Eu ado­ro e co­nhe­ço mui­ta gen­te que de­tes­ta. Ou me­lhor: nun­ca pres­tou tan­ta aten­ção, mas pre­fe­re des­gos­tar de ca­ra pa­ra abre­vi­ar o tra­ba­lho de con­fe­rir. A pu­bli­ci­da­de tam­bém aju­da a im­po­pu­la­ri­zar es­se gê­ne­ro. No ve­rão, a Skol, em guer­ra con­tra a No­va Schin, lan­çou a pro­pa­gan­da da “ilha qua­dra­da”. Em con­tra­po­si­ção à “ilha re­don­da”, a qua­dra­da ti­nha um ban­do de pas­pa­lhos com Q.I. de pa­qui­der­me. O som que ro­la­va na ilha? Mú­si­ca eru­di­ta! Na ilha re­don­da, é cla­ro, rock and roll.

O fa­to é o se­guin­te: pa­ra quem não cos­tu­ma ou­vir mú­si­ca eru­di­ta, es­se gê­ne­ro po­de pa­re­cer, à pri­mei­ra vis­ta, da­ta­do, de­pres­si­vo ou res­tri­to a mo­men­tos es­pe­ci­ais co­mo ca­sa­men­to, so­le­ni­da­de de for­ma­tu­ra ou chá be­ne­fi­cen­te. É um er­ro. Co­mo pou­cos gê­ne­ros, o eru­di­to, su­pe­re­la­bo­ra­do, foi com­pos­to sob to­das as ins­pi­ra­ções hu­ma­nas e, por is­so mes­mo, é ca­paz de pro­vo­car emo­ções em to­das as fai­xas de sin­to­nia. Quer ale­gria ge­nuí­na? Ou­ça Ba­ch. Pre­fe­re ro­man­tis­mo? Ten­te Liszt. Al­go mais ele­tri­zan­te? A di­ca é Wag­ner. Mo­zart é es­pe­ci­al pa­ra se pen­sar em tu­do aqui­lo que trans­cen­de a re­a­li­da­de con­cre­ta.

Al­gu­mas mú­si­cas eru­di­tas tam­bém con­se­guem trans­por­tar o ou­vin­te pa­ra re­giões inex­plo­ra­das do in­cons­ci­en­te e ex­trair des­sas re­giões for­ças des­co­nhe­ci­das. Bo­le­ro é uma de­las. O com­po­si­tor Mau­ri­ce Ra­vel di­zia que Bo­le­ro po­dia ser re­su­mi­do em “17 mi­nu­tos de or­ques­tra sem mú­si­ca ne­nhu­ma”. Is­so por­que a com­po­si­ção se li­mi­ta a um te­ma de oi­to com­pas­sos, que se re­pe­tem ao lon­go dos 17 mi­nu­tos com di­fe­ren­tes acom­pa­nha­men­tos de or­ques­tra. Acon­te­ce que o te­ma é tão gran­di­o­so, que ul­tra­pas­sa es­sa re­pe­ti­ção pe­las ima­gens men­tais que con­se­gue pro­du­zir.

Ou­tra com­po­si­ção im­pres­si­o­nan­te é a No­na Sin­fo­nia, uma das mais co­nhe­ci­das de Be­etho­ven. Ela foi com­pos­ta quan­do o au­tor já es­ta­va com­ple­ta­men­te sur­do. Be­etho­ven ela­bo­rou men­tal­men­te as har­mo­ni­as an­tes de trans­fe­rir a pe­ça pa­ra a par­ti­tu­ra. O jor­na­lis­ta Pau­lo Fran­cis, um gran­de ou­vin­te de mú­si­ca eru­di­ta, acha­va a No­na Sin­fo­nia exa­ge­ra­da. Pa­ra ele, Be­etho­ven per­deu o sen­so da “jus­ta me­di­da” com o agra­va­men­to do pro­ble­ma au­di­ti­vo e aca­bou des­to­an­do es­sa sin­fo­nia do con­jun­to de sua obra. É um co­men­tá­rio, no mí­ni­mo, dis­cu­tí­vel.

Be­etho­ven tem pas­sa­gens in­te­res­san­tes em sua vi­da. Cons­ta que no seu úni­co en­con­tro com o com­po­si­tor Franz Schu­bert ne­nhu­ma pa­la­vra foi di­ta. Cer­ta vez, Schu­bert, um tí­mi­do in­cor­ri­gí­vel, compôs uma sé­rie de va­ri­a­ções so­bre uma co­nhe­ci­da mú­si­ca fran­ce­sa e de­ci­diu pre­sen­te­ar Be­etho­ven com a obra. Quan­do che­gou à ca­sa de­le, Schu­bert re­ce­beu do com­po­si­tor, já bem com­pro­me­ti­do pe­la sur­dez, um pe­da­ço de pa­pel e um lá­pis. Be­etho­ven que­ria que Schu­bert lhe ex­pli­cas­se um tre­cho da tal obra. Acon­te­ce que ele fi­cou tão ner­vo­so que saiu da ca­sa do com­po­si­tor sem dar qual­quer jus­ti­fi­ca­ti­va. Cla­ro que os dois nun­ca mais se vi­ram, es­pe­ci­al­men­te por­que Be­etho­ven era um tem­pe­ra­men­tal na­to.

Cho­pin, quem di­ria, tam­bém foi per­so­na­gem de uma his­tó­ria bi­zar­ra ocor­ri­da aqui mes­mo no Bra­sil. Meu pai, tes­te­mu­nha ocu­lar, é quem con­ta­va. Ima­gi­ne a ce­na: As­sis, dé­ca­da de trin­ta. Na ci­da­de­zi­nha, ha­via uma pe­que­na li­vra­ria e um li­vrei­ro pro­sa­dor e me­ti­do a bom co­nhe­ce­dor. Um dia, ele mos­trou ao meu avô um li­vro de um au­tor ale­mão com o se­guin­te co­men­tá­rio: “ve­ja o se­nhor co­mo es­ses ale­mães são da­na­dos. Por cau­sa de um pas­sa­ri­nho des­se “ta­ma­ni­nho”, fa­zem um li­vro des­sa gros­su­ra!”. E exi­biu, or­gu­lho­so, o li­vro, com le­tra gó­ti­ca na ca­pa du­ra e tre­zen­tas e tan­tas pá­gi­nas. Era uma bi­o­gra­fia de Cho­pin. Mas pa­ra o li­vrei­ro, era mes­mo um tra­ta­do so­bre o chu­pim, o pas­sa­ri­nho or­di­ná­rio que aco­mo­da seus fi­lho­tes no ni­nho do ti­co-ti­co.

Compartilhe