ter­mo nos tes­tes de com­por­ta­men­to. Sa­be co­mo é? Nes­ses tes­tes, em ge­ral, há três ti­pos de res­pos­tas: uma é over, ou­tra é sub-apro­vei­ta­da e a ter­cei­ra é a mi­nha, ou se­ja, a mor­na, a in­sí­pi­da, a in­co­lor, a ino­do­ra. Na mai­o­ria das ve­zes, as pes­so­as que ela­bo­ram es­ses tes­tes va­lo­ri­zam a co­lu­na do meio. Tal­vez por­que ima­gi­nem que quem fi­ca em ci­ma do mu­ro é emo­ci­o­nal­men­te es­tá­vel e, por­tan­to, não tem mo­ti­vos pa­ra ins­ti­gar a cu­ri­o­si­da­de de uns nem es­can­da­li­zar o dia-a-dia de ou­tros. Acon­te­ce que es­sa po­si­ção é, ge­o­grá­fi­ca e psi­co­lo­gi­ca­men­te, incô­mo­da. Mos­tra que vo­cê não é su­fi­ci­en­te­men­te for­te pa­ra com­prar uma bri­ga nem de­li­be­ra­da­men­te es­per­to pa­ra es­ca­par de­la – ou pa­ra se dei­xar ven­cer por ela.

Fi­ca mais fá­cil ilus­trar com um exem­plo. Ima­gi­ne o tes­te: “Vo­cê é uma pes­soa sur­pre­en­den­te?”. Apos­to que meu pla­car fi­ca­ria na ca­sa dos 20, ca­so o mí­ni­mo de pon­tos fos­se 10 e o má­xi­mo, 30. Em ou­tras pa­la­vras: de acor­do com es­se tes­te, eu se­ria um tan­to sur­pre­en­den­te e um tan­to pre­vi­sí­vel, is­to é, nem oi­to nem 80. Exis­te coi­sa mais nor­mal e en­te­di­an­te?

O mais cu­ri­o­so é que, pes­so­al­men­te, não creio que sou uma pes­soa tão ro­ta­ri­a­na as­sim. Mui­tas ve­zes, te­nho von­ta­de de as­si­na­lar res­pos­tas ou­sa­das, mas não o fa­ço por­que não se­ria de bom-tom (meu se­gun­do de­sa­fio é abo­lir es­sa pa­la­vra do vo­ca­bu­lá­rio em 2005). Quer di­zer: eu boi­co­to mi­nha vo­ca­ção over pa­ra pre­ser­var a con­du­ta de boa mo­ça que acre­di­to nun­ca ter si­do, mas que su­po­nho apa­ren­tar. Por ou­tro la­do, em ou­tros tes­tes, tam­bém me sin­to com­pe­li­da a mar­car as res­pos­tas mais so­li­tá­ri­as e im­po­pu­la­res. Me ve­jo den­tro de um quar­to à meia-luz, ou­vin­do uma mú­si­ca tris­te dos Smiths, com os olhos ma­re­ja­dos. E o mais ter­rí­vel é que tam­bém não dou va­zão a es­sa fa­ce­ta Mor­ri­sey pa­ra que nin­guém des­con­fie que a me­lan­co­lia pas­sa aqui de vez em quan­do e dei­xa lem­bran­ças (e dei­xa mes­mo!). Sem vo­ca­ção over nem fa­ce­ta Mor­ri­sey, o me so­bra, en­tão? A co­lu­na do meio. É cla­ro que tu­do is­so é au­to­má­ti­co: nem dá tem­po de ra­ci­o­ci­nar que mi­nhas res­pos­tas a um tes­te de com­por­ta­men­to não in­te­res­sam nem ao meu ma­ri­do – o que di­rá a um des­co­nhe­ci­do com quem eu com­par­ti­lha­ria, na sa­la de es­pe­ra de um con­sul­tó­rio mé­di­co, a tal re­vis­ta com o tes­te fa­tí­di­co.

Na ver­da­de, quem se cha­teia com o ve­re­di­to do meio-ter­mo sou eu. Ca­da vez que cons­ta­to es­se re­sul­ta­do, fi­co ima­gi­nan­do uma ma­nei­ra de fu­gir da ob­vi­e­da­de des­sas “sen­ten­ças de com­por­ta­men­to”. Meu de­se­jo é sur­pre­en­der, de­sa­fi­ar, im­pres­si­o­nar! Ou, no ou­tro ex­tre­mo, ins­ti­gar, des­pis­tar, co­mo­ver! Mas tu­do que eu con­si­go é o di­ag­nós­ti­co de uma mu­lher pon­de­ra­da, con­tro­la­da, con­ci­li­a­do­ra e de­fi­ni­ti­va­men­te co­mum. Cha­ta, sem rom­pan­tes nem mis­té­ri­os.

Mas eu ju­ro que, em 2005, vou de­sen­ter­rar meu po­ten­ci­al e es­ca­par das ar­ma­di­lhas dos tes­tes de com­por­ta­men­to. Não vou mais me im­por­tar com a opi­nião que os ou­tros te­ri­am a meu res­pei­to, até por­que os ou­tros têm mais o que fa­zer. Se meu es­for­ço for em vão, pro­me­to ras­gar es­ses tes­tes, fa­zer uma fo­guei­ra em pra­ça pú­bli­ca e dan­çar na Ruy Bar­bo­sa co­mo se es­ti­ves­se em um sa­bá. Pe­lo me­nos uma no­ta o jor­nal vai dar.

Compartilhe