Impressões

Influências

domingo, 11 de julho de 2004 Texto de

Ago­ra há pou­co na rua, vol­tan­do do al­mo­ço, com a Fer e a Ana Cla­ra, saí-me com es­ta: - “pu­xa, mas que sá­ba­do so­rum­bá­ti­co!” Um pou­co an­tes, eu ha­via pas­sa­do no pos­to de com­bus­tí­vel, e o fren­tis­ta: - “o dia es­tá es­tra­nho...” Ho­je, as nu­vens en­trin­chei­ram-se no fir­ma­men­to co­mo se fos­sem de­fen­der-se nu­ma guer­ra, um céu cin­za e tris­to­nho re­co­bre nos­sa re­gião.

É cu­ri­o­so co­mo a re­do­ma na­tu­ral que nos en­vol­ve pro­vo­ca in­fluên­ci­as no ser hu­ma­no. Pes­qui­sas ci­en­tí­fi­cas con­clu­em que em paí­ses nór­di­cos ou em áre­as mais cin­zen­tas e fri­as do pla­ne­ta ele­va-se, por exem­plo, o ín­di­ce de sui­cí­di­os. Tam­bém são mais co­muns as ter­rí­veis de­pres­sões que afe­tam, ine­fa­vel­men­te, su­as ví­ti­mas.

No­to ou­tra cu­ri­o­si­da­de: quan­do eu dis­se “sá­ba­do so­rum­bá­ti­co”, fran­ca­men­te eu não quis in­cluir-me na tí­pi­ca so­tur­ni­da­de que um dia as­sim exa­la pa­ra, tal­vez, a mai­o­ria de nós. Não, eu não quis. Eu, na ver­da­de, dis­se is­so qua­se num tom de re­go­zi­jo. Não me es­tra­nhe, por fa­vor, mas de­vo sa­li­en­tar que acho es­ti­mu­lan­te vi­ver di­as cin­zen­tos em meio à es­ca­la­da de es­ta­ções bri­lhan­tes de um país tro­pi­cal co­mo o nos­so.

Tal­vez eu não su­por­tas­se es­ses di­as pa­ra sem­pre, mas uma vez ou outra...bem, vou con­fes­sar, eu gos­ta­ria que hou­ves­se um equi­lí­brio mai­or, vá lá: me­ta­de sol, me­ta­de nu­vens - nu­vens cin­zen­tas, nu­vens car­re­ga­das, nu­vens en­trin­chei­ra­das no fir­ma­men­to co­mo se fos­sem de­fen­der-se nu­ma guer­ra, as nu­vens con­tra a lu­mi­no­si­da­de do sol. Uns di­as ven­cem elas, ou­tros di­as ven­ce ele, e nós to­dos se­guin­do em fren­te, ca­da pou­co es­pi­an­do lá em ci­ma um pa­no­ra­ma da con­ten­da, es­ta sim uma guer­ra san­ta, um es­pe­tá­cu­lo, um show de be­las ima­gens, o sol ras­gan­do-as com seus rai­os fla­me­jan­tes, elas fe­chan­do-se em tor­no de­le, cin­gin­do-o num abra­ço ma­cio, e nós to­dos se­guin­do em fren­te.

Compartilhe