Mau­rí­cio Cas­te­lo Bran­co
Es­pe­ci­al pa­ra o blog

Qua­se qua­tro mil ín­di­os di­zi­ma­dos, em pou­co mais de uma dé­ca­da, com re­quin­tes de cru­el­da­de mui­to se­me­lhan­tes aos do ho­lo­caus­to. As­sim foi o mas­sa­cre dos Kain­gang no Oes­te Pau­lis­ta, no iní­cio do sé­cu­lo passado.(Na ima­gem ao la­do, uma re­pro­du­ção que mos­tra a ín­dia Va­nuí­re). Um dos mais san­gren­tos ca­pí­tu­los da His­tó­ria do Bra­sil, es­te, co­mo tan­tos ou­tros mar­ca­dos por ex­tre­ma vi­o­lên­cia con­tra gru­pos ét­ni­cos ou re­li­gi­o­sos, tam­bém não te­ve um vo­lu­me de es­tu­dos nem vi­si­bi­li­da­de com­pa­tí­veis com sua im­por­tân­cia. Ex­ce­ção fei­ta à me­mo­rá­vel dis­ser­ta­ção de mes­tra­do em Ci­ên­ci­as Hu­ma­nas na área de His­tó­ria Na­tu­ral (USP, 1978) do pro­fes­sor João Fran­cis­co Ti­dei de Li­ma, de Bau­ru (SP), ba­se obri­ga­tó­ria pa­ra pes­qui­sas.

A in­cur­são no ter­ri­tó­rio Kain­gang, que em São Pau­lo se es­ten­dia pe­lo qua­dri­lá­te­ro que vai da re­gião de Bau­ru à de Ada­man­ti­na e do Rio Ti­e­tê ao Rio Pa­ra­na­pa­ne­ma, co­me­çou por vol­ta de 1900, de ma­nei­ra ain­da tí­mi­da, mas sem­pre ca­rac­te­ri­za­da pe­la ação tru­cu­len­ta dos bu­grei­ros (ca­ça­do­res ín­di­os), que agi­am ini­ci­al­men­te a man­do de gri­lei­ros.

Gru­pos de gri­lei­ros se aven­tu­ra­vam no oes­te do Es­ta­do e lo­te­a­vam e ven­di­am ile­gal­men­te ter­ras de­vo­lu­tas (per­ten­cen­tes ao Es­ta­do). As atro­ci­da­des co­me­ti­das con­tra os Kain­gang e tran­sa­ções ile­gais de­ram, por­tan­to, o tom do iní­cio da ocu­pa­ção des­te vas­to ter­ri­tó­rio.

O pro­ble­ma é que no meio do ca­mi­nho, no co­ra­ção da ma­ta atlân­ti­ca que co­bria a mai­or par­te da re­gião, vi­vi­am os Kain­gang. Os con­fli­tos fo­ram ine­vi­tá­veis e seu re­cru­des­ci­men­to deu-se por vol­ta de 1905, com iní­cio da cons­tru­ção da Fer­ro­via No­ro­es­te do Bra­sil, que par­tia de Bau­ru, cru­za­va o No­ro­es­te do Es­ta­do e fa­zia a li­ga­ção com o Ma­to Gros­so do Sul.

Os al­vos da mar­cha ca­pi­ta­lis­ta, ace­le­ra­da pe­la cons­tru­ção da fer­ro­via, ru­mo ao Oes­te Pau­lis­ta eram a aber­tu­ra de uma no­va fron­tei­ra agrí­co­la, im­pul­si­o­na­da pe­la ex­pan­são do ca­fé; as ren­tá­veis (e ilí­ci­tas) tran­sa­ções de ter­ra e o en­cur­ta­men­to da ro­ta de li­ga­ção en­tre São Pau­lo e o vi­zi­nho Es­ta­do, pe­cu­a­ris­ta por vo­ca­ção, pa­ra es­ti­mu­lar as tran­sa­ções de ga­do no cres­cen­te mer­ca­do pau­lis­ta. O jo­go ca­pi­ta­lis­ta es­ta­va pos­to so­bre a me­sa, e por ques­tões cul­tu­rais, os Kain­gang eram con­si­de­ra­dos um en­tra­ve a su­as es­tra­té­gi­as ex­pan­si­o­nis­tas.

Com um po­der de fo­go in­fi­ni­ta­men­te mai­or do que o dos ín­di­os, que con­ta­vam ape­nas com ar­mas pri­mi­ti­vas, as fren­tes de con­quis­ta atro­pe­la­ram co­mo uma lo­co­mo­ti­va des­go­ver­na­da to­das as tri­bos Kain­gang. Em­bo­ra ten­tas­sem re­sis­tir de ma­nei­ra he­rói­ca, sua der­ro­ca­da se­ria con­su­ma­da pe­la as­so­ci­a­ção dos bu­grei­ros ago­ra tam­bém com o gru­po Fran­co-Bel­ga res­pon­sá­vel pe­la obra da fer­ro­via. Os ata­ques às tri­bos eram no­tur­nos, o que fa­ci­li­ta­va as cha­ci­nas; os ín­di­os eram sur­pre­en­di­dos em meio ao so­no pro­fun­do por de­ze­nas de ho­mens ar­ma­dos com es­pin­gar­das, fa­cões e com se­de de san­gue.

Pro­te­ção tar­dia - Uma des­cri­ção de Ama­deu No­guei­ra Co­bra so­bre um des­ses mas­sa­cres tra­duz com pre­ci­são as atro­ci­da­des co­me­ti­das con­tra os Kain­gang: Ati­ra­vam as cri­an­ças pa­ra ci­ma e apa­ra­vam com o fa­cão, ba­ti­am su­as ca­be­ças con­tra um pos­te, par­tin­do-as. Ín­di­as grá­vi­das eram es­tre­bu­cha­das. Os ca­dá­ve­res eram amon­to­a­dos e quei­ma­dos (...). Dei­ta­vam subs­tân­ci­as ve­ne­no­sas nos uten­sí­li­os de co­zi­nha e nos ali­men­tos ali guar­da­dos, pa­ra que fos­se vi­ti­ma­do no co­mer al­gum que por­ven­tu­ra so­bre­vi­ves­se. Fa­zi­am pri­si­o­nei­ros mu­lhe­res e al­guns ra­pa­zes pa­ra as fa­zen­das, fi­can­do co­mo se­mi-es­cra­vi­za­dos.

A omis­são do Es­ta­do e da im­pren­sa na épo­ca foi fa­tal pa­ra os Kain­gang. Des­de a Pro­cla­ma­ção da Re­pú­bli­ca, a Igre­ja es­ta­va afas­ta­da do pro­ces­so de pa­ci­fi­ca­ção dos ín­di­os. O go­ver­no, por sua vez, não ha­via cri­a­do me­ca­nis­mos pró­pri­os pa­ra subs­ti­tuí-la nes­ta mis­são. E o pi­or: fez vis­tas gros­sas ao ge­no­cí­dio.

Os prin­ci­pais jor­nais pau­lis­tas li­mi­ta­vam-se a no­ti­ci­ar os pou­cos re­la­tos que che­ga­vam à re­da­ção so­bre ata­ques con­tra os Kain­gang, ain­da as­sim de for­ma re­su­mi­da e eva­si­va. A im­pren­sa era pau­ta­da pe­la vi­são he­gemô­ni­ca e eu­ro­cen­tris­ta de pro­gres­so - a ba­se da jus­ti­fi­ca­ti­va pa­ra a car­ni­fi­ci­na.

Só de­pois da in­sis­ten­te pres­são de um gru­po li­de­ra­do por in­te­lec­tu­ais, po­lí­ti­cos e mi­li­ta­res, o go­ver­no fe­de­ral de­ci­diu cri­ar, em 1910, o Ser­vi­ço de Pro­te­ção ao Ín­dio (SPI), que ti­nha a mis­são de evi­tar mais cha­ci­nas e apa­zi­guar os Kain­gang.

Sob o co­man­do do ma­re­chal Cân­di­do Ron­don, a ba­se do SPI foi ins­ta­la­da na re­gião No­ro­es­te do es­ta­do, mais pre­ci­sa­men­te on­de ho­je fi­ca o mu­ni­cí­pio de Pro­mis­são, lo­cal em que na­que­le mo­men­to en­con­tra­vam-se acu­a­dos pe­la fer­ro­via pou­cos gru­pos Kain­gang, re­ma­nes­cen­tes do ex­ter­mí­nio. O pri­mei­ro con­ta­to, po­rém, só ocor­re­ria após dois anos. A par­tir de en­tão, a pa­ci­fi­ca­ção se­ria con­so­li­da­da aos pou­cos.

Mas já era tar­de. Do con­tin­gen­te es­ti­ma­do em 4 mil ín­di­os ha­bi­tan­tes do Oes­te Pau­lis­ta, res­ta­ram ape­nas 700. Os so­bre­vi­ven­tes con­ti­nu­a­ri­am sen­do ata­ca­dos, ago­ra por ou­tros ini­mi­gos não me­nos im­pi­e­do­sos: do­en­ças, co­mo gri­pe es­pa­nho­la e sa­ram­po, con­tra as quais não ti­nham imu­ni­da­de. Em 1916 es­ta­vam re­du­zi­dos a 173.

Os re­ma­nes­cen­tes fo­ram con­fi­na­dos, em 1921, em dois mo­des­tos al­de­a­men­tos, lo­ca­li­za­dos em Tu­pã e Graú­na. O de Tu­pã, de­no­mi­na­do Ín­dia Va­nuí­re, ho­je per­ten­ce a Ar­co-Íris, que em 1993 foi pro­mo­vi­do a mu­ni­cí­pio. Pa­ra su­as tra­di­ções nô­ma­des, es­sas re­ser­vas eram uma afron­ta aos Kain­gang, co­mo bem ob­ser­va o ma­jor Li­ma Fi­guei­re­do, em seu li­vro Ín­di­os do Bra­sil: Por mui­to fa­vor re­ser­va­ram-lhes dois lo­tes aca­nha­dos, ver­da­dei­ros pin­gos de ‘i’ nu­ma pá­gi­na de jor­nal. Pos­te­ri­or­men­te foi cri­a­do o al­de­a­men­to de Avaí.

Res­ga­te ne­ces­sá­rio - Nes­se sen­ti­do, o geó­gra­fo e mes­tre em ge­o­ci­ên­cia e meio am­bi­en­te, Jo­sé Apa­re­ci­do dos San­tos, pro­fes­sor dos cur­sos de Ge­o­gra­fia e His­tó­ria das Fa­cul­da­des Ada­man­ti­nen­ses In­te­gra­das (FAI), de­fen­de a in­clu­são da his­tó­ria dos Kain­gang no cur­rí­cu­lo das es­co­las do Oes­te Pau­lis­ta. San­tos en­ten­de que “o en­si­no fun­da­men­tal e mé­dio de­ve­ria en­fo­car em sa­la de au­la a ver­da­dei­ra his­tó­ria dos Kain­gang, até por­que fo­ram eles os pri­mei­ros ha­bi­tan­tes da nos­sa re­gião.” Pa­ra o pro­fes­sor “é fun­da­men­tal se res­ga­tar a his­tó­ria do Oes­te Pau­lis­ta, des­de o pro­ces­so de ocu­pa­ção, en­fa­ti­zan­do a ques­tão in­dí­ge­na, que no Bra­sil sem­pre foi re­ne­ga­da ofi­ci­al­men­te”. “Ago­ra é que es­tá ha­ven­do mai­or mo­bi­li­za­ção pa­ra se re­ver­ter es­se qua­dro”, co­men­ta, ci­tan­do co­mo exem­plo “a úl­ti­ma cam­pa­nha da Con­fe­de­ra­ção Na­ci­o­nal dos Bis­pos do Bra­sil (CNBB) e o es­for­ço de uma no­va ge­ra­ção de es­tu­di­o­sos, tais co­mo his­to­ri­a­do­res e an­tro­pó­lo­gos, que pro­cu­ram res­ga­tar a his­tó­ria dos ín­di­os.”

Com re­fi­na­da iro­nia, San­tos ob­ser­va: “o cu­ri­o­so é que um dos prin­ci­pais mar­cos da ocu­pa­ção do oes­te pau­lis­ta, que le­vou ao ge­no­cí­dio dos Kain­gang, foi a cons­tru­ção da Fer­ro­via No­ro­es­te do Bra­sil, e ho­je não te­mos nem os ín­di­os e mui­to me­nos a fer­ro­via – pri­va­ti­za­da e de­pois fa­li­da .” Qua­se um sé­cu­lo após o mas­sa­cre, e tal co­mo a Fê­nix - ave da mi­to­lo­gia gre­ga que res­sur­giu das cin­zas - os des­cen­den­tes Kain­gang da re­ser­va Ín­dia Va­nuí­re ini­ci­a­ram, há cer­ca de oi­to anos, um pro­ces­so de res­ga­te de sua cul­tu­ra. A ini­ci­a­ti­va tem apoio do go­ver­no es­ta­du­al e é de­sen­vol­vi­da em par­ce­ria com os Kre­nak, ín­di­os de Mi­nas Ge­rais que vi­vem no al­de­a­men­to há qua­tro dé­ca­das. “Ho­je es­tu­da­mos nos­so idi­o­ma, ce­le­bra­mos ri­tu­ais e pro­du­zi­mos ar­te­sa­na­tos tí­pi­cos”, con­ta Iri­neu Ko­tuí, o 2º ca­ci­que da re­ser­va, que ho­je fi­ca em Ar­co-Íris, na re­gião de Tu­pã. Os Kain­gang não só fa­zem apre­sen­ta­ções de ri­tu­ais em even­tos nas ci­da­des da re­gião, co­mo abrem o al­de­a­men­to pa­ra vi­si­tas. A his­tó­ria dos Kain­gang é de re­sis­tên­cia e re­cons­tru­ção, mas seu pas­sa­do de in­jus­ti­ça san­gren­ta não po­de ser es­que­ci­do.

O le­ga­do da cul­tu­ra in­dí­ge­na pa­ra a cul­tu­ra bra­si­lei­ra é mui­to mai­or do que se ima­gi­na. Co­mo se sa­be, as in­fluên­ci­as es­tão pre­sen­tes na cu­li­ná­ria, na me­di­ci­na e mais re­cen­te­men­te na gla­mou­ro­sa in­dús­tria de per­fu­ma­ria e cos­mé­ti­cos, pois es­sên­cia é o que mais a flo­res­ta tem. É tam­bém sur­pre­en­de a con­tri­bui­ção dos ín­di­os pa­ra a lín­gua por­tu­gue­sa fa­la­da e es­cri­ta no Bra­sil. Co­mo nos en­si­na o pro­fes­sor Fer­nan­do Sil­va em seu Pe­que­no Di­ci­o­ná­rio Tu­pi-Gua­ra­ni, é gran­de a in­fluên­cia des­ta, que é a mais im­por­tan­te fa­mí­lia lingüís­ti­ca in­dí­ge­na, so­bre o por­tu­guês bra­si­lei­ro.

Tu­pi-gua­ra­ni: o Bra­sil por de­fi­ni­ção

Pou­ca gen­te sa­be, mas vem do tu­pi-gua­ra­ni, por exem­plo, a ex­pres­são nhe­nhe­nhém, que fi­cou fa­mo­sa na bo­ca de lin­gua­jar cas­ti­ço (ou pos­ti­ço?) do ex-pre­si­den­te Fer­nan­do Hen­ri­que Car­do­so, quan­do ele pra­gue­ja­va con­tra a es­quer­da que o pro­vo­ca­va com o ape­li­do de ne­o­li­be­ral. Co­mo se diz aqui no in­te­ri­or, ape­li­do que pe­ga é aque­le que dei­xa o ape­li­da­do fu­ri­o­so. Mas co­mo ia di­zen­do, nhe­nhe­nhém em tu­pi sig­ni­fi­ca ta­ga­re­li­ce, fa­la­ção.

E quem nun­ca usou a ex­pres­são “fu­la­no es­tá ti­ri­ri­ca da vi­da”? É is­so mes­mo. Ti­ri­ri­ca tam­bém her­da­mos des­se lé­xi­co in­dí­ge­na e quer di­zer es­ta­do ner­vo­so das pes­so­as, além de er­va da­ni­nha, que faz um es­tra­go da­na­do nas plan­ta­ções. Ca­pim (meu ape­li­do de in­fân­cia) tam­bém es­tá lá, no idi­o­ma tu­pi, as­sim co­mo ca­noa e cuí­ca.

Ago­ra, fi­quei sur­pre­so mes­mo foi quan­do des­co­bri que ca­ri­o­ca em tu­pi é ca­sa do bran­co. Não sei por que de­ram aos na­ti­vos da ca­pi­tal flu­mi­nen­se um no­me com tal sig­ni­fi­ca­do. O Rio de Ja­nei­ro po­de ser tu­do, até ca­sa do bran­co, mas não a ca­sa do bran­co.

Lo­go o Rio, a ter­ra sa­gra­da da ma­cum­ba. E o que fa­lar do sam­ba do mor­ro, do sau­do­so e bom ma­lan­dro de al­ma ne­gra, de Car­to­la, de Ma­da­me Sa­tã - o te­mí­vel tra­ves­ti da noi­te da La­pa -, de um sem-nú­me­ro de mi­tos e per­so­na­li­da­des e de mi­lhões de anô­ni­mos ca­ri­o­cas de ori­gens afri­ca­nas?

Co­lo­car no­mes in­dí­ge­nas em Es­ta­dos e ci­da­des vi­rou tra­di­ção no Bra­sil. Pa­rá, quer di­zer rio; Pa­raí­ba, rio ruim, que não se pres­ta à na­ve­ga­ção. Se­guin­do a ló­gi­ca do idi­o­ma tu­pi-gua­ra­ni, é fá­cil des­lin­dar a sin­to­má­ti­ca tra­du­ção de pin­daí­ba, se­gun­do a ve­lha e boa gí­ria bra­si­lei­ra: pin­da é fal­ta de di­nhei­ro (o bra­si­lei­ro bem sa­be o que é), é coi­sa ruim mes­mo, ou iba, co­mo pre­fe­rem os ín­di­os. Mas vol­tan­do ao as­sun­to dos lu­ga­res ba­ti­za­dos com no­mes in­dí­ge­nas, ara­xá em tu­pi é on­de pri­mei­ro se avis­ta o sol, jus­ta­men­te co­mo ama­nhe­ce Ara­xá, a be­la ci­da­de his­tó­ri­ca en­cra­va­da nas mon­ta­nhas de Mi­nas Ge­rais.

Por fal­ta de in­for­ma­ção, po­lí­ti­cos ba­ti­za­ram mui­tos lo­gra­dou­ros pú­bli­cos com no­mes que em tu­pi-gua­ra­ni não são de bom agou­ro. Anhangüe­ra, que vi­rou ro­do­via em São Pau­lo, é di­a­bo ve­lho. Anhan­ga­baú, lo­ca­li­za­do no cen­tro da ca­pi­tal pau­lis­ta, é va­le do di­a­bo. E a mais be­la e mai­or flo­res­ta ur­ba­na do país, a Ti­ju­ca não me­re­ce o no­me que tem: ti­ju­ca sig­ni­fi­ca líqüi­do po­dre, ato­lei­ro. Tu­do bem que lá no meio da ma­ta de­ve ha­ver al­gu­ma área com es­sas ca­rac­te­rís­ti­cas, mas não que jus­ti­fi­que dar a to­da aque­la ma­ra­vi­lha um no­me de sig­ni­fi­ca­do tão de­sai­ro­so.

Bem hu­mo­ra­dos co­mo são, os ín­di­os cai­ri­am em gar­ga­lha­das se sou­bes­sem que aque­les ri­ca­ços do bair­ro homô­ni­mo da flo­res­ta mo­ram num lu­gar que em sua lín­gua quer di­zer líqüi­do po­dre. É co­mo se os mo­ra­do­res da Bar­ra da Ti­ju­ca es­ti­ves­sem cha­fur­da­dos no ato­lei­ro.

Mui­tos pais, na ho­ra de ba­ti­zar seus fi­lhos, são atraí­dos pe­la do­ce so­no­ri­da­de dos no­mes in­dí­ge­nas, uma prá­ti­ca que vi­rou mo­da e te­ve seu au­ge na dé­ca­da de 80, no ei­xo Rio-São Pau­lo (lê-se San­ta Te­re­za-Vi­la Ma­da­le­na). Mas é sem­pre bom con­fe­rir an­tes o que os no­mes in­dí­ge­nas que­rem di­zer, pois, ca­so con­trá­rio, o efei­to po­de ser uma de­sa­gra­dá­vel sur­pre­sa pa­ra os pais e uma frus­tra­ção pa­ra os fi­lhos.

É o ca­so em­ble­má­ti­co de Ara­ni, que sig­ni­fi­ca tem­po fu­ri­o­so. Eu co­nhe­ço uma Ara­ni as­sim, em São Pau­lo, e ago­ra en­ten­do que não é cul­pa de­la aque­le jei­to tem­pes­tu­o­so de ser. É coi­sa dos de­síg­ni­os da na­tu­re­za, que só os es­pí­ri­tos das flo­res­tas são ca­pa­zes de ex­pli­car.

Con­fes­so que sou mais che­ga­do em Ira­ce­ma, a eter­na e be­la mo­re­na dos lá­bi­os de mel, que é exa­ta­men­te o que Ira­ce­ma sig­ni­fi­ca em tu­pi-gua­ra­ni: lá­bi­os de mel.

Mau­rí­cio Cas­te­lo Bran­co, jor­na­lis­ta em Tu­pã e Bas­tos (na épo­ca)

Compartilhe